Abrir menu principal


Universidade Grenoble Alpes
Université Grenoble Alpes
Latim:Universitas Gratianopolitana
Fundação Humberto II de Viennois
1339
Tipo de instituição pública
Localização Grenoble,  França
Funcionários técnico-administrativos 2 500[1]
Presidente Patrick Lévy[2]
Docentes 3 000[1]
Total de estudantes 45 000[1]
Campus Grenoble
Orçamento anual €450 mln[1]
Página oficial [2]

A Universidade Grenoble Alpes (ou, nas suas formas portuguesas, de Grenobla ou de Granobra; francês: Université Grenoble Alpes) é uma universidade pública de pesquisa, resultante de uma fusão ocorrida em 2016 de três universidades que dividiam o mesmo campus, localizada na região do Auvérnia-Ródano-Alpes, na França.[3]

É a segunda maior universidade francesa em número de alunos, perdendo apenas para a Universidade de Aix-Marselha. No ranking da QS Top Universities (2019) ocupa a posição de 9ª melhor universidade da França e 289 no ranking internacional.

HistóriaEditar

A universidade foi fundada em 1339 pelo delfin Humberto II e confirmada por bula papal de Bento XII datada de 12 de maio de 1339[4][5] para ensinar direito civil e canônico, medicina e as artes liberais.[6] Entretanto, a instituição carecia de recursos e desapareceu, por não ter como sustentar-se, após a morte de Humberto II. Foi restabelecida, em 1542 por Francisco de Bourbon e unificada com a Universidade de Valência em 1565.[7] Os habitantes de Grenoble tentaram, sem êxito, restabelecer a universidade várias vezes nos séculos XVI e XVII. Napoleão II restabeleceu as faculdades de direito, letras e ciências entre 1805-1808. Durante a restauração borbónica, em 1815 a Faculdade de Letras foi suprimida (restabelecida em 1847) e a Faculdade de Direito em 1818 (restabelecida em 1824). A Escola de Farmácia e Medicina foi estabelecida em 1866 e se converteu na quarta faculdade em 1894.[8] Entretanto, nessa época a universidade tinha poucos estudantes e oferecia poucas titulações. O desenvolvimento das ciências na universidade foi favorecido pela transformação de Grenoble de uma cidade isolada nas montanhas em um importante fornecedor de técnicas e equipamentos elétricos na década de 1880.[8] As faculdades foram inauguradas formalmente como a Universidade de Grenoble em 1879 na, então recentemente construída, Place Verdun.[9]

O número de estudantes aumentou dos, aproximadamente 340 existentes em 1868, para 3.000 em 1930. O conceito de Établissement public à caractère scientifique, culturel et professionnel (EPCSP) desenvolveu-se à época de Edgar Faure como ministro da educação. Como resultado, a universidade foi dividida em diferentes organizações independentes em 1970 e tornou-se em dos maiores centros universitários da França com aproximadamente 60.000 estudantes em três grandes universidades.

A Divisão em Universidades distintasEditar

Em 1970 foi dividida em várias instituições diferentes:

Tal separação foi parcialmente abolida com a fusão das três principais universidades (Grenoble I, Grenoble II e Grenoble III) no ano de 2016. Em 2020, o Instituto Politécnico de Grenoble o Instituto de Estudos Políticos de Grenoble e a Escola de Arquitetura devem se fundir à universidade para levar o nome de universidade integrada.[10]

Influência intelectualEditar

Dada a profusão de estudiosos nos mais diversos ramos do conhecimento, Grenoble também arvora-se de ser o berço de grandes escritores como Henry Beyle (Stendhal) e intelectuais notáveis a exemplo de Jean-Jacques Rousseau e Jean-Luc Godard e do pioneirismo em pesquisas, contando com inúmeros laboratórios, como o Comissariado de energia atômica e energias alternativas (CEA Grenoble), e outros, como os laboratórios de Hidráulica, de Hidrologia, o (E.S.R.F.) European Synchrotron Radiation Facility, e MINATEC.

Todavia, em em questões mais objetivas, o fato é que as distintas instituições compartilhavam o mesmo campus e outras instalações. A partir de 2010 foi criado um projeto para a unificação das cinco organizações mas que ainda não se concretizou, portanto, a partir de 1970, o nome "Universidade de Grenoble" (Université de Grenoble) não se refere a uma instituição educativa com existência administrativa real.

Professores de renomeEditar

Louis Balleydier; Jules Blache; Raoul Blanchard; Jean-François Champollion; Victor Del Litto; Joseph Fourier; Jacques Freyssinet; Jean Gaudemet; Jean Giroud; Jean Kuntzmann; Georges Lavau; Julien Luchaire; Michel Michel, (sociólogo); Louis Néel; Philippe Nozières; Alain Pessin; Bernard Vauquois; Gilles Lipovetsky, filósofo; Charles Petit-Dutaillis, membro da Academia de Inscrições e Belas-Letras.

Estudantes de renomeEditar

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

Referências

  A Wikipédia tem os portais:
  • Universidades da França
  • Grenoble