Abrir menu principal

Tritão-marmoreado

espécie de anfíbio
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTritão-marmoreado
Triturus marmoratus1.JPG
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Amphibia
Ordem: Caudata
Família: Salamandridae
Género: Triturus
Espécie: T. marmoratus
Nome binomial
Triturus marmoratus
(Latreille, 1800)
Distribuição geográfica
Verde: tritão-marmoreado Azul: tritão-marmoreado-pigmeu
Verde: tritão-marmoreado
Azul: tritão-marmoreado-pigmeu

O tritão-marmoreado ou tritão-verde (Triturus marmoratus) é uma espécie de anfíbio caudado pertencente à família Salamandridae.

Índice

DescriçãoEditar

O tritão-marmoreado tem cor castanha-escura ou preta, apresentando manchas verdes de forma irregular. Os machos adultos tem uma risca branca ou bege na cauda e apresentam uma crista dorsal durante a época de reprodução. Esta risca é relativamente pequena comparada com as dos seus parentes, os tritões-de-crista, e ligeiramente maior do que a da sua espécie-irmã, o tritão-marmoreado-pigmeu. As fêmeas e juvenis não apresentam crista dorsal, mas sim uma risca vermelha ou alaranjada. A barriga pode ir desde o bege até ao preto, podendo apresentar um número variável de manchas brancas ou pretas.

Distribuição geográficaEditar

O tritão-marmoreado pode ser encontrado no sudoeste de França e no centro de Espanha e Portugal. Embora sejam bastante comuns nestas áreas, não são facilmente encontrados pois normalmente permanecem em locais escondidos, como debaixo de troncos caídos, rochas, ou outros locais húmidos. Durante a época de reprodução que vai de Janeiro até Maio, podem ser encontrados em charcos, valas, tanques, poços e outros locais com água estagnada.

Em França, ocorre em simpatria com o tritão-de-crista.[1] A Sul, está em parapatria com o tritão-marmoreado-pigmeu.[2] O limite de distribuição desta duas espécies acompanha aproximadamente o Sistema Central em Espanha, com o tritão-marmoreado ocupando as vertentes Norte e o pigmeu a ocupar as planícies a Sul. Em Portugal, o limite acompanha o rio Tejo até à zona de Abrantes.[3]

ReproduçãoEditar

A reprodução nesta espécie não envolve copulação, no entanto a fertilização é interna. O modo de reprodução é partilhado com os outros membros do género Triturus. Nos locais de reprodução, o macho realiza uma 'dança' ritual envolvendo sucessivos batimentos laterais com a cauda em frente da fêmea, que permanece relativamente apática durante todo o processo. Depois, o macho deposita um espermatóforo que a fêmea recolherá (embora não sempre) com as patas, e encaminhará para a cloaca.

Após a fecundação, formam-se os ovos, que serão depositados individualmente em folhas de vegetação aquática. A fêmea dobra a folha onde depositou o ovo de modo a escondê-lo de predadores.

Alguns dias após serem depositados, 50% dos ovos morrem devido à chamada síndrome do cromossoma-1. Esta síndrome resulta da necessidade, nos tritões do género Triturus, de os dois cromossomas 1 terem tamanhos diferentes, embora a razão exacta não seja conhecida.[4]

Alguns estudos revelaram que os tritões-marmoreados usam as estrelas para se orientarem a caminho dos locais de reprodução[5]

BibliografiaEditar

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Imagens e media no Commons
  Diretório no Wikispecies
  • Arntzen, J.W., Jehle, R., Bosch, J., Miaud, C., Tejedo, M., Lizana, M., Martínez-Solano, I., Salvador, A., García-París, M. & Gil, E.R. 2004. Triturus marmoratus. In: IUCN 2007. 2007 IUCN Red List of Threatened Species. <www.iucnredlist.org>. Acessado em 13 de setembro de 2008.
  • Ferrand de Almeida, N., Ferrand de Almeida, P., Gonçalves, H., Sequeira, F., Teixeira, J. and Ferrand de Almeida, F. 2001. Guia FAPAS Anfibios e Répteis de Portugal. FAPAS-Cámara Municipal de Porto. Porto.

Referências

  1. Francillon-Vieillot, H.; J. W. Arntzen, & J. Géraudie (1990). «Age, growth and longevity of sympatric Triturus cristatus, T. marmoratus and their hybrids (Amphibia: Urodela): a skeletochronological comparison.». Journal of Herpetology. 24. pp. 13–22. Consultado em 18 de janeiro de 2009 
  2. García-París, M.; B. Arano, & P. Herrero (2001). «Molecular Characterization of the contact zone between Triturus pygmaeus and T. marmoratus (Caudata: Salamandridae) in Central Spain and their taxonomic assessment.». Revista Española de Herpetología. 15. pp. 115–126 
  3. Arntzen, J. W.; G. Espregueira Themudo (2008). «Environmental parameters that determine species geographical range limits as a matter of time and space». Journal of Biogeography. 35. pp. 1177–1186. doi:10.1111/j.1365-2699.2007.01875.x 
  4. Macgregor, H. C., and H. Horner. 1980. Heteromorphism for chromosome 1, a requirement for normal development in crested newts. Chromosoma 76:111-122.
  5. Javier F. Diego-Rasilla e Rosa M. Luengo (Setembro 2002). «Celestial orientation in the marbled newt (Triturus marmoratus. Springer Japan. Journal of Ethology. 20 (2): 137-141. Consultado em 18 de janeiro de 2009 
  Este artigo sobre anfíbios caudados, integrado no Projeto Anfíbios e Répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.