Tyrannotitan

género de dinossauro terópode carcarodontossaurídeo

Tyrannotitan (titã tirânico) é um gênero de dinossauros terópode carnívoro que, apesar do nome similar, não eram relacionados aos tiranossaurídeos, sendo pertencente à família dos carcarodontossaurídeos.[1]

Tyrannotitan
Intervalo temporal: Cretáceo Superior
118 Ma
Dinosaurios los gigantes argentinos.jpg
Esqueleto montado
Classificação científica e
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Clado: Dinosauria
Clado: Saurischia
Clado: Theropoda
Família: Carcharodontosauridae
Tribo: Giganotosaurini
Gênero: Tyrannotitan
Novas et al., 2005
Espécie-tipo
Tyrannotitan chubutensis
Novas et al., 2005

A única espécie descrita na literatura é o T. chubutensis, descoberto por paleontólogos da Argentina na região de Chubut em 2005.[2] Trata-se de uma espécie de grandes proporções que viveu na América do Sul, no período Cretáceo. Seus dentes chegavam a cerca de 25 cm de comprimento. O Tyrannotitan era um dinossauro carnívoro predador de grandes proporções. Este dinossauro viveu há 100 milhões de anos e podia chegar a ter 12 metros de comprimento e 4 metros de altura.[3][4] Este dinossauro enorme poderia pesar até 7 toneladas sendo parte da tribo Giganotosaurini, sendo portanto um parente muito próximo do Giganotosaurus.

Descoberta e espéciesEditar

 
Restos conhecidos em amarelo

O Tyrannotitan chubutensis foi descrito por Fernando E. Novas, Silvina de Valais, Pat Vickers-Rich e Tom Rich em 2005.[2] Os fósseis foram encontrados na Fazenda La Juanita, 28 quilômetros a nordeste de Paso de Indios, província de Chubut, Argentina. Acredita-se que eles tenham sido do Membro Cerro Castaño, da Formação Cerro Barcino (estágio Aptiano) entre 112,2 à 121 milhões de anos atrás.[2]

O comprimento desses animais foi estimado em até 11,4 até 12,2 metros.[3][4] Em 2010, Gregory S. Paul deu estimativas mais altas de 13 metros.[5] Seu peso foi estimado entre 4,9 e 7 toneladas.[6][5] Outros autores deram uma massa corporal de 4,8 a 5,4 toneladas, com intervalos de 3,6 a 6,7 toneladas.[7]

DescriçãoEditar

 
Tamanho médio do Tyrannotitan comparado a um ser humano.

Tyrannotitan era geologicamente o mais velho gigante carcarodontossaurídeo juntamente com o Acrocanthosaurus da América do Norte (ambos encontrados em rochas do Aptiano[6][8]). Ao contrário de outros carcarodontossaurídeos conhecidos, este animal carecia de pneumaticidade esquelética que se estendia até os centros sacral e caudal. O escápulocoracóide era fundido e muito melhor desenvolvido do que o de Giganotosaurus carolinii, mas os braços eram muito pequenos. A maior parte do eixo da escápula não foi encontrada[4] sendo assim, este animal parece se diferir de outros carcarodontossaurídeos descobertos, pois possuía membros dianteiros proporcionalmente muito menores, semelhante aos tiranossaurídeos.[1] Os dentes do Tyrannotitan também possuem dentículos, os quais são divididos em dois pela presença de uma ranhura. Os dentículos são essencialmente como os próprios dentes e podem ter formado uma superfície de corte adicional, aumentando a capacidade do dente de perfurar a carne. Representam um experimento evolutivo que não levou adiante para descendentes posteriores que tinham os dentes curvos e planos com bordas serrilhadas. Como para se alimentar de uma matança, o Tyrannotitan provavelmente teria sido melhor em tirar a carne de uma carcaça do que esmagar a carne dos ossos.[1]

ClassificaçãoEditar

 
Reconstrução de um Tyrannotitan, alimentando-se de um Chubutisaurus.

O cladograma a seguir após Novas et al. , 2013, mostra a posição de Tyrannotitan dentro da família Carcharodontosauridae. A posição filogenética sugerida por Novas aponta que Tyranotitan é um membro da tribo Giganotosaurini, sendo ligeiramente mais distante que o Mapusaurus do táxon principal da tribo, o Giganotosaurus.[9]

Allosaurus  

Carcharodontosauridae

Neovenator  

Eocarcharia

Concavenator  

Acrocanthosaurus  

Shaochilong  

Carcharodontosaurinae

Carcharodontosaurus  

Giganotosaurini

Tyrannotitan

Mapusaurus  

Giganotosaurus  


Ver tambémEditar

Referências

  1. a b c «Tyrannotitan». Prehistoric Wildlife. Consultado em 27 de junho de 2020 
  2. a b c Novas, F. E.; S. de Valais; P. Vickers-Rich; T. Rich (2005). «A large Cretaceous theropod from Patagonia, Argentina, and the evolution of carcharodontosaurids». Naturwissenschaften. 92 (5): 226–230. Bibcode:2005NW.....92..226N. PMID 15834691. doi:10.1007/s00114-005-0623-3 
  3. a b Mortimer, M. (2004). «Carnosauria». The Theropod Database. Consultado em 22 de outubro de 2009. Cópia arquivada em 24 de outubro de 2012 
  4. a b c Rey LV, Holtz, Jr TR (2007). Dinosaurs: the most complete, up-to-date encyclopedia for dinosaur lovers of all ages. EUA: Random House. ISBN 978-0-375-82419-7 
  5. a b Gregory S. Paul (2010). The Princeton Field Guide to Dinosaurs. United States of America: Princeton University Press. ISBN 9780691137209. (pede registo (ajuda)) 
  6. a b Campione, Nicolás E.; Evans, David C.; Brown, Caleb M.; Carrano, Matthew T. (2014). «Nicolás E. Campione, David C. Evans, Caleb M. Brown, Matthew T. Carrano (2014). Body mass estimation in non-avian bipeds using a theoretical conversion to quadruped stylopodial proportions». Methods in Ecology and Evolution. 5 (9): 913–923. doi:10.1111/2041-210X.12226 
  7. Campione, Nicolás E.; Evans, David C. (Dezembro de 2020). «The accuracy and precision of body mass estimation in non‐avian dinosaurs». Biological Reviews (em inglês). 95 (6): 1759–1797. ISSN 1464-7931. PMID 32869488. doi:10.1111/brv.12638 
  8. Bates, Karl T.; Manning, Phillip L.; Hodgetts, David; Sellers, William I. (2009). «Bates KT, Manning PL, Hodgetts D, Sellers WI (2009) Estimating Mass Properties of Dinosaurs Using Laser Imaging and 3D Computer Modelling». PLOS One. 4 (2): e4532. Bibcode:2009PLoSO...4.4532B. PMC 2639725 . PMID 19225569. doi:10.1371/jornal.pone.0004532 
  9. Novas, Fernando E. (2013). «Evolution of the carnivorous dinosaurs during the Cretaceous: The evidence from Patagonia». Cretaceous Research. 45: 174–215. doi:10.1016/j.cretres.2013.04.001 

Ligações externasEditar