Ulmus davidiana

Como ler uma infocaixa de taxonomiaUlmus davidiana
SHHG Ulmus davidiana.jpg
Classificação científica
Domínio: Eukaryota
Reino: Plantae
Ordem: Rosales
Família: Ulmaceae
Gênero: Ulmus
Espécie: davidiana
Sinónimos
  • Ulmus davidiana var. mandshurica Skvortsov
  • Ulmus davidiana var. pubescens Skvortsov

Ulmus davidiana é uma pequena árvore decídua amplamente distribuída pela China, Mongólia, Coreia, Sibéria e Japão, onde é encontrada em pântanos ao longo de riachos em elevações de 2.000–2300 m.[1] A árvore foi descrita pela primeira vez em 1873 nas colinas ao norte de Pequim, China.[2] Ulmus davidiana tem uma semelhança notável com a Ulmus americana em todos os quesitos exceto o tamanho final.[3]

Duas variações de Ulmus davidiana são reconhecidas: Ulmus davidiana var. japonica, endêmica para grande parte do nordeste da Ásia e Japão,[4] e Ulmus davidiana var. davidiana, restrita às províncias chinesas de Hebei, Henan, Shaanxi e Shanxi.[1]

Pragas e doençasEditar

Avaliada com outros olmos chineses no Arboreto de Morton em Illinois, descobriu-se que a árvore tinha uma boa resistência à doença do olmo holandês (DED).[5][6] Nos testes da Butterfly Conservation no Reino Unido, as árvores cultivadas a partir de sementes obtidas em Liaoning, China, pelo Morton Arboretum foram desfolhadas na copa por DED com apenas 6 anos de idade e menos de 4 m de altura, mas recuperado.[7] A espécie tem fama de ter uma boa resistência ao besouro da folha do olmo Xanthogaleruca luteola, elm yellows e minadores nos Estados Unidos.[5]

CultivaçãoEditar

Ulmus davidiana raramente é cultivada no oeste, sendo inadequada para tudo, exceto para condições muito abrigadas e úmidas, e é intolerante a lagoa. Em testes conduzidos pela Butterfly Conservation na Great Fontley Farm, Fareham, Inglaterra, os espécimes frequentemente cresciam muito rápido em condições comparativamente benignas, o caule estreito incapaz de suportar o peso da copa florescente, deixando a árvore arqueando até o chão[7] ("A poda pode ajudar a planta a resultar em um padrão de ramificação estruturalmente mais estável"[8]). Apesar disso, Ulmus davidiana tem se mostrado promissora como resultado de testes na Universidade Estadual de Ohio (OSU).[8][9]

Árvores notáveisEditar

No Tree Register of the British Isles, do Reino Unido, está localizada uma árvore relativamente jovem em White House Farm, Ivy Hatch, Kent, medindo 5 m de altura por 17 cm DAP em 2009.[10]

Referências

  1. a b Fu, L., Xin, Y. & Whittemore, A. (2002). Ulmaceae, in Wu, Z. & Raven, P. (eds) Flora of China, Vol. 5 (Ulmaceae through Basellaceae). Science Press, Beijing, e Missouri Botanical Garden Press, St. Louis, EUA. [1]
  2. Heybroek, Hans M. (1981). «The Japanese elm species and their value for the Dutch elm breeding program» (PDF). Proceedings of the Dutch Elm Disease symposium and workshop, October 5–9, Winnipeg, Manitoba: 78–90 
  3. Ware, G. (1995). Little-known elms from China: landscape tree possibilities. Journal of Arboriculture, (Nov. 1995). International Society of Arboriculture, Champaign, Illinois, US. [2] Arquivado em 2007-11-30 no Wayback Machine.
  4. Makita, H., Miyagi, T., Miura, O., and Kikuchi, T. (1979). A study of an alder forest and an elm forest with special reference to their geomorphological conditions in a small tributary basin. In: Vegetation und Lansdschaft Japans. Bull: Yokohama Phytosoc. Soc. Japan 16, 1979
  5. a b Morton Arboretum Quarterly 31: 1-9, 1995
  6. David Elm
  7. a b Brookes, A. H. (2020). Great Fontley Elm Trial, 2020 Report. Butterfly Conservation, Lulworth, Inglaterra.
  8. a b D'Amato, N. & Sydnor, T. (2005). David Elm use for increasing biodiversity, Columbus, Ohio, USA. [3]
  9. Struve, D. K. and Rhodus, T. (1990). Turning copper into gold. Amer. Nurseryman, 172: 114-123.
  10. Johnson, O. (2011). Champion Trees of Britain & Ireland, p. 168. Kew Publishing, Kew, London. ISBN 9781842464526.

Leitura adicionalEditar

  • Jung, Mee Jung, Seong-Il Heo, and Myeong-Hyeon Wang. Free radical scavenging and total phenolic contents from methanolic extracts of Ulmus davidiana. Food Chemistry 108.2 (2008): 482-487.