Usuário(a):Hugo Galdenço/Testes

Evolução do comportamento homossexual em humanosEditar

A homossexualidade apresenta um paradoxo para os evolucionistas que exploram a adaptabilidade do comportamento humano.[1] comportamento homossexual existiu ao longo da história humana e na maioria das culturas humanas.[2][3][4]

O comportamento homossexual, em humanos, é o termo usado para descrever comportamentos sexuais individuais, bem como relacionamentos de longo prazo, mas em alguns usos conota uma identidade social gay ou lésbica. A escrita científica prefere reservar esse termo para humanos e não usá-lo para descrever o comportamento em outros animais, devido ao seu contexto profundamente enraizado na sociedade humana.[5]

O comportamento homoerótico, dentro dessas áreas de pesquisa, pode ser definido como comportamento sexual entre indivíduo do mesmo sexo (homossexual) envolvendo contato genital que é experimentado como prazeroso. Em alguns trabalhos, a motivação do comportamento (por exemplo, orientação sexual, exploração, falta de parceiros do sexo oposto) pode não ser levada em consideração.[6]

O termo homossexual pode ser usado quando a definição operacional de homoerótico não pode ser aplicada e quando é estranho aplicar o termo homoerótico às descrições de outros pesquisadores do comportamento homossexual.[6]

Supõe-se que a sexualidade humana não é dicotômica. Assim, para a maioria das espécies durante a maior parte de sua história evolutiva, os indivíduos teriam exibido comportamento heterossexual e homossexual, uma característica observada em primatas não humanos intimamente relacionados.[6]

Hipóteses sobre evolução da homossexualidadeEditar

Existem várias hipóteses sobre como a homossexualidade evoluiu, entre elas:

  • Seleção de parentesco: os indivíduos homossexuais altruisticamente renunciaram à reprodução para ajudar na prole de parentes;[7] [8]
  • Manipulação dos pais: os filhos são manipulados pelos pais para renunciar à reprodução, “tornando-se homossexuais” e ajudando a descendência de parentes;[9][10]
  • Polimorfismo balanceado: sugere que o comportamento homossexual seria retido porque ele coocorre com um segundo traço sob seleção positiva;[11]
  • Seleção direta e positiva: o comportamento homossexual ocorreria por causa de seus benefícios não-conceituais,  como a manutenção de alianças do mesmo sexo (relacionamentos de apoio de longo prazo) que auxiliam na competição por recursos ou na defesa cooperativa.[12]

A teoria evolucionista da homossexualidade mais amplamente conhecida é a de E. O. Wilson.[13][8] A teoria sustenta que indivíduos homossexuais nas primeiras sociedades humanas podem ter ajudado membros próximos da família, direta ou indiretamente, a se reproduzirem com mais sucesso. Ela não postula nenhum valor adaptativo direto ou indireto para o comportamento homossexual em si, além de ser baseada em uma série de suposições falsas e não existir evidências para apoiá-la. [6] Consequentemente, foi amplamente rejeitada como modelo explicativo.[14]

O valor adaptativo e a evolução do comportamento homossexualEditar

Alguns trabalhos no campo da psicologia evolutiva consideram que o comportamento homossexual não tem valor adaptativo e, consequentemente, não evoluiu.[15][16][17][18][19][20][21][22][23][24][25][26][27] Entretanto, outros autores argumentam que essa interpretação pode ser devida a vários fatores: a negatividade com a qual a homossexualidade é vista, uma falsa dicotomização da sexualidade humana (heterossexual e reprodutiva; homossexual e não reprodutiva) e o uso de termos não confiáveis ​​como ''gay'' e ''homossexual'' na escrita científica.[14] Além disso, uma análise das origens evolutivas de qualquer comportamento é complexa e requer a consideração de uma série de explicações concorrentes.[28]

Assim, alguns estudos postulam que existe uma disposição de toda a espécie para o comportamento homoerótico em humanos e que tal disposição evoluiu por meio da seleção natural porque tinha valor adaptativo. Especificamente, especula-se que adolescentes hominínios e adultos jovens podem ter passado por um período de periferização social e física ligada a  segregação sexual semelhante a encontrada entre muitos primatas. Uma disposição para se envolver em comportamento homoerótico pode ter servido como um mecanismo de afiliação que reforçou e fortaleceu as relações entre os próprios hominínios marginalizados do mesmo sexo. A assistência social de colegas e companheiros de status superior pode ter aumentado a probabilidade de acesso a recursos e pode ter fornecido aliados para ajudar a repelir ataques de outros membros da mesma espécie.[6]

Consequentemente, estudos ainda indicam que uma disposição para se envolver em comportamento homossexual pode ser vista como tendo efeitos diretos sobre a sobrevivência e indiretos sobre o sucesso reprodutivo. Essa disposição ocorre simultaneamente com uma disposição para o comportamento heteroerótico. Amizades entre indivíduos do mesmo sexo, reforçadas por comportamento erótico, podem ter ajudado indivíduos de ambos os sexos a alcançar a sobrevivência pessoal. Além disso, as alianças sociais de longo prazo formadas desta forma podem ter facilitado o acasalamento entre machos e fêmeas com probabilidade de conceber prole e as habilidades das fêmeas de criar seus filhos com sucesso.[6]

O comportamento sexual humano é considerado o mais complexo e altamente evoluído de qualquer espécie animal.[29] Trabalhos argumentam que, entre os humanos, o comportamento sexual evoluiu principalmente para promover laços entre machos e fêmeas, o que estava relacionado secundariamente ao sucesso reprodutivo.[30][31] Diamond (1992) escreve: "Em nenhuma espécie, além dos humanos, o propósito da cópula tornou-se tão desvinculado da concepção...’’.[32] Especula-se que o comportamento sexual complexo e frequente promoveu fortes laços entre homens e mulheres. Quando a gravidez ocorre, a presença de um par parental ligado aumenta a probabilidade de viabilidade da prole e a propagação final dos próprios genes dos pais. Como o comportamento heterossexual complexo levou ao sucesso reprodutivo, ele foi adaptativo.[6] De Waal (1987) argumenta que, ao longo da evolução humana, o comportamento afiliativo entre homens e entre mulheres adultos pode ter aumentado o sucesso reprodutivo de ambos, e que o comportamento homossexual então evoluiu do comportamento heterossexual.[33] No entanto, também foi argumentado que os comportamentos afiliativos também podem ter sido adaptativos para outras unidades sociais independentes das unidades de acasalamento.[34]

Vida hominínia e o valor adaptativo do comportamento homossexualEditar

O comportamento dos ancestrais hominínios ainda é desconhecido, mas o comportamento social de outros primatas, particularmente chimpanzés comuns (chimpanzés) e chimpanzés pigmeus (bonobos), é frequentemente usado como modelo.[30] [35] Especula-se que os primeiros ancestrais hominínios viveram em grupos fracamente afiliados de 50-60 indivíduos que incluíam machos, fêmeas e seus descendentes.[6] Eles podem ter sobrevivido ao coletar materiais de plantas, catar alimentos e se envolver em alguma caça cooperativa.[8][36] Os ancestrais hominínios viveram em um mundo ameaçador e perigoso. Eles provavelmente eram mais presas do que caçadores[37] e possivelmente engajados em agressões intergrupais frequentes e fatais.[38][39][40].[32]

Nesse contexto ameaçador, a adolescência pode ter sido uma época particularmente perigosa para os hominínios, porque os primatas adolescentes tendiam a se tornar social e fisicamente periféricos.[6] Isso os deixa em uma posição altamente vulnerável, com uma chance aumentada de mortalidade e oportunidades reprodutivas limitadas.[41][42] A periferização ocorre entre várias espécies de primatas não humanos[42] Estes incluem macacos rhesus[43] (34) e babuínos,[44] bem como gorilas,[45] chimpanzés[46] [47] e bonobos[22][48]. Os adolescentes e jovens marginalizados não têm mais a atenção e a proteção de suas mães, e carecem de maturidade e status social para ajudar a garantir sua própria sobrevivência e reprodução. Dependendo da espécie, os adolescentes tendem a ser empurrados para a vida na periferia de seu próprio grupo natal ou de um grupo estrangeiro para o qual podem ter imigrado.[6]

Em vista da evidência entre espécies, é provável que hominínios adolescentes também tenham passado por um período de periferização. Hominínios adolescentes e jovens adultos sexualmente maduros devem ter enfrentado duas poderosas pressões seletivas: sobrevivência física básica e reprodução bem-sucedida. Hominínios adolescentes isolados e vulneráveis ​​com acesso restrito ao sexo oposto podem ter se beneficiado da habilidade de se afiliar a indivíduos do mesmo sexo. Os parceiros do mesmo sexo de adolescentes hominínios masculinos e femininos podem tê-los ajudado a sobreviver, fornecendo acesso a alimentos e proteção contra agressões. Além disso, as alianças sociais formadas e reforçadas por meio do comportamento homoerótico podem ter oferecido vantagens para as necessidades reprodutivas específicas e únicas de cada sexo. As alianças de machos podem tê-los ajudado a subir na hierarquia social masculina e, por fim, obter companheiras. As fêmeas podem ter conseguido entrar no meio do grupo social, onde a estabilidade relativa e a ajuda de amigas teriam aumentado as chances de sobrevivência de seus filhos.[6]

Implicações para estudos futurosEditar

Uma mudança de paradigma pode permitir que o comportamento homossexual seja visto como tendo valor adaptativo durante a evolução humana, possa levar a novas perspectivas do comportamento e gerar algumas novas hipóteses para teste. Por exemplo, um aumento no comportamento homoerótico em grupos do mesmo sexo é frequentemente atribuído à falta de parceiros do sexo oposto. Usando novos modelos, ele pode ser entendido como um tipo de escala comportamental, isto é, o comportamento homoerótico pode ser evocado como uma resposta normal à colocação em um ambiente que se assemelha muito ao ambiente em que evoluiu e foi adaptativo no passado evolutivo.[6] O comportamento homoerótico foi descrito como quase universal entre adolescentes humanos do sexo masculino.[22] Isso pode refletir uma predisposição ligada ao desenvolvimento para o comportamento consistente com a história evolutiva especulada do comportamento. Estudos poderiam ser construídos para determinar a incidência de comportamento homoerótico em vários ambientes segregados por sexo, hipotetizando uma maior incidência em ambientes que se acredita serem mais semelhantes às condições ambientais especuladas dos hominínios.[6]

Outros estudos poderiam ser planejados para tentar prever as diferenças sexuais na manifestação do comportamento homoerótico em função dos tipos de estratégias de afiliação usadas por homens e mulheres. Por exemplo, em chimpanzés e bonobos, o sexo que demonstra a maior força de afiliação do mesmo sexo parece exibir o comportamento sócio-sexual mais frequente e intenso com aliados.[42] [49] A aplicação do modelo a estudos de populações lésbicas, gays e bissexuais pode gerar algumas hipóteses testáveis ​​sobre a natureza dos relacionamentos e padrões de comportamento sexual. Por exemplo, McWhirter e Mattison (1984) relataram que em casais masculinos com maior probabilidade de permanecerem juntos, havia uma diferença de idade de pelo menos cinco anos.[50] Talvez isso reflita uma diferença no status de dominância relacionada à idade que pode ser necessária para a manutenção de um casal do mesmo sexo a longo prazo.[6]

ReferênciasEditar

  1. KIRKPATRICK, R. C. The Evolution of Human Homosexual Behavior. Current Anthropology, Vol. 41, No. 3, pp. 385-413, 2000.
  2. DUBERMAN,  M.  B.VINICIUS, M.; CHAUNCEY, G. Hidden from history: Reclaiming the gay and les- bian past. Penguin, 1989.
  3. GREENBERG,  D.  G.  The construction of homosexuality. University of Chicago Press, 1988.
  4. BLACKWOOD,  E. Anthropology and homosexual behavior. Haworth Press, 1986.
  5. BAILEY, N. W.; & ZUK, M. Same-sex sexual behavior and evolution. Trends in Ecology & Evolution, 24 (8), 439-446, 2009.
  6. a b c d e f g h i j k l m n MUSCARELLA, F. The Evolution of Homoerotic Behavior in Humans. Journal of Homosexuality, 40:1, 51-77, 2000.
  7. WEINRICH, J. D. Sexual landscapes: Why we are what we are, why we love whom we love. Scribner, 1987.
  8. a b c WILSON, E. O. Sociobiology: The new synthesis. Belknap Press, 1975.
  9. RUSE, M. Homosexuality: A Philosophical Inquiry. Basil Blackwell, 1988.
  10. TRIVERS, R. Parent-off spring conflict. American Zoologist, 14:249–64, 1974.
  11. HUTCHINSON, G. E. A speculative consideration of certain possible forms of sexual selection in man. American Naturalist,  93:81–91, 1959.
  12. HUTCHINSON, G. E. A speculative consideration of certain possible forms of sexual selection in man. American Naturalist,  93:81–91, 1959.
  13. WILSON, E. O. On human nature. Harvard University Press, 1978.
  14. a b MUSCARELLA, F. The homoerotic behavior that never evolved. Journal of Homosexuality, 37(3), 1-18, 1999.
  15. WRIGHT, R. The moral animal: Why we are the way we are: The new science of evolutionary psychology. Pantheon Books, 1994.
  16. THIESSEN, D. Bitter-sweet destiny: The stormy evolution of human behavior. Transaction Press, 1996.
  17. SYMONS, D. The evolution of human sexuality. Oxford University Press, 1979.
  18. STEVENS, A.; PRICE, J. Evolutionary psychiatry: A new beginning. Routledge, 1996.
  19. SEABORG, D. M. Sexual orientation, behavioral plasticity, and evolution. Journal of Homosexuality, 10, 153-158, 1984.
  20. RIDLEY, M. The red queen: Sex and the evolution of humannature. Penguin Books, 1993.
  21. POSNER, R. A. Sex and reason. Harvard University Press, 1992.
  22. a b c MCKNIGHT, J. Straight science? Homosexuality, evolution and adaptation. Routledge, 1997.
  23. MARGULIS, L., & SAGAN, D. Mystery dance: On the evolution of human sexuality. Summit Books, 1991.
  24. GALLUP, G. G.; SUAREZ, S. D. Homosexuality as a byproduct of selection for optimal heterosexual strategies. Perspectives in Biology and Medicine, 26, 315-321, 1983.
  25. FUTUYMA, D. J., & RISCH, S. J. Sexual orientation, sociobiology, and evolu- tion. Journal of Homosexuality, 9, 157-168, 1984.
  26. BUSS, D. M. The evolution of desire: Strategies of human mating. American Scientist, vol. 82, 1994.
  27. ARCHER, J. Attitudes toward homosexuals: An alternative Darwinian view. Ethology and Sociobiology, 17, 281-284, 1996.
  28. BUSS, D. M.; HASELTON, M. G.; SHACKELFORD, T. K.; BLESKE, A. L.; WAKEFIELD, J. C. Adaptations, exaptations, and spandrels. American Psychologist, 53(5), 533-548, 1998.
  29. BANCROFT, J. Human sexuality and its problems (2nd ed.). Churchill Livingstone, 1989.
  30. a b LOVEJOY, C. O. The origin of man. Science, 211, pp. 341-350,1981.
  31. FISHER, H. E. Anatomy of love.  Norton, 1992.
  32. a b DIAMOND, J. The third chimpanzee. Harper-Collins, 1992.
  33. DE WAAL, F. Tension regulation and nonreproductive functions of sex in captive bonobos (Pan paniscus). National Geographic Research, 3, pp. 318-335,1987.
  34. KINZEY, W. G. A primate model for human mating systems. In W. G. Kinzey (Ed.), The evolution of human behavior: Primate models (pp.105-114). State University of New York Press, 1987.
  35. DE WAAL, F. Good natured: The origins of right and wrong in humans and other animals. Harvard University Press, 1996.
  36. CAMPBELL, B. Human evolution (3rd ed.). Aldine, 1985.
  37. SUSMAN, R. L. Pygmy chimpanzees and common chimpanzees: Models for the behavioral ecology of the earliest hominids. In W. G. Kinzey (Ed.), The evolution of human behavior: Primate models (pp. 72-86). State University of New York, 1987.
  38. WRANGHAM, R.; PETERSON, D. Demonic males. Houghton Mifflin, 1996.
  39. WRANGHAM, R. W. The significance of African apes for reconstructing human social evolution. In W. G. Kinzey (Ed.), The evolution of human behavior: Pri- mate models (pp. 51-71). State University of New York, 1987.
  40. VAN DER DENNEN, J. M. G. The origin of war: The evolution of a male-coalitional reproductive strategy. Netherlands: Origin Press, 1995.
  41. SAPOLSKY, R. The young and the reckless. Discover, 58-64, 1993.
  42. a b c PUSEY, A. E., & PACKER, C. Dispersal and philopatry. In B. B. Smuts, D. L. Cheney, R. M. Seyfarth, R. W. Wrangham, & T. T. Struhsaker (Eds.), Primate societies (pp. 250-266). University of Chicago Press,1987.
  43. BOELKINS, R. C., & WILSON, R. P. Intergroup social dynamics of the Cayo Santiago rhesus (Macaca mulatta) with special reference to changes in group membership by males. Primates, 13, 125-140, 1972.
  44. HALL, K. R. L. Baboon social behavior. In I. DeVore (Ed.), Primate behavior: Field studies of monkeys and apes (pp. 53-110). Holt, Rinehart & Winston, 1965.
  45. FOSSEY, D. Gorillas in the mist. Houghton Mifflin, 1983.
  46. TUTIN, C. E. G. Mating patterns and reproductive strategies in a community of wild chimpanzees (Pan troglodytes schweinfurthii). Behavioral Ecology and So- ciobiology, 6, 29-38, 1979.
  47. DE WAAL, F. Chimpanzee politics: Power and sex among apes. New York: Harper & Row, 1982.
  48. KURODA, S. Grouping of the pygmy chimpanzees. Primates, 20, pp. 161-183, 1979.
  49. PARISH, A. R. Sex and food control in the ‘‘uncommon chimpanzee’’: How bonobo females overcome a phylogenetic legacy of male dominance. Ethology and Sociobiology, 15, pp.157-194, 1994.
  50. MCWHIRTER, D. P., & MATTISON, A. M. The male couple: How relationships develop. Prentice Hall, 1984.