Tríplice coroa internacional de futebol

Tríplice Coroa Internacional de Futebol é um caso particular de tríplice coroa, título não oficial dado a clubes de futebol, para o qual são consideradas apenas as competições oficializadas pela FIFA e pelas confederações continentais - UEFA da Europa; CONMEBOL da América do Sul; CONCACAF da América Central, América do Norte e Caribe; CAF da África; AFC da Ásia; e OFC da Oceania.[1]

Competições oficiaisEditar

Para clubes sul-americanosEditar

Os clubes sul-americanos têm a possibilidade de Tríplice Coroa apenas desde 1968, quando os vencedores da Copa Libertadores da América[2] passaram a disputar, além da Copa Intercontinental contra o campeão europeu [3], também a Copa Interamericana contra o campeão da Concacaf (apesar de essa última não ter acontecido todos os anos), onde os sul-americanos tinham perceptível vantagem técnica.[4] Grandes times dos anos 1960, como o Santos de Pelé ou o Peñarol de Cubilla não tiveram oportunidade de conquistar esse título.

A partir dos anos 1980, as possibilidades de Tríplice e até mesmo de Quádrupla coroa se ampliaram, com a criação da Recopa (1988)[5] e de algumas competições já extintas, como a Supercopa (1988-97),[6] a Copa Conmebol (1992-99),[7] a Copa Master da Supercopa (teve duas edições: 1992 e 1995), a Copa Ouro (teve três edições: 1993, 1995 e 1996), a Copa Master da Conmebol (1996) [8] e as Copas Mercosul e Merconorte (1998-2001).[9][10]

Em 2005, a Copa Intercontinental (1960–2004) foi substituída pelo Campeonato Mundial de Clubes da FIFA (2000; 2005–).[11]

Atualmente, o campeão da Copa Sul-Americana (disputada desde 2002) se classifica no ano seguinte para Copa Libertadores (vaga desde 2010), Recopa Sul-Americana e Copa Suruga Bank (inaugurada em 2008); ganhando a primeira ainda disputará a Copa do Mundo de Clubes da FIFA. O campeão da Libertadores disputará o Mundial, no mesmo ano, e a Recopa, no seguinte (além de garantir vaga para a próxima Libertadores). Desde 2017, o campeão da Sul-Americana da edição passada não tem mais vaga na Sul-Americana presente; de modo geral, desde essa temporada foi vetada a dupla classificação e a possibilidade de título no mesmo ano das duas competições,[12] sendo inaugurada a classificação para a Sul-Americana pelo terceiro lugar na fase de grupos da Copa Libertadores.

De acordo com as recomendações da Fifa, os critérios para ingresso nas competições oficiais passaram a ser exclusivamente de performance na temporada.

Para clubes da EuropaEditar

Na Europa, a Tríplice Coroa já era possível desde 1961, com a coexistência de 3 competições continentais - a Copa dos Campeões (desde 1956) [13], a Recopa Europeia (1961-99)[14] e a Copa das Feiras (1958-71),[15] mais tarde transformada na Copa da UEFA (desde 1972).[16] Mas era uma possibilidade muito remota, pela acirrada disputa das vagas a essas competições.

Em 1972, a criação da Supercopa Europeia,[17] a ser disputada entre os vencedores da Copa dos Campeões e da Copa da UEFA, facilitou a possibilidade de Tríplice Coroa Internacional para os clubes europeus.

Para clubes da ConcacafEditar

Clubes da América Central, América do Norte e Caribe disputam a Copa da Concacaf desde 1962,[18] e disputaram a Copa Interamericana entre 1968 e 1998, com exceção de alguns anos. Clubes mexicanos passaram a participar da Libertadores em 1998, e da Copa Sul-Americana em 2005, com possibilidade de chegar à Recopa e a Copa Suruga, mas não à Copa Intercontinental e posteriormente ao Mundial. Atualmente, entretanto, mexicanos não estão disputando mais campeonatos da CONMEBOL.

A confederação organizou duas competições hoje extintas, a Copa Gigantes da CONCACAF (2001) e a Recopa da CONCACAF (1991-1995). Em 2017 foi criada a Liga da CONCACAF.

Em 2005, o campeão da Concacaf passou a disputar o Mundial da FIFA.

Para clubes africanosEditar

Os clubes africanos têm a possibilidade de disputar a Copa Africana dos Campeões (desde 1964, mas chamada Liga dos Campeões da CAF a partir de 1997),[19] a Copa dos Vencedores de Copas (1975-2003),[20] a Copa da CAF ou Copa da Confederação Africana (desde 1992)[21] e a Supercopa Africana (também desde 1992).[22] De 1986 a 1998, o vencedor da Copa Africana dos Campeões disputava ainda a Copa Afro-asiática contra o campeão da Ásia.[23] E, desde 2005, passou a disputar o Mundial de Clubes da Fifa.

Ou seja: a possibilidade existe apenas desde 1992, porém, nenhum clube africano conseguiu conquistar uma Tríplice Coroa Internacional.

Para clubes asiáticosEditar

A Copa Asiática dos Campeões surgiu apenas em 1986,[24] embora competições semelhantes tenham sido disputadas, sem continuidade, entre 1967 e 1971. A Copa dos Vencedores de Copas passou a ser disputada em 1991.[25]

A Supercopa Asiática foi criada em 1995, mas extinta em 2002.[26] A Copa Afro-asiática só ocorreu entre 1986 e 1998. E o Mundial de Clubes da Fifa, com a inclusão de clubes asiáticos, foi criado em 2005.

Portanto, um clube asiático só poderia ter conquistado uma Tríplice Coroa Internacional a partir de 1991 - o que não chegou a acontecer.

Para clubes da OceaniaEditar

A Copa de Clubes da Oceania foi disputada experimentalmente em 1987 e depois em 1999 e 2001, mas só passou a ser uma competição regular anual a partir de 2004.[27] No ano seguinte, 2005, o campeão da Oceania passou a disputar o Mundial da Fifa. Mas não há uma terceira competição que eles possam disputar.

Casos registradosEditar

Até a temporada de 2020, há 28 casos registrados (por 18 times de 10 países) de Tríplice Coroa Internacional, sendo 15 europeus (por 7 times de 5 países) e 13 sul-americanos (por 11 times de 5 países):

  • Por países, a divisão de Tríplices Coroas é a seguinte: 7 para a Espanha, 5 para a Argentina, 4 para a Itália e Brasil, 2 para o Uruguai e Alemanha e 1 para Portugal, Holanda, Paraguai e Chile.

Na América do Sul, o Estudiantes (1968), o Nacional do Uruguai (1970), o Olimpia (1979) e o Vélez Sarsfield (1994) venceram Libertadores, Copa Interamericana e Intercontinental tendo no ano anterior sido o vencedor nacional; em 1991/92, o Colo-Colo, campeão chileno em 1990, venceu Libertadores, Interamericana e Recopa; São Paulo (1992/93) e Corinthians (2012/13) venceram Libertadores, Recopa e Intercontinental ou Mundial FIFA, tendo jogado a primeira como campeão nacional.

Na Europa, ganharam o nacional e no ano seguinte a trinca internacional (Champions, Supercopa da UEFA e Copa Intercontinental ou Mundial FIFA): Porto (1987), Milan (1989), Ajax (1995), Juventus (1996), Real Madrid (2002), Barcelona (2011) e Bayern de Munique (2020).[28][29][29]

Em itálico e negrito, caso de primeiro título e caso de bi consecutivo da principal taça continental, respectivamente.

América do SulEditar

EuropaEditar

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Confederações filiadas à Fifa». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  2. «Página da Conmebol sobre a Copa Libertadores da América». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  3. «Página da RSSSF sobre a Copa Intercontinental (1960-2004)». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  4. «Página da RSSSF sobre a Copa Interamericana (1968-1998)». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  5. «Página da Conmebol sobre a Recopa Sulamericana». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  6. «Página da RSSSF sobre a Supercopa Libertadores». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  7. «Página da RSSSF sobre a Copa Conmebol». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  8. «Página da RSSSF sobre a Copa Master da Conmebol». Consultado em 14 de janeiro de 2011 
  9. «Página da RSSSF sobre a Copa Mercosul». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  10. «Página da RSSSF sobre a Copa Merconorte». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  11. «Página da FIFA sobre o Mundial de Clubes». Consultado em 26 de agosto de 2010. Arquivado do original em 30 de abril de 2010 
  12. «Conmebol veta dupla classificação para Libertadores e Sul-Americana». globoesporte.com. Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  13. «Página da UEFA sobre a Copa dos Campeões». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  14. «Página da RSSSF sobre a Recopa Europeia». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  15. «Página da RSSSF sobre a Copa das Feiras». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  16. «Página da UEFA sobre a Copa da UEFA». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  17. «Página da UEFA sobre a Supercopa Europeia». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  18. «Página da Concacaf sobre a Copa dos Campeões». Consultado em 26 de agosto de 2010. Arquivado do original em 28 de outubro de 2011 
  19. «Página da CAF sobre a Copa Africana dos Campeões». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  20. «Página da CAF sobre a Copa dos Vencedores de Copas Africanas». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  21. «Página da RSSSF sobre a Copa da CAF». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  22. «Página da CAF sobre a Supercopa Africana». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  23. «Página da RSSSF sobre a Copa Afro-asiática». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  24. «Página da AFC sobre a Copa Asiática dos Campeões». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  25. «Página da AFC sobre a Copa dos Vencedores de Copas Asiáticas». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  26. «Página da RSSSF sobre a Supercopa Asiática». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  27. «Página da OFC sobre a Copa de Clubes da Oceania». Consultado em 26 de agosto de 2010 
  28. AHUVIA, Fernando H. «Especial: Corinthians é 'campeão de tudo' dentro de um ciclo | Goal.com». www.goal.com. Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  29. a b Ribeiro, Diego; Faber, Rodrigo (18 de julho de 2013). «'Campeão de tudo', Timão celebra fase e alcança status de europeus». globoesporte.com. Consultado em 9 de janeiro de 2022 
  30. Bolaños, Eduardo (29 de março de 2015). «Interamericana 1989: Nacional obtiene su 4a. copa internacional en cinco meses | CONMEBOL». conmebol.com. Consultado em 24 de dezembro de 2021 
  31. «Matéria do CLicRBS sobre a Tríplice Coroa 2007». Consultado em 24 de outubro de 2014 
  32. «Matéria do Globo Esportes sobre a Tríplice Coroa 2007». Consultado em 5 de setembro de 2010 
  33. AHUVIA, Fernando H. «Especial: Corinthians é 'campeão de tudo' dentro de um ciclo | Goal.com». www.goal.com. Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  34. «Corinthians lança camisa da 'Tríplice Coroa' após título da Recopa». Terra. Consultado em 6 de janeiro de 2022 
  35. «Com título corintiano, Tite fecha tríplice coroa continental». Gazeta do Povo. Consultado em 25 de agosto de 2019 
  36. Serra, Michael (12 de dezembro de 2012). «Há 19 anos, o bicampeonato mundial - SPFC». www.saopaulofc.net. Consultado em 24 de dezembro de 2021 
  37. Albuquerque, Karoline (26 de julho de 2011). «Mestre Telê Santana completaria 80 anos nesta terça-feira». JC. Consultado em 24 de dezembro de 2021 
  38. Globo, Acervo-Jornal O. «Telê Santana, do juvenil no Fluminense à consagração como técnico no São Paulo». Acervo. Consultado em 24 de dezembro de 2021 
  39. «Provocou! River vai com a tríplice coroa na camisa contra o Boca Juniors». Lance!. Consultado em 23 de dezembro de 2021