Sorbonne

(Redirecionado de Universidade de Sorbonne)

A Sorbonne é um edifício histórico no Quartier Latin, de Paris, que abriga desde 1200 a principal universidade de Paris, a segunda universidade mais antiga da história. O nome Sorbonne alude ao teólogo do século XIII Roberto de Sorbon, fundador do Colégio de Sorbonne em 1257, que à época era dedicado ao ensino de teologia. Na língua corrente, o nome Sorbonne passou a identificar toda a Universidade de Paris.[1]

Capela da Sorbonne, sob neve
Inscrição sobre a entrada da Sorbonne.
A frente do Edifício Sorbonne.
Place de la Sorbonne.
Exterior do edifício da Sorbonne.

Collège de SorbonneEditar

O colégio foi fundado em 1253 por Robert de Sorbon. Luís IX da França confirmou a fundação em 1257.[2] Foi uma das primeiras faculdades significativas da Universidade medieval de Paris.[3][4] A biblioteca foi uma das primeiras a organizar os itens em ordem alfabética de acordo com o título.[5] A universidade antecede a faculdade em cerca de um século, e faculdades menores já haviam sido fundadas durante o final do século XII. Durante o século XVI, a Sorbonne envolveu-se com a luta intelectual entre católicos e protestantes. A Universidade serviu como um importante reduto das atitudes conservadoras católicas e, como tal, conduziu uma luta contra a política do rei Francisco I de tolerância relativa aos protestantes franceses, exceto por um breve período durante 1533, quando a Universidade foi colocada sob controle protestante. A Sorbonne, agindo em conjunto com a Igreja Católica, condenou 500 obras impressas como heréticas entre 1544 e 1556.[6]

O Collège de Sorbonne foi suprimido durante a Revolução Francesa, reaberto por Napoleão em 1808 e finalmente fechado em 1882. Este foi apenas um dos muitos colégios da Universidade de Paris que existiram até a Revolução Francesa. Hastings Rashdall, em As Universidades da Europa na Idade Média (1895), que ainda é uma referência padrão sobre o assunto, lista cerca de 70 faculdades da universidade apenas da Idade Média; alguns deles tiveram vida curta e desapareceram antes do final do período medieval, mas outros foram fundados no início do período moderno, como o Collège des Quatre-Nations.

Faculdade de Teologia de ParisEditar

Com o tempo, a faculdade passou a ser a principal instituição francesa de estudos teológicos e "Sorbonne" foi freqüentemente usada como sinônimo da Faculdade de Teologia de Paris, apesar de ser apenas uma das muitas faculdades da universidade.

Maio de 1968Editar

Após meses de conflitos entre estudantes e autoridades da Universidade de Paris em Nanterre, a administração fechou a universidade em 2 de maio de 1968. Os alunos do campus da Sorbonne em Paris se reuniram em 3 de maio para protestar contra o fechamento e a ameaça de expulsão de vários estudantes em Nanterre.

Em 6 de maio, o sindicato nacional de estudantes, Union Nationale des Étudiants de France (UNEF) - ainda o maior sindicato estudantil da França hoje - e o sindicato de professores universitários convocaram uma marcha para protestar contra a invasão policial da Sorbonne. Mais de 20 000 alunos, professores e outros apoiadores marcharam em direção à Sorbonne, ainda isolada pela polícia, que atacou, empunhando seus cassetetes, assim que os manifestantes se aproximaram. Enquanto a multidão se dispersava, alguns começaram a fazer barricadas com o que estava ao alcance, enquanto outros atiravam pedras da calçada, forçando a polícia a recuar por um tempo. A polícia então respondeu com gás lacrimogêneo e atacou a multidão novamente. Centenas de estudantes foram presos.

O dia 10 de maio marcou a "Noite das Barricadas", onde os alunos usaram carros, madeira e paralelepípedos para barricar as ruas do Quartier Latin. Brutais combates de rua ocorreram entre estudantes e a tropa de choque, principalmente na Rue Gay-Lussac. No início da manhã seguinte, quando a luta acabou, Daniel Cohn-Bendit enviou uma transmissão de rádio convocando uma greve geral. Na segunda-feira, 13 de maio, mais de um milhão de trabalhadores entraram em greve e os estudantes declararam que a Sorbonne estava "aberta ao público".[7] As negociações terminaram e os alunos retornaram aos seus campi após um relatório falso de que o governo havia concordado em reabri-los, apenas para descobrir a polícia ainda ocupando as escolas.

Quando a Sorbonne foi reaberta, os estudantes a ocuparam e a declararam uma "Universidade do Povo" autônoma. Durante as semanas que se seguiram, aproximadamente 401 comitês de ação popular foram estabelecidos em Paris e em outros lugares para documentar queixas contra o governo e a sociedade francesa, incluindo o Comitê de Ocupação da Sorbonne.[8][9]

Situação atualEditar

Em 1970, a Universidade de Paris foi dividida em treze universidades, administradas por uma reitoria comum, a Chancellerie des Universités de Paris, com escritórios na Sorbonne. Três dessas universidades mantêm instalações no edifício histórico da Sorbonne e, portanto, têm a palavra em seu nome: Sorbonne University, Panthéon-Sorbonne University e Sorbonne Nouvelle University. A Universidade Paris Descartes também usa o prédio da Sorbonne. O edifício também abriga a École Nationale des Chartes, a École pratique des hautes études, o Cours de Civilization Française de la Sorbonne e o Bibliothèque de la Sorbonne.

A Capela da Sorbonne foi classificada como monumento histórico francês em 1887. O anfiteatro (Le Grand Amphithéâtre) e todo o complexo de edifícios (fachadas e telhados) tornaram-se monumentos em 1975.[10]

Referências

  1. Editores 1998.
  2. « Fondation Sorbonne au Moyen Age - Robert de Sorbon »
  3. English Literature - William Henry Schofield. [S.l.]: BiblioLife. 31 de janeiro de 2009. ISBN 9781103109739. Consultado em 16 de fevereiro de 2012 
  4. Hilde de Ridder-Symoens (16 de outubro de 2003). A History of the University in Europe: Volume 1, Universities in the Middle Ages. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 9780521541138  excerpt
  5. Murray, Stuart A. P.. The Library : An Illustrated History, Skyhorse Publishing, 2009, (Print) ISBN 9781602397064.
  6. Lyons, M. (2011). Books: a living history. London: Thames & Hudson.
  7. Paris: May 1968. Solidarity pamphlet series no. 30 (Bromley [Kent]), 1968).
  8. Quattrochi, Angelo; Nairn, Tom (1998). The Beginning of the End. Verso Books. ISBN 978-1859842904
  9. «1968: The general strike and the student revolt in France». World Socialist Web Site (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  10. «Sorbonne (La)». www.pop.culture.gouv.fr. Consultado em 21 de junho de 2021 

BibliografiaEditar