Trono Ludovisi

Nascimento de Afrodita, relevo principal do Trono Ludovisi (Palazzo Altemps, Roma)

O Trono Ludovisi, em que pese ao seu nome, não é um trono senão um bloco de mármore branco, oco na parte posterior e esculpido em baixo-relevo nos seus três lados. Sua autenticidade é debatida; os que a aceitam, situam-na na Grécia Ocidental, em Magna Grécia, datando-a cerca de 460 a.C. (baseados no "estilo severo" que manifesta, o qual pertence à transição entre o Período Arcaico e começos do Clássico).

O Trono Ludovisi conserva-se no Museo Nazionale Romano, Roma, desde que foi comprado pelo governo italiano em 1894.

DescriçãoEditar

O relevo central acostuma interpretar-se como Afrodite saindo do mar, um motivo conhecido como Vênus Anadiómena. A deusa está vestindo-se com uma roupagem diáfana, com a assistência por duas Horas paradas na costa, que se preparam para cobri-la com uma tela que sustêm ambas, o qual a oculta de cintura para embaixo. Os dois relevos dos lados dão as costas discretamente ao mistério do tema central. Uma amostra uma mulher com um véu agachada, colocando o incenso de um timiatério (thymiaterion) que sustém com a sua mão esquerda dentro de um queimador de incenso que se encontra sobre uma tarima. No outro se encontra uma jovem despida, sentada com joelho sobre a outra,[1] enquanto toca a flauta dupla ou aulo; um lenço segura o seu cabelo.

Descoberta e controvérsiaEditar

O Trono foi encontrado em 1887, no que anteriormente era o imenso terreno da Villa Ludovisi em Roma, onde estiveram situados os jardins de Salústio, sendo transladado dentro da Villa Ludovisi,[2] donde recebe o seu nome.[3] Os Ludovisi eram uma família papal que foram mecenas e colecionistas desde princípios do século XVII. As dificuldades financeiras obrigaram à venda da coleção Ludovisi ao Estado italiano em 1894. Os terrenos da Villa Ludovisi foram fracionados, traçaram ruas e o distrito cresceu, cambiando totalmente.[4] Existe um debate a respeito do propósito originário do objeto, o significado dos seus relevos e o lugar onde foi fabricado, mas em 1982 pôde vinculá-lo certamente com um templo em Marasa, perto de Lócris Epicefíria,[5] um templo jônico de Afrodite cujo interior foi reconstruído em 480 a.C. Mediante uma reconstrução do Trono, pôde demonstrar-se que este se ajustava exatamente entre os blocos que ficavam da base do templo; além disso, sugeriu-se que os castiçais de terracota, ou pinakes, de cultos de Lócris Epicefíria, são o único paralelo artístico ao Trono.[6]

As únicas outras representações de uma mulher despida pertencente a este período (c. 460 a.C.) podem encontrar-se na olaria de Ática. Os criticismos a respeito das anomalias anatômicas e os detalhes e dúvidas sobre a autenticidade do Trono Ludovisi, foram resumidos por Jerome Eisenberg num artigo de 1996 em Minerva; ali asseverava, em parte, que a flautista hetera era uma versão derivada de uma psítere do final do século VI a.C., realizado por Eufrônio, cotizado em 1857 no Museu Hermitage da coleção Campana. Eisenberg notou que a representação romana de Penélope guardando luto por Odisseu, embora muito posterior, era a única iconografia na escultura clássica que amostra a uma mulher com as suas pernas cruzadas: a Penélope está completamente vestida.

A iconografia a respeito da temática do Trono Ludovisi não tem paralelo na Antiguidade, pelo qual se acostuma pôr em dúvida. Devido às assistentes se encontrarem paradas sobre uma superfície pedregosa, ofereceram-se algumas interpretações alternativas. Uma é que a figura erguendo-se coincide com a vestimenta ritual de uma deusa ctônica, provavelmente Perséfone, surgindo por uma fenda na terra;[7] cabe destacar que Pandora aparece em forma similar nas pinturas de vários jarrões de Ática. Outra interpretação sugestiona que a figura seja Hera emergindo renascida das águas do Canato, perto de Tirinto, como Hera Parthenos.[8]

O Trono de BostonEditar

O Trono Ludovisi tem um gêmeo menos conseguido: o Trono de Boston que se encontra no Museu de Belas Artes de Boston. Este apareceu em 1894, pouco depois do leilão da coleção Ludovisi, e foi comprado pelo connoisseur Edward Perry Warren, quem o doou à cidade de Boston. Muitos negam a autenticidade do Trono de Boston. Uma conferência no Palazzo Grassi, Veneza, em 1996, comparou ambos os objetos. Atualmente, o Trono de Boston não é exibido. No caso de não ser uma falsificação produzida ao redor de 1894, poderia tratar-se de uma escultura romana desenhada para ser colocada junto com a grega em algum lugar dos jardins de Salustio.

Notas e referências

  1. A maioria indica a impossibilidade anatômica do posicionamento da cadeira direita.
  2. O último Ludovisi construiu o novo palazzo que depois foi vendido à Reina Margarida e agora alberga a Embaixada dos Estados Unidos.
  3. A escultura recebeu este nome num artigo de E. Petersen na Römische Mitteilungen, VII, (1892) pp 31-80.
  4. Kim J. Hartswick, The Gardens of Sallust. A Changing Landscape (2004)
  5. Ashmole o vinculou com uns alicerces em Lócris em 1922.
  6. Melissa M. Terras, 1997. "Os Tronos Ludovisi e Boston: Comparação" Arquivado em 20 de janeiro de 2008, no Wayback Machine. (em inglês)
  7. Esta sugestão foi formulada pela primeira vez em 1922 por Bernard Ashmole, no Journal of Hellenic Studies, 42, pp. 248-53.
  8. Figuras contemporâneas de terracota em castiçais achados em Tirinto mostram a Hera com uma tela quadrangular que cobre o seu busto. Esta comparação foi realizada por S. Casson em "Hera of Kanathos and the Ludovisi Throne" (1920), The Journal of Hellenic Studies, 40.2, pp. 137-142.

BibliografiaEditar

  • Melissa M. Terras, 1997. "Os Tronos Ludovisi e de Boston: Comparação" Um sito web dedicado completamente ao Trono Ludovisi e ao Trono de Boston. (em inglês)
  • Kim J. Hartswick (2004). The Gardens of Sallust. A Changing Landscape, Austim, TX: University of Texas Press. Uma exploração dos jardins e o edifício da Villa Ludovisi.
  • H. H. Powers, 1923. "The 'Ludovisi Throne' and the Boston Relief", The Art Bulletin, 5.4 (Junho de 1923), pp 102–108.
  • Bernard Ashmole e William J. Young (1968). " The Boston Relief and the Ludovisi Throne ", Bulletin of the Museum of Fine Arts, 66, Nº 346, pp 124–66.

Ligações externasEditar