Tigranes VII

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Tigranes.

Tigranes VII da Arménia foi um rei da Arménia da dinastia arsácida, do período dividido entre o Império Romano e o Império Sassânida, tendo governado sob o protectorado sassânida entre o ano 339 e o ano 350. Foi antecedido no governo por Cosroes III da Armênia "o Pequeno" e foi sucedido pelo seu filho Ársaces II da Armênia.

Tigranes VII
Nascimento século IV
Reino da Armênia
Morte 358
Reino da Armênia
Cidadania Reino da Armênia
Etnia armênios
Progenitores
Filho(s) Ársaces II da Armênia, Artaxias, Tirídates, unnamed Arschakouni
Ocupação soberano

Em algum momento durante seu reinado o Sapor II (r. 309–379) lançou guerra contra o Império Romano e seus aliados, em primeiro lugar, perseguindo os cristãos que viviam na Pérsia e Mesopotâmia. A guerra de Sapor, e a captura de territórios, desferiram um forte golpe no prestígio dos romanos no Oriente. Finalmente, o xá invadiu a Armênia tomando como reféns os membros da família real, inclusive Tigranes, uma vez que foram traídos pelo camareiro de Tigranes.[1] Todos os membros de sua família tornaram-se prisioneiros políticos dos sassânidas e o rei, após ser acusado de conluio com Roma, foi cegado e jogado na prisão.[2]

Os nobres da Armênia, enfurecidos pela brutalidade de Sapor e seu tratamento com a família real armênia, pegaram em armas e lutaram contra ele e seu exército com a ajuda dos romanos. Eles, com sucesso, expulsaram Sapor da Armênia e o forçaram a firmar um tratado no qual libertou Anobes e os demais membros de sua família. Como Tigranes estava deprimido e cegado após sua experiência em cativeiro, ele abdicou o trono e Ársaces II o sucedeu como rei da Armênia em 350.[2]

Referências

  1. «ARMENIA AND IRAN ii. The pre-Islamic period» (em inglês). Consultado em 18 de setembro de 2013 
  2. a b Kurkjian 2008, p. 103.

BibliografiaEditar