Abrir menu principal

Topônimos tupi-guaranis no Brasil

Antes do descobrimento do Brasil pelos portugueses no ano de 1500, já viviam ali populações de nativos, em grande parte falantes de línguas pertencentes à família linguística tupi-guarani. Estas línguas, em especial a língua tupi, geraram muitos dos atuais topônimos brasileiros. Uns, como Paquetá, Anhangabaú e Paraguaçu, já eram utilizados pelas populações indígenas antigas;[1] outros, como Uberaba, Cuiabá e Piracicaba, foram criados pelos bandeirantes para nomear as terras que eles iam desbravando no interior do país; outros, como Surubiú (atual Alenquer) e Arucará (atual Portel) foram criados com o avanço das missões católicas nos rios amazônicos; alguns são modernos, criados artificialmente, como Toritama e Itobi.[2][3]

Índice

RadicaisEditar

Alguns dos radicais mais comuns nas línguas tupi-guaranis são: pará- (rio grande), - 'y ou ty - (água ou rio), itá- (pedra), yby- (terra), ybyrá (madeira, árvore), oka - (casa), taba - (aldeia), pirá- (peixe), gûyrá- (pássaro), gûyrátinga - (garça), una (preto, escuro), -pyranga (vermelho) -pytanga (com tom pastel, aclareado), -tinga (branco, claro), -oby (verde ou azul), -gûasu (grande), -mirim (pequeno), -atã (duro), -katu (bom), -panema (imprestável, amarelo), -berab (brilhante), -sununga (que ressoa) e -tyba (ajuntamento).[4]

Lista de topônimosEditar

Nome tupi-guarani Significado
Abaeté (lagoa) terrífico, horroroso[5]
Andaraí rio dos morcegos[6]
Aracaju cajueiro dos arás (aves psitacídeas)[7]
Araçatuba ajuntamento de araçás[8]
Araraquara toca das araras ou dos ararás (variedade de formiga alada branca, semelhante ao cupim)[9]
Araruama lugar de as araras beberem água[10]
Atibaia cabelo crescido que os índios tinham sobre as orelhas[11]
Avaré padre[4]
Bariri coisa que treme, isto é, corrente veloz de rio em trecho de grande desnivelamento[12]
Barueri Flor Vermelha[13]
Bauru cesto de frutas[14]
Botucatu serra boa[15]
Butantã terra muito dura[16]
Caçapava lugar de se atravessar a mata[17]
Caraguatatuba ajuntamento de gravatás[18]
Catanduva ajuntamento de mata dura, isto é, de cerrado[19]
Curitiba ajuntamento de pinheiros[20]
Embu-Guaçu cobra grande[21]
Guararema pau-d'alho[22]
Guaratinguetá muitas garças[23]
Ibirapuera árvores velhas[24]
Iguaçu rio grande[25]
Iguatemi rio das canoas emproadas[26]
Indaiatuba ajuntamento de indaiás[27]
Ipanema rio amarelo, aziago, azarado, sem peixes[28]
Ipiranga rio vermelho[4]
Itabira pedra levantada[29]
Itaboraí rio das pedras brilhantes[30]
Itaim pedregulho[31]
Itaipu rio barulhento das pedras[32]
Itamarati rio das pedras pequenas[33]
Itacoatiara pedra pintada[34]
Itajaí rio das pedras que emergem
Itanhaém bacia de pedra (alusão a um aspecto do relevo fluvial da região)[35]
Itapetinga laje de pedra branca, pedra achatada branca[4]
Itapeva pedra chata (laje)[36]
Itaporanga pedra bonita[37]
Itaquaquecetuba ajuntamento de taquara-faca[38]
Itaquera pedra dormente, asilo de pedra[39]
Itararé bica que corre por cima ou por baixo de uma rocha[40]
Itatiaia pedra cheia de pontas[41]
Itatiba ajuntamento de pedras[42]
Iturama região de cachoeiras[43]
Jericoacoara tocas das tartarugas[44]
Ji-Paraná rio dos machados[45]
Mandaguari espécie de abelha[46]
Manhuaçu algodoeiros grandes[47]
Manhumirim algodoeiros pequenos[48]
M'Boi Mirim cobra pequena[4]
Pará rio grande[49]
Paraíba rio ruim[50]
Paraibuna rio ruim e escuro[51]
Paraitinga rio ruim e claro[52]
Paraná rio[53]
Paranaguá enseada do mar[54]
Paranapanema rio ruim, imprestável, de navegação difícil[55]
Pavuna lagoa escura[56]
Pejuçara caminho comprido[57]
Pindamonhangaba lugar de fazer anzóis[58]
Piracicaba lugar de chegar dos peixes[59]
Pirassununga estrondo de peixes[60]
Ponta Porã ponta bonita
Saquarema caramujos fedorentos[61]
Sorocaba rasgadura (da terra)[62]
Suarão (praia em Itanhaém) estrela Sirius[63]
Tabapuã aldeia redonda[4]
Taguatinga barro amarelo claro[64]
Tatuapé caminho de tatus[65]
Taubaté pedras altas[66]
Tijuca brejo, charco, água podre[67]
Ubatuba ajuntamento de canas-ubás, ou ajuntamento de canoas[68]
Uberaba água brilhante[69]
Uiraúna pássaros pretos[70]
Votorantim morro pontudo[71]
Votuporanga morro bonito[72]

Referências

  1. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 538-606.
  2. M.V. Dick
  3. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 538.
  4. a b c d e f NAVARRO, E. A. Método moderno de tupi antigo: a língua do Brasil dos primeiros séculos. Terceira edição. São Paulo. Global. 2005. 463 p.
  5. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 541.
  6. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 542.
  7. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 543.
  8. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 543.
  9. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 544.
  10. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 545.
  11. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 545.
  12. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 547.
  13. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 547.
  14. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 547.
  15. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 548.
  16. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 549.
  17. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 550.
  18. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 554.
  19. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 556.
  20. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 559.
  21. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 560.
  22. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 563.
  23. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 563.
  24. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 566.
  25. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 567.
  26. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 568.
  27. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 568.
  28. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 569.
  29. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 571.
  30. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 571.
  31. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 572.
  32. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 572.
  33. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 573.
  34. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 571.
  35. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 573.
  36. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 574.
  37. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 575.
  38. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 575.
  39. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 575.
  40. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 575.
  41. ECOMEK Consultoria Empresarial e Meio Ambiente (2013). «Plano de Manejo do Parque Nacional de Itatiaia - Encarte 3» (PDF). ICMBio. Consultado em 11 de fevereiro de 2019 
  42. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 576.
  43. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 577.
  44. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 581.
  45. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 582.
  46. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 1 076.
  47. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 585.
  48. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 585.
  49. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 590.
  50. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 590.
  51. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 590.
  52. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 590.
  53. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 590.
  54. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 547.
  55. Wikicionário: Paranapanema
  56. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 591.
  57. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 591.
  58. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 592.
  59. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 593.
  60. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 594.
  61. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 597.
  62. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 598.
  63. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 598.
  64. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 599.
  65. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 602.
  66. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 602.
  67. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 602.
  68. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 604.
  69. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 605.
  70. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 605.
  71. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 606.
  72. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 606.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar