Tratado de Adams-Onís

O Tratado de Adams-Onís[1] ou Tratado de Transcontinentalidade de 1819[2] the Florida Purchase Treaty,[3] (antigamente intitulado Tratado de amizade, acerto de diferenças e limites entre sua Majestade católica e os Estados Unidos da América e algumas vezes denominado Florida Purchase Treaty ou Tratado da Florida de 1819)[4][5] foi o resultado da negociação entre Espanha e Estados Unidos da América para fixar a fronteira entre a nação norte-americana e o então vice-reino da Nova Espanha.

Tratado de Adams-Onís
País Estados Unidos
Tipo de documento tratado, demarcação de fronteiras
Mapa que mostra o resultado do Tratado de Adams-Onís.
Florida Espanhola em 1810, segundo os historiadores dos EUA - o limite reivindicado pela Espanha na Flórida Ocidental chegava por norte até ao paralelo 32° N, e é grande parte dos actuais estados de Mississippi e Alabama.

Luis de Onís foi o representante do rei Fernando VII de Espanha e pelos estado-unidenses o secretário de estado John Quincy Adams. A negociação iniciou-se em 1819 e embora se assinasse nesse mesmo ano não foi ratificado senão em 22 de fevereiro de 1821 por ambas as partes.

A fronteira foi fixada para além do rio Sabine e do Arkansas até ao paralelo 42 N, e como consequência imediata a Espanha perdeu as suas possessões além dessa latitude, como aconteceu com o território do Oregon, e também perdeu definitivamente a Flórida, a Louisiana (antes Nova Espanha) e a possibilidade de navegar pelo rio Mississippi. A Coroa Espanhola ficou como única soberana do Texas, território que os Estados Unidos reclamavam como parte da Louisiana e comprada aos franceses em 1803.

O tratado foi benéfico para as duas partes. No caso de Espanha, recebia a soberania do Texas por troca com a soberania, que de facto não tinha, da Flórida. Além disso, os territórios do Oregon eram muito remotos e sem nenhum valor comercial. Os Estados Unidos ganharam a sua transcontinentalidade, a Florida e o território sem fronteiras definidas do Oregon, o qual seria um tema de discussão entre a Grã-Bretanha (no território do Canadá) e os Estados Unidos.

O tratado foi ratificado em 1832 pelo México e Estados Unidos. Assim a fronteira ficaria fixada desta maneira até que em 1848 quando após a guerra Mexicano-Americana o México perderia definitivamente estes estados pelos tratados derivados desta invasão. Como resultado a fronteira Estados Unidos-México seria fixada pelo curso do rio Bravo, também chamado rio Grande do Norte.

Ver tambémEditar

  • Destino manifesto
  • Luis Onís, "Negociação com os Estados Unidos da América" em Memória sobre as negociações entre Espanha e os Estados Unidos da América, prólogo de Jack D.L. Holmes, Madrid, José Porrúa, 1969.

Referências

  1. Crutchfield, James A.; Moutlon, Candy; Del Bene, Terry (26 de março de 2015). The Settlement of America: An Encyclopedia of Westward Expansion from Jamestown to the Closing of the Frontier. [S.l.]: Routledge. p. 51. ISBN 978-1-317-45461-8. The formal name of the agreement is Treaty of Amity, Settlement, and Limits Between the United States of America and His Catholic Majesty. 
  2. The Oxford Encyclopedia of American Military and Diplomatic History. [S.l.]: OUP USA. 31 de janeiro de 2013. p. 5. ISBN 978-0-19-975925-5 
  3. Danver, Steven L. (14 de maio de 2013). Encyclopedia of Politics of the American West. [S.l.]: SAGE Publications. p. 147. ISBN 978-1-4522-7606-9 
  4. Weeks, p.168.
  5. A History of British Columbia, p. 90, E.O.S. Scholefield, British Columbia Historical Association, Vancouver, British Columbia 1913[ligação inativa]

Ligações externasEditar