Abrir menu principal
Como ler uma infocaixa de taxonomiaTuatara
Sphenodon punctatus
Sphenodon punctatus
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Sphenodontida
Família: Sphenodontidae
Género: Sphenodon
Espécies
Sphenodon punctatus
Sphenodon guntheri
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Tuatara

A tuatara (Sphenodon spp.) é o único representante de répteis da ordem Sphenodontida (ou Rhynchocephalia) e família Sphenodontidae. É um réptil endémico da Nova Zelândia que vive apenas em algumas ilhas ao largo deste país, estando extinto nas duas ilhas principais. É considerado uma espécie ameaçada desde 1895. O nome tuatara é uma palavra maori que significa dorso espinhoso. O tuatara é considerado um fóssil vivo, já que pouco se modificou desde o Mesozóico, o tempo dos dinossauros.

As tuataras têm características mistas entre lagartos, tartarugas e aves.

Os dentes estão fundidos numa implantação acrodonte. O Sphenodon e seus ancestrais do mesozóico têm uma fileira de dentes no osso palatino, disposta paralelamente aos dentes da maxila. Na mordida, os dentes do dentário encaixam-se entre as fileiras da maxila e fileira do palatino.[1]

Não têm órgãos de copulação nem auditivos externos. São animais de clima frio, que não suportam temperaturas acima dos 27°C. Os adultos medem cerca de 60 cm de comprimento, pesam entre 0,5 e 1 kg e são terrestres e principalmente noturnos. Os juvenis adaptaram-se a um modo de vida oposto, arbóreo e diurno, o que lhe conferiu certa vantagem adaptativa, visto que são uma das presas favoritas das tuataras adultas.

O ciclo de vida destes répteis é extremamente longo e os indivíduos podem chegar aos cem anos de vida. As fêmeas levam muitos anos a atingir a maturidade sexual e põem ovos apenas de quatro em quatro anos. O período entre a copulação e a eclosão é de 12 a 15 meses. As tuataras crescem continuamente até aos 35 anos de vida. Como os lagartos, as tuataras têm um olho pineal na testa, coberto por uma escama. A função deste terceiro olho, estando ele coberto, permanece desconhecida.

As tuataras alimentam-se de besouros e de grilos. Podem também quebrar conchas de caracóis e ovos e alimentar-se de seu conteúdo. Eventualmente, podem também comer lagartos e aves juvenis. Sua forte musculatura associada à mandíbula, em conjunto com uma eficiente biomecânica e com uma dentição firme e robusta, providenciam uma mordida poderosa.[1]

Habitam zonas de floresta e praias de cerca de trinta ilhas ao largo da Ilha Norte da Nova Zelândia. A espécie S. guntheri está confinada a uma única ilha no Estreito de Cook. O S. punctatus é esverdeado, enquanto que o S. guntheri é acastanhado com manchas amareladas.

A tuatara está ameaçada por perda de habitat e pela competição com espécies introduzidas de roedores e mustelídeos.

Referências

  1. a b ROBINSON, P. L. «A problematic reptile from the British Upper Trias». Journal of the Geological Society. 129 (5): 457–479. doi:10.1144/gsjgs.129.5.0457