Urracá foi um chefe ou cacique ameríndio Guaimí que lutou bravamente contra os conquistadores espanhóis, liderados por Gaspar de Espinosa, por nove anos.[1] Capturado por Francisco de Compañón num dado momento e enviado ao povoado de Nombre de Dios na província de Colón,[2] Urracá conseguiu escapar de um navio que se destinava à Espanha e reunir seu povo e vários chefes indígenas para assim acompanhá-lo em sua luta contra os espanhóis até sua morte em 1531.[3] Ele também é lembrado como "senhor do vento, da chive e do trovão",[4] "el caudillo ameríndio de Veraguá", "adversário do Império Espanhol", "grande rebelde" do atual território do Panamá, e "aquele que enfrentou os conquistadores espanhóis". Sua efígie pode ser encontrada na moeda panamenha de 1 centésimo de Balboa.[5]

Ver tambémEditar

Referências

  1. (em castelhano) Pablo Brescia, Evelia Romano (2006). El Ojo en El Caleidoscopio. [S.l.]: UNAM. 167 páginas. ISBN 9703230539 
  2. Bancroft, Hubert Howe (1882). History of Central America, Vol. 1. [S.l.]: History Company. 509 páginas  OCLC 1722798
  3. (em castelhano) Dade, Philip L. (1972). Arte y arqueología precolombinos de Panamá. [S.l.]: University of Texas. 13 páginas  OCLC 6194308
  4. Howe, James (2009). Chiefs, Scribes, and Ethnographers. [S.l.]: University of Texas Press. 282 páginas. ISBN 0292779631 
  5. Cuhaj, George S. (2011). Collecting World Coins: Circulating Issues 1901 - Present. [S.l.]: Krause Publications. 723 páginas. ISBN 1440219044 
  Este artigo sobre povos indígenas é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.