Abrir menu principal

União de Rocha Miranda

Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2016). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
União de Rocha Miranda
Bandeira do GRES União de Rocha Miranda.png
Fundação 15 de novembro de 1960 (59 anos)
Cores
Azul
Branco
Símbolo Águia, coroa e ramos de café
Bairro Rocha Miranda
Presidente Mário Luis Alves Pedro
Desfile de 2019
Enredo Simplesmente Oxum

O Grêmio Recreativo Escola de Samba União de Rocha Miranda é uma escola de samba da cidade do Rio de Janeiro, com sede no bairro de Rocha Miranda. Inativa desde 1998, chegou a se inscrever para o desfile em 2015 e 2016, mas acabou por desistir do desfile antecipadamente, em ambas as oportunidades.[1]

O sambista Xangô da Mangueira iniciou nessa escola.[2]

HistóriaEditar

A escola de samba foi fundada por integrantes da Independente do Zumbi (1961-1978) que sentiram a necessidade de mudança, ante as fracas performances da agremiação que representava Rocha Miranda.[3]

A agremiação estreou em 1979 no então quarto e último grupo, o 2-B e conseguiu a promoção, ao alcançar a 4ª posição, abaixo apenas de Foliões de Botafogo, Unidos de Nilópolis e Acadêmicos do Grande Rio. O enredo apresentado foi Desfile das flores.

Em 1980, sofreu o rebaixamento do Grupo 2-A (atual B) ao ficar na 9° posição, empatada com a Unidos de Nilópolis e à frente apenas da Unidos do Jacarezinho. Foi 9° colocada em 1981 no Grupo 2-B (atual C) com o enredo Papai, mamãe e vovó, apenas à frente da Império de Campo Grande. Mas, não houve descenso.

Em 1984, participou do Grupo 2-B (atual Grupo de acesso C), ficando em 3° lugar, mas não conseguindo o acesso, que foi conquistado pela União de Vaz Lobo e a Sereno de Campo Grande.

Em 1985, foi a vice-campeã do mesmo grupo, perdendo o título para a Tradição, sendo promovida para o Grupo de acesso B no ano seguinte.

Em 1986, já no Grupo 2-A (terceira divisão), sofreu o rebaixamento ao ficar em 10° lugar. No ano posterior, fez um carnaval apenas para se manter no então Grupo 4 (atual acesso C), alcançando o 4° lugar.

Em 1988, foi 3° no Grupo 4, não alcançando a sonhada promoção, que veio apenas para os dois primeiros colocados, que foram Viradouro e Leão de Nova Iguaçu.

Em 1989, foi a campeã do Grupo 4 com o enredo chamado Arlindo Rodrigues, arlequim do carnaval.

Em 1990, houve uma total mudança de nomenclatura dos grupos e da divisão das escolas. O Grupo 4 virou o 3. E o último grupo passou a se chamar Grupo de Acesso, que seria uma espécie de grupo de avaliação para novas agremiações. A União de Rocha Miranda passou a integrar o Grupo 2 (atual acesso B), havendo acima o Grupo 1 (atual acesso A) e o Especial. Ficou apenas em 9° lugar, mas manteve-se no mesmo patamar para o ano seguinte. O enredo foi Mamãe eu quero Fernando Pinto, ziriguidum e carnaval. Foram promovidas naquele grupo a Leão de Nova Iguaçu e Império da Tijuca.

Em 1991, houve um novo retrocesso para a escola. Foi a última colocada, 12° lugar, com o enredo A coroação da Tia Ciata. A agremiação teria de voltar para o Grupo 3 (acesso C).

Em 1993, rebaixada para o então Grupo de Acesso, o último, (atual Grupo de acesso D), pois ainda não existia o Grupo E, ficou apenas em 8°, mantendo-se com o enredo Zumbi dos Palmares. Na verdade, deveria ser a última pois Uraiti e Acadêmicos do Cachambi, naquela oportunidade, não desfilaram.

Em 1994, foi 8° novamente, ficando à frente apenas da co-irmã em agruras, a representante do bairro do Cachambi.

Em 1995, houve um novo remanejamento das escolas com uma nova criação de grupos. O grupo da elite continuou a se chamar Especial e abaixo vinham, na ordem, Acesso A, Acesso B, Grupo 1 e Grupo 2. A União de Rocha Miranda foi deslocada para o Grupo de acesso B e ficou na 13° colocação, sendo rebaixada.

Em 1996, curiosamente, a escola estava no Grupo D. E o pior de tudo é que foi a última colocada, ficando em 11° lugar. Houve, de fato, um rebaixamento duplo. Restou apenas em 1997, para a agremiação de Rocha Miranda, desfilar no Grupo de acesso E, que foi criado no ano anterior, mas a União não desfilou. O enredo seria Samba Zambelê. Estava assim decretado o fim das participações da escola no carnaval carioca.

SegmentosEditar

PresidentesEditar

Período Presidente Ref.
1991 Joelson Estevão [4]
1992 a 1997 sem dados [4]
2015 e Atual Mário Luis Alves Pedro [5]

DiretoresEditar

Ano Diretor de Carnaval Diretor geral de harmonia Mestre de bateria Ref.
2019 Comissão de Carnaval (Beleu, Marley Alves, Jorge Knawer e Marcos Paulo) Dudu Harmonia Bruno Camargo

CoreógrafoEditar

Ano Nome Ref.
2019 Kriolo

Casal de Mestre-sala e Porta-bandeiraEditar

Ano Nome Ref.
2019

Rainhas de bateriaEditar

Período Nome Ref.
2019

CarnavaisEditar

União de Rocha Miranda
Ano Colocação Grupo Enredo Carnavalesco Intérprete Ref.
1979 4º lugar 2B Desfile das Flores
Intérprete: João do Vale
Wilson Miranda João do Vale [7]
1980 9º lugar 2A O Segredo da Noite
Intérprete: João do Vale
Wilson Miranda João do Vale [6][7]
1981 9º lugar 2A Papai, mamãe e vovó
Intérprete: João do Vale
Wilson Miranda João do Vale [6][7]
1982 6º lugar 2B A festa do Bonfim
Intérprete: João do Vale
Wilson Miranda João do Vale [6][7]
1983 4º lugar 2B Festa das bandeiras
Intérprete: João do Vale
Wilson Miranda João do Vale [6][7]
1984 3º lugar 2B De D. João VI a Joãozinho Trinta
Intérprete: João do Vale
Wilson Miranda João do Vale [6][7]
1985 Vice-Campeã 2B Taí, Carmem Miranda
Intérprete: João do Vale
Wilson Miranda João do Vale [6][7]
1986 10º lugar 2A As Festas
Intérprete: João do Vale
Wilson Miranda João do Vale [6][7]
1987 4º lugar 4 Natal, Vulto de Notável Mérito
Intérprete: João do Vale
José Eugênio João do Vale [6][7]
1988 3º lugar 4 Um século e daí ou A sombra da ilusão de uma raça
Intérprete: João do Vale
José Eugênio João do Vale [6][7]
1989 Campeã 4 Arlindo Rodrigues, Arlequim do Carnaval
Intérprete: João do Vale
José Eugênio João do Vale [6][7]
1990 9º lugar B Mamãe, eu quero Fernando Pinto, ziriguidum e carnaval
Intérprete: João do Vale
Marcio Darion e Sergio Caput João do Vale [6][7]
1991 12º lugar B A coroação de Tia Ciata, mãe da batucada brasileira
Intérprete: João do Vale
Marcio Darion e Sergio Caput João do Vale [6][7]
1992 10º lugar C Negro Brasil, das Raízes Africanas ao Delírio Barroco
Intérprete: João do Vale
Marcio Darion e Sergio Caput João do Vale [6][7]
1993 8º lugar Avaliação Zumbi, rei dos Palmares
Intérprete: João do Vale
Marcio Darion e Sergio Caput João do Vale [6][7]
1994 8º lugar Avaliação Rocha Miranda e Suas Pedras Preciosas [8]
1995 13º lugar Acesso B O Grito da Flor [9]
1996 12º lugar Grupo B Século XVII, o Brasil se Veste de Dourado [10]
1997 7º lugar E Samba Zambelê
Intérprete: João do Vale
Vandinho João do Vale [6][7]
Não desfilou de 1998 a 2014 [6][7]
2015 Não desfilou Sou Criança, Sou Feliz! Jorge Knnawer - [11]
Não desfilou de 2016 a 2018
2019 - E Simplesmente Oxum Jorge Knnaer -

Referências

  1. Samba é Nosso redefine ordem de desfiles do Grupo E
  2. [1]
  3. «Histórico». União de Rocha Miranda. Academia do Samba 
  4. a b http://www.academiadosamba.com.br/passarela/uniaoderochamiranda/diretoria.htm
  5. [2]
  6. a b c d e f g h i j k l m n o p q Galeria do Samba. «União de Rocha Miranda - Carnavais». Consultado em 30 de novembro de 2014 
  7. a b c d e f g h i j k l m n o p q Academia do Samba. «União de Rocha Miranda - Desfiles e Enredos». Consultado em 30 de novembro de 2014 
  8. 1994 - Grupo de Acesso
  9. G.R.E.S. UNIÃO DE ROCHA MIRANDA - Grupo de Acesso - Carnaval de 1995- O Grito da Flor
  10. Resultados 1996
  11. Felipe Araujo, para o Marquês da Folia (29 de outubro de 2014). «Conheça o enredo da União de Rocha Miranda para o Carnaval 2015». Consultado em 30 de novembro de 2014 

BibliografiaEditar