Tonino Guerra

Tonino Guerra (Santarcangelo di Romagna, 16 de Março de 1920 - Santarcangelo di Romagna, 21 de Março de 2012) foi um poeta, escritor e roteirista italiano que tem colaborado com alguns dos mais importantes realizadores do mundo.[1]

Tonino Guerra
Tonino Guerra na Pennabilli em 2011
Nascimento 16 de março de 1920
Santarcangelo di Romagna
Morte 21 de março de 2012 (92 anos)
Santarcangelo di Romagna
Nacionalidade Itália italiana
Ocupação poeta, escritor e roteirista
Prémios Prémio David (1981, 1984 e 1985)
Prémio Nonino
Prémio Pasolini

BiografiaEditar

Descendente de Cesare Zavattini um argumentista que definiu o estilo e amoral do neo-realismo italiano, Guerra diverge contudo do seu mentor: enquanto Zavattini conduzia os realizadores com quem colaborava para a sua especulação social e moral, Guerra vai ter com os realizadores e ajuda-os a ultrapassar o seu próprio conceito. Professor primário, durante a Segunda Guerra Mundial esteve preso num campo de concentração.

Tonino Guerra tem trabalhado com realizadores de diferentes identidades estéticas, sociais, políticas e cinemáticas. Entre esses há a referir Michelangelo Antonioni com L'avventura, La notte, L'eclisse, The Red Desert, Blowup, Zabriskie Point e Identification of a Woman; Federico Fellini com Amarcord; Theo Angelopoulos com Landscapes in the Mist, Eternity and a Day e The Weeping Meadow; Andrei Tarkovsky with Nostalghia e Francesco Rosi com as políticas militantes em Cristo si è fermato a Eboli, The Mattei Affair, Lucky Luciano e Exquisite Corpses.

Obras destacadasEditar

O poeta e narrador Guerra publicou diversas obras:

Em romagnoloEditar

O romagnolo é um (dialeto italiano falado na região da Romanha, na Itália e São Marinho).

  • I scarabócc, Faenza, 1946; com prefácio de, escrito entre 1944 e 1945 num campo de concentração.
  • La s-ciuptèda, Faenza, 1950
  • Lunario, Faenza, 1954
  • I bu (raccolta), Milão, 1972

Em italianoEditar

  • La storia di Fortunato (1952)
  • Dopo i leoni (1956)
  • L'equilibrio (1967)
  • L'uomo parallelo (1969)
  • I cento uccelli (1974)
  • Il polverone (1978)
  • Il miele (1981)
  • L'aquilone. Una favola senza tempo (com Michelangelo Antonioni) (1982)
  • La capanna (1985)
  • Il viaggio (1986)
  • Il libro delle chiese abbandonate , um livro de contos (1988), traduzido em Portugal (1ª ed. 1997) com o título "O livro das igrejas abandonadas", tradução de José Colaço Barreiros e introdução do conhecido jornalista Vicente Jorge Silva.
  • L'orto d'Eliseo (1989)

FilmografiaEditar

Como argumentista participou nos seguinte filmes:

PrémiosEditar

Referências

  1. «Great screenwriter Guerra dies at 92» (em inglês). 21 de Março de 2012. Consultado em 21 de Março de 2012 

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.