Usina Hidrelétrica de Sá Carvalho

usina hidroelétrica no Brasil
Usina Hidrelétrica de Sá Carvalho
UHE Sá Carvalho vista da EFVM, Antônio Dias MG.JPG
Rio Piracicaba na barragem da UHE Sá Carvalho, às margens da EFVM.
Localização
Localização Antônio Dias, Minas Gerais
País  Brasil
Rio Rio Piracicaba e ribeirão Severo
Coordenadas 19°38'10"S, 42°48'22"W
Dados gerais
Operador Sá Carvalho S/A (subsidiária da Cemig)
Projetista Acesita
Uso Usina hidrelétrica
Obras 1947-1951
Data de inauguração setembro de 1951 (68 anos)
Tipo central hidroeléctrica
Reservatório
Área alagada 1,5 km²
Capacidade de geração 78 MW
Unidades geradoras 4

A Usina Hidrelétrica de Sá Carvalho é uma usina hidrelétrica localizada no município brasileiro de Antônio Dias, no interior do estado do Minas Gerais. Possui duas barragens, uma principal no rio Piracicaba (denominada Barragem Antônio Dias), de 117 m de comprimento e 15 m de altura, e outra no ribeirão Severo (Barragem de Severo), de 34 m de comprimento e 14 de altura.[1][2]

O complexo gera uma área alagada de 1,5 km², comportando quatro unidades geradoras. A potência instalada era de 78 MW em 2014, configurando-se como uma das quatro maiores da bacia do rio Doce em Minas Gerais.[2]

HistóriaEditar

A usina foi construída pela Acesita (atual Aperam South America), devido à demanda gerada pela instalação de sua planta industrial em Timóteo, a 21 km da hidrelétrica, ocorrida em 1944.[3] A construção da UHE foi iniciada em 1947,[1] sendo inaugurada em setembro de 1951.[3] Na ocasião era tida como a maior usina hidrelétrica de Minas Gerais e permaneceu como única fonte de energia da Acesita até 1971.[4] Já em 1995, a central foi ampliada.[5]

A Acesita operou a usina hidrelétrica até 1999, quando vendeu-a para a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que se tornou subsidiária da central.[6] Nesse mesmo ano entrou em operação a Usina Hidrelétrica de Guilman Amorim, construída pela Acesita, Belgo-Mineira e Samarco para geração de energia às empresas. A nova UHE também se encontra no rio Piracicaba, a montante de Sá Carvalho.[7]

Ver tambémEditar

Referências

  1. a b Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). «Subsidiárias da Cemig». Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2019 
  2. a b Queiroz, Marluce Teixeira Andrade; Queiroz, Caroline Andrade; Queiroz, Felipe Andrade; Benigno, Gildayne Figueiredo (3 de novembro de 2017). «Avaliação do Índice de Estado Trófico e parâmetros de qualidade da água no reservatório da Usina Hidrelétrica de Sá Carvalho, Minas Gerais, Brasil». Universidade Federal Fluminense (UFF). Sistemas & Gestão. 14 (1). doi:10.20985/1980-5160.2018.v14n1.1363. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2019 
  3. a b Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC). «Timóteo - Apresentação». Descubra Minas. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2019 
  4. Barbosa, Kênia de Souza (abril de 2010). «Por que a gestão da Região Metropolitana do Vale do Aço não sai do papel?» (PDF). Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Biblioteca Digital UFMG: 50. Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 19 de setembro de 2019 
  5. Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) (outubro de 2008). «Inspeção formal de engenharia estrutural e concreto das barragens e estruturas civis anexas» (PDF): 9. Consultado em 19 de setembro de 2019 
  6. Núcleo de Computação e Audiovisual do Instituto de Economia (NUCA) (17 de novembro de 1999). «Investimento / Novas parcerias». Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Consultado em 19 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 19 de setembro de 2019 
  7. UHE Guilman Amorim. «Apresentação». Consultado em 19 de setembro de 2019. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2014 
  Este artigo sobre hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.