Uniformitarismo

O uniformitarismo[1] é um princípio científico que originalmente foi proposto por James Hutton, que é considerado um dos precursores da geologia moderna. A teoria uniformitarista baseia-se na reprodução dos dados observáveis em fenómenos geológicos atuais para a interpretação da ocorrência destes fenómenos no passado. Seus primeiros defensores procuravam refutar o Catastrofismo.

Os princípios da teoria são:

  • Atualismo geológico: Os acontecimentos do passado são resultado de forças da natureza idênticas às que se observam na atualidade, ou seja, o que acontece hoje também terá ocorrido no passado.
  • Gradualismo: Os acontecimentos geológicos são o resultado de processos lentos e graduais.

Assim, James Hutton concluiu que "... em nossas investigações, não logramos encontrar nenhum indício de um começo e nenhum vestígio de um fim...".

As leis da natureza são constantes. O estudo dos processos geológicos atuais permite interpretar a evolução geológica, "encaixando" os registos geológicos impressos nas rochas e em suas estruturas como em um quebra-cabeças.

A teoria do uniformitarismo foi posteriormente desenvolvida por Charles Lyell e corroborada por Charles Darwin através do estudo do evolucionismo.

Willian Whewell

Na Geologia, o uniformitarismo é uma doutrina que sugere que os processos geológicos na Terra, aconteceram no passado da mesma maneira que com mesma intensidade que ocorrem no presente, e tal uniformidade seria suficiente para ocasionar todas as mudanças geológicas vistas atualmente. Esse princípio é fundamental para o pensamento geológico e é base para o desenvolvimento da Geologia como ciência[2].

Quando William Whewell, um estudioso da Universidade de Cambridge introduziu o termo em 1832, o princípio prevalecente era o Catastrofismo, que postulava que a Terra foi criada e transformada por grandes catástrofes, já o Uniformitarismo postula que os fenômenos observados nas rochas são todos resultados de processos geológicos que ocorrem até hoje – ou seja, o presente é a chave para o passado.

A expressão uniformitarismo, no entanto, se tornou história, porque a discussão entre catastrofistas e uniformitaristas diminuiu em grande parte. A geologia como ciência aplicada se baseia em outras ciências, mas no início do século XIX, as descobertas geológicas ultrapassaram a física e a química da época. À medida que os fenômenos geológicos se tornaram compreensíveis em termos do avanço da física, química e biologia, a realidade do Uniformintarismo como um dos principais princípios filosóficos da Geologia se estabeleceu, e a controvérsia entre catastrofistas e uniformitaristas terminou em grande parte.

Contribuições de HuttonEditar

 
James Hutton

A ideia de que as leis que governam os processos geológicos não mudaram durante a história da Terra foi expressa pela primeira vez pelo geólogo escocês James Hutton, que em 1785 apresentou suas ideias - posteriormente publicadas em dois volumes como Theory of the Earth (1795) - nas reuniões da Royal Society of Edinburgh. Hutton mostrou que a Terra tinha uma longa história que poderia ser interpretada em termos de processos observados no presente. Hutton mostrou, por exemplo, como os solos eram formados pelo desgaste das rochas e como as camadas de sedimentos se acumulavam na superfície da Terra.[3]

Hutton também afirmou que não havia necessidade de nenhuma causa sobrenatural para explicar o registro geológico. A proposta de Hutton desafiou o conceito de uma Terra bíblica (com uma história de cerca de 6.000 anos) que foi criada especialmente para ser um lar para os humanos; o efeito de suas ideias no mundo erudito pode ser comparado apenas à revolução anterior do pensamento provocada pelos astrônomos Nicolau Copérnico, Johannes Kepler e Galileu Galilei, quando substituíram o conceito de um universo centrado na Terra pelo conceito de um sistema solar centrado no sol. Ambos os avanços desafiaram o pensamento existente e sofreram resistência por muitos anos.

No livro Principles of Geology, 3 vol. (1830-1833), o geólogo escocês Sir Charles Lyell decifrou a história da Terra empregando princípios huttonianos e apresentou uma série de novas evidências geológicas que apoiam a visão de que as leis físicas são permanentes e que qualquer forma de sobrenaturalismo poderia ser rejeitada. O trabalho de Lyell, por sua vez, influenciou profundamente o naturalista inglês Charles Darwin, que reconheceu Lyell como grande revolucionário na ciência.

Contribuições de Lord KelvinEditar

 
Lord Kelvin

A publicação em 1859 das conclusões de Darwin e do naturalista britânico Alfred Russel Wallace sobre a origem das espécies estendeu o princípio da uniformidade aos reinos vegetal e animal. Embora os catastrofistas continuassem a combater a visão huttoniana-lyelliana-darwiniana até o final do século XIX, uma nova crítica foi levantada por William Thomson (mais tarde Lord Kelvin), um dos principais pesquisadores em termodinâmica. Thomson apontou que a Terra perde calor por condução térmica e que os processos geológicos podem ter mudado como consequência; ele também concluiu que esse resfriamento impunha um limite superior à idade da Terra. Com a descoberta da radioatividade e o reconhecimento de que os isótopos radioativos no planeta fornecem uma fonte interna contínua de calor, ficou claro que a conclusão de Thomson de que a Terra tinha menos de 100 milhões de anos estava incorreta, mas seu argumento de que a Terra sofre uma perda irreversível de a energia permaneceu válida.[4]

A perda de calor, devido em parte ao decaimento dos isótopos radioativos (átomos como urânio-235, urânio-238 e tório-232), tem uma consequência importante. Embora o princípio da uniformidade esteja correto, pois as leis físicas não mudaram ao longo do tempo geológico, o comportamento da Terra mudou à medida que as temperaturas caíram, com a consequência de que a extensão da atividade ígnea e do movimento da crosta terrestre mudou durante o tempo geológico. Assim, é possível que a tectônica de placas que opera hoje e que operou em intervalos geológicos passados tenha sido precedida por processos de deformação um tanto diferentes durante o período pré-cambriano (há 4600 milhões a 541 milhões de anos).

Referências

  1. FARIA, Felipe. «O Atualismo entre uniformitaristas e catastrofistas». Revista da Sociedade Brasileira de História da Ciência. doi:ISSN: 2176-3275 Verifique |doi= (ajuda). Consultado em 23 de fevereiro de 2015 
  2. «Uniformitarianism geology». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 14 de novembro de 2019 
  3. «Uniformitarianism | geology». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 14 de novembro de 2019 
  4. «Uniformitarianism geology». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 14 de novembro de 2019 

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre geologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.