Abrir menu principal
Trio Parada Dura
A dupla durante um show realizado no dia 21 de abril de 2008, em Belo Horizonte-MG.
Informação geral
País  Brasil
Gênero(s) Sertanejo
Período em atividade 1973 - atualmente
Gravadora(s) Chororó Discos, Copacabana, Warner Music Brasil, EMI Brasil, Atração Fonográfica, Deckdisc, Radar Records, Som Livre, Universal Music Brasil
Integrantes Creone
Parrerito
Xonadão
Ex-integrantes
Delmir
Delmon
Barrerito
Leone
Leonito
Mangabinha
Página oficial www.trioparadadura.art.br

Trio Parada Dura é um conjunto musical brasileiro de música sertaneja. Após figurar nas paradas de sucesso com várias canções, o grupo estourou em todo o Brasil no ano de 1985 com a música "As Andorinhas".

HistóriaEditar

Desde 1973, o Trio Parada Dura faz parte da cena sertaneja brasileira. Recebeu ao longo da carreira 11 discos de ouro e três de platina. O trio construiu sua personalidade sobre uma base que conta com letras irreverentes e músicas de enorme apelo popular. Formado em 1975 por Mangabinha, Barrerito e Creone - único remanescente da formação original do grupo - o Trio Parada Dura continua compondo novas músicas.

O Trio Parada Dura teve três formações [1]: Delmir, Delmon e Mangabinha na primeira formação, em 1973. Mangabinha ficou com os direitos do nome "Trio Parada Dura" ao ser desfeita a formação. Conheceu Creone e Barrerito (que já cantavam juntos) e os convidou pra formar a segunda geração do trio, isso em 1975, e com essa formação ficaram conhecidos nacionalmente.

Em 1981, com o lançamento do LP Último Adeus, atingiram o sucesso nacional interpretando "Fuscão Preto" e Arapuca", que se tornaram dois dos maiores clássicos da música sertaneja brasileira. Em 1983, mais sucesso, desta vez com "Panela Velha", do LP Alto Astral. Com "Bobeou a Gente Pimba", do LP Astro Rei, de 1987, repetiram o sucesso e registraram mais um clássico da música caipira.

Em 6 de setembro de 1982, na cidade de Espírito Santo do Pinhal, estado de São Paulo, os integrantes sofreram um acidente aéreo e Barrerito ficou paraplégico. Ocupou então, provisoriamente, o seu lugar o irmão Parrerito, enquanto estava em tratamento. Após o retorno, Barrerito ficou por pouco tempo com o grupo, pois se sentia um estorvo por se locomover em uma cadeira de rodas, partindo então para uma carreira solo, lançando em 1987 seu primeiro LP, emplacando em todo o país com a música "Onde Estão os Meus Passos", seguido dos sucessos "Juventude Que Perdi", "Sentidos", "Amaremos", "Disque o 9″, "Morto por Dentro".

Parrerito entrou, então, definitivamente no grupo, ocupando o lugar de seu irmão Barrerito. Com essa formação, que durou até 1992, o grupo lançou os álbuns Nos Braços do Povo, De Ontem Pra Hoje, Palavra de Honra e Gigante Iluminado. Em 1998, Barrerito, Creone e Voninho formaram o Trio Alto Astral, que teve vida curta, devido à morte por infarto do cantor Barrerito poucos meses após a formação do grupo. Depois da morte de Barrerito, o Trio Alto Astral entrou na sua segunda formação com Voninho, Rio Preto e Ribeirão. Em 2008, Voninho morreu vitima de dengue hemorrágica e Rio Preto e Ribeirão passaram a cantar em dupla sertaneja.

O Trio Parada Dura retornou em 1999 com sua terceira formação (Creone, Parrerito e Mangabinha), gravando ainda Tapete Colorido (1999), Brilhante (2001) e Pra Furar o Couro (2006), mas se desfez em 2006. Creone e Parrerito formaram uma dupla, sendo respectivamente segunda e primeira vozes, intitulado de Os Parada Dura, que mais tarde tornou-se novamente trio com a presença do sanfoneiro Xonadão. Em 2013, o trio mudou de nome para Trio do Brasil[2].

O Trio Parada Dura retornou novamente em novembro de 2007, com sua quarta formação (Leone, Leonito e Mangabinha). Em 2008, lançou o CD AS 20+ e em 2009, lançou o álbum Taça de Ouro, com 15 obras de autoria do compositor José Amâncio, em parceria com outros compositores (Lauri, Edna Teixeira, Leonito, Douglas, Wanderley e o próprio Mangabinha). Ainda em 2009, lançaram mais um CD intitulado 14 Novidades pela gravadora Garça, com a produção de Teodoro, da dupla Teodoro e Sampaio. Ao longo da carreira, receberam 10 discos de ouro.

Nos anos 2000, houve um litígio judicial entre Mangabinha e os outros dois integrantes, Parrerito e Creone. Ambas as partes reivindicaram o direito de explorar o nome “Trio Parada Dura”, mas Mangabinha ficou com o registro.

Parrerito e Creone registraram, então, ao lado do sanfoneiro Xonadão, o Trio do Brasil e lançaram em 2013 o CD/DVD 40 Anos Ao Vivo, pela gravadora Som Livre.

Em 2015, após o falecimento de Mangabinha[3], a família cedeu o direito de explorar o nome "Trio Parada Dura" para Parrerito, Creone e Xonadão, e assim formaram a quinta e atual formação do trio.

Em 2016, a atual formação gravou o CD/DVD, intitulado Chalana, Churrasco e Viola, durante dois dias e contou com paisagens naturais, como cachoeiras e pôr do sol, como cenário. Já de noite, o espaço se transformava em uma boate. Na chalana, além dos artistas, estavam cerca de 50 convidados, incluindo Marília Mendonça, Zé Neto & Cristiano e Eduardo Costa.[4] O álbum foi lançado pela gravadora Universal Music em 2017.[5]

DiscografiaEditar

Primeira formação: (Delmir, Delmon e Mangabinha)[6]

1973 - Vida de Minha Vida
1973 - Quero Falar Com Alguém
1974 - Repertório de Ouro

Segunda formação: (Creone, Barrerito e Mangabinha)

1975 - Castelo de Amor
1976 - Mineiro Não Perde Trem
1977 - Casa da Avenida
1978 - Homem de Pedra
1978 - Cruz Pesada
1979 - Beco sem Saída
1980 - Blusa Vermelha
1981 - Último Adeus
1983 - Luz da Minha Vida
1983 - Alto Astral
1984 - Barco de Papel
1985 - Perdão Senhor
1987 - Astro Rei

Terceira formação: (Creone, Parrerito e Mangabinha)

1988 - Nos Braços do Povo
1990 - De Ontem Para Hoje
1991 - Palavra de Honra
1992 - Gigante Iluminado
1999 - Sempre
2001 - Brilhante
2002 - Tapete Colorido
2006 - Pra Furar o Couro

Quarta formação: (Leone, Leonito e Mangabinha)

2008 - As 20+
2009 - Taça de Ouro
2009 - 14 Novidades
2009 - As Românticas
2013 - 1000 Motivos

Quinta formação: (Creone, Parrerito e Xonadão)

2011 - Nossa Estrada
2013 - 40 Anos Ao Vivo (CD/DVD)
2017 - Chalana, Churrasco e Viola (Ao Vivo)


2019 - Pensa Num Trem Que Dói

Referências

  1. «Trio Parada Dura». Radio Terra. Consultado em 13 de setembro de 2009 
  2. «Parada Dura». Palco MP3. Consultado em 13 de setembro de 2009 
  3. «Fundador do Trio Parada Dura, Mangabinha morre aos 73 anos em BH» 
  4. «Trio Parada Dura grava DVD com participação de Marília Mendonça». Ego 
  5. Marzano, Francielle. «Trio Parada Dura volta e faz parcerias com novos sertanejos como Marília Mendonça». Estado de Minas 
  6. «Trio Parada Dura». Música Popular. Consultado em 13 de setembro de 2009 

Ligações externasEditar

   Este artigo sobre uma banda ou grupo musical do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.