Abrir menu principal

O termo Kyoshu 【教主】, ou Líder Espiritual, não é exclusivo da Igreja Messiânica Mundial. Segundo o site Weblio em uma tradução livre "Kyoshu é aquele que iniciou uma religião. Fundador. Ou, o orientador que herda e dá continuidade ao grupo religioso. Ou, o senhor dos ensinamentos".

Há diversas questões culturais, religiosas, jurídicas inerentes a uma religião e ao cargo de Líder Religioso. Na Igreja Messiânica Mundail, o primeiro Kyoshu foi o próprio Meishu-Sama 【明主様】, ou Senhor da Luz. Desde da fundação da Dai Nippon Kannon Kai, em 1935, Meishu-Sama se apresentava como Kyoshu.

Após várias mudanças de nome, em 4 de fevereiro de 1950, Meishu-Sama anunciou a fusão da Igreja Kannon e Igreja Miroku formando Igreja Messiânica Mundial. Inclusive após essa união, Meishu-Sama continuou se apresentando como Kyoshu da Igreja Messiânica Mundial, valorizando a posição de Líder Espiritual.

Trono de Kyoshu é o título designado aos líderes espirituais da Igreja Messiânica Mundial, falando-se que quem o ocupa recebe o título honorífico de Kyoshu-Sama. Além de ser o supremo orientador, o Kyoshu tem a missão de ser o elo entre Meishu-Sama, que os fiéis acreditam estar no Mundo Divino - e foi o primeiro a ocupar o Trono de Kyoshu - , e os membros messiânicos, que se encontram no Mundo Material, conforme preleciona a doutrina messiânica.

Há muitas discussões envolvendo a sucessão e o que Meishu-Sama afirmou sobre o futuro do Trono de Kyoshu. É possível confirmar que Meishu-Sama escolheu sua segunda esposa, Yoshi Okada, para sucedê-lo, conforme descrito abaixo:

“Se, por desígnio Divino, eu vier a ascender, estarei protegendo-a a partir do Mundo Espiritual. Por isso, aqui no Mundo Material, você deve dedicar-se à sagrada obra de salvação do mundo – a construção do Paraíso Terrestre.”[1]

Fala de Meishu-Sama dias antes de ascender ao Mundo Divino.

“Na reunião de diretores realizada imediatamente após a ascensão de Meishu-Sama, foi decidido, por unanimidade, acolher-me como Segunda Líder Espiritual, obedecendo à vontade que ele manifestou antes de ascender. Eu aceitei essa decisão.”[1]

Fala de Nidai-Sama após a ascensão de Meishu-Sama.

Meishu-Sama ascendeu ao Mundo Divino em 10 de fevereiro de 1955. Após esse acontecimento, alguns reverendos e membros optaram em não seguir o desejo de Meishu-Sama. Eles se afastaram da herdeira do Trono de Kyoshu e fundaram dissidências da IMM. Além disso, a herdeira da vontade de Meishu-Sama afirmou:

“Sem Meishu-Sama vivo, faz-se necessário um corpo físico que represente o Supremo Deus e por isso Meishu-Sama instalou no Trono de Kyoshu, o corpo material que o representasse. E Meishu-Sama trabalha vivo dentro de Kyoshu, tal como o ancestral de um atual chefe de família.”[2]

Sendo assim, com a ascensão de Meishu-Sama, Yoshi Okada passou a ocupar o Trono de Kyoshu, sendo chamada de Kyoshu-Sama até a sua ascensão, em janeiro de 1962, quando passou a ser denominada pelos fiéis de Nidai-Sama (Segunda Líder Espiritual), responsável pela instituição do Sorei-Saishi, ofício de assentamento e sagração dos ancestrais na Igreja Messiânica, bem como por um intenso trabalho de expansão do número de fiéis, através do trabalho de ensino religioso voltado para jovens.

Com a ascensão de Nidai-Sama, o título de Kyoshu passou a ser referência para a filha do casal, Itsuki Okada, que passou a ser denominada Sandai-Sama (Terceira Líder Espiritual) pelos fiéis após a sua substituição no Trono pelo seu sobrinho, Yoichi Okada. Sandai-Sama foi a responsável pela instituição da Academia Sanguetsu, que atua no aperfeiçoamento da milenar técnica japonesa de vivificação floral da ikebana para a Igreja Messiânica.


Após eventos que aconteceram no Culto do Início da Primavera, em 2017, e eventos subsequentes[3], foi movida uma ação judicial para promover a destituição das funções do Quarto Líder Espiritual, ação que ainda está em trâmite na justiça japonesa. Estas ações judiciais pedem também a separação da Igreja Messiânica Mundial - Igreja Mãe, formada pelas 3 igrejas filiais (Toho-no-Hikari, Izunome e Su-no-Hikari)[4] especialmente a exclusão da filial Su-no-Hikari, por se apresentar contrária a destituição do atual Líder Espiritual. Os diretores, Rev. Shirasawa e Rev. Kawatani, decidiram junto à Su-no-Hikari, formar uma comissão de membros que seguem Kyoshu-Sama, designada como "Igreja Messiânica Mundial Su-no-Hikari - Sede Central Izunome"[5]. No Brasil, a partir do dia 12 de Outubro de 2018, Yoichi Okada tem como seus representantes a Igreja Mundial do Messias.[6]

A ação judicial para promover a destituição de Yoichi Okada movida pela diretoria da Igreja Messiânica Mundial pede que também seja reconhecido o título de Quinto Líder Espiritual (Godai-Sama) para Nobuyuki Watase, assumindo o nome de Nobuyuki Okada para exercer o título designado. Nobuyuki Watase é fiduciário de uma organização relacionada à Toho-no-Hikari, uma fundação sem fins lucrativos chamada MOA Health Science Foundation, e também Professor Emérito de Pesquisa em Filosofia Indiana na Universidade de Tōkai, sendo um pesquisador em filosofia indiana e como aparece em seu trabalho Manu Houten Hindu-kyo Sekai no genkei [Leis do Manu: Protótipo do Mundo Hindu] (Chūkō Shinsho, 1990), também é especialista em hinduísmo e bramanismo.[7]

Ligações externasEditar

  1. a b Luz do Oriente Vol. 3 - Segunda Edição. São Paulo: Fundação Mokiti Okada. 2003 
  2. IMMA, Ascom. «Kyoshu-Sama». World Messianic Church of Africa. Consultado em 10 de setembro de 2019 
  3. «Resumo». Johrei Diary. 29 de novembro de 2017. Consultado em 10 de setembro de 2019 
  4. «Estrutura IMM». Johrei Diary. 1 de dezembro de 2017. Consultado em 10 de setembro de 2019 
  5. «Dissidências da IMM». Johrei Diary. 9 de janeiro de 2018. Consultado em 10 de setembro de 2019 
  6. «IMM - A Igreja Mundial do Messias». messias.org.br. Consultado em 10 de setembro de 2019 
  7. «COMUNICADO OFICIAL AOS MEMBROS | Sekaikyuseikyo - Sunohikari - IZUNOME». Consultado em 10 de setembro de 2019