Um
Álbum de estúdio de Envydust
Lançamento 22 de Março de 2008
Gênero(s) Metal alternativo
Duração 59 min 00 seg
Formato(s) digipack luxo
Gravadora(s) Travolta Discos
Produção Pedro Antunes e Lineu Andrade
Cronologia de Envydust
Quando Estar Vivo Não Basta
(2005)


Um é o segundo álbum de estúdio da banda Envydust, lançado em 22 de Março de 2008.

ReleaseEditar

A era da música digital chegou com tudo, e os números de vendas de discos continuam caindo vertiginosamente. Como divugar sua música num cenário como esse? O Envydust respondeu esta pergunta com o lançamento de “UM”, seu último álbum, lançado pela Travolta Discos em março de 2008.

Banda e selo traçaram uma estratégia ousada: o álbum vem em embalagem digipack luxo, com 28 páginas de encarte totalmente coloridas, indo na contramão das bandas que hoje em dia lançam discos com encartes pobres ou simplesmente soltam as músicas diretamente na internet. Para completar, o disco é vendido a R$5. Muitos achavam que a estratégia seria suicida, mas ela se mostrou eficaz logo de início, quando a banda esgotou a primeira tiragem de 1.000 cópias no dia do lançamento. Já ultrapassaram a marca de 5 mil cópias vendidas, sem nenhuma distribuição nacional.

Esse segundo disco consolidou o Envydust como um dos grandes expoentes do seu estilo no país, coroando uma trilha bem sucedida que a banda vem trilhando desde 2003, com participações em turnês internacionais no Brasil, como Hopesfall, Satanic Surfers, The Used, The Draft, Propaghandi, Alesana, Brokencyde e marcando presença em alguns dos maiores festivais independentes do país, além das listas de melhores do ano, pavimentando o caminho para um sem número de bandas que hoje fazem um som similar.

“UM” não é ousado somente em sua estratégia de venda. O disco é temático, conta com três histórias, cada uma com quatro músicas, entrecortadas por dois interlúdios, num total de uma hora de som ao longo das 14 faixas. Neste novo trabalho, o Envydust ampliou ainda mais os limites de calmaria e violência estabelecidas em “Quando estar vivo não basta”, seu álbum de estréia lançado em 2005, e ainda apresentou elementos eletrônicos e outras experiências musicais. Arte e música se completam, formando uma obra que deve ser digerida, interpretada, decifrada, curtida

ResenhaEditar

Quando o Envydust apareceu, parecia que era só mais uma banda em meio à moda do screamo paulistano. Aos poucos o conjunto foi mostrando qualidade, evolução e foi se destacando dos demais, livrando-se dos estigma, deixando as meras cópias de bandas gringas[necessário esclarecer] para trás, e se firmando como uma das principais do cenário contemporâneo nacional. No ano passado, o conjunto lançou a música "O Leilão Do Lote 77", e surpreendeu. A faixa era um dos singles mais inventivos e inteligentes que a cena produziu em tempos. Partindo deste som, dava para ter uma idéia do que estava por vir. Engano nosso, o golpe era ainda maior. "Um" surpreende, e muito. O álbum chegou de mansinho e logo vendeu sua primeira prensagem, muito devido à ótima arte-gráfica e o valor final de venda, coerente com a realidade post-Radiohead. Sim, como disseram, este é um álbum conceitual, apesar deste adjetivo me dar certo medo e me remeter tanto a discos ótimas ("The Wall") quanto a porcarias gigantes (muito heavy melódico e progressivo), devo admitir que aqui foi bola dentro. O álbum corre da primeira à última música contando uma história, e musicalmente passeia por climas e texturas variantes, chegando ao absurdo de flertar com o "cool-jazz" e a "bossa nova", como em "Persistente (interlúdio 1)". Claro que o carro-chefe aqui é o peso, o screamo, mas o Envydust soube abrir o leque, sem soar oportunista ou mesmo desesperado para fugir dos rótulos. "Vai Ser Igual", faixa de número 9, vale ser citada também, por ser uma balada sem sombra de pieguisse. Acredito que "Um" vai receber o status de disco-cult, mas ao contrário disso, espero que seja consumido sem pudores ou preconceitos. O novo CD do Envydust é uma obra de arte, e não preciso ser fã da banda para assumir isso, pois este é o testamento final de um grupo de jovens que, como diz a parte 1 do trabalho, foram longe demais". Sorte nossa.

Wlad, Zona Punk

FaixasEditar

N.º TítuloCompositor(es) Duração
1. "Apresenta Ele"  Shelka/Max/Envydust 4:27
2. "Senhoras e senhores"  Che/Shelka/Max/Envydust 3:00
3. "Martírio e glória"  Bjar/Shelka/Max/Envydust 4:06
4. "O leilão do lote 77"  Shelka/Max/Envydust 4:10
5. "Persistente (Interlúdio I)"  Shelka/Che/Envydust 3:18
6. "Letargo"  Max/Envydust 4:16
7. "Hora de partir"  Shelka/Max/Envydust 4:35
8. "E decolei"  Shelka/Max/Envydust 5:09
9. "Vai ser igual"  Shelka/Max/Envydust 5:07
10. "Reticente (Interlúdio II)"  Shelka/Envydust 2:25
11. "Outra vez mais"  Shelka/Max/Envydust 4:11
12. "O trem"  Cesar/Shelka/Max/Envydust 6:31