Abrir menu principal
Tito Madi
Informação geral
Nome completo Chauki Maddi
Nascimento 12 de julho de 1929
Local de nascimento Pirajuí, São Paulo
Brasil
Morte 26 de setembro de 2018 (89 anos)
Local de morte Rio de Janeiro, RJ
Gênero(s) Samba-canção e Bossa nova
Instrumento(s) Voz e violão
Período em atividade 1952 - 2018
Gravadora(s) Continental, Columbia Records, CBS, EMI-Odeon e RCA
Afiliação(ões) Os Cariocas

Chauki Maddi, de nome artístico Tito Madi (Pirajuí, 12 de julho de 1929[1] - Rio de Janeiro, 26 de setembro de 2018[2]) foi um cantor e compositor brasileiro que teve relativo sucesso durante as décadas de 1950 e 1960 como intérprete e escritor de sambas-canções e junto à bossa nova. Gravado por diversos artistas dentro e fora da bossa nova é até hoje lembrado como compositor significativo nas carreiras de vários cantores, como Roberto Carlos[3] e Wilson Simonal.[4] Compositor da geração pré-bossa nova, teve influência sobre o movimento, com sambas-canções de harmonização moderna como "Cansei de Ilusões", "Sonho e Saudade", "Carinho e Amor", "Fracassos de Amor", "Gauchinha Bem-Querer", "Não Diga Não", "Balanço Zona Sul" e seu maior sucesso, "Chove lá Fora".[5]

Índice

CarreiraEditar

Nasceu numa família de músicos e seu pai tocava violão, bem como seus irmãos tocavam alaúde e bandolim. Essa influência fez com que aos dez anos Tito já cantasse em festas da escola. Sua fase de compositor começou no final da década de 40 quando, em 1949, compôs sua primeira música, intitulada "Eu Espero Você". Em 1952 mudou-se para São Paulo, indo trabalhar na Rádio Tupi, onde viu lançados seus primeiros compactos como cantor e compositor, alcançando relativo sucesso com o samba "Não Diga Não", pela Continental.[6]

Em 1954, mudou-se para o Rio de Janeiro para trabalhar na TV Tupi, mas continuou compondo e cantando em boates e rádios. Em 1957 lançou seu trabalho mais conhecido, a valsa "Chove lá Fora". O sucesso do compacto abriu caminho para o lançamento do seu primeiro álbum, intitulado com o nome daquela canção e no qual é acompanhado pelo pianista Ribamar e o seu conjunto. A música teve, ainda, uma versão em inglês, com o nome "It's Raining Outside", gravada por Della Reese e The Platters, além de vir a ser regravada pelos mais diversos artistas da época e posteriores.[6] Em 1959, muda para a gravadora Columbia Records e passa a trabalhar com o maestro Radamés Gnattali. Em 1961, troca novamente de gravadora, indo para a CBS onde passa a trabalhar com o maestro Lyrio Panicali.

Em 1963, Wilson Simonal grava várias músicas suas nos seus primeiros compactos, culminando com a gravação de Balanço Zona Sul no seu álbum de estréia, Tem "Algo Mais", obtendo êxito radiofônico e tornando-se o primeiro sucesso do cantor carioca.[4] A proximidade com a gravadora de Simonal faz com que Tito mude-se para a EMI-Odeon,[4] continuando a trabalhar com Lyrio Panicalli, mas também com o jovem Eumir Deodato.[6] Ficaria na Odeon até 1976 (com breve passagem na RCA Victor, em 1968), sempre com lançamentos com boas vendagens e compondo novas músicas.[6] A partir desta data, seus discos e músicas inéditas começam a rarear, mas continuava fazendo shows pelo país. Em 2001, lançou Ilhas Cristais.[5] Seu derradeiro disco foi Quero te Dizer que te Amo, de 2015.[7] A cantora Nana Caymmi prepara álbum dedicado ao repertório de Tito, ainda inédito.[8]

DiscografiaEditar

EstúdioEditar

  • 1957 - Chove lá Fora
  • 1957 - A Saudade Mata a Gente
  • 1958 - Sua Voz... Suas Composições
  • 1959 - Encontro no Sábado - Um LP para Namorados (em parceria com a cantora Nelly Martins)
  • 1959 - Quero-te Assim
  • 1959 - ...E a Chuva Continua
  • 1960 - Carinho e Amor (em parceria com Ribamar)
  • 1960 - Canção dos Olhos Tristes
  • 1960 - Romance
  • 1961 - Sonho e Esperança
  • 1963 - Amor e Paz
  • 1964 - De Amor se Fala
  • 1966 - Balanço Zona Sul e outros Sucessos
  • 1968 - Em Nova Dimensão
  • 1971 - A Fossa
  • 1972 - A Fossa Volume 2
  • 1973 - A Fossa Volume 3
  • 1974 - Canção de Amor - A Fossa Volume 4
  • 1976 - Carinho e Amor
  • 1987 - Quem É da Noite, Canta
  • 1992 - Samba Canção - Série Academia Brasileira de Música - Volume VII (em parceria com a cantora Dóris Monteiro)
  • 1995 - Tito Madi
  • 2001 - Ilhas Cristais
  • 2015 - Quero te Dizer que te Amo

Ao vivoEditar

  • 1985 - Tito Madi na Intimidade - Ao Vivo no Inverno & Verão

ColetâneasEditar

Referências

  1. Artur Xexéo (12 de julho de 2012). «Feliz aniversário, Tito Madi». O Globo. Consultado em 15 de maio de 2013 
  2. Mauro Ferreira (26 de setembro de 2018). «Morre Tito Madi, refinado estilista do samba-canção, aos 89 anos no Rio». Globo.com. Consultado em 26 de setembro de 2018 
  3. Evanize Sydow (1 de dezembro de 2001). «As Ilhas Cristais de Tito Madi». Página da Música. Consultado em 15 de maio de 2013 
  4. a b c ALEXANDRE, Ricardo. Nem vem que não tem: a vida e o veneno de Wilson Simonal. São Paulo: Globo, 2009. ISBN 978-85-750-4728-1.
  5. a b «Verbete Tito Madi». CliqueMusic. N.d. Consultado em 15 de maio de 2013 
  6. a b c d Ricardo Cravo Albin (n.d.). «Verbete Tito Madi». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 15 de maio de 2013 
  7. Mauro Ferreira (26 de setembro de 2018). «Tito Madi foi cantor e compositor moderno que depurou o drama das canções de amor e fossa». G1. Consultado em 26 de setembro de 2018 
  8. Mauro Ferreira (11 de maio de 2018). «Há nove anos sem lançar disco solo, Nana apronta álbum em tributo a Tito Madi». G1. Consultado em 26 de setembro de 2018 
  Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.