Tubo digestivo

sistema de órgãos dentro de humanos e outros animais
(Redirecionado de Tubo digestório)

O trato gastrointestinal (tubo digestivo, canal alimentar) é o trato ou passagem do sistema digestivo que vai da boca ao ânus.[1] O trato gastrointestinal contém todos os principais órgãos do sistema digestivo, em humanos e outros animais, incluindo esófago, estômago e intestinos. Os alimentos ingeridos pela boca são digeridos para extrair nutrientes e absorver energia, e os resíduos são expelidos pelo ânus na forma de fezes.

Digestão

Diagrama de estômago, intestinos e reto humano
Detalhes
Sistema Sistema digestivo
Vascularização Aorta abdominal
Drenagem venosa Veia gástrica direita, Veia gástrica esquerda

A maioria dos animais tem um trato digestivo completo ou "intestino direto". As exceções são as mais primitivas: as esponjas têm pequenos poros (óstios) em todo o corpo para digestão e um poro dorsal maior (ósculo) para excreção, as geleias de favo têm boca ventral e poros anais dorsais, enquanto cnidários e acoelas têm um único poro para tanto digestão quanto excreção.[2][3]

O trato gastrointestinal humano consiste no esôfago, estômago e intestinos e é dividido em trato gastrointestinal superior e inferior.[1] O trato gastrointestinal inclui todas as estruturas entre a boca e o ânus,[4] formando uma passagem contínua que inclui os principais órgãos da digestão, o estômago, o intestino delgado e o intestino grosso. O sistema digestivo humano completo é composto pelo trato gastrointestinal mais os órgãos acessórios da digestão (língua, glândulas salivares, pâncreas, fígado e vesícula biliar). O trato também pode ser dividido em intestino anterior, intestino médio e intestino posterior, refletindo a origem embriologica de cada segmento. Todo o trato gastrointestinal humano tem cerca de nove metros de comprimento na autópsia. É consideravelmente mais curto no corpo vivo porque os intestinos, que são tubos de tecido múscular liso, mantêm o tónus muscular constante em um estado semi-tenso, mas podem relaxar em alguns pontos para permitir a distensão local e o movimento peristáltico.[5][6]

O trato gastrointestinal contém a microbiota intestinal, com cerca de 1.000 estirpes diferentes de bactérias desempenhando diversas funções na manutenção da saúde imunológica e do metabolismo, além de muitos outros micro-organismos.[7][8][9] As células do trato gastrointestinal liberam hormônios para ajudar a regular o processo digestivo. Esses hormônios digestivos, incluindo gastrina, secretina, colecistocinina e grelina, são mediados por mecanismos intracrinos ou autócrinos, indicando que as células que liberam esses hormônios são estruturas conservadas ao longo da evolução.[10]

Trato gastrointestinal humano

editar
 
Diagrama do sistema digestivo humano

Estrutura

editar

A estrutura e a função podem ser descritas tanto como anatomia macroscópica quanto como anatomia microscópica. O trato em si é dividido em tratos superior e inferior, e os intestinos delgado e grosso.[11]

Trato gastrointestinal superior

editar

O trato gastrointestinal superior consiste em boca, faringe, esófago, estômago e duodeno.[12][13] A demarcação exata entre os tratos superior e inferior é o músculo suspensor do duodeno. Isso diferencia as fronteiras embrionárias entre o intestino anterior e o intestino médio, e é também a divisão comumente usada pelos médicos para descrever o sangramento gastrointestinal como sendo de origem "superior" ou "inferior". Após a dissecação, o duodeno pode parecer um órgão unificado, mas é dividido em quatro segmentos com base na função, localização e anatomia interna. Os quatro segmentos do duodeno são os seguintes (começando no estômago e seguindo em direção ao jejuno): bulbo, descendente, horizontal e ascendente. O músculo suspensor liga a borda superior do duodeno ascendente ao diafragma.

O músculo suspensor é um importante marco anatômico que mostra a divisão formal entre o duodeno e o jejuno, a primeira e a segunda partes do intestino delgado, respectivamente.[14] Este é um músculo fino derivado do mesoderma embrionário.

Trato gastrointestinal inferior

editar

O trato gastrointestinal inferior inclui a maior parte do intestino delgado e todo o intestino grosso. Na anatomia humana, o intestino é o segmento do trato gastrointestinal que se estende do esfíncter pilórico do estômago ao ânus e, como em outros mamíferos, consiste em dois segmentos: o intestino delgado e o intestino grosso. Em humanos, o intestino delgado é subdividido em duodeno, jejuno e íleon, enquanto o intestino grosso é subdividido em ceco, cólon ascendente, transverso, descendente e cólon sigmoide, reto e canal anal.[15][16]

Intestino delgado

editar

O intestino delgado começa no duodeno e é uma estrutura tubular, geralmente entre 6 e 7m de comprimento.[17] Sua área mucosa em um ser humano adulto é de cerca de 30m2.[18] A combinação das dobras circulares, das vilosidades e das microvilosidades aumenta a área de absorção da mucosa em cerca de 600 vezes, completando uma área total de cerca de 250m2 para todo o intestino delgado.[19] Sua principal função é absorver os produtos da digestão (incluindo carboidratos, proteínas, lipídios e vitaminas) na corrente sanguínea. Existem três divisões principais:

  1. Duodeno: Estrutura curta (cerca de 20–25 cm de comprimento)[20] que recebe quimo do estômago, juntamente com o suco pancreático contendo enzima digestivas e bile da vesícula biliar. As enzimas digestivas decompõem as proteínas e a bile emulsifica as gorduras em micelas. O duodeno contém glândulas de Brünner que produzem uma secreção alcalina rica em muco contendo bicarbonato. Estas secreções, em combinação com o bicarbonato do pâncreas, neutralizam os ácidos estomacais contidos no quimo.
  2. Jejuno: Esta é a seção média do intestino delgado, conectando o duodeno ao íleon. Tem cerca de 2,5m de comprimento e contém dobras circulares e vilosidades que aumentam sua área de superfície. Os produtos da digestão (açúcares, aminoácidos e ácidos graxos) são absorvidos pela corrente sanguínea aqui.
  3. Íleon: É a seção final do intestino delgado, tem cerca de 3m de comprimento e contém vilosidades semelhantes ao jejuno. Absorve principalmente vitamina B12 e ácidos biliares, bem como quaisquer outros nutrientes restantes.[21][22]

Intestino grosso

editar

O intestino grosso, também chamado de cólon, forma um arco que começa no ceco e termina no reto e no canal anal. Também inclui o apêndice, que está ligado ao ceco. Seu comprimento é de cerca de 1,5m, e a área da mucosa em um ser humano adulto é de cerca de 2m2. Sua principal função é absorver água e sais.[23] O cólon é dividido em:

  1. Ceco (primeira porção do cólon) e apêndice
  2. Cólon Ascendente (ascendendo na parede posterior do abdômen)
  3. Flexura hepática (porção flexionada do cólon ascendente e transverso aparente ao fígado)[24]
  4. Colón Transverso (passando abaixo do diafragma)
  5. Flexura Esplênica (porção flexionada do cólon transverso e descendente aparente ao baço)[24]
  6. Cólon descendente (descendo pelo lado esquerdo do abdômen, ao longo da lateral do rim esquerdo)
  7. Cólon sigmoide (uma alça do cólon mais próxima do reto)
  8. Reto
  9. Canal anal

Referências

editar
  1. a b BVS, Ministério da Saúde. «29/5 – Dia Mundial da Saúde Digestiva | Biblioteca Virtual em Saúde MS». Consultado em 24 de novembro de 2023 
  2. «Overview of Invertebrates». www.ck12.org. 6 de outubro de 2015. Consultado em 24 de novembro de 2023 
  3. Ruppert EE, Fox RS, Barnes RD (2004). «Introduction to Bilateria». Invertebrate Zoology 7 ed. [S.l.]: Brooks / Cole. p. 197 [1]. ISBN 978-0-03-025982-1 
  4. «Sistema digestório: funções, órgãos, resumo». Mundo Educação. Consultado em 24 de novembro de 2023 
  5. G., Hounnou; C., Destrieux; J., Desmé; P., Bertrand; S., Velut (1 de dezembro de 2002). «Anatomical study of the length of the human intestine». Surgical and Radiologic Anatomy. 24 (5): 290–294. ISSN 0930-1038. PMID 12497219. doi:10.1007/s00276-002-0057-y 
  6. Raines, Daniel; Arbour, Adrienne; Thompson, Hilary W.; Figueroa-Bodine, Jazmin; Joseph, Saju (26 de maio de 2014). «Variation in small bowel length: Factor in achieving total enteroscopy?». Digestive Endoscopy. 27 (1): 67–72. ISSN 0915-5635. PMID 24861190. doi:10.1111/den.12309 
  7. Lin, L; Zhang, J (2017). «Role of intestinal microbiota and metabolites on gut homeostasis and human diseases». BMC Immunology. 18 (1). 2 páginas. PMC 5219689 . PMID 28061847. doi:10.1186/s12865-016-0187-3  
  8. Marchesi, J. R; Adams, D. H; Fava, F; Hermes, G. D; Hirschfield, G. M; Hold, G; Quraishi, M. N; Kinross, J; Smidt, H; Tuohy, K. M; Thomas, L. V; Zoetendal, E. G; Hart, A (2015). «The gut microbiota and host health: A new clinical frontier». Gut. 65 (2): 330–339. PMC 4752653 . PMID 26338727. doi:10.1136/gutjnl-2015-309990 
  9. Clarke, Gerard; Stilling, Roman M; Kennedy, Paul J; Stanton, Catherine; Cryan, John F; Dinan, Timothy G (2014). «Minireview: Gut Microbiota: The Neglected Endocrine Organ». Molecular Endocrinology. 28 (8): 1221–38. PMC 5414803 . PMID 24892638. doi:10.1210/me.2014-1108 
  10. Nelson RJ. 2005. Introduction to Behavioral Endocrinology. Sinauer Associates: Massachusetts. p 57.
  11. Thomasino, Anne Marie (2001). «Length of a Human Intestine». The Physics Factbook 
  12. Treuting, Piper M.; Arends, Mark J.; Dintzis, Suzanne M. (1 de janeiro de 2018). Treuting, Piper M.; Dintzis, Suzanne M.; Montine, Kathleen S., eds. «11 - Upper Gastrointestinal Tract». San Diego: Academic Press: 191–211. ISBN 978-0-12-802900-8. Consultado em 24 de novembro de 2023 
  13. «MeSH Browser». meshb.nlm.nih.gov. Consultado em 24 de novembro de 2023 
  14. David A. Warrell (2005). Oxford textbook of medicine: Sections 18-33. [S.l.]: Oxford University Press. pp. 511–. ISBN 978-0-19-856978-7. Consultado em 24 de novembro de 2023 
  15. Kapoor, Vinay Kumar (13 Jul 2011). Gest, Thomas R., ed. «Large Intestine Anatomy». Medscape. WebMD LLC. Consultado em 24 de novembro de 2023 
  16. Gray, Henry (1918). Gray's Anatomy. Philadelphia: Lea & Febiger 
  17. Drake, Richard L.; Vogl, Wayne; Tibbitts, Adam W.M. Mitchell; illustrations by Richard; Richardson, Paul (2015). Gray's anatomy for students 3rd ed. Philadelphia: Elsevier/Churchill Livingstone. p. 312. ISBN 978-0-8089-2306-0 
  18. Helander, Herbert F.; Fändriks, Lars (1 de junho de 2014). «Surface area of the digestive tract - revisited». Scandinavian Journal of Gastroenterology. 49 (6): 681–689. ISSN 1502-7708. PMID 24694282. doi:10.3109/00365521.2014.898326 
  19. Hall, John (2011). Guyton and Hall textbook of medical physiology Twelfth ed. [S.l.]: Saunders/Elsevier. p. 794. ISBN 9781416045748 
  20. Drake, Richard L.; Vogl, Wayne; Tibbitts, Adam W.M. Mitchell; illustrations by Richard; Richardson, Paul (2015). Gray's anatomy for students 3rd ed. Philadelphia: Elsevier/Churchill Livingstone. p. 312. ISBN 978-0-8089-2306-0 
  21. «Jejuno e íleo, alças intestinais que absorvem nutrientes». Jornal da USP. 9 de julho de 2018. Consultado em 25 de novembro de 2023 
  22. «Íleo». Kenhub. Consultado em 25 de novembro de 2023 
  23. «Cólon». Kenhub. Consultado em 27 de novembro de 2023 
  24. a b «Morfologia - Sistema Digestório». ulbra-to.br. Consultado em 27 de novembro de 2023