Transição presidencial de Donald Trump

Transição presidencial de Donald Trump
Trump for America[1]
Topo: Presidente Barack Obama e o Presidente-eleito Donald Trump no Salão Oval; Esquerda: Melania Trump e Michelle Obama na Sala Oval Amarela; Direita: Preparativos para a Posse presidencial no Capitólio dos Estados Unidos.
Fundação 9 de maio de 2016
Paralisação 20 de janeiro de 2017
Propósito Transição presidencial
Sede Washington, D.C.[2][3]
Filiação Partido Republicano
Líder Mike Pence[4]
Organização Donald Trump
Sítio oficial www.greatagain.gov

A transição presidencial de Donald Trump teve início com os planejamentos prévios liderados pelo Vice-presidente-eleito Mike Pence antes da vitória de Trump nas eleições presidenciais de 2016.[5] A transição foi liderada inicialmente por Chris Christie até sua substituição pelo próprio Presidente-eleito em 11 de novembro do mesmo ano.

Trump foi formalmente eleito pelo Colégio Eleitoral em 19 de dezembro de 2016. Os resultados foram certificados por uma sessão conjunta do Congresso dos Estados Unidos em Janeiro de 2017, com a conclusão do período transicional na posse presidencial em 20 de janeiro.[6]

ProcedimentosEditar

Em concordância com o Ato de Transição Presidencial de 2010, as equipes de transição candidatas recebem apoio da Administração de Serviços Gerais (GSA).[7][8] As equipes de transição dos candidatos presidenciais também podem tomar parte de fundos de equipe; os gastos orçamentários com a equipe transicional de Mitt Romney em 2012 foram de 8.9 milhões de dólares, por exemplo.[8]

Sob leis e costumes federais existentes, o candidato republicano tornou-se elegível ao recebimento de financiamento do governo desde que sua indicação foi oficializada na convenção nacional do partido.[9]

IncumbênciasEditar

Algumas das principais responsabilidades assumidas pela equipe de transição presidencial incluem a identificação e avaliação de candidatos para aproximadamente 4 mil postos de trabalho no governo dos Estados Unidos, cujo serviço seja sob apreciação do Presidente; organizar a ocupação das residências oficiais (Casa Branca, Number One Observatory Circle e Camp David); contactar o Comando Estratégico dos Estados Unidos para recebimento dos "Códigos Dourados"; e informar o alto escalão do governo sobre medidas políticas da nova administração.

Modificações recentesEditar

Uma lei aprovada pelo Congresso estadunidense em 2016 passou a exigir que o presidente incumbente estabeleça "conselhos de transição" a partir de junho do ano de eleição de modo a facilitar as questões protocolares envolvendo a transição de poder.[9][10]

No mesmo ano, a "National Academy of Public Administration", lançou um novo programa intitulado Transition 2016. Liderado por Ed DeSeve e David S. C. Chu, o programa foi descrito pela NAPA como um dos que proveem gerenciamento e consultoria aos candidatos presidenciais e suas respectivas equipes de transição.[11]

TransiçãoEditar

Pré-eleiçãoEditar

Em abril de 2016, representantes da campanha de Trump, assim como das campanhas de outros quatro candidatos republicanos, reuniram-se com representantes da Parceria de Serviços Públicos em Nova Iorque, onde receberam dois dias de treinamento sobre o processo de transição presidencial.[12] De acordo com um assessor a campanha de Trump, Corey Lewandowski, a campanha passou a implementar as recomendações recebidas durante o encontro.[13] No início de maio de 2016, após Trump presuntivamente tornar-se o candidato, dirigentes de sua campanha anunciaram a indicação de membros da equipe transicional nas "semanas seguintes". Segundo o jornal The New York Times, Trump teria convidado Jared Kushner para liderar os trabalhos da equipe de transição.[14] Corey Lewandowski e Paul Manafort cooperaram com Kushner na seleção de um líder de equipe.[15] Dias após, Trump anunciou que o então Governador de Nova Jérsei Chris Christie havia concordado em liderar a transição presidencial.[16]

 
Segundo setores da imprensa, Trump teria convidado Jared Kushner, seu genro, para liderar parte da transição presidencial. Posteriormente, Kushner seria empossado Alto Conselheiro Presidencial.[17]

Em 3 de junho de 2016, o Conselho da Agência de Diretores Transicionais realizou sua primeira reunião na Casa Branca para apresentar os planos de transição de cada um dos três maiores departamentos executivos; Trump e Clinton, entretanto, não enviaram representantes a esta primeira reunião. No mesmo período, a Casa Branca começou a transferência dos arquivos eletrônicos da Administração Obama para os Arquivos Nacionais para preservação.[18]

Os planos de transição foram duramente criticados por aparentemente ter desconsiderado outro planejamento recente quando selecionou somente uma equipe no fim de julho de 2016.[19] À época, Chris Christie nomeou Bill Palatucci, um procurador de Nova Jérsei, e um membro do Comitê Nacional Republicano para liderança do conselho; Palatucci passou a reunir-se com membros da equipe de transição de Mitt Romney pouco tempo após sua nomeação.[20] Enquanto isto, em 29 de julho, o Chefe de Gabinete da Casa Branca Denis McDonough e Christie realizaram uma pequena audioconferência para acordo de alguns procedimentos do período transicional. Durante a conferência, McDonough informou que Anita Breckenridge e Andrew Mayock seriam os "pontos de contato" da Casa Branca com a campanha de Trump. Nesta etapa também foi decidido sobre o espaço disponível para a equipe de Trump em um prédio da Avenida Pensilvânia, o que viria a ser confirmado em 2 de agosto.[21]

Durante a primeira semana de Agosto, a equipe de transição de Trump deu início aos seus trabalhos. No mesmo mês, William F. Hagerty, um antigo membro da equipe de Romney em 2012, foi nomeado diretor de nomeações e John Rader, assessor do senador Bob Corker no Comitê de Relações Externas do Senado, foi indicado como vice-diretor de nomeações.[22][23]

Nas semanas seguintes, representantes das campanhas de Trump e Clinton passaram a realizar diversas reuniões entre si e com representantes da Casa Branca com foco nos detalhes do processo de transição.[24]

Em outubro, foi divulgada a ampliação da equipe para mais de 100 pessoas, muitas das quais eram especialistas em política numa tentativa de compensar a falta de pessoal da área nas nomeações de Trump.[25] Como por exemplo a indicação de Robert Smith Walker, ex-presidente do Comitê de Ciências da Câmara dos Representantes, como conselheiro do programa espacial.[26]

Pós-eleiçãoEditar

 
Publicação do Departamento de Defesa informando as Forças Armadas sobre a futura transferência de comando.

Nas primeiras horas do dia 9 de novembro de 2016, veículos da imprensa relataram que Trump havia garantido votos suficientes no Colégio Eleitoral, podendo já ser considerado o 45º Presidente dos Estados Unidos. Clinton reconheceria sua derrota no fim do mesmo dia.[27][28]

Esquemas de segurançaEditar

Antes do retorno de Trump à sua residência privada na Trump Tower, o Serviço Secreto deu início a "inacreditáveis medidas de segurança", incluindo interditar completamente a Rua 56, reforçando uma muralha de caminhões de areia formada na noite anterior (uma tática contra possíveis carros bomba) e posicionando equipes táticas do Departamento de Polícia de Nova Iorque nas cercanias do edifício. Na mesma noite, a Administração Federal de Aviação determinou restrição aérea sobre a parte central de Manhattan.[29][30][31]

Investimentos de TrumpEditar

Após a eleição, Trump transferiu o controle de sua organização aos demais executivos, incluindo seus três filhos mais velhos - Donald Jr., Ivanka e Eric.[32] De acordo com um comunicado emitido em 11 de novembro, a empresa encontrava-se em "processo de veto de várias estruturas com a finalidade de transferir imediatamente o controle da Trump Organization e seu corpo de dirigentes."[33][34]

Em coletiva de imprensa de 11 de janeiro de 2017, Trump confirmou sua renúncia de todos os cargos e ações associadas a Trump Organization até o Dia da Posse Presidencial (20 de janeiro). Todo seu patrimônio passaria a ser gerido pelos filhos Donald Jr. e Eric juntamente com seu assessor financeiro Allen Weisselberg. Trump, no entanto, permanece como proprietário formal de todos estes investimentos.

Início do processo de transiçãoEditar

 
Página inicial do site de Trump lançado em 9 de novembro de 2016.

Logo no início da tarde de 9 de novembro, o Presidente incumbente Barack Obama realizou um breve comunicado no Jardim Rose da Casa Branca, anunciando que havia se comunicado com Trump na noite anterior e o convidado formalmente a visitar a residência no dia seguinte para discussões sobre "uma transição bem-sucedida entre nossas presidências". Obama afirmou ter instruído sua equipe a "seguir o exemplo" da Administração Bush em 2008, que segundo ele "não poderia ser mais profissional ou gentil em assegurar que estávamos em uma transição pacífica".[35][36]

No mesmo dia, o Secretário de Defesa Ash Carter publicou um memorando às Forças Armadas afirmando a formação de uma nova Autoridade de Comando Nacional.[37] Também em 9 de novembro, a Comunidade de Inteligência emitiu o primeiro Relatório Diário Presidencial a Trump e Mike Pence.[38][39]

 
Dois dias após a eleição, Obama recebe Trump no Salão Oval da Casa Branca.

À tarde de 9 de novembro, um website - greatagain.gov - foi lançado, tratando de assuntos ligados ao período de transição. O portal oferecia informações sobre os procedimentos e relatórios à imprensa, mas acabou sendo criticado por somente reproduzir conteúdo previamente publicado pela Partnership for Public Service.[40][41] O presidente da organização refutou as críticas, afirmando cooperou com as principais campanhas no período de transição e explicando que esperava tornar o material "um fonte voltada ao aprimoramento das transições".[42] O conteúdo do website era possuía License 4.0 da Creative Commons.[43]

Às 11 da manhã (horário local) de 10 de novembro, o Presidente e o Presidente-eleito tiveram um encontro privado de 90 minutos na Casa Branca, seguido de uma reunião aberta no Salão Oval com a presença de vários jornais, como Voice of America, Bloomberg, Associated Press, ABC News, entre outros.[44] Durante o encontro, Trump agradeceu a Obama pela reunião e afirmou considerá-lo para futuros aconselhamentos. De acordo com Trump, Obama convenceu-lhe a preservar alguns aspectos do Obamacare.[45]

Modificações no gabineteEditar

Nomeações de gabineteEditar

Desde sua campanha eleitoral, Donald Trump já havia indicado os nomes de seus secretários de governo. Todos os cargos, exceto os de Chefe de Gabinete e de Vice-presidente, requerem a aprovação e consenso do Senado dos Estados Unidos após a nomeação presidencial.

Em 30 de novembro, o jornal Politico, que considerou as nomeações de Trump mais conservadores com relação aos presidentes anteriores, descreveu-o como "firme em sua intenção de construir um sonho conservador com Republicanos festejando e liberais desesperados."[46] Por outro lado, o The Wall Street Journal afirmaria ser "quase impossível identificar uma inclinação ideológica clara nas nomeações do gabinete" de Trump.[47]

Editores do The Washington Post observaram que o gabinete de Trump seria o "mais rico na história moderna americana", considerando o perfil financeiro dos indicados.[48] O jornal também afirmou que enquanto algumas das nomeações de Trump consistiam em "seus mais controversos aliados" como Bannon, Flynn e Sessions, outras nomeações tinham puramente "a marca de Mike Pence".[49]

BibliografiaEditar

  • Henry A. Giroux, “Challenging Trump’s Language of Fascism,” Truthout, Jan. 9, 2018.
Gabinete do Presidente-eleito Donald J. Trump
Cargo Indicado Data de nomeação Cargo Indicado Data de nomeação
 
Vice-presidente
 
Mike Pence
8 de novembro de 2016  
Procurador-geral
 
Jeff Sessions
18 de novembro de 2016
 
Secretário de Saúde
 
Tom Price
29 de novembro de 2016  
Secretário de Estado
 
Rex Tillerson
13 de dezembro de 2016
 
Secretário do Tesouro
 
Steven Mnuchin
30 de novembro de 2016  
Secretário de Defesa
 
James Mattis
1 de dezembro de 2016
 
Secretário do Interior
 
Ryan Zinke
15 de dezembro de 2016  
Secretário de Agricultura
 
Sonny Perdue
18 de janeiro de 2017
 
Secretário de Comércio
 
Wilbur Ross
30 de novembro de 2016  
Secretário do Trabalho
 
Andrew Puzder
8 de dezembro de 2016
 
Secretário de Habitação
 
Ben Carson
5 de dezembro de 2016  
Secretária de Transportes
 
Elaine Chao
29 de novembro de 2016
 
Secretário de Energia
 
Rick Perry
14 de dezembro de 2016  
Secretário de Educação
 
Betsy DeVos
23 de novembro de 2016
 
Secretário de Assuntos dos Veteranos
 
David Shulkin
11 de janeiro de 2016  
Secretário de Segurança Interna
 
John F. Kelly
7 de dezembro de 2016
Secretarias de Gabinete
 
Chefe de Gabinete da Casa Branca
 
Reince Priebus
13 de novembro de 2016  
Representante às Nações Unidas
 
Nikki Haley
23 de novembro de 2016
 
Administrador da Agência
de Proteção Ambiental
 
Scott Pruitt
7 de dezembro de 2016  
Representante de Comércio
 
Robert Lighthizer
3 de janeiro de 2017
Fonte: NPR[50]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Fang, Lee (8 de novembro de 2016). «Donald Trump Recruits Corporate Lobbyists to Select His Future Administration». The Intercept 
  2. «With only one possible winner, Trump and Clinton build White House transition team». Fox News. 7 de agosto de 2016 
  3. Jackson, Herb (26 de junho de 2016). «Jackson: Transition teams get a head start on the White House». The Record (Bergen County) 
  4. «Trump transition tests outsider's governing ability». WAFF-TV 
  5. Osnos, Evan (26 de setembro de 2016). «President Trump's First Term; His campaign tells us a lot about what kind of Commander-in-Chief he would be». The New Yorker 
  6. Williams, Janice (14 de novembro de 2016). «Donald Trump Inauguration 2017: When, Where And How To Get Tickets To Inaugural Ceremony». IB Times 
  7. Parker, Ashley (17 de agosto de 2012). «Campaigning Aside, Team Plans a Romney Presidency». The New York Times 
  8. a b Fund, John (13 de janeiro de 2013). «What Was Romney Planning?». National Review 
  9. a b Berman, Russell (1 de março de 2016). «Congress Tells Obama to Start Planning His Departure». The Atlantic 
  10. Bassets, Marc (9 de novembro de 2016). «De saída da Casa Branca, Obama tenta reforçar seu legado». El País 
  11. «Academy Launches Presidential Transition 2016 Initiative». National Academy of Public Administration. Consultado em 30 de novembro de 2016. Arquivado do original em 4 de maio de 2016 
  12. Davis, Julie Hirschfeld (21 de abril de 2016). «In an Age of Terror, an Early Start on the Presidential Transition». The New York Times 
  13. «Trump Campaign Upends the Science of Presidential Transition». Bloomberg. 6 de maio de 2016 
  14. «Trump Asks His Son In Law Jard Kushner To Plan for a Transition Team». The New York Times. 6 de maio de 2016 
  15. Watkins, Eli (6 de maio de 2016). «Report: Trump asks son-in-law to help prepare for White House transition». CNN 
  16. O'Donnell, Kelly (9 de maio de 2016). «Donald Trump Taps Chris Christie to Lead Transition Team». NBC News 
  17. «Trump, Pence preside over East Room ceremony to swear in senior staff». Washington Post. 22 de janeiro de 2017 
  18. «White House initiates transition planning with meetings, data transfers». Federal News Radio. 6 de junho de 2016 
  19. Peoples, Steve (29 de julho de 2016). «Huge task of creating transition team will test Trump's ability to govern». Press Herald 
  20. «Donald Trump starts building transition comittee». Politico. 31 de julho de 2016 
  21. Wheaton, Sarah (29 de julho de 2016). «White House talks transition with both campaigns». Politico 
  22. Rogin, Josh (3 de agosto de 2016). «Top Corker aide joins Trump transition team». Washington Post 
  23. «With only one possible winner, Trump and Clinton build White House transition team». FOX News. 7 de agosto de 2016 
  24. «White House meets Clinton and Trump transitions teams as election approaches». Washington Post. 28 de outubro de 2016 
  25. «Trump transition trying to raise $100,000». Politico. 27 de outubro de 2016 
  26. Fous, Jeff (27 de outubro de 2016). «Election only the start of a long-term NASA transition». SpaceNews 
  27. «Highlights of Hillary Clinton's Concession Speech and President Obama's Remarks». The New York Times. 11 de novembro de 2016 
  28. «Clinton reconhece que derrota é dolorosa e convoca militantes a manter ânimo». Agência Brasil. 9 de novembro de 2016 
  29. Winter, Tom (9 de novembro de 2016). «NYPD, Secret Service Upping Security at Trump Tower for President-Elect Donald Trump». WNBC-TV 
  30. «Trump Tower surrounded by new unbelieveble secutiry measures». WABC-TV. 9 de novembro de 2016 
  31. «Trump Tower Is Now Heavily Fortified Behind Big Concrete Barriers». Gothamist. 9 de novembro de 2016. Consultado em 29 de janeiro de 2017. Arquivado do original em 12 de novembro de 2016 
  32. Samuelsohn, Darren (10 de novembro de 2016). «Trump's kids to run businesses via 'blind trust,' Trump attorney says». Politico 
  33. «Trump Organization planning 'immediate transfer' to kids, executives». Politico. 11 de novembro de 2016 
  34. Blake, Aaron (11 de novembro de 2016). «Donald Trump's questionable 'blind trust' setup just got more questionable». Washington Post 
  35. «President Obama speaks on the Results of the Election». Casa Branca. 9 de novembro de 2016 
  36. Robinson, Martin (9 de novembro de 2016). «President Obama calls to congratulate Trump and invite him to White House to discuss the transition of power after telling Americans the 'sun will still rise' in somber election night speech». Daily Mail 
  37. «Secretary of Defense Ash Carter sends memo to staff demanding peaceful transition of power». The Week. 9 de novembro de 2016 
  38. «The Latest: FAA imposes restrictions over Trump Tower». WKOW-TV. 9 de novembro de 2016 
  39. «Trump receives first Presidential Daily Briefing». CNN. 15 de novembro de 2016 
  40. «Trump lança site e convida população a se juntar ao novo governo». Estadão Internacional. 10 de novembro de 2016 
  41. «45». Politico. 9 de novembro de 2016 
  42. Scola, Nancy (25 de novembro de 2011). «Trump transition website lifts passages from nonpartisan nonprofit». Politico 
  43. «Copyright Information». greatagain.gov 
  44. «What's Happening». Casa Branca 
  45. «Donald Trump open to amend Obamacare». CBS News. 11 de novembro de 2016 
  46. Restuccia, Andrew; Cook, Nancy; Woellert, Lorraine (30 de novembro de 2016). «Trump's Conservative Dream Team». Politico 
  47. Seib, Gerald (5 de dezembro de 2016). «Donald Trump Shuffles the Ideological Deck». The Wall Street Journal 
  48. Tankersley, Jim; Swanson, Ana (30 de novembro de 2016). «Donald Trump is Assembling the Richest Administration in Modern American History». The Washington Post 
  49. Wagner, John; Sullivan, Sean (3 de dezembro de 2016). «Trump's Emerging Cabinet is Looking Less Trumpian than Expected». The Washington Post 
  50. «Who's Who In the Future Trump Administration». National Public Radio. 18 de novembro de 2016