Usuário(a) Discussão:Raimundo57br/discussão11

https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%93%D0%BE%D0%BB%D0%BE%D0%B4%D0%BE%D0%BC%D0%BE%D1%80_%D0%BD%D0%B0_%D0%A3%D0%BA%D1%80%D0%B0%D0%B8%D0%BD%D0%B5

O pauperismo foi um movimento espiritual nascido na Idade Média, característico das ordens mendicantes e outros pregadores cristãos que enfatizavam a as palavras de Jesus que valorizavam a pobreza como característica de seus seguidores.

Ainda hoje, a pobreza é a promessa e o comprometimento de um estilo de vida sancionado com a emissão de um voto que implica a renúncia a toda propriedade, não apenas para os religiosos, mas também para a comunidade que derivará sua manutenção apenas do trabalho e da vida. da ajuda da providência divina.

Na Idade Média, destacou-se a figura do mendigo, um frade designado para percorrer cidades e campos para solicitar o pagamento de mendicância, ou seja, uma doação voluntária para apoiar o convento. A obrigação de pobreza e a prática de coletar esmolas (agora quase totalmente abandonadas) foram progressivamente limitadas ou proibidas como a única fonte de renda pelo Papa Sisto IV (1475) e pelo subsequente Conselho de Trento, que permitiu às ordens mendicantes possuir coletivamente , das anuidades.

Origens do Parlamento na InglaterraEditar

https://en.wikipedia.org/wiki/History_of_democracy

/História da democracia Usuário(a):Raimundo57br/discussão11/História da democracia

https://en.wikipedia.org/wiki/Parliament_of_England

 

[1].

115

Marsílio de Pádua - História da Democracia

Ubertino de Casale - Pauperismo - https://it.wikipedia.org/wiki/Pauperismo_medievale

Questão da Pobreza Apostólica

Pataria

Franciscanos espirituais

https://it.wikipedia.org/wiki/Bernardino_da_Feltre - Empréstimos aos pobres

Irmãos do Livre Espírito

https://fr.wikipedia.org/wiki/Marguerite_Porete (teologia feminista)

misticismo renano

https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Christian_radicalism

https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Catholicism_and_far-left_politics

https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Utopian_communities

Ofitismo

Cristianismo e filosofia helenísticaEditar

https://en.wikipedia.org/wiki/Christianity_and_Hellenistic_philosophy

O cristianismo e as filosofias helenísticas experimentaram interações complexas entre os séculos I a IV DC.

À medida que o cristianismo se espalhou pelo mundo helênico, um número crescente de líderes que se incorporava nas igrejas cristãs fora influenciado pelas tradições filosóficas dominantes do mundo greco-romano, tais como o estoicismo, o platonismo e o epicurismo. O estoicismo e, em particular, o platonismo foram fortemente incorporados à ética e à teologia cristã.

Fílon de Alexandria de foi um dos primeiros a fazer uma interpretação da Torá de acordo com elementos da filosofia grega. A combinação de judaísmo, platonismo e estoicismo proposta por Fílon influenciou fortemente cristãos como: Orígenes, Clemente de Alexandria e Ambrósio de Milão.

Escolástica

Onésime LacoutureEditar

Usuário Discussão:Raimundo57br/discussão11/Lacouture

AnotaçõesEditar

Usuário Discussão:Raimundo57br/discussão11/Anotações

Carlos Alberto Correa da CunhaEditar

Usuário Discussão:Raimundo57br/discussão11/Carlos Alberto

Nilton Emmerick de OliveiraEditar

Nilton Emmerick de Oliveira, nasceu em Colatina (Espírito Santo). Em uma família que frequentava a Igreja Presbiteriana do Brasil. O pastor local, era o Joaquim Beato, que uma visão religiosa que prestigiava a ação social e o movimento ecumênico.

Ingressou no Seminário Presbiteriano em Vitória (Espírito Santo), onde teve aulas com: Breno Schumann, Jether Ramalho, Waldo César, Claude Labrunie e Joaquim Beato. Mas não concluiu os estudos, pois começou a cursar Odontologia.

Depois de formado, ingressou no Partido Comunista Brasileiro (PCB) e ajudou a organizar o Sindicato dos Odontólogos do Espírito Santo. Depois seria Assessor Técnico da Secretaria Estadual de Saúde, e Chefe do Serviço de Odontologia do Estado.

http://www.gazetarevolucionaria.com.br/index.php/component/k2/item/512-a-alopracao-da-esquerda-contemplativa

http://www.gazetarevolucionaria.com.br/index.php/component/k2/item/505-a-minha-experiencia-na-lps-luta-popular-e-sindical-por-florisvaldo-lopes

http://www.gazetarevolucionaria.com.br/index.php/component/k2/item/555-lps-uma-conferencia-abertamente-oportunista

http://www.gazetarevolucionaria.com.br/index.php/component/k2/item/548-carta-ao-comite-central-da-lps-20-08-2017

Teologia do holocaustoEditar

Usuário Discussão:Raimundo57br/discussão11/holocausto

Lista de lugares utópicos míticosEditar

Diversos mitos descrevem lugares utópicos, dentre eles:

  • Idade de Ouro (Mitologia grega): tempo no início da história humanidade, quando o gênero humano era puro e imortal. Foi um período de paz, harmonia, estabilidade e prosperidade, descrito no poema épico: "Os Trabalhos e os Dias" de Hesíodo.
  • Arcádia: lugar mítico na Grécia onde reina a felicidade, a simplicidade e a paz em um ambiente idílico habitado por uma população de pastores que vivem em comunhão com a natureza;

Economia da Inglaterra na Idade MédiaEditar

https://en.wikipedia.org/wiki/Trade_union

Sindicato de trabalhadoresEditar

Um sindicato de trabalhadores é uma associação estável e permanente de trabalhadores tanto urbano-industrial, como rurais e de serviços, que se uniram para alcançar objetivos comuns, tais como: melhorias salariais, melhores condições de trabalho, benefícios (assistência médica e outros), etc., por meio do aumento do reivindicatório exercido pela solidariedade entre os trabalhadores.

No BrasilEditar

No Brasil os sindicatos:

  • representam os trabalhadores de determinada categoria profissional em negociações que tem como contraparte os sindicatos patronais (empregadores), tais negociações resultam em Convenções Coletivas de Trabalho[2]; e
  • podem ser distritais, municipais, intermunicipais, estaduais, interestaduais e, excepcionalmente, nacionais[3].

Além das Convenções Coletivas de Trabalho, existem os Acordos Coletivos de Trabalho, que vinculam apenas determinadas empresas, sendo normalmente celebrados para empresas com um grande número de empregados[4].

O art. 611-A da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) relaciona situações nas quais as normas estipuladas nas Convenções ou Acordos Coletivos de Trabalho podem prevalecer sobre aquelas previstas na CLT[5].

As Convenções Coletivas de Trabalho vinculam os empregadores de trabalhadores das categorias profissionais representadas nos estabelecimentos situados nas áreas representação dos sindicatos de trabalhadores que participaram das negociações[2].

Sindicatos modernosEditar

As origens dos sindicatos modernos, aqui compreendidos como sindicatos de trabalhadores assalariados, podem ser rastreadas até a Grã-Bretanha do século XVIII, onde a rápida expansão da sociedade industrial atraiu uma parcela cada vez mais significativa da população para as cidades.

Em 1574, a Grã-Bretanha extinguiu o antigo sistema feudal, mas a grande maioria das famílias permaneceu como arrendatária em propriedades pertencentes à aristocracia fundiária. A urbanização da população não foi meramente de realocação do ambiente rural para o urbano; em vez disso, a natureza do trabalho industrial criou uma nova classe de trabalhadores, os trabalhadores assalariados em grandes fábricas, bem maiores do que as antigas oficinas lideradas por mestres artesãos.

Os camponeses trabalhavam na terra, plantando e criando animais e cultivava, tendo que pagar aluguéis aos proprietários, e tinham certa grau de liberdade. Por outro lado, os trabalhadores em grandes fábricas vendiam seu tempo em troca de salário em condições de estreita subordinação às instruções dos empregadores, não tendo quase nenhum grau de liberdade durante os períodos nos quais estavam trabalhando.

Os críticos dessa nova modalidade de subordinação chamaram isso como: "escravidão assalariada"[6], mas o termo mais utilizados para designar tal fenômeno, foi o de: "relação de emprego".

Diferentemente dos camponeses, os trabalhadores assalariados eram completamente subordinados aos seus empregadores, sem segurança no emprego ou promessa de um relacionamento contínuo com seus empregadores, sem controle sobre o trabalho que realizavam ou como isso impactava sua saúde e vida. É nesse contexto que surgem os sindicatos modernos.

No início, os sindicatos encontraram uma forte hostilidade por parte de empregadores e agentes governamentais; na época, sindicatos e sindicalistas eram regularmente perseguidos com base em leis contra "conspirações" e de defesa da liberdade econômica. Mas, apesar de inúmeras dificuldades, os trabalhadores conseguiram construir organizações sindicais[7].

Dentre as medidas repressivas contra os sindicatos, pode-se citar a Lei da Combinação, de 1799, que proibiu os sindicatos e a negociação coletiva dos trabalhadores britânicos. Apesar da repressão, surgiram movimentos como o ludismo, que surgiu em 1812; e a Revolta na Escócia de 1820.

Centrais sindicaisEditar

Na InglaterraEditar

Entre as décadas de 1820 e 1830, ocorreram os primeiros esforços para se fundar uma central sindical nacional.

Em 1830, foi criada a Associação Nacional para a Proteção do Trabalho (ANPT) (National Association for the Protection of Labour), tendo John Doherty, como seu primeiro dirigente, após uma tentativa, aparentemente malsucedida, de criar uma entidade sindical nacional setorial: a União Nacional dos Fiandeiros de Algodão ("National Union of Cotton-spinners"). Em pouco tempo, cerca de 150 sindicatos se filiaram à ANPT, consistindo principalmente de sindicatos relacionados com a indústria têxtil, mas também incluía mecânicos, ferreiros e várias outras categorias.

Um ano após a sua fundação, a ANPT já contava com sindicatos que, somados, tinham cerca de 20.000 trabalhadores filiados, espalhados pelos condados de Lancashire, Cheshire, Derbyshire, Nottinghamshire e Leicestershire.

A ANPT publicava um jornal semanal, denominado como: "Voz do Povo" ("Voice of the People"), com a intenção declarada de "unir as classes produtivas em um vínculo comum de união"[7].

Em 1834, o socialista galês Robert Owen fundou a "Grand National Consolidated Trades Union" (GNCTU), que aglutinou socialistas de diferentes tendências, dentre eles: owenites a revolucionários e participou de diversos protestos, dentre eles os que exigiam a libertação dos Mártires de Tolpuddle, mas, em pouco tempo, entrou em colapso.

A partir da década de 1850, foram estabelecidos sindicatos mais fortes, mas, em muitos casos, menos radicais.

Em 1860, foi fundado o "London Trades Council".

Em 1868, foi fundado o Trades Union Congress, a mais antiga central sindical inglesa a ter uma longa duração.

Nessa época, a existência e as demandas dos sindicatos estavam sendo aceitas por setores mais progressistas da classe média. Em 1871, John Stuart Mill escreveu:

Se fosse possível para as classes trabalhadoras, combinando-se entre si, aumentar ou manter a taxa geral de salários, não é preciso dizer que isso não seria uma coisa a ser punida, mas a ser bem-vinda e regozijada. Infelizmente, o efeito está muito além do alcance por tais meios. As multidões que compõem a classe trabalhadora são muito numerosas e muito dispersas para serem combinadas, muito mais para serem combinadas efetivamente. Se pudessem fazê-lo, sem dúvida conseguiriam diminuir as horas de trabalho e obter os mesmos salários por menos trabalho. Eles também teriam um poder limitado de obter, por combinação, um aumento dos salários gerais à custa dos lucros.

[8]

Além dessa afirmação, Mill também argumentou que: "como os trabalhadores individuais não têm base para avaliar os salários de uma tarefa específica, os sindicatos levariam a uma maior eficiência do sistema de mercado"[9].

LegalizaçãoEditar

Em 1871, ocorreu a legalização dos sindicatos no Reino Unido, com base no entendimento de que o estabelecimento desse tipo de entidade, seria vantajoso tanto para trabalhadores quanto para empregadores.

Esse período também viu o crescimento dos sindicatos em outros países em industrialização, especialmente: Estados Unidos, Alemanha e França.

Em 1869, foi fundada, nos Estados Unidos, a primeira organização trabalhista nacional efetiva: a "Knights of Labor" (Cavaleiros dos Trabalhadores), que começou a crescer a partir de 1880. A legalização ocorreu lentamente, como resultado de uma série de decisões judiciais[10].

Em 1881, foi fundada a "Federation of Organized Trades and Labor Unions", que começou como uma federação de diferentes sindicatos, sendo que os trabalhadores não eram diretamente filiados a tal federação.

Em 1886, foi fundada a "American Federation of Labor" (AFL).

Em 1897, foi fundada, na Alemanha, a "Freie Vereinigung deutscher Gewerkschaft" (Associação Livre dos Sindicatos Alemães) foi formada em 1897, depois da revogação das Leis Antissocialistas, defendidas pelo Otto von Bismarck.

A partir de 1884, os sindicatos passaram a ser permitidos na França, desse modo, em 1887, foi fundada a "Bourse du Travail", que, em 1895, se fundiu com a "Fédération nationale des syndicats" (Federação Nacional dos Sindicatos) para formar a "Confédération Générale du Travail" (Confederação Geral do Trabalho - CGT).

Outros paísesEditar

AustráliaEditar

em 1859, foi inaugurado o Melbourne Trades Hall para ser um centro educacional para os trabalhadores e suas famílias. Os próprios trabalhadores financiaram a construção do edifício em um terreno concedido pelo governador do Estado de Vitória (Austrália). Depois disso, foram abertos Trades Halls e Associações de Sindicatos em diversas cidades da Austrália. Durante a década de 1880, foram formados, por todo o país, diversos sindicatos de tosquiadores, mineiros, estivadores e, depois, de quase todas as outra categorias de operários. A escassez de mão de obra levou a altos salários para uma classe trabalhadora próspera e qualificada, nesse contexto, os sindicatos conseguiram melhorias como a jornada de oito horas e outros benefícios ainda não conquistados na Europa.

CanadáEditar

Em 1849, foi fundada, em Saint John (Novo Brunswick), a "Labourers' Benevolent Association". Tratava-se de uma associação de estivadores que lutava por melhores salários e por menores jornadas de trabalho[11]. Inicialmente o sindicalismo canadense tinha laços com movimentos sindicais na Grã-Bretanha e na Irlanda, pois, no início, foram alguns imigrantes oriundos da Grã-Bretanha que trouxeram experiências do movimento sindical britânico, além disso, muitos sindicatos britânicos passaram a constituir filiais no Canadá. Posteriormente, os laços do sindicalismo canadense com os os movimentos sindicais nos Estados Unidos, acabaram substituindo os laços sindicais com a Grã-Bretanha.

Somente em 1945, a negociação coletiva foi reconhecida, após a greve liderada pelo United Auto Workers na fábrica da General Motors em Oshawa (Ontário).

Em 1946, o juiz Ivan Rand estabeleceu a chamada "Fórmula Rand" que obrigava que todos os trabalhadores beneficiados por um contrato de trabalho coletivo, negociado pelo sindicato, fossem obrigados a contribuir para o sindicato, inclusive os não filiados.

Em 1956, foi fundado o "Canadian Labor Congress" (Congresso dos Trabalhadores do Canadá), a principal central sindical do Canadá.

Em 1975, o governo de Pierre Trudeau (filiado ao Partido Liberal do Canadá) instituiu leis que restringiam aumentos salariais, de modo que aqueles considerados inaceitavelmente altos foram revertidos pelo governo.

Nas décadas de 1980 e 1990, ocorreu o fechamento de fábricas em muitas indústrias manufatureiras, o que gerou pressões para reduzir os salários e aumentar a produtividade. Além disso, os sindicatos do setor público foram atacados por governos federais e provinciais que tentavam equilibrar orçamentos. Nesse contexto, em muitas jurisdições, surgiram legislações que reverteram os direitos de negociação coletiva dos sindicatos, e muitos empregos foram suprimidos[12].

Os sindicatos domésticos proeminentes no Canadá incluem o ACTRA , o Sindicato Canadense de Trabalhadores Postais , o Sindicato Canadense de Empregados Públicos , a Aliança de Serviços Públicos do Canadá , o Sindicato Nacional de Empregados Públicos e Gerais e Unifor . Os sindicatos internacionais ativos no Canadá incluem a Aliança Internacional de Empregados de Palco Teatral , Trabalhadores Automobilísticos Unidos , Trabalhadores Comerciais e Alimentares Unidos e Trabalhadores Siderúrgicos Unidos.

ColômbiaEditar

A partir da década de 1980, com o fortalecimento do paramilitarismo na Colômbia, diversos líderes sindicais foram vítimas de atentados, sendo que, na maior parte dos casos, resultaram na morte das vítimas. Desse modo, a Colômbia passou a ser o país mais perigoso do mundo para sindicalistas.

Em junho de 2000, uma missão da Organização Internacional do Trabalho, informou que "o número de assassinatos, sequestros, ameaças de morte e outras agressões violentas a dirigentes sindicais e trabalhadores sindicalizados na Colômbia não tem precedentes históricos". De acordo com o governo colombiano, entre 1991 e 1999, ocorreram 593 assassinatos de dirigentes sindicais e trabalhadores sindicalizados, por outro lado, a Escola Sindical Nacional afirma que o número de assassinatos foi de: 1.336[13] [14].

Entre 2000 e 2010, foi na Colômbia onde se concentraram: 63,12% dos assassinatos de lideranças sindicais em todo o mundo. [46] De acordo com a Confederação Sindical Internacional (ITUC) houve 2.832 assassinatos de sindicalistas entre 1 de janeiro de 1986 e 30 de abril de 2010[15].

Costa RicaEditar

Na Costa Rica, os sindicatos surgiram no final do século XIX como instrumentos de reivindicações dos trabalhadores em uma variedade de categorias profissionais urbanas e industriais, tais como operários que trabalhavam na construção de ferrovias e artesãos.

​​Depois de enfrentar uma repressão violenta, como a que ocorreu em 1934, durante a greve na United Fruit Company, os sindicatos ganharam mais poder após a Guerra Civil Costarriquenha de 1948.

Em 2009, os sindicatos costarriquenhos eram mais fortes no setor público, incluindo as áreas de educação e medicina, mas também tinham uma forte presença no setor agrícola[16].

AlemanhaEditar

Os primeiros registros de greves na Alemanha são da baixa Idade Média, de trabalhadores que trabalhavam para mestres artesãos:

  1. Em 1329, houve um movimento reivindicatórios de serralheiros de latão em Breslávia;
  2. Em 1389, houve um movimento reivindicatórios de alfaiates em Constança; e
  3. Em 1469, houve um movimento reivindicatórios de mineiros em Altenberg.

Na era industrial, cabe mencionar o levante dos tecelões da Silésia em 1844.

Foi a partir das Revoluções de 1848 nos Estados alemães que foram fundadas as primeiras entidades sindicais de âmbito nacional da Alemanha. Entretanto, tais sindicatos nacionais, representavam categorias específicas.

Em 1865, foi fundada em Leipzig, a "Allgemeiner Deutsche Cigarrenarbeiter-Verein" (Sociedade Geral de Trabalhadores de Charutos Alemães), considerado como o primeiro sindicato organizado nacionalmente na Alemanha. Esta entidade foi o modelo para sindicatos nacionais de outras categorias profissionais que surgiram nos anos seguintes, tais como: a "Gewerkschaft Nahrung-Genuss-Gaststätten", que representava os trabalhadores em restaurantes e a "Verein Deutscher Lokomotivführer" (VDL) (Associação Alemã de Motoristas de Locomotivas), fundada em 1867, sendo esse último exemplo, considerado como o sindicato nacional mais antigo da Alemanha.

Foi somente após reformas legislativos que ocorreram entre 1869 e 1871, que os sindicatos de trabalhadores puderam se desenvolver para atuar como contrapartes das associações de empresários. Um exemplo dessas reformas, foi a lei de regulamentação do comércio que introduziu a liberdade de associação e a liberdade de comércio.

A classe operária teve que lutar por um salário digno, enquanto os empresários gozavam de privilégios feudais. Os sindicatos foram os primeiros interessados ​​em melhorar a situação de seus integrantes. Por meio das entidades sindicais os trabalhadores puderam fazer reivindicações trabalhistas por meio de greves.

Para combater essa maior atuação dos sindicatos, em 1878, o parlamento alemão aprovou as Leis Antissocialistas (Reichstag), propostas por Otto von Bismarck.

Somente em 1892, com o Congresso de Halbergerstadter, os sindicatos ganharam poder e influência novamente. Em 14 de março de 1892, Carl Legien convocou a "Gründungskonferenz der Generalkommission der Gewerkschaften Deutschlands" (Conferência da Carta da Comissão Geral dos Sindicatos na Alemanha). Desse modo, os sindicatos com o maior número de integrantes se juntaram a uma organização guarda-chuva no Reich alemão.

fzr depoisEditar

Exército Vermelho de Ruhr - República Soviética da Baviera

outro loteEditar

https://web.archive.org/web/20120430073121/http://www.intermarx.com/ossto/archivio.html https://jacobin.com.br/2020/04/os-inimigos-de-gramsci/ gramscismo de direita http://fel.nr.free.fr/nb.htm http://www.pcn-ncp.com/alternNB.htm http://lucmichel.net/pdf/Luc-Michel-Ecole-euro-sovietique-de-geopolitique.pdf

https://fr.wikipedia.org/wiki/Ordre_nouveau_(mouvement) https://fr.wikipedia.org/wiki/Nouvelle_R%C3%A9sistance https://fr.wikipedia.org/wiki/Parti_communautaire_national-europ%C3%A9en https://en.wikipedia.org/wiki/National_communism Protocronismo Prussianismo e Socialismo Gregor Strasser strasserismo Liga Contra o Imperialismo Partido Socialista do Reich Comunitarismo Nacionalismo europeu Karl Radek Orquestra vermelha Movimento Revolucionário Conservador Socialfascismo Eurasianismo Limonka

https://en.wikipedia.org/wiki/National_communism_in_Romania https://en.wikipedia.org/wiki/July_Theses https://en.wikipedia.org/wiki/Murba_Party

https://en.wikipedia.org/wiki/Smenovekhovtsy https://de.wikipedia.org/wiki/Arvid_Harnack https://de.wikipedia.org/wiki/Adam_Kuckhoff https://de.wikipedia.org/wiki/Eberhard_Koebel https://de.wikipedia.org/wiki/Richard_Scheringer https://de.wikipedia.org/wiki/Josef_R%C3%B6mer https://de.wikipedia.org/wiki/Harro_Schulze-Boysen https://de.wikipedia.org/wiki/Ernst_Graf_zu_Reventlow https://de.wikipedia.org/wiki/Heinrich_Laufenberg_(Politiker) https://de.wikipedia.org/wiki/Fritz_Wolffheim https://de.wikipedia.org/wiki/Heinrich_Brandler https://de.wikipedia.org/wiki/Hans_von_Hentig https://de.wikipedia.org/wiki/Hartmut_Plaas https://en.wikipedia.org/wiki/Paul_Eltzbacher https://de.wikipedia.org/wiki/Strasser-Krise https://de.wikipedia.org/wiki/Richard_Schapke https://de.wikipedia.org/wiki/Helle_Hirsch https://de.wikipedia.org/wiki/Heinrich_Grunow https://de.wikipedia.org/wiki/Rudolf_Formis https://de.wikipedia.org/wiki/Friedrich_Borinski https://de.wikipedia.org/wiki/Wehrwolf_(Wehrverband) https://de.wikipedia.org/wiki/Die_Tat_(Monatszeitschrift) https://de.wikipedia.org/wiki/Herbert_Blank https://de.wikipedia.org/wiki/Bruno_Ernst_Buchrucker https://de.wikipedia.org/wiki/Eugen_Mossakowsky https://de.wikipedia.org/wiki/Nationaler_Sozialismus https://de.wikipedia.org/wiki/Heinrich_Grunow https://de.wikipedia.org/wiki/Bodo_Uhse https://de.wikipedia.org/wiki/Rudolf_Jung_(Politiker) https://de.wikipedia.org/wiki/Kampfverlag https://fr.wikipedia.org/wiki/Cat%C3%A9gorie:Nationalisme_r%C3%A9volutionnaire https://fr.wikipedia.org/wiki/Cat%C3%A9gorie:National-bolch%C3%A9visme https://fr.wikipedia.org/wiki/Nationalisme_r%C3%A9volutionnaire https://fr.wikipedia.org/wiki/Luc_Michel_(militant) https://fr.wikipedia.org/wiki/Christian_Bouchet https://fr.wikipedia.org/wiki/Nouvelle_R%C3%A9sistance https://fr.wikipedia.org/wiki/Gilles_Munier https://fr.wikipedia.org/wiki/Pierre_Gripari https://it.wikipedia.org/wiki/Mario_Borghezio https://it.wikipedia.org/wiki/Franco_Cardini https://fr.wikipedia.org/wiki/Nicolas_Tandler https://fr.wikipedia.org/wiki/Front_europ%C3%A9en_de_lib%C3%A9ration https://fr.wikipedia.org/wiki/Jean-Gilles_Malliarakis https://fr.wikipedia.org/wiki/Parti_communautaire_national-europ%C3%A9en https://fr.wikipedia.org/wiki/Troisi%C3%A8me_Voie_(France) https://fr.wikipedia.org/wiki/Mouvement_nationaliste_r%C3%A9volutionnaire_(France) https://fr.wikipedia.org/wiki/Parti_des_forces_nouvelles_(France) https://fr.wikipedia.org/wiki/National-communisme https://fr.wikipedia.org/wiki/Nationalisme_r%C3%A9volutionnaire

https://it.wikipedia.org/wiki/Avanguardia_Nazionale - Força Nova - Claudio Mutti - https://it.wikipedia.org/wiki/FUAN-Caravella - https://it.wikipedia.org/wiki/Primula_Goliardica - https://it.wikipedia.org/wiki/Terza_Posizione_(movimento_politico) - https://it.wikipedia.org/wiki/Franco_Freda - https://it.wikipedia.org/wiki/Stefano_Delle_Chiaie_(politico) https://it.wikipedia.org/wiki/Mistica_fascista https://it.wikipedia.org/wiki/Paolo_Signorelli_(politico)

https://de.wikipedia.org/wiki/Ernst_Niekisch https://de.wikipedia.org/wiki/Eduard_Stadtler https://de.wikipedia.org/wiki/Hofgeismarer_Kreis_(Jungsozialisten) https://de.wikipedia.org/wiki/Starker_Staat https://de.wikipedia.org/wiki/Alte_Sozialdemokratische_Partei_Deutschlands https://de.wikipedia.org/wiki/Widerstand._Zeitschrift_f%C3%BCr_nationalrevolution%C3%A4re_Politik https://de.wikipedia.org/wiki/Karl_Otto_Paetel, https://de.wikipedia.org/wiki/Heinrich_Laufenberg_(Politiker), https://de.wikipedia.org/wiki/Fritz_Wolffheim, https://de.wikipedia.org/wiki/Paul_Fr%C3%B6lich_(Politiker), https://de.wikipedia.org/wiki/Harro_Schulze-Boysen https://de.wikipedia.org/wiki/Gruppe_Sozialrevolution%C3%A4rer_Nationalis

https://www.osentinela.org/jean-thiriart-teorico-da-revolucao-europeia/ https://www.osentinela.org/israel-shamir-o-triunfo-de-putin-e-o-gambito-da-crimeia/ http://fel.nr.free.fr/jeuro.htm https://niekischtranslationproject.wordpress.com/2016/08/07/jean-thiriart-theorist-of-the-european-revolution-christian-bouchet/ http://geraldojose.blogspot.com/2014/09/claudio-mutti-luta-de-jean-thiriart.html http://geraldojose.blogspot.com/2014/09/claudio-mutti-luta-de-jean-thiriart.html https://nemicidelsistema.blogspot.com/2020/06/jean-thiriart-limpero-che-verra-claudio.html https://archive.wikiwix.com/cache/index2.php?url=https%3A%2F%2Fafriquexxi.info%2Farticle4935.html#federation=archive.wikiwix.com

Gregor StrasserEditar

Gregor Strasser (nascido em 31 de maio de 1892 em Geisenfeld; † 30 de junho de 1934 em Berlin) foi um político alemão.

Em 1922, juntou-se ao Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães (PNSTA).

Em 1923, participou ativamente do fracassado Putsch de Munique e se tornou um dos principais políticos do PNSTA, quando o partido foi restabelecido em 1925.

Apesar das divergências ideológicas com Adolf Hitler, ele foi nomeado como líder de propaganda e, em 1928, líder organizacional.

Nesta posição, que correspondia à tarefa de secretário-geral, alcançou uma posição de poder que ameaçava Hitler. O conflito se intensificou em 1932 na "Strasser-Krise", na qual Strasser perdeu a luta pelo poder contra Joseph Goebbels.

No dia 30 de junho 1934, foi assassinado durante a chamada Noite das Facas Longas no curso de eliminar supostos ou reais oponentes de Hitler.

Primeiros anosEditar

Era o mais velho dos cinco filhos de um advogado e funcionário público católico. Entre os irmãos de Gregor, destacaram-se o monge beneditino Bernhard Strasser e o publicitário e editor de jornais Otto Strasser (1897-1974), que acompanhou a carreira política de seu irmão por vários anos.

Passou sua infância na cidade mercantil de Geisenfeld, na Alta Baviera, e em Bad Windsheim, na Francônia Média. Em 1908, concluiu o colegial em Burghausen.

Entre 1910 e 1914, trabalhou em uma farmácia em Frontenhausen.

Em 1914, começou a cursar farmácia na Universidade de Munique.

No segundo semestre de 1914, logo após o início da Primeira Guerra Mundial, suspendeu seus estudos na Universidade para alistar-se como voluntário no Exército da Baviera, onde serviu no 1º Regimento de Artilharia Bávaro, chegando ao posto de primeiro-tenente da reserva e conquistando a medalha da Cruz de Ferro em duas as classes por bravura[17].

Após o final da Primeira Guerra Mundial, retomou os seus estudos na Universidade Friedrich Alexander de Erlangen-Nuremberg. Em janeiro de 1919, ele passou no exame farmacêutico estadual e depois foi estagiário por dois anos como assistente de farmácia. Em janeiro de 1921, ele finalmente começou a dirigir sua própria farmácia em Landshut.

Em 1919, integrou o Freikorps Epp e, desse modo, participou da repressão da República Soviética da Baviera.

Em 1920:

  • participou do Kapp-Putsch, um golpe que tinha como bandeira a oposição ao Tratado de Versalhes (1919). Por outro lado, seu irmão Otto, então integrante do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD), também teria pertencido aos Freikorps, mas foi o líder de uma milícia operária leal ao governo do SPD durante o Kapp-Putsch;
  • casou-se com Else Vollmuth (1893-1982), filha de um rico fabricante de produtos de madeira, desse casamento nasceram os gêmeos Günter e Helmut[18].

Em janeiro de 1921, ingressou na Associação de Oficiais Alemães em janeiro de 1921 e logo depois assumiu a liderança da associação paramilitar de soldados de mentalidade nacional (VNS).

Ingresso no PNSTAEditar

Existem controvérsias sobre a data de ingresso de Strasser no PNSTA:

  1. Algumas fontes afirmam que essa adesão ocorreu em fevereiro de 1921[19];
  2. Por outro lado, uma lista dos líderes das Sturmabteilung (SA) da Baviera indica Gregor ingressou no PNSTA, em outubro de 1922;
  3. De acordo com Armin Nolzen, não há evidências do envolvimento político de Strasser com o PNSTA até meados de 1922, mas há evidências de que, a partir de janeiro de 1921, Strasser foi integrante do grupo local da Associação de Oficiais Alemães em Landshut e chefiou, na mesma cidade, o grupo local da associação paramilitar de soldados de mentalidade nacional e que, a partir de setembro de 1922, ele se juntou ao SA e ao PNSTA[20].

No dia 31 de outubro de 1922, Gregor foi eleito vice-líder do PNSTA em Landshut.

Em dezembro de 1922, apareceu publicamente como orador do partido e, na primavera de 1923, inspirou a fundação de grupos locais do PNSTA em Pfeffenhausen, Wörth e Dingolfing[21].

Depois disso, Gregor escreveu artigos para o "Völkischer Beobachter" e também para jornais diários locais, como o: "Kurier für Niederbayern" e o "Landshuter Zeitung".

Em janeiro de 1923, assumiu a direção das SA de Landshuter - à qual provavelmente havia se juntado em setembro de 1922.

No final de janeiro de 1923, liderou o corpo das SA de Landshuter em uma marcha no 1º Congresso do PNSTA no Campo de Marte de Munique.

Por ocasião da reorganização organizacional da SA, que ocorreu em fevereiro de 1923, as unidades da SA em Regensburg, Passau, Freising, Deggendorf, Vilshofen, Vilsbiburg e Landshut foram reorganizadas como "Brigada Landshut" (também conhecida como "Sturmbataillon (Batalhão de Assalto) Landshut" ou "Batalhão de Assalto Niederbayern") colocada sob o comando de Gregor.

No dia 1º de maio de 1923, Por ocasião da marcha das associações da pátria no Oberwiesenfeld, Gregor e Hermann Kriebel tentaram persuadir Hitler a arriscar um putsch, do qual ele se esquivava no momento.

Em novembro de 1923, Gregor e seu batalhão SA participaram do Putsch de Munique, mas tiveram apenas um papel marginal: Gregor e sua unidade chegaram a Munique na manhã do dia 9 de novembro de 1923. Na verdade, os bávaros da Baixa Baviera foram mandados para Freising, onde receberam brevemente a tarefa de ocupar a Ponte Wittelsbach.

A unidade não estava ciente da marcha para o Feldherrnhalle e seu fracasso[22].

Na noite de 9 de novembro, os homens voltaram para Landshut. Gregor foi interrogado pela polícia, mas somente foi preso no dia 2 de fevereiro de 1924, não por causa de seu envolvimento no golpe, mas porque ele havia tentado recrutar um sargento da polícia de Landshut como mensageiro para o PNSTA, que foi proibido em novembro de 1923. Ficou preso na Prisão de Landsberg por um curto período de tempo[23].

Nacional BolchevismoEditar

https://es.wikipedia.org/wiki/Nacionalcomunismo - http://www.comlink.de/cl-hh/m.blumentritt/agr166s.htm

/Nacional Comunismo

O nacional-bolchevismo é um paradigma político e filosófico que surgiu entre parte da intelectualidade russa que emigrou após a Revolução de Outubro de 1917.

O objetivo era tentar unificar e combinar socialismo e nacionalismo. O termo é mais frequentemente usado em relação para movimentos políticos russos. Em outros povos não russos, o termo "comunismo nacional" é mais comumente usado.

Nacional Bolchevismo na AlemanhaEditar

/Nacional Bolchevismo na Alemanha /NBA1 /NBA2

Nacional Bolchevismo na RússiaEditar

/PNB

Referências

  1. O PENSAMENTO POLÍTICO MONARCÔMACO: Da Limitação do Poder Real ao Contratualismo, acesso em 24 de fevereiro de 2020.
  2. a b art. 611 da Consolidação das Leis do Trabalho, acesso em 28/02/2022.
  3. art. 515 da Consolidação das Leis do Trabalho, acesso em 28/02/2022.
  4. § 1º do art. 611 da Consolidação das Leis do Trabalho, acesso em 28/02/2022.
  5. art. 611 da Consolidação das Leis do Trabalho, acesso em 28/02/2022.
  6. Tomich, Dale W. (2004). "Through the prism of slavery: labor, capital, and world economy". Lanham: Rowman & Littlefield.
  7. a b Webb, Sidney; Webb, Beatrice (1920). "History of Trade Unionism". Longmans and Co. London. ch. I
  8. Principles of Political Economy (1871), em inglês, acesso em 2022.
  9. King, John T.; Yanochik, Mark A. (2011). "[https://www.jstor.org/stable/23240389 John Stuart Mill and the Economic Rationale for Organized Labor]". The American Economist. 56 (2): 28–34.
  10. trade union, em inglês, acesso em 03/03/2022.
  11. For Whom The Bells Toll, em inglês, acesso em 05/03/2022.
  12. History of Unions in Canada, em inglês, acesso em 05/03/2022.
  13. Special ILO Representative for cooperation with Colombia to be appointed by Director-General, em inglês, acesso em 06/03/2022.
  14. Colombia: Not Time for a Trade Deal, em inglês, acesso em 06/03/2022.
  15. ITUC responds to the press release issued by the Colombian Interior Ministry concerning its survey, em inglês, acesso em 06/03/2022.
  16. [http://sitrapequia.or.cr/gestor/index.php?option=com_content&view=article&id=52 Historia del Sindicalismo], em espanhol, acesso em 06/03/2022.
  17. Peter D. Stachura: "Gregor Strasser and the Rise of Nazism". Allen & Unwin, London u. a. 1983.
  18. Heinrich Egner: "Aus der Apotheke wurde notgedrungen eine Drogerie. Auf einer Gremeß wurde Gregor Strasser von der Geburt seiner Zwillinge überrascht". In: Landshuter Zeitung, 21. Outubro 2004.
  19. Heinrich Egner: "Aus der Apotheke wurde notgedrungen eine Drogerie. Auf einer Gremeß wurde Gregor Strasser von der Geburt seiner Zwillinge überrascht". In: Landshuter Zeitung, 21. Outubro 2004.
  20. Straßer, Gregor, em alemão, acesso em 22/05/2022.
  21. Egner: "Gleich bei Parteieintritt örtlicher SA-Führer. Trittstufe war ein wenig bekannter ultranationalistischer Soldatenverband". In: Landshuter Zeitung, 27. Dezembro de 2004.
  22. Sturmbataillon Niederbayern, 1922/23, em alemão, acesso em 22/05/2022.
  23. Peter Stachura: "Gregor Strasser and the Rise of Nazism". George Allen & Unwin, London 1982.

CossacosEditar

Os cossacos são um grupo de cristãos ortodoxos eslavos que ficaram conhecidos por formarem comunidades democráticas, autogovernadas e semi-militares originárias das estepes da Europa Oriental[1]. Eles habitavam áreas escassamente povoadas e ilhas no baixo Dnieper[2], nas bacias dos rios Don, Terek e Ural, e desempenharam um papel importante no desenvolvimento histórico e cultural da Ucrânia e do sul da Rússia[3].

Cossacos do DonEditar

/Cossacos do Don

Cossacos ZaporozhianosEditar

/Cossacos Zaporozhianos

EtimologiaEditar

O termo cossaco (russo: казак, romanizado: kazak; ucraniano: козак, romanizado: kozak) era amplamente utilizado para designar as "pessoas livres" (pessoas não sujeitas às relações de servidão), tendo sua origem no termo turco "qazaq"[4] [5].

Histórico 2Editar

Originalmente, o termo se referia a grupos tártaros semi-independentes (qazaq ou "homens livres") que habitavam a estepe pôntica ao norte do Mar Negro. No final do século XV, o termo também foi aplicado para designar os camponeses que fugiam para as regiões rios Dnieper e Don, onde estabeleceram suas comunidades autônomas.

Até pelo menos a década de 1630, esses grupos cossacos permaneceram etnicamente e religiosamente abertos a praticamente qualquer pessoa, embora fossem predominantemente eslavos. Houve vários grandes líderes cossacos no século nas regiões dos rios Dnieper, Volga, Ural e Terek[6].

Os Cossacos Zaporozhianos foram vassalos da Comunidade Polaco-Lituana durante os tempos feudais, até que, em 1648, comandados por Bogdan Khmelnitski, deram início à Revolta de Khmelnitski, vencida pelos cossacos apoiados pelo Império Russo e que resultou no Tratado de Pereyaslav, de 1654, que foi resultou no Hemanato Cossaco, que seria um protetorado do Império Russo[7] [8].

Outro importante ramo dos cossacos são os "Cossacos do Don", que formaram o "O Exército Cossaco do Don", uma formação militar autônoma sob que serviu ao Principado de Moscou, na região do Rio Don, entre 1671 e 1786. Além disso, Essa formação militar iniciou uma conquista sistemática e a colonização de terras para proteger as fronteiras nas regiões:

  1. do Rio Volga;
  2. de toda a Sibéria (vide: Ermak Timofeevitch);
  3. dos rios Ural e Terek, sendo que comunidades cossacas se instalaram ao longo dos dois últimos rios bem antes da chegada dos Cossacos do Don[9].

No século 18, os líderes cossacos no Império Russo ocuparam zonas tampão efetivas em suas fronteiras meridionais e orientais. As ambições expansionistas do Império dependiam da lealdade dos cossacos, o que causava tensão devido ao seu exercício tradicional de liberdade, democracia, autogoverno e independência.

Nesse contexto, ocorreram diversas rebeliões anti-czaristas lideradas por comandantes cossacos, tais como: Stenka Razin, Kondraty Bulavin, Ivan Mazepa e Iemelian Pugachev. O Império Russo reprimiu essas rebeliões e suprimiu o governo dos cossacos nas regiões:

  1. a oeste do Rio Don após a Rebelião Bulavinem (1707-1708);
  2. de Baturyn, após a rebelião de liderada por Ivan Mazepa em 1708; e
  3. do Baixo Dnieper (governada por Cossacos Zaporozhianos), após a Rebelião liderada por Iemelian Pugachev em 1775.

Unidades militares cossacas desempenharam um papel importante nas guerras do Império Russo durante os séculos XVIII a XX, incluindo:

  1. a Grande Guerra do Norte;
  2. a Guerra dos Sete Anos;
  3. a Guerra da Crimeia;
  4. as Guerras Napoleônicas;
  5. a Guerra do Cáucaso;
  6. muitas das Guerras Russo-Persas; e
  7. a Primeira Guerra Mundial.

No final do século XIX e no início do século XX, os cossacos passaram a integrar unidades policiais do Império Russo. Os cossacos também serviram como guardas de fronteira nas fronteiras étnicas nacionais e internas, como aquelas que surgiram na Guerra do Cáucaso.

Durante a Guerra Civil Russa, maior parte dos cossacos do Rio Don e de Kuban ficaram contra os bolcheviques e, desse modo, em 1918, criaram dois estados independentes: a República do Don e a República Popular de Kuban.

Em represália, após a vitória do Exército Vermelho, teve início um processo de descossaquização. Esse processo gerou um ressentimento que levou parte dos cossacos a apoiar os nazistas durante a Segunda Guerra Mundial[10].

Referências

  1. O'Rourke, Shane (2011), "Cossacks", The Encyclopedia of War, American Cancer Society
  2. Magocsi, Paul Robert (1996). "A History of Ukraine". pp. 179–181.
  3. O'Rourke, Shane (2000). Warriors and peasants: The Don Cossacks in late imperial Russia
  4. Cossack, em inglês, acesso em 08/03/2022.
  5. Cossack Russian and Ukrainian people, em inglês, acesso em 08/03/2022.
  6. Witzenrath, Christoph (2007). Cossacks and the Russian Empire, 1598–1725: Manipulation, Rebellion and Expansion into Siberia. Routledge.
  7. Richmond, Yale (1995). "From Tak to Yes: Understanding the east Europeans". Intercultural Press. p. 294.
  8. Коллекция: исторические документы, em russo, acesso em 12/03/2022.
  9. Gordeyev, Andrew (1992). The History of Cossacks. Moscow.
  10. ИСТОРИОГРАФИЯ ВОПРОСА О ПРОИСХОЖДЕНИИ КАЗАЧЕСТВА, em russo, acesso em 12/03/2022.

AnotaçõesEditar

Usuário Discussão:Raimundo57br/discussão11/Anotações2

Referências

A fazer 0Editar

A fazer depoisEditar

Usuário Discussão:Raimundo57br/discussão11/fazer depois

https://fr.wikipedia.org/wiki/%C3%89tienne_Marcel

Revoltas do final da Idade Média - Crise do século XIV

https://it.wikipedia.org/wiki/Universit%C3%A0_dei_Battilani https://it.wikipedia.org/wiki/Ciuto_Brandini

Propaganda na Coreia do Norte

Política do Sol

Walther Rathenau

https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Utopian_communities_in_the_United_States

https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Utopian_communities

https://es.wikipedia.org/wiki/Revoluci%C3%B3n_catalana_de_1460-1461 https://es.wikipedia.org/wiki/Guerra_civil_catalana

A fazerEditar

https://jacobin.com.br/2021/10/eugene-debs-o-socialista-norte-americano-que-lutava-pela-paz/ - https://www.youtube.com/watch?v=mdgtBRAKQXo

Lista de revoltas camponesas Vladimir Aleksandrovitch Antonov-Ovseenko Bacia do Donets Cossacos siberianos Hetman Hetmanato Tratado de Hadiach Revolta de Khmelnitski Symon Petliura Stepan Bandera República Popular de Cubã Iemelian Pugachev Ivan Mazepa Stenka Razin Ermak Timofeevitch Grão-Principado de Moscou United Auto Workers Jornada de oito horas Colarinho azul Trades Union Congress Freie Vereinigung deutscher Gewerkschaft Leis Antissocialistas Confederação Geral do Trabalho (França) Mirsaid Sultan-Galiev

Autonomia de Alash Socialismo islâmico Universidade Comunista dos Trabalhadores do Oriente Liu Shaoqi

https://de.wikipedia.org/wiki/Arplan https://de.wikipedia.org/wiki/Friedrich_Lenz_(National%C3%B6konom) https://en.wikipedia.org/wiki/July_Theses https://en.wikipedia.org/wiki/Muslim_Social_Democratic_Party https://en.wikipedia.org/wiki/Tan_Malaka https://en.wikipedia.org/wiki/Sen_Katayama https://en.wikipedia.org/wiki/Avetis_Sultan-Zade https://en.wikipedia.org/wiki/Henk_Sneevliet https://en.wikipedia.org/wiki/M._N._Roy https://en.wikipedia.org/wiki/Akhmet_Baitursynov https://en.wikipedia.org/wiki/Nariman_Narimanov https://en.wikipedia.org/wiki/Turar_Ryskulov https://en.wikipedia.org/wiki/Communist_Party_of_Turkestan https://en.wikipedia.org/wiki/2nd_World_Congress_of_the_Comintern https://en.wikipedia.org/wiki/10th_Congress_of_the_Russian_Communist_Party_(Bolsheviks) https://en.wikipedia.org/wiki/Congress_of_the_Peoples_of_the_East https://en.wikipedia.org/wiki/Jadid https://en.wikipedia.org/wiki/Young_Bukharans https://en.wikipedia.org/wiki/Muslim_Socialist_Committee_of_Kazan https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%9A%D0%B0%D0%B7%D0%B0%D1%87%D1%8C%D1%8F_%D0%BD%D0%B0%D1%86%D0%B8%D0%BE%D0%BD%D0%B0%D0%BB%D1%8C%D0%BD%D0%B0%D1%8F_%D0%B3%D0%B2%D0%B0%D1%80%D0%B4%D0%B8%D1%8F_%D0%92%D1%81%D0%B5%D0%B2%D0%B5%D0%BB%D0%B8%D0%BA%D0%BE%D0%B3%D0%BE_%D0%B2%D0%BE%D0%B9%D1%81%D0%BA%D0%B0_%D0%94%D0%BE%D0%BD%D1%81%D0%BA%D0%BE%D0%B3%D0%BE https://en.wikipedia.org/wiki/Don_Republic https://en.wikipedia.org/wiki/Steppe_March https://fr.wikipedia.org/wiki/Piotr_Popov https://es.wikipedia.org/wiki/Rep%C3%BAblica_Sovi%C3%A9tica_del_Don https://pl.wikipedia.org/wiki/Michai%C5%82_Kriwosz%C5%82ykow https://en.wikipedia.org/wiki/First_All-Ukrainian_Congress_of_Soviets_(Kharkiv) https://es.wikipedia.org/wiki/Rep%C3%BAblica_Popular_Ucraniana_de_los_S%C3%B3viets https://en.wikipedia.org/wiki/Central_Council_of_Ukraine https://es.wikipedia.org/wiki/Consejo_Pol%C3%ADtico_del_Don https://en.wikipedia.org/wiki/Russian_Army_(1917) https://es.wikipedia.org/wiki/Decreto_sovi%C3%A9tico https://de.wikipedia.org/wiki/Michail_Wassiljewitsch_Kriwoschlykow https://pl.wikipedia.org/wiki/Fiodor_Podtio%C5%82kow https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%94%D0%BE%D0%BD%D0%B5%D1%86%D0%BA%D0%B8%D0%B9_%D1%83%D0%B3%D0%BE%D0%BB%D1%8C%D0%BD%D1%8B%D0%B9_%D0%B1%D0%B0%D1%81%D1%81%D0%B5%D0%B9%D0%BD https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%93%D1%80%D0%B0%D0%B6%D0%B4%D0%B0%D0%BD%D1%81%D0%BA%D0%B0%D1%8F_%D0%B2%D0%BE%D0%B9%D0%BD%D0%B0_%D0%BD%D0%B0_%D0%94%D0%BE%D0%BD%D1%83 https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%9A%D1%80%D0%B8%D0%B2%D0%BE%D1%88%D0%BB%D1%8B%D0%BA%D0%BE%D0%B2,_%D0%9C%D0%B8%D1%85%D0%B0%D0%B8%D0%BB_%D0%92%D0%B0%D1%81%D0%B8%D0%BB%D1%8C%D0%B5%D0%B2%D0%B8%D1%87 https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%9F%D0%BE%D0%B4%D1%82%D1%91%D0%BB%D0%BA%D0%BE%D0%B2,_%D0%A4%D1%91%D0%B4%D0%BE%D1%80_%D0%93%D1%80%D0%B8%D0%B3%D0%BE%D1%80%D1%8C%D0%B5%D0%B2%D0%B8%D1%87 https://ru.wikipedia.org/wiki/%D0%9A%D1%80%D0%B0%D1%81%D0%BD%D0%B0%D1%8F_%D0%B3%D0%B2%D0%B0%D1%80%D0%B4%D0%B8%D1%8F_%D0%94%D0%BE%D0%BD%D0%B1%D0%B0%D1%81%D1%81%D0%B0 https://en.wikipedia.org/wiki/Bulavin_Rebellion https://en.wikipedia.org/wiki/Uprising_of_Bolotnikov https://en.wikipedia.org/wiki/Tushino_Camp https://en.wikipedia.org/wiki/Terek_Cossacks https://en.wikipedia.org/wiki/Chorni_Klobuky https://en.wikipedia.org/wiki/Zaporozhian_Cossacks https://en.wikipedia.org/wiki/Black_Sea_Cossack_Host https://en.wikipedia.org/wiki/Sloboda_Ukraine https://en.wikipedia.org/wiki/Moldavian_Magnate_Wars https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Cecora_(1620) https://en.wikipedia.org/wiki/Don_Republic https://en.wikipedia.org/wiki/Pugachev%27s_Rebellion https://en.wikipedia.org/wiki/Ataman https://en.wikipedia.org/wiki/Bulavin_Rebellion https://en.wikipedia.org/wiki/Pereyaslav_Council https://en.wikipedia.org/wiki/Cossack_Hetmanate https://en.wikipedia.org/wiki/Zaporozhian_Sich https://en.wikipedia.org/wiki/Don_Cossacks https://en.wikipedia.org/wiki/Free_German_Trade_Union_Federation https://en.wikipedia.org/wiki/German_Trade_Union_Confederation https://en.wikipedia.org/wiki/Rand_formula https://en.wikipedia.org/wiki/Ivan_Rand https://en.wikipedia.org/wiki/Labour_council https://en.wikipedia.org/wiki/American_Federation_of_Labor https://en.wikipedia.org/wiki/Federation_of_Organized_Trades_and_Labor_Unions https://en.wikipedia.org/wiki/Knights_of_Labor https://en.wikipedia.org/wiki/London_Trades_Council https://en.wikipedia.org/wiki/Tolpuddle_Martyrs https://en.wikipedia.org/wiki/Robert_Owen https://en.wikipedia.org/wiki/Grand_National_Consolidated_Trades_Union https://en.wikipedia.org/wiki/John_Doherty_(trade_unionist) https://en.wikipedia.org/wiki/National_Association_for_the_Protection_of_Labour https://en.wikipedia.org/wiki/Radical_War https://en.wikipedia.org/wiki/Combinations_of_Workmen_Act_1825 https://en.wikipedia.org/wiki/Combination_Act_1799 https://en.wikipedia.org/wiki/Sergey_Karaganov https://en.wikipedia.org/wiki/Master_craftsman https://en.wikipedia.org/wiki/Trade_union https://en.wikipedia.org/wiki/Collegium_(ancient_Rome) https://en.wikipedia.org/wiki/Guild https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Economy_of_medieval_England https://en.wikipedia.org/wiki/Worshipful_Company_of_Drapers https://en.wikipedia.org/wiki/Company_of_Merchant_Adventurers_of_London https://en.wikipedia.org/wiki/Yorkshire_rebellion_1489 https://en.wikipedia.org/wiki/Ordinance_of_Labourers_1349 https://en.wikipedia.org/wiki/Statute_of_Labourers_1351 https://en.wikipedia.org/wiki/Gentry https://en.wikipedia.org/wiki/Parliament_of_England https://fr.wikipedia.org/wiki/Foires_de_Champagne https://en.wikipedia.org/wiki/Charter_fair https://en.wikipedia.org/wiki/Livery_company https://en.wikipedia.org/wiki/Economics_of_English_Mining_in_the_Middle_Ages Domesday Book https://en.wikipedia.org/wiki/Economy_of_England_in_the_Middle_Ages#Manorial_system https://en.wikipedia.org/wiki/Demesne https://en.wikipedia.org/wiki/Open-field_system https://en.wikipedia.org/wiki/Economics_of_English_agriculture_in_the_Middle_Ages https://en.wikipedia.org/wiki/Medieval_English_wool_trade https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Recessions https://en.wikipedia.org/wiki/Economy_of_England_in_the_Middle_Ages https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Popular_revolt_in_late-medieval_Europe https://en.wikipedia.org/wiki/Popular_revolts_in_late-medieval_Europe https://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Guerras_de_religi%C3%A3o_na_Europa https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Rebels

De cada qual, segundo sua capacidade; a cada qual, segundo suas necessidades Lista de evangelhos

Dissidentes ingleses

Roger Williams https://en.wikipedia.org/wiki/Ezekiel_Holliman https://en.wikipedia.org/wiki/History_of_Christian_universalism Confederação da Nova Inglaterra https://en.wikipedia.org/wiki/John_Coggeshall https://en.wikipedia.org/wiki/John_Clarke_(Baptist_minister) https://en.wikipedia.org/wiki/Randall_Holden https://en.wikipedia.org/wiki/Henry_Bull_(governor) https://en.wikipedia.org/wiki/Philip_Sherman https://en.wikipedia.org/wiki/John_Porter_(settler) https://en.wikipedia.org/wiki/William_Aspinwall https://en.wikipedia.org/wiki/William_Dyer_(settler) Portsmouth (Rhode Island) Newport (Rhode Island) Mary Dyer https://en.wikipedia.org/wiki/Portsmouth_Compact https://en.wikipedia.org/wiki/John_Wheelwright https://en.wikipedia.org/wiki/Antinomian_Controversy https://en.wikipedia.org/wiki/John_Clarke_(Baptist_minister) https://en.wikipedia.org/wiki/Jeremy_Clarke_(governor) https://en.wikipedia.org/wiki/William_Coddington https://en.wikipedia.org/wiki/John_Cotton_(minister) https://en.wikipedia.org/wiki/John_Clarke_(Baptist_minister) https://en.wikipedia.org/wiki/William_Coddington https://en.wikipedia.org/wiki/John_Cotton_(minister) https://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_Hooker https://en.wikipedia.org/wiki/Samuel_Skelton

https://en.wikipedia.org/wiki/History_of_the_Puritans_in_North_America Colônia de New Haven Colônia de Connecticut Colônia de Saybrook Roger Williams Colônia de Rhode Island e Plantações de Providence Anne Hutchinson Quaker Peregrinos Colônia de Plymouth Colônia da Baía de Massachusetts Confederação da Nova Inglaterra Província da Baía de Massachusetts Domínio da Nova Inglaterra Roger Williams Alice Curwen Colônia de Connecticut Anne Hutchinson

Lista de heresias católicas Luciano de Antioquia Astério, o Sofista Maris de Calcedônia Melécio de Licópolis Antitrinitarismo Monarquianismo Issa (profeta) https://en.wikipedia.org/wiki/God-man_(Christianity) https://en.wikipedia.org/wiki/Arian_creeds https://en.wikipedia.org/wiki/Binitarianism https://en.wikipedia.org/wiki/Creatio_ex_nihilo Macedonianismo https://en.wikipedia.org/wiki/John_Biddle_(Unitarian) Fotino Socinianismo Irmandade polonesa Giorgio Blandrata Michael Servetus John Assheton Cristandade gótica https://en.wikipedia.org/wiki/Basil_of_Ancyra Concílio de Sirmio Antipapa Félix II Grande Igreja Teógnis de Niceia https://en.wikipedia.org/wiki/Secundus_of_Ptolemais Cristianismo oriental Paládio de Raciária https://en.wikipedia.org/wiki/Valens_of_Mursa Ursácio de Singiduno Germínio de Sirmio Auxêncio de Milão Eudóxio de Antioquia Acácio de Cesareia Acacianismo https://en.wikipedia.org/wiki/Homoiousian Eusébio de Nicomédia Úlfilas [[]] https://en.wikipedia.org/wiki/Diversity_in_early_Christian_theology Semiarianismo Anomeanismo Controvérsia ariana Vitálio II de Antioquia Antidicomarianitas Tríade capitolina Sabelianismo Sabélio Monofisismo https://en.wikipedia.org/wiki/Eutychianism Flaviano I de Antioquia Melécio de Antioquia https://en.wikipedia.org/wiki/Durandus_of_Saint-Pour%C3%A7ain João Duns Escoto Pedro Abelardo https://en.wikipedia.org/wiki/Felix_(bishop_of_Urgell) Elipando Pastor de Hermas https://en.wikipedia.org/wiki/Denial_of_the_virgin_birth_of_Jesus Subordinacionismo Monarquianismo Sabelianismo Códice Tchacos Códice Gnóstico de Berlim Proclo Arconticismo Dositeu Papiros mágicos gregos Lactâncio Hermes Trismegisto Anomeanismo Apocalipse de Moisés Queda do homem Conflito de Adão e Eva com Satanás Testamento de Adão Sizígia (gnosticismo) Norea Ogdóade Evangelho de Pedro Evangelho dos Hebreus Atos de Tomé Cristãos de São Tomé Árvore da Ciência do Bem e do Mal https://en.wikipedia.org/wiki/Tree_of_life Androginia Sofia (gnosticismo) Aeon (gnosticismo) Mônada (filosofia) Barbelo https://en.wikipedia.org/wiki/Audianism Gnose Setianismo Aeon (gnosticismo) https://en.wikipedia.org/wiki/Ogdoad_(Gnosticism) Valentim (gnóstico) A Oração de Ação de Graças Três Estelas de Sete Pleroma Arconte Corpus Hermeticum Pseudepigrafia https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Gospels Nefilim https://en.wikipedia.org/wiki/Book_of_the_Secret_Supper Ascensão de Isaías https://en.wikipedia.org/wiki/Eve Primeiro Livro de Enoque https://en.wikipedia.org/wiki/Council_of_Saint-F%C3%A9lix https://en.wikipedia.org/wiki/Nicetas_(Bogomil_bishop) https://en.wikipedia.org/wiki/Albanenses https://en.wikipedia.org/wiki/Gnostic_texts https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Gnostic_sects https://en.wikipedia.org/wiki/Cathar_Perfect https://en.wikipedia.org/wiki/John_Bereslavsky https://fr.wikipedia.org/wiki/Guilhem_B%C3%A9libaste https://fr.wikipedia.org/wiki/Melhorament Sabelianismo Adocionismo Metempsicose https://fr.wikipedia.org/wiki/Textes_cathares Arianismo https://fr.wikipedia.org/wiki/Piphles https://fr.wikipedia.org/wiki/Constantin_de_Mananalis Consolamentum Montanismo Novaciano Paulo de Samósata Bogomilismo Paulicianismo Cristianismo esotérico Edward Bulwer-Lytton William Butler Yeats Robert Fludd Johannes Valentinus Andreae François Rabelais Prometeu Utopia https://en.wikipedia.org/wiki/Pirate_utopia https://en.wikipedia.org/wiki/Lindisfarne_Association https://en.wikipedia.org/wiki/American_Union_of_Associationists https://en.wikipedia.org/wiki/Hopedale_Community https://en.wikipedia.org/wiki/Findhorn_Ecovillage https://en.wikipedia.org/wiki/Drop_City Movimento Zeitgeist Socialismo utópico Economia pós-escassez Capitalismo de vigilância Vigilância em massa https://en.wikipedia.org/wiki/Internet_manipulation Ciberativismo Tecnopopulismo Agriculturalismo https://en.wikipedia.org/wiki/Real_utopian_sociology https://en.wikipedia.org/wiki/Utopian_studies https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Utopian_communities https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Utopists https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Utopian_socialists https://en.wikipedia.org/wiki/Republic_(Zeno) Cidade ideal https://en.wikipedia.org/wiki/Template:Utopia King Camp Gillette https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Owenite_communities_in_the_United_States https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_American_utopian_communities https://en.wikipedia.org/wiki/The_Children_of_Peace Shakers https://en.wikipedia.org/wiki/Utopian_Community_of_Modern_Times Josiah Warren https://en.wikipedia.org/wiki/Lomaland https://en.wikipedia.org/wiki/Katherine_Tingley https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Fourierist_Associations_in_the_United_States https://en.wikipedia.org/wiki/Harmony_Society https://en.wikipedia.org/wiki/Holy_City,_California https://en.wikipedia.org/wiki/Emanuel_Swedenborg https://en.wikipedia.org/wiki/Philipp_Spener https://en.wikipedia.org/wiki/Jakob_B%C3%B6hme https://en.wikipedia.org/wiki/George_Rapp https://en.wikipedia.org/wiki/Oneida_Community https://en.wikipedia.org/wiki/John_Humphrey_Noyes https://en.wikipedia.org/wiki/Realized_eschatology https://en.wikipedia.org/wiki/Amana_Colonies https://en.wikipedia.org/wiki/Community_of_True_Inspiration Transcendentalismo https://en.wikipedia.org/wiki/Federation_of_Egalitarian_Communities https://en.wikipedia.org/wiki/Aurora_Colony https://en.wikipedia.org/wiki/Llano_del_Rio https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Utopian_communities https://en.wikipedia.org/wiki/Irving_Fiske https://en.wikipedia.org/wiki/David_Dale https://en.wikipedia.org/wiki/Barbara_Fiske_Calhoun https://en.wikipedia.org/wiki/Jacob_L._Beilhart https://en.wikipedia.org/wiki/Conrad_Beissel https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Utopian_movements https://en.wikipedia.org/wiki/Template:Utopia https://pt.wikipedia.org/wiki/Categoria:Arquitetura_ut%C3%B3pica https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Political_films https://en.wikipedia.org/wiki/The_Voyage_to_Icaria https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Political_novels https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_utopian_literature https://en.wikipedia.org/wiki/Red_Star_(novel) https://en.wikipedia.org/wiki/The_Old_New_Land https://en.wikipedia.org/wiki/News_from_Nowhere https://en.wikipedia.org/wiki/Looking_Backward https://en.wikipedia.org/wiki/A_Dream_of_John_Ball https://en.wikipedia.org/wiki/The_Commonwealth_of_Oceana https://en.wikipedia.org/wiki/Egalitarian_community

John Brown (abolicionista) Eugene V. Debs Priorado de Sião Basílides Jacques Vallée Ciber-religiosidade Ruby Ridge Astronautas antigos Aryan Nations Robert A. Heinlein Arthur C. Clarke Ronald Laing Richard Bach Novo movimento religioso Marshall Applewhite Bonnie Nettles Ordo Templi Orientis Movimento Eu Sou Religião OVNI Movimento do Potencial Humano Iogassutras Psicossíntese Roberto Assagioli Eranos Olga Fröbe-Kapteyn Elizabeth Clare Prophet Um Curso em Milagres Judy Zebra Knight Nova Ordem Mundial (teoria conspiratória) Julius Evola Charles Webster Leadbeater William Quan Judge Lei da atração Estâncias de Dzyan Geoffrey Hodson Fundação Findhorn Annie Wood Besant Djwhal Khul Helena Blavatsky New age John Dewey Filosofia perene https://en.wikipedia.org/wiki/Vril https://en.wikipedia.org/wiki/K%C4%81rlis_Balodis https://en.wikipedia.org/wiki/Salomon%27s_House https://en.wikipedia.org/wiki/Randy_Weaver https://en.wikipedia.org/wiki/Transhuman https://en.wikipedia.org/wiki/Walk-in https://en.wikipedia.org/wiki/Love_Family https://en.wikipedia.org/wiki/Sheilaism https://fr.wikipedia.org/wiki/Jean-Marie_Abgrall https://fr.wikipedia.org/wiki/Michel_Tabachnik https://fr.wikipedia.org/wiki/Joseph_Di_Mambro https://fr.wikipedia.org/wiki/Luc_Jouret https://en.wikipedia.org/wiki/Benjamin_Creme https://en.wikipedia.org/wiki/Helena_Roerich https://en.wikipedia.org/wiki/Inarticulate_Speech_of_the_Heart https://en.wikipedia.org/wiki/Dweller_on_the_Threshold_(song) https://en.wikipedia.org/wiki/Beautiful_Vision https://en.wikipedia.org/wiki/Oops!_Wrong_Planet https://en.wikipedia.org/wiki/Initiation_(Theosophy) https://en.wikipedia.org/wiki/Initiation_(Todd_Rundgren_album) https://en.wikipedia.org/wiki/George_Chryssides https://en.wikipedia.org/wiki/Daniel_Fry https://en.wikipedia.org/wiki/Guy_Ballard https://en.wikipedia.org/wiki/Barbara_Brennan https://en.wikipedia.org/wiki/Helen_Schucman https://en.wikipedia.org/wiki/Catherine_Wessinger https://en.wikipedia.org/wiki/The_New_Age https://en.wikipedia.org/wiki/Yonassan_Gershom https://en.wikipedia.org/wiki/Monica_Sj%C3%B6%C3%B6 https://en.wikipedia.org/wiki/Theosophy_in_Scandinavia https://en.wikipedia.org/wiki/Maitreya_(Theosophy) https://en.wikipedia.org/wiki/Seven_rays https://en.wikipedia.org/wiki/Lucis_Trust https://en.wikipedia.org/wiki/Josephine_Ransom https://en.wikipedia.org/wiki/Krotonav https://en.wikipedia.org/wiki/Theosophical_Society_Adyar https://en.wikipedia.org/wiki/Neo-Theosophy

Assembleia Popular Suprema Pak Chong Ae Partido Chondoista Chongu Pak Hon-Yeong Kim Tu-bong Choi Yong-kun Kim Il-sung Partido Social-Democrata da Coreia do Norte Cho Man-sik Comitê Popular da Coreia do Norte História da Coreia do Norte República Popular da Coreia Governo militar do Exército dos Estados Unidos na Coreia Partido da independência da Coreia Eleição presidencial na Coreia do Sul em 1948 Reunificação da Coreia Tratado de Eulsa Império Coreano Batalha de Qingshanli Soh Jaipil Kim Kyu-sik Movimento de Independência da Coreia Federação Geral dos Sindicatos da Coreia https://es.wikipedia.org/wiki/Juan_Belaieff https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Yong-ju https://en.wikipedia.org/wiki/Jang_Jin-sung https://en.wikipedia.org/wiki/Anti-Imperialist_National_Democratic_Front https://en.wikipedia.org/wiki/Baik_Bong https://en.wikipedia.org/wiki/Yi_Han-yong https://en.wikipedia.org/wiki/Kapsan_Faction_Incident https://en.wikipedia.org/wiki/On_Eliminating_Dogmatism_and_Formalism_and_Establishing_Juche_in_Ideological_Work https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Yong-dae_(politician) https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Thae-song https://en.wikipedia.org/wiki/Choe_Thae-bok https://en.wikipedia.org/wiki/Han_Duk-su https://en.wikipedia.org/wiki/Paek_Nam-un https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Nung-o https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Myong-chol https://en.wikipedia.org/wiki/People%27s_Volunteer_Army https://en.wikipedia.org/wiki/Yang_Hyong-sop https://en.wikipedia.org/wiki/Red_Flag_Mangyongdae_Revolutionary_School https://en.wikipedia.org/wiki/Wen_Wei_Po https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Mun-gyu https://en.wikipedia.org/wiki/Pang_Hak-se https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Il-u https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Myong-su https://en.wikipedia.org/wiki/Hyon_Chol-hae https://en.wikipedia.org/wiki/Jang_Song-u https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Yong-mu https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Ryong-yon https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Jong-san https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Ki-so https://en.wikipedia.org/wiki/Jon_Jae-son https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Il-chol https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Yong-chun https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Ha-il https://en.wikipedia.org/wiki/Jo_Myong-rok https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Ik-hyon https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Kwang-jin_(politician) https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Pong-ryul https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Tu-ik https://en.wikipedia.org/wiki/Paek_Hak-rim https://en.wikipedia.org/wiki/Choe_In-dok https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Ul-sol https://en.wikipedia.org/wiki/Ju_To-il https://en.wikipedia.org/wiki/2014_North_Korean_parliamentary_election https://en.wikipedia.org/wiki/Pang_Hak-se https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Ui-chun https://en.wikipedia.org/wiki/Ho_Dam https://en.wikipedia.org/wiki/2019_North_Korean_parliamentary_election https://en.wikipedia.org/wiki/Choe_Son-hui https://en.wikipedia.org/wiki/No_Kwang-chol https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Su-gil https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Jong-gak https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Won-hong https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Man-gon https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Su-yong https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Yong-sik https://en.wikipedia.org/wiki/Supreme_Guard_Command https://en.wikipedia.org/wiki/General_Political_Bureau_of_the_Korean_People%27s_Army https://en.wikipedia.org/wiki/Ministry_of_State_Security_(North_Korea) https://en.wikipedia.org/wiki/Thae_Jong-su https://en.wikipedia.org/wiki/Sin_Son-ho https://en.wikipedia.org/wiki/Paek_Nam-sun https://en.wikipedia.org/wiki/R%C3%BCdiger_Frank https://en.wikipedia.org/wiki/Andrei_Lankov https://en.wikipedia.org/wiki/Kyong_Won-ha https://en.wikipedia.org/wiki/An_Kyong-ho https://en.wikipedia.org/wiki/Committee_for_the_Peaceful_Reunification_of_the_Fatherland https://en.wikipedia.org/wiki/8th_Congress_of_the_Workers%27_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Thae_Yong-ho https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Ki-nam_(politician) https://en.wikipedia.org/wiki/Song_Hye-rim https://en.wikipedia.org/wiki/Seong_Hye-rang https://en.wikipedia.org/wiki/Woo_In-hee https://en.wikipedia.org/wiki/Yon_Hyong-muk https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Kun-mo https://en.wikipedia.org/wiki/Kang_Song-san https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Jong-ok https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Song-chol https://en.wikipedia.org/wiki/Conscription_in_North_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Korean_People%27s_Army_Special_Operation_Force https://en.wikipedia.org/wiki/Korean_People%27s_Army_Strategic_Rocket_Force https://en.wikipedia.org/wiki/Jon_Pyong-ho https://en.wikipedia.org/wiki/General_Staff_Department_of_the_Korean_People%27s_Army https://en.wikipedia.org/wiki/United_Front_Department_of_the_Workers%27_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Reconnaissance_General_Bureau https://en.wikipedia.org/wiki/Executive_Policy_Bureau https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Yong-hwan_(politician) https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Chol-man https://en.wikipedia.org/wiki/Ho_Chol-man https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Myong-sun https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Thae-dok https://en.wikipedia.org/wiki/Jang_Jong-nam https://en.wikipedia.org/wiki/Thae_Hyong-chol https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Son-gwon https://en.wikipedia.org/wiki/Kwon_Yong-jin https://en.wikipedia.org/wiki/Choe_Sang-gon https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Il-hwan https://en.wikipedia.org/wiki/Jong_Kyong-thaek https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Jong-gwan https://en.wikipedia.org/wiki/Kwon_Young-jin_(politician) https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Jong-chon https://en.wikipedia.org/wiki/O_Su-yong https://en.wikipedia.org/wiki/O_Il-jong https://en.wikipedia.org/wiki/Jo_Yong-won https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Pyong-chol https://en.wikipedia.org/wiki/Kang_Bong-hun https://en.wikipedia.org/wiki/Byungjin https://en.wikipedia.org/wiki/Central_Committee_of_the_Workers%27_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Hong_Song-nam https://en.wikipedia.org/wiki/Hero_of_the_Republic https://en.wikipedia.org/wiki/Revolutionary_Martyrs%27_Cemetery https://en.wikipedia.org/wiki/Nation_and_Destiny https://en.wikipedia.org/wiki/Cho_Ki-chon https://en.wikipedia.org/wiki/O_Jin-u https://en.wikipedia.org/wiki/5th_Congress_of_the_Workers%27_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/3rd_Central_Committee_of_the_Workers%27_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Il_(politician) https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Chaek https://en.wikipedia.org/wiki/Ministry_of_Defence_(North_Korea) https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Pochonbo https://en.wikipedia.org/wiki/Organization_and_Guidance_Department https://en.wikipedia.org/wiki/Chairman_of_the_Standing_Committee_of_the_Supreme_People%27s_Assembly https://en.wikipedia.org/wiki/Hwang_Pyong-so https://en.wikipedia.org/wiki/7th_Congress_of_the_Workers%27_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Ri_Yong-ho_(general) https://en.wikipedia.org/wiki/3rd_Conference_of_the_Workers%27_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Kuk-thae https://en.wikipedia.org/wiki/Jang_Yong-chol https://en.wikipedia.org/wiki/Kang_Sok-ju https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Kyong-hui https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Ok https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Young-sook https://en.wikipedia.org/wiki/Hong_Il-chon https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Sol-song https://en.wikipedia.org/wiki/O_Kuk-ryol https://en.wikipedia.org/wiki/1982_North_Korean_parliamentary_election https://en.wikipedia.org/wiki/6th_Congress_of_the_Workers%27_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Man-il https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Pong-ju https://en.wikipedia.org/wiki/Women_in_the_North_Korean_Revolution https://en.wikipedia.org/wiki/Hong_Son-ok https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Pyong-il https://en.wikipedia.org/wiki/Choe_Kwang https://en.wikipedia.org/wiki/Korean_Woman https://en.wikipedia.org/wiki/Day_of_Songun https://en.wikipedia.org/wiki/Minju_Choson https://en.wikipedia.org/wiki/Joson_Inmingun https://en.wikipedia.org/wiki/Mass_media_in_North_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Kulloja https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Patriotic_Youth_League https://en.wikipedia.org/wiki/2nd_Congress_of_the_Workers%27_Party_of_North_Korea https://pt.wikipedia.org/wiki/Choe_Chang-ik https://pt.wikipedia.org/wiki/Kim_Tu-bong https://en.wikipedia.org/wiki/Yan%27an_faction https://en.wikipedia.org/wiki/Ho_Ka-i https://en.wikipedia.org/wiki/1st_Congress_of_the_Workers%27_Party_of_North_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Chu_Yong-ha https://en.wikipedia.org/wiki/Party_Foundation_Day https://en.wikipedia.org/wiki/Workers%27_Party_of_South_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/People%27s_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Democratic_Front_for_the_Reunification_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/New_People%27s_Party_of_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/North_Korean_Branch_Bureau https://en.wikipedia.org/wiki/Koryo-saram https://en.wikipedia.org/wiki/Choe_Won-taek https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Yong-bom https://en.wikipedia.org/wiki/Pak_Chong-ae https://en.wikipedia.org/wiki/Mu_Chong https://en.wikipedia.org/wiki/Kang_Ryang-uk https://en.wikipedia.org/wiki/1946_North_Korean_local_elections https://en.wikipedia.org/wiki/People%27s_Assembly_of_North_Korea https://en.wikipedia.org/wiki/Moscow_Conference_(1945) https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Kyu-sik https://en.wikipedia.org/wiki/Lyuh_Woon-hyung https://en.wikipedia.org/wiki/Korean_National_Revolutionary_Party https://en.wikipedia.org/wiki/Heroic_Corps https://en.wikipedia.org/wiki/Kim_Won-bong https://en.wikipedia.org/wiki/Ryu_Gwansun https://en.wikipedia.org/wiki/Korean_National_Association https://en.wikipedia.org/wiki/First_Korean_Congress https://en.wikipedia.org/wiki/Choe_Nam-seon https://en.wikipedia.org/wiki/Park_Eun-sik https://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Fengwudong https://en.wikipedia.org/wiki/An_Jung-geun https://en.wikipedia.org/wiki/Ji_Cheong-cheon https://en.wikipedia.org/wiki/Lee_Bong-chang https://en.wikipedia.org/wiki/Ahn_Changho https://en.wikipedia.org/wiki/New_People%27s_Association https://en.wikipedia.org/wiki/Donghak https://en.wikipedia.org/wiki/Democratic_Party_(South_Korea,_1955) https://en.wikipedia.org/wiki/March_1960_South_Korean_presidential_election https://en.wikipedia.org/wiki/Cho_Bong-am https://en.wikipedia.org/wiki/Korean_Liberation_Army https://en.wikipedia.org/wiki/Korean_Patriotic_Organization https://en.wikipedia.org/wiki/Donghak https://en.wikipedia.org/wiki/National_champions https://en.wikipedia.org/wiki/Horizontal_integration https://en.wikipedia.org/wiki/Reverse_Course https://en.wikipedia.org/wiki/Second_Cornish_uprising_of_1497 https://en.wikipedia.org/wiki/Prayer_Book_Rebellion https://en.wikipedia.org/wiki/Michael_An_Gof https://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_Flamank https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Popular_revolt_in_late-medieval_Europe https://en.wikipedia.org/wiki/John_and_William_Merfold https://fr.wikipedia.org/wiki/Soul%C3%A8vement_du_cur%C3%A9_Matalas_en_Soule https://fr.wikipedia.org/wiki/R%C3%A9volte_des_sabotiers https://fr.wikipedia.org/wiki/R%C3%A9volte_des_Maillotins https://fr.wikipedia.org/wiki/R%C3%A9volte_des_deux_sous https://fr.wikipedia.org/wiki/R%C3%A9volte_de_la_Harelle https://fr.wikipedia.org/wiki/Grande_Rebeyne https://fr.wikipedia.org/wiki/Journ%C3%A9e_des_Tuiles https://fr.wikipedia.org/wiki/R%C3%A9volte_des_Maillotins https://fr.wikipedia.org/wiki/R%C3%A9volte_de_la_Harelle https://pt.wikipedia.org/wiki/Jornada_de_5_e_6_de_Outubro_de_1789 https://fr.wikipedia.org/wiki/%C3%89glise_constitutionnelle Convenção (Revolução Francesa) Terceiro estado Noite de 4 de Agosto Assembleia Nacional Constituinte (França) Constituição francesa de 1791 Caio Escribônio Curião (cônsul em 76 a.C.) https://it.wikipedia.org/wiki/Lex_Aelia_et_Lex_Fufia https://it.wikipedia.org/wiki/Obnuntiatio Senatus consultum ultimum Cipião Africano Lex Genucia Marco Fúlvio Flaco (cônsul em 125 a.C.) Lúcio Volcácio Tulo https://it.wikipedia.org/wiki/Lex_Sacrata Lei Canuleia Lex Calpurnia Caio Flamínio Ordem equestre Lex Gabinia https://it.wikipedia.org/wiki/Lex_Cassia https://ca.wikipedia.org/wiki/Papiria_tabellaria Lei Licínia Sêxtia Lei Ogúlnia Lex Hortensia Quinto Hortênsio Leis publílias Leis valérias e pórcias Leis Valérias-Horácias Lúcio Calpúrnio Pisão Frúgio (cônsul em 133 a.C.) Tibério Graco Caio Graco, Caio Júlio César Públio Clódio Pulcro Lúcio Sérgio Catilina Públio Sulpício Rufo Lúcio Apuleio Saturnino Marco Lívio Druso (tribuno) Populares Edil plebeu Caio Licínio Calvo Estolão Lúcio Sêxtio Laterano Tribuno consular Conflito das Ordens https://it.wikipedia.org/wiki/Lucio_Albinio_(tribuno_della_plebe) https://it.wikipedia.org/wiki/Gaio_Licinio_Calvo_Stolone República Romana Plebe Conselho da plebe Revolta do Monte Sagrado https://de.wikipedia.org/wiki/Sozialstaatsprinzip https://de.wikipedia.org/wiki/Sozialversicherung Redistribuição de riqueza e renda https://de.wikipedia.org/wiki/Julius_Ofner https://de.wikipedia.org/wiki/Staatsziel https://de.wikipedia.org/wiki/Verwaltung https://de.wikipedia.org/wiki/Gesetzgebung https://de.wikipedia.org/wiki/Lebensrisiko https://de.wikipedia.org/wiki/Rentenreform_1957 https://de.wikipedia.org/wiki/Arbeitnehmersparzulage https://de.wikipedia.org/wiki/Mitbestimmung https://de.wikipedia.org/wiki/Unternehmenskonzentration https://de.wikipedia.org/wiki/Investivlohn https://de.wikipedia.org/wiki/Richtungsgewerkschaft https://de.wikipedia.org/wiki/Einheitsgewerkschaft https://de.wikipedia.org/wiki/Lastenausgleichsgesetz https://de.wikipedia.org/wiki/Unternehmensverfassung https://de.wikipedia.org/wiki/Verm%C3%B6genspolitik https://de.wikipedia.org/wiki/Einkommensgerechtigkeit https://en.wikipedia.org/wiki/Co-determination Política econômica https://en.wikipedia.org/wiki/Social_policy Ética econômica Função social da propriedade Princípio da subsidiariedade https://fr.wikipedia.org/wiki/Heinrich_Pesch https://fr.wikipedia.org/wiki/Jules_Arboux Mutualismo (movimento) https://fr.wikipedia.org/wiki/Armand_Barb%C3%A8s https://fr.wikipedia.org/wiki/Fran%C3%A7ois-Vincent_Raspail https://fr.wikipedia.org/wiki/Auguste_Blanqui Radicalismo https://fr.wikipedia.org/wiki/Radicalisme Partido Radical (França) Fernando Bastos de Ávila Solidarismo https://fr.wikipedia.org/wiki/Henri_Marion https://fr.wikipedia.org/wiki/Tommy_Fallot https://fr.wikipedia.org/wiki/%C3%89douard_de_Boyve https://en.wikipedia.org/wiki/International_Co-operative_Alliance Louis Blanc Oficinas Nacionais https://pt.wikipedia.org/wiki/Lei_de_Le_Chapelier https://fr.wikipedia.org/wiki/Soci%C3%A9t%C3%A9_coop%C3%A9rative_et_participative https://fr.wikipedia.org/wiki/%C3%89conomie_et_humanisme https://fr.wikipedia.org/wiki/Andr%C3%A9_Philip https://fr.wikipedia.org/wiki/Alfonso_Carlos_Com%C3%ADn https://fr.wikipedia.org/wiki/La_Vie_nouvelle_(association) https://fr.wikipedia.org/wiki/T%C3%A9moignage_chr%C3%A9tien https://fr.wikipedia.org/wiki/Esprit https://fr.wikipedia.org/wiki/Emmanuel_Mounier https://fr.wikipedia.org/wiki/Jeunesse_ouvri%C3%A8re_chr%C3%A9tienne https://fr.wikipedia.org/wiki/Wilhelm_Emmanuel_von_Ketteler https://fr.wikipedia.org/wiki/Charles_P%C3%A9guy https://fr.wikipedia.org/wiki/Ligue_de_la_jeune_R%C3%A9publique https://fr.wikipedia.org/wiki/Marc_Sangnier https://fr.wikipedia.org/wiki/Le_Sillon https://fr.wikipedia.org/wiki/Jules-Auguste_Lemire https://fr.wikipedia.org/wiki/D%C3%A9mocratie_chr%C3%A9tienne https://fr.wikipedia.org/wiki/Charles_Maurras https://fr.wikipedia.org/wiki/Ren%C3%A9_de_La_Tour_du_Pin https://fr.wikipedia.org/wiki/Action_fran%C3%A7aise https://fr.wikipedia.org/wiki/Jean_Jaur%C3%A8s https://fr.wikipedia.org/wiki/Georges_Clemenceau https://fr.wikipedia.org/wiki/Albert_de_Mun https://fr.wikipedia.org/wiki/L%C3%A9on_Harmel https://fr.wikipedia.org/wiki/Armand_de_Melun https://fr.wikipedia.org/wiki/Pierre_Pradi%C3%A9 https://fr.wikipedia.org/wiki/George_Sand https://fr.wikipedia.org/wiki/Louis_Rousseau https://fr.wikipedia.org/wiki/Pierre_Leroux https://fr.wikipedia.org/wiki/L%27Atelier_(1840-1850) https://fr.wikipedia.org/wiki/Alban_de_Villeneuve-Bargemon https://fr.wikipedia.org/wiki/Philippe_Buchez https://fr.wikipedia.org/wiki/Henri_Lacordaire https://fr.wikipedia.org/wiki/Fr%C3%A9d%C3%A9ric_Ozanam https://fr.wikipedia.org/wiki/Soci%C3%A9t%C3%A9_de_Saint-Vincent-de-Paul https://fr.wikipedia.org/wiki/Charles_de_Montalembert https://fr.wikipedia.org/wiki/Henri_Lacordaire https://fr.wikipedia.org/wiki/L%27Avenir_(France) https://fr.wikipedia.org/wiki/F%C3%A9licit%C3%A9_de_La_Mennais https://fr.wikipedia.org/wiki/Christianisme_social https://fr.wikipedia.org/wiki/Catholicisme_social https://es.wikipedia.org/wiki/Historia_de_las_misiones_de_la_provincia_jesu%C3%ADtica_del_Paraguay https://fr.wikipedia.org/wiki/Jacques_Roux_(1752-1794) https://de.wikipedia.org/wiki/Eberhard_Welty, https://de.wikipedia.org/wiki/Wilhelm_Warsch, https://de.wikipedia.org/wiki/Leo_Schwering, https://de.wikipedia.org/wiki/Theodor_Scharmitzel, https://de.wikipedia.org/wiki/Christlich-Soziale_Reichspartei, https://de.wikipedia.org/wiki/Linkskatholizismus, Friedrich Dessauer, https://de.wikipedia.org/wiki/Heinrich_Scharp, https://de.wikipedia.org/wiki/Friedensbund_Deutscher_Katholiken, https://de.wikipedia.org/wiki/Rhein-Mainische_Volkszeitung, https://de.wikipedia.org/wiki/Franz_Hitze, Wilhelm Emmanuel von Ketteler, Adolph Kolping, https://de.wikipedia.org/wiki/Franziskus_Maria_Stratmann, https://de.wikipedia.org/wiki/Eugen_Kogon, Teologia política, https://de.wikipedia.org/wiki/Die_Schildgenossen, https://de.wikipedia.org/wiki/Joseph_Cornelius_Rossaint, https://de.wikipedia.org/wiki/Ernst_Michel, https://de.wikipedia.org/wiki/Europ%C3%A4ische_Akademie_der_Arbeit, https://de.wikipedia.org/wiki/Katholischer_Sozialismus, https://de.wikipedia.org/wiki/Anton_Orel, https://de.wikipedia.org/wiki/Volksverein_f%C3%BCr_das_katholische_Deutschland, https://de.wikipedia.org/wiki/Ernst_Michel, https://de.wikipedia.org/wiki/Iring_Fetscher, https://de.wikipedia.org/wiki/Kritischer_Katholizismus, https://de.wikipedia.org/wiki/Theodor_Steinb%C3%BCchel, https://de.wikipedia.org/wiki/Franz_Hitze, https://de.wikipedia.org/wiki/Initiative_Kirche_von_unten, https://de.wikipedia.org/wiki/Neuwerk-Bewegung, https://de.wikipedia.org/wiki/Tillich-Kreis, https://de.wikipedia.org/wiki/Katholischer_Sozialismus, https://de.wikipedia.org/wiki/Bruderh%C3%B6fer, https://de.wikipedia.org/wiki/Eberhard_Arnold, Christoph Blumhardt, https://de.wikipedia.org/wiki/G%C3%BCtergemeinschaft_der_Jerusalemer_Urgemeinde, https://de.wikipedia.org/wiki/Erwin_Eckert https://de.wikipedia.org/wiki/G%C3%BCnther_Dehn; https://de.wikipedia.org/wiki/Georg_Fritze, https://de.wikipedia.org/wiki/Georg_W%C3%BCnsch, Teologia liberal, Christoph Blumhardt, https://de.wikipedia.org/wiki/Lutherrenaissance, https://de.wikipedia.org/wiki/Jungreformatorische_Bewegung, https://de.wikipedia.org/wiki/Ulmer_Erkl%C3%A4rung, https://de.wikipedia.org/wiki/Bekenntnissynode, https://de.wikipedia.org/wiki/Bruderrat, https://de.wikipedia.org/wiki/Landesbruderrat, Declaração Teológica de Barmen, Martin Niemöller, Hans Asmussen, https://de.wikipedia.org/wiki/Hermann_Maas_(Theologe), https://de.wikipedia.org/wiki/Elisabeth_Schmitz, https://de.wikipedia.org/wiki/Helmut_Gollwitzer, https://de.wikipedia.org/wiki/B%C3%BCro_Gr%C3%BCber, https://de.wikipedia.org/wiki/Verein_zur_Abwehr_des_Antisemitismus, https://de.wikipedia.org/wiki/Evangelische_Wochen, https://de.wikipedia.org/wiki/Bekennende_Kirche_(Schriftenreihe), https://de.wikipedia.org/wiki/Breklumer_Hefte, https://de.wikipedia.org/wiki/Theologische_Existenz_heute, https://de.wikipedia.org/wiki/Berneuchener_Bewegung https://de.wikipedia.org/wiki/Junge_Kirche, https://de.wikipedia.org/wiki/Neuwerk-Bewegung Jean Lasserre - Ernst Troeltsch - Reinhold Seebeerg, George Kennedy Allen Bell, https://de.wikipedia.org/wiki/Christen_und_Kirchen_in_der_DDR, https://de.wikipedia.org/wiki/Evangelium_und_Kirche https://de.wikipedia.org/wiki/Kreuzkampf Erich Klausener Adolf von Harnacks, Martin Kählers, Rudolf Otto e Wilhelm Diltheys, Søren Kierkegaard Rudolf Bultmann, Gianni Vattimo https://de.wikipedia.org/wiki/Paul_Lehmann_(Theologe), Benjamim Morais, Jacques Maury, Paulo de GÓES. Do individualismo ao compromisso social: a contribuição da Confederação Evangélica do Brasil para a articulação de uma ética social cristã, Reginaldo José da SILVA. Batistas e Pentecostais nas Ligas Camponesas - Anivaldo Padilha - Paul Abrecht - Wilhelm Hahn - Egbert de Vries - Benjamim Morais - João Del Nero - Dietrich Bonhoeffer e Martin Niemoeller, Harvey Cox, Almir dos Santos (metodista), David Gomes (batista), Esdras Borges Costa (presbiteriano), Aharon Sapsezian, Cezar Teixeira (presbiteriano), Edir Cardozo (Uceb); Francisco Pereira de Souza (presbiteriano), John Nasstrom (luterano). Carlos Cunha. Eber Ferrer, Esdras Borges (ONU/FGV/Cebrap), Joaquim Beato (senador da República), Lauro Monteiro da Cruz (deputado federal), Marília Cruz (professora USP), Gerson Meyer (CMI), Rubem Alves (Unicamp/Cedi), Theodoro Henrique Maurer Jr. (professor da USP). Paul Tillich - David Tracy - Sören Kierkegaard - Emil Brunner, Rudolph Bultmann, C. H. Dodd, D. T. Niles, Reinhold Niebuhr, Richard Niebuhr, Miguez Bonino, Gutierrez Marin, Jacques Maritain, Josef Luki Hromadka, Otto Piper, Edward J. Jurji, Paul Lehmann – “Ética Cristã, Ética Marxista”, Berdiaev: Perspectiva Cristã da Revolução Social - Kim Youg Bock - The Man Nobody Knows - In His Steps [Nos seus passos], de Charles Monroe Sheldon - Lauro Bretones - Karl Barth - Raimundo César Barreto Jr - Mark Taylor - Danilo Streck - Orlando Fals Borda - Benjamin de Morais - Centro de Criação da Imagem Popular (CECIP) - Schleiermacher - Reinhold Niebuhr, John Bennet e Searle Bates, Rubens Bueno, Paulo Wright "A Questão de Deus" - Hiber Conteris - Bernardo Catão - Cândido Mendes, Peter Berger - Ernst Troeltsch - Friedrich Gogarten - Arend Th. van Leeuwen - Harvey Cox - Esdras Borges Costa - Mateus Benevenuto - Janet Graham - - Clifford Geertz - Antonio G. Mendonça - D. T. Niles - Gerson Moura - Amaury Costa - Rolf Hamacher - Hildebrando Maciel - Keith Brown - Roberto Villaça - Leni Gusmão - Saul Alinsky - Marcos Arruda Satamini (Políticas Alternativas para o Cone Sul) - Ecumenismo e uma nova ordem mundial: os fracassos dos anos 1970 e os desafos da década de 1980 (CMI Editora, 1980) - Abdias do Nascimento - Anina de Carvalho, Betinho, José Barbosa Monteiro, José Maria Rabelo, Juliana Rocha, Magno José Villela, Márcio Moreira Alves e Marijane. Francisco Julião, Leandro Konder, Luis Alberto Saenz, Maria Auxiliadora Lara Barcellos, Ivan Mota Dias (1942-1971) e Heleny Guariba (1941-1971), Zenaide Machado de Oliveira e Antonio Carlos Oliveira - Paulo Martins de Almeida - Avelino Gomes Moreira Neto - Leonor Vasquez de Oliveira - Juarez Guimarães de Brito - Roberto Chagas - Francisco de Paula P. de Souza, Anita Wright Torres - John Miller - Celso e Fernando Cardoso da Silva - Eliana Rolemberg - Emílio Castro - Comissão pela Unidade Evangélica Latino-americana (UNELAM) - Conselho Latino-americano de Igrejas (CLAI) - Brady Tyson - Nilton Emmerick de Oliveira - Breno Schumann (Itamar Franco) - Claude Labrunie - João Pedro de Aguiar - Paulo Roberto Emmerick Oliveira - Elieser Tavares Filho - Paulo Cezar Pinheiro - Carlos Gilberto Pereira - José Cupertino Novaes - Osvaldo Rocha - Heloisa Nogueira, Paulina Steffen, Maria Luiza Nogueira, Miguel Rizzo Jr., Humberto Rohden, Ernesto Schllipper, Gottschallk - Luiz Odell - Revista Cristianismo e Sociedade - Benhur Mafra, Edin Sued Abumansur, Eliseu Lopes, Moacir Felix, Cosme Alves Neto, Rubem Lenz César, Paulo Alfredo Manieri, Beatriz Bibiano, Frei Elizeu Lopes, em 1961, foi criado o movimento Igreja e Sociedade da América Latina – ISAL, com a revista “Cristianismo e Sociedade, Diana Cunha, Beatriz Costa, Carlos Brandão, Javier Gorostiaga - Rosângela Soares de Oliveira - Davi Malta - Aurélio Vianna - Jaime Armstrong - Lori Altmann - Roberto E. Zwetsch - Egydio Schwade, Antonio Iasi, Tomaz Aquino Lisboa - Rolf Schünemann - GTME – Grupo de Trabalho Missionário Evangélico, Pastor metodista Scilla Franco - Valdir Frank - Augusto E. Kunert - COMIN - Conselho de Missão entre Povos Indígenas (Comin), Jean Siotis, Guido Rocha (escultor), Paulo Miranda, Manoel da Conceição - Minha perna é minha classe, Domingos Barbé - Luís Morais dos Santos - Centro de Educação e Cultura do Trabalhador Rural (CENTRU) - Centro Nacional de Apoio às Populações Tradicionais (CNPT) - Antonio Lisboa Brito - Joaquim Lavanca - José Lavanca - Rui Frazão - União Nacional de Cooperativas da Agricultura Familiar de Economia Solidária (Unicafes), União Latino-americana de Juventudes Ecumênicas (ULAJE) e da Comissão Evangélica Latino-americana de Educação Cristã (CELADEC) - José Barbosa - Marcos Lins - Comitê Brasileiro de Solidariedade aos Povos da América Latina (CBS) - Mariana Zuccarello - Igreja Presbiteriana Unida do Brasil - João Pucinelli - Edoarda Scherer - Rede Ecumênica de Juventude (REJU) - Lucas de Francesco - Paulo Sergio Bezerra (Itaquera) - Daniel Souza - Claudia Ferreira - Rafael Braga, www.reju.org.br - Alexander Duncan Reily - grupo ecumênico de reflexão teológica (Gert), de 1957 - Franz Hinkellamert - Nestor Bonino - Comissão de Pastoral da Terra (1972) e do Conselho Indigenista Missionário (1976) - Paulo Sérgio Pinheiro - Maria Luci Buff Migliori - Magali do Nascimento Cunha - Jorge Atilio Silva Iulianelli - Maria Luiza Nunes Rodrigues - O Brasil Urgente circulou de 17 de março de 1963 a 31 de março de 1964 55 edições, em formato tabloide, de 20 páginas colaboradores, Alceu Amoroso Lima, Fabio Konder Comparato, cartunistas como Claudius Ceccon chegou a circular com 60 mil exemplares - O São Paulo fundado em 1956, pelo bispo Dom Carlos Carmelo Cardeal de Vasconcelos Motta. Dom Paulo Evaristo Arns, 50 mil exemplares. estava a serviço da Comissão de Justiça e Paz de São Paulo. - Rádio 9 de Julho, criada em 1953, Dom Paulo Evaristo Arns, Em 1973, sob o governo de Médici, os transmissores da rádio foram lacrados e o Departamento Nacional de Telecomunicações (Dentel) cassou a concessão. - padre Antonio Canuto - a criação do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), no final dos anos de 1970, em função das barragens de Balbina, no Sul, e de Sobradinho, no Nordeste. - O padre Rodolfo Lukenbein e o índio Simão foram assassinados em 15 de julho de 1976. A Irmã Cleusa Rody Coelho, da Ordem dos Agostinianos Recoletos, foi assassinada, às margens do rio Paciá, Prelazia de Lábreas, em 28 de abril de 1985, por conta de sua atividade com os indígenas Apurinãs. Em 24 de julho de 1985, o padre Ezequiel Ramin, de origem italiana, ligado aos Missionários Combonianos, foi assassinado por latifundiários apoiados pelo regime militar, devido ao trabalho que realizava com camponeses e indígenas em Rondônia. O padre Vicente Cañas, da ordem dos Jesuítas, que trabalhava com o povo Enauenê-Nauê, foi assassinado em 6 de abril de 1987. O corpo foi deixado em sua casa, onde foi encontrado 40 dias após sua morte. padre Antonio Iazzi. - padre Bastos Ávila. - Agostinho Pretto, - Mario Pringol (missionário da ordem Salentina) - Os padres Florentino Maboni e Hilário Costa em 24 de outubro de 1976, foram presos e torturados. Hilário foi libertado em 8 de novembro de 1976, porém Maboni foi enquadrado na Lei de Segurança Nacional e foi transferido para uma prisão em Belém (PA), em 12 de novembro, onde ficou 27 dias incomunicável. - Natanael José da Silva e Jorge Gonzaga, Guy Tibault e Carlos Rosa MICHEL MARIE LE VEN - FRANÇOIS MARIE XAVIER BERIOU - HERVÉ GROGUENEC - JOSÉ GERALDO DA CRUZ - padre Francisco Lage assessor da Juventude Estudantil Católica (JEC), em Belo Horizonte, foi preso em Brasília, em 14 de maio de 1964, sofreu tortura e, sob pena de banimento em processo da justiça ditatorial, foi exilado no México. O padre Michel Le Ven foi preso entre 22 de agosto de 1968 e 6 de fevereiro de 1969. Fernando Brito, Ives Lesbaupin e Roberto Romano; João Valença; Giorgio Callegari, Laercio Bastos dos Santos - José Pontim - François Jentel - Giulio Vicini - Yara Spadini - Giulio Vicini - Yara Spadini - Hervé Croguenec, Francisco Xavier Berthou e José Geraldo da Cruz, Laercio Bastos dos Santos - Ubaldo Pupi - Guilherme de Nery Pinto - Frei Mateus Rocha (1923 – 1985) - Frei Ratton Mascarenhas - Sinval Itacarambi Leão - Sebastião Bailão - Gonçalo Ochoa - Jean Talpe - Vinícius Caldeira Brandt - Luiz Alberto Gómez de Souza - Arquimedes Bruno - Tarcísio Santiago - Rute Cavalcante - Paulo Lincoln Carneiro Leão Matos - Nildes Alencar - Thomas Cardonnel - Luiz Sávio de Almeida - Marcos José Castro Guerra - Agamenon Magalhães - Iza Guerra - Instituto de Ação Cultural (IDAC) - Centro Inter Universitário de Estudos da América Latina (CIELA) - José Groff - documentário Osasco é o exemplo: 1968, de Luís Moura, em 2011. - Albertino de Souza Oliva - Roque Aparecido da Silva - Antonio Roberto Espinosa - José Ibrahin - Inácio Pereira Gurgel - Teresinha Gurgel - Risomar Fasanaro - Helena Pignatari Werner - Maria Santina - Iracema dos Santos - Ana Maria Gomes - Sônia Miranda - Amira Ibrahin - Sandra Nogueira - Maria Dolores Barreto e Abigail Silva - José Campos Barreto - Paulo Krischke - Ida Kremer, Clemens Schrage, Padre Antônio Soligo, George Casalis, Jean-Jacques de Félice, Michel de Certeau – redator da revista Notre Combat, Frente Brasileira de Informações - Onofre Pinto - José Le Borgne - Pythagoras Daronch Silva - William Schisler Filho - Ernesto Then de Barros - Onésimo Cardoso - George Peters - João Parahyba da Silva - Prócoro Velasques - Otília Chaves - Adahyr Cruz - Luiz Roberto Couto Pereira - revista da juventude metodista “Cruz de Malta” - União Brasileira de Juventude Ecumênica (Ubraje) - União Latino-Americana de Juventude Evangélica (ULAJE) - Fernando Cardoso da Silva e Celso Cardoso da Silva - Azieber Cardoso da Silva - Flávio Fróes - Domingos Alves de Lima e Clara Amélia Evangelista - União Brasileira de Juventude Evangélica (Ubraje), Alanir Cardoso - Osvaldo Rocha - Celso Lola - Limoel Nascimento - Célio Garcia - Simon Schwartzman - Antônio Otávio Cintra - Antônio Joaquim Machado - Cid Benjamin - Vilmar Faria - Chaim Cates - Teatro Galpão - Jan Rocha - Conselho Latino Americano de Igrejas (CLAI) - Francisco Capó - José Assan Alaby - Wilson Mendes - Davi Witler - Jack Humper - Ligas Bolino - Artur Bartoldo - Rubens de Amorim Nunes - Sérgio Torres, Pablo Richard - Leonardo Franco - Oscar Boglioli - Jessica Moura - Wilson Guerreiro - Felipe Mesquita - Renato Navarro - Marlene Campante - James Luther Adams - Robert Cox, “Buenos Aires Herald" - James Baldwin - James Cone - Cornel West - Alan Roxburgh - David Talbot - Thomas Paine - Miguel Darcy de Oliveira - Instituto de Ação Cultural (IDAC) - Rosiska Darcy de Oliveira - Instituto de Estudo da Religião (ISER) - Centro de Criação da Imagem Popular (CECIP) - Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), o Comitê Brasileiro de Solidariedade aos Povos da América Latina (CBS) - Francis G. Peabody - Robert de Lamennais (1782-1852) - Frederick Denison Maurice, Charles Kingsley, era reivindicar para "o reino de Cristo" sua autoridade verdadeira sobre os "domínios da indústria e do comércio", e para o socialismo seu caráter verdadeiro como a grande revolução cristã do século, Le Play e Villeneuve-Bargemont. Washington Gladen (1836-1918), George D. Herron; Josiah Strong(1847-1916), Warwick Estevam Kerr, do Dr.Theodoro Henrique Maurer Jr e do Professor Rev. Gerson Soares Veiga - Protestantismo ecumênico e realidade brasileira, - Comunhão Mundial de Igrejas Reformadas (CMI), a Aliança de Igrejas a Presbiterianas e Reformadas da América Latina (AIPRAL) Comissão Evangélica de Direitos da Terra (CEDITER. Comissão Ecumênica de Defesa dos Direitos da Terra - Lauro Bretones - Jūrgen Moltmann, criador da “teologia da esperança”, Alfred Delp e Rupert Mayer, Maximiliano Kolbe e Bernhard Lichtenberg


José Oscar Beozzo, José Ricardo Ramalho, Paulo Botas, Carlos Mesters, Anita Slade, Letícia Cotrim, Carlos Cunha, Paulo Ayres Mattos, Edin Abumanssur, Regina Novaes, Faustino Teixeira, Leonardo Dutra de Moraes Horte, AGOSTINHO JOSÉ SARTORI, HENRIQUE FROELLICH, Pastor GERNOTE KIRINUS

https://www.museeprotestant.org/en/notice/pierre-maury-1890-1956-2/ Pierre Maury, etc. https://en.wikipedia.org/wiki/The_Moot https://en.wikipedia.org/wiki/Karl_Mannheim https://en.wikipedia.org/wiki/T._S._Eliot https://en.wikipedia.org/wiki/John_Middleton_Murry https://en.wikipedia.org/wiki/Fred_Clarke_(educationist) https://en.wikipedia.org/wiki/Michael_Polanyi https://en.wikipedia.org/wiki/Reinhold_Niebuhr https://en.wikipedia.org/wiki/Paul_Tillich https://en.wikipedia.org/wiki/Walter_Hamilton_Moberly https://en.wikipedia.org/wiki/John_Baillie_(theologian) https://en.wikipedia.org/wiki/Geoffrey_Vickers https://en.wikipedia.org/wiki/Alec_Vidler https://en.wikipedia.org/wiki/Adolph_Lowe https://en.wikipedia.org/wiki/Christopher_Dawson https://en.wikipedia.org/wiki/Kathleen_Bliss

https://en.wikipedia.org/wiki/Eugene_Carson_Blake - https://en.wikipedia.org/wiki/Philip_Potter_(church_leader) - https://en.wikipedia.org/wiki/Konrad_Raiser - https://en.wikipedia.org/wiki/Samuel_Kobia - https://en.wikipedia.org/wiki/Olav_Fykse_Tveit

https://es.wikipedia.org/wiki/Federico_Jos%C3%A9_Pagura https://es.wikipedia.org/wiki/Mortimer_Arias Franz Hinkelammert e Ulrich Duchrow Jorge Pixley - Pablo Richard - Severino Croatto (1930-2004) e Milton Schwantes (1946-2012) Marcella Althaus-Reid

Harry Hopkins - https://en.wikipedia.org/wiki/Will_W._Alexander - Mary McLeod Bethune - https://en.wikipedia.org/wiki/Jim_Wallis - https://en.wikipedia.org/wiki/John_Steinbruck - https://en.wikipedia.org/wiki/Interfaith_Worker_Justice - https://en.wikipedia.org/wiki/Christians_Against_Poverty - https://en.wikipedia.org/wiki/J._S._Woodsworth - https://en.wikipedia.org/wiki/Tommy_Douglas - https://en.wikipedia.org/wiki/Charlotte_Whitton - https://en.wikipedia.org/wiki/Albert_Edward_Smith - https://en.wikipedia.org/wiki/William_Ivens Em Seus Passos o Que Faria Jesus? - Charles Sheldon - https://en.wikipedia.org/wiki/Samuel_Zane_Batten

https://en.wikipedia.org/wiki/Mark_A._Matthews

https://en.wikipedia.org/wiki/Brotherhood_of_the_Kingdom

https://en.wikipedia.org/wiki/Settlement_movement

Richard T. Ely , Josiah Strong , Washington Gladden e Walter Rauschenbusch

Henri de Lubac, SJ, La postérité spirituelle de Joachim de Flore, tome II : de Saint-Simon à nos jours

Gérard de San Donnino

American Federation of Labor

Eugene Debs

Industrial Workers of the World

Walter Rauschenbusch

Lyman Abbott

William Jennings Bryan

Social Gospel Movement

Onésime Lacouture https://en.wikipedia.org/wiki/L%C3%A9once_Crenier

Benedictine Dom Léonce Crenier of the monastery Saint-Benoît-du-Lac

Louis Farina

Charles Owen Rice

https://www.fatherjohnhugo.com/HugoAbout.html

Jack Kerouac

strike Johns-Manville Company Coadjutor Bishop of Sherbrooke, Philippe Desranleau

Rodolphe Dubé – François Hertel

Walter Rauschenbusch (1861-1918)

Louis Riel (1844-1885)

Pacifique Roy

Paul Hanley Furfey

Emmanuel Mounier

the Benedictine Dom Virgil Michel,

David O’Brien

John Tracy Ellis

Marie Rose Ferron [1902–36]

Virgil Michel (1890-1938)

Frank Sheed Catholic Evidence Guild

Richard Hofstadter’

Paul Hanly Furfey (1896-1992)

Charles Owen Rice Radical Catholic Alliance

https://en.wikipedia.org/wiki/Ronald_Knox

Emmanuel Mounier - Nicholas Berdyaev

Peter Maurin, Thomas J. Hagerty, William B. Greene - Gnosticismo - Valentianismo - Montanismo - Paulicianismo - https://en.wikipedia.org/wiki/Tondrakians - Bogomilismo - https://en.wikipedia.org/wiki/Gundolfo - Arnoldistas - https://pt.wikipedia.org/wiki/Pedro_de_Bruys - Henrique de Lausanne - Irmãos do Livre Espírito - Apostólicos - Dolcinianos - Frei Dolcino - Gerardo Segarelli - Fraticelli - Adamitas - taboritas - Begardo - https://en.wikipedia.org/wiki/Nicholas_of_Basel - Pedro Helchitsky - Escavadores - Gerrard Winstanley - Thomas Müntzer - https://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_J._Hagerty - https://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_J._Hagerty - https://en.wikipedia.org/wiki/Back-to-the-land_movement - Adin Ballou - Liev Tolstói - Nikolai Berdiaev - Mário Ferreira dos Santos - Philip Berrigan - Dorothy Day - Ammon Hennacy - https://en.wikipedia.org/wiki/David_Lipscomb - https://en.wikipedia.org/wiki/Dave_Andrews_(activist) - https://en.wikipedia.org/wiki/Vernard_Eller - https://en.wikipedia.org/wiki/Ernst_K%C3%A4semann - https://en.wikipedia.org/wiki/Ciaron_O%27Reilly - Théodore Monod - https://en.wikipedia.org/wiki/Brotherhood_Church - https://en.wikipedia.org/wiki/Peter_Maurin - https://en.wikipedia.org/wiki/Catholic_Worker_Movement - https://www.catholicworker.org/

https://en.wikipedia.org/wiki/Proto-orthodox_Christianity

Cesaropapismo - Igreja estatal do Império Romano - https://en.wikipedia.org/wiki/Constantine_the_Great_and_Christianity

Reviravolta de Constantino

Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação

Livros deuterocanônicos

Desenvolvimento do cânone da Bíblia hebraica

Cânon bíblico

Ortopraxia

https://en.wikipedia.org/wiki/Christian%E2%80%93Jewish_reconciliation

Visões cristãs sobre a Antiga Aliança

https://en.wikipedia.org/wiki/Church%27s_Ministry_Among_Jewish_People

Conversão dos judeus ao Cristianismo

Dispensacionalismo

Hebreus católicos

https://en.wikipedia.org/wiki/Hebrew_Roots

Crítica histórico-literária da Bíblia

https://en.wikipedia.org/wiki/Jesus_in_the_Talmud

Jesuísmo

Linha do tempo da Igreja Católica

Jews for Jesus

História das missões cristãs

Judaísmo messiânico

Rume

Cristãos de São Tomé

https://en.wikipedia.org/wiki/Knanaya

https://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_of_Cana

Evangelhos judaico-cristãos

https://en.wikipedia.org/wiki/Paul_the_Apostle_and_Jewish_Christianity

Septuaginta

Targum

Desenvolvimento do cânone do Novo Testamento

Lei bíblica

História do cristianismo

Cronologia do cristianismo

Epístola de Barnabé

Primeira guerra judaico-romana

https://en.wikipedia.org/wiki/Sherira_Gaon

https://en.wikipedia.org/wiki/Second_Temple_Judaism

https://en.wikipedia.org/wiki/Second_Temple_period

Concílio de Jamnia

Concílio de Jerusalém

Grande Apostasia

Restauracionismo

Paulinismo

https://en.wikipedia.org/wiki/Wisdom_(personification)

https://en.wikipedia.org/wiki/God-fearer

Adocionismo

Prosélito

Judaizantes

https://en.wikipedia.org/wiki/Paul_the_Apostle_and_Jewish_Christianity

Visões cristãs sobre a Antiga Aliança

Incidente em Antioquia

https://en.wikipedia.org/wiki/Maccabean_Revolt

Censo de Quirino

Sicário

literatura apocalíptica

Escatologia

https://en.wikipedia.org/wiki/Messiah_in_Judaism

https://en.wikipedia.org/wiki/Flight_to_Pella

https://en.wikipedia.org/wiki/Proto-orthodox_Christianity Marcionismo

https://en.wikipedia.org/wiki/Historical_background_of_the_New_Testament Jesus histórico

https://en.wikipedia.org/wiki/Quest_for_the_historical_Jesus

Evangelho dos Hebreus - https://en.wikipedia.org/wiki/Jewish%E2%80%93Christian_gospels - https://en.wikipedia.org/wiki/Gospel_of_the_Nazarenes

https://en.wikipedia.org/wiki/Knanaya - Cristianismo sírio - Cristãos de São Tomé

Tanaíta - Concílio de Jamnia - Antijudaísmo - Adocionismo

Judaísmo helenístico - Religião helenística - Teologia da substituição

Paulinismo

Concílio de Jerusalém

https://en.wikipedia.org/wiki/Paul_the_Apostle_and_Jewish_Christianity

https://en.wikipedia.org/wiki/Christian_views_on_the_Old_Covenant

Incidente em Antioquia

https://en.wikipedia.org/wiki/Historical_background_of_the_New_Testament

https://en.wikipedia.org/wiki/Life_of_Jesus_in_the_New_Testament

Jesus histórico

Censo de Quirino

Ministério de Jesus

https://en.wikipedia.org/wiki/Messiah_in_Judaism

fariseus, saduceus, zelotes, essênios

Escatologia judaica, https://en.wikipedia.org/wiki/Messiah_in_Judaism , https://en.wikipedia.org/wiki/Messiah_ben_Joseph , Rejeição de Jesus

https://en.wikipedia.org/wiki/Second_Temple_Judaism

https://en.wikipedia.org/wiki/Christianity_in_the_1st_century

Simeão de Jerusalém

https://en.wikipedia.org/wiki/Book_of_Elchasai

Carpócrates

Cerinto

Elcasaitas

Sabeísmo

Gnosticismo

Mandeísmo

Samaritanos

Recabitas

Evangelho dos Hebreus

https://en.wikipedia.org/wiki/Jewish%E2%80%93Christian_gospels

https://en.wikipedia.org/wiki/Gospel_of_the_Nazarenes

https://en.wikipedia.org/wiki/Knanaya

Hebreus católicos

Cristianismo sírio

Cristãos de São Tomé

https://en.wikipedia.org/wiki/Messianic_Judaism

https://en.wikipedia.org/wiki/Jews_for_Jesus

https://en.wikipedia.org/wiki/Sect_of_Skhariya_the_Jew

Judaísmo messiânico

https://en.wikipedia.org/wiki/Subbotniks

https://en.wikipedia.org/wiki/Khlysts

https://en.wikipedia.org/wiki/Skoptsy

https://en.wikipedia.org/wiki/Raskol

https://en.wikipedia.org/wiki/Bezpopovtsy

Paulicianismo

Turlupins

Dunkers

https://fr.wikipedia.org/wiki/Amauriciens

https://it.wikipedia.org/wiki/Arbor_vitae_crucifixae_Jesu_Christi

https://it.wikipedia.org/wiki/Giovanni_da_Parma

Ângela de Foligno

https://it.wikipedia.org/wiki/Pietro_di_Giovanni_Olivi

Ubertino de Casale

https://it.wikipedia.org/wiki/Pauperismo_medievale

Frei Dolcino

Dolcinianos

Joaquimitas

Joaquim de Fiore

Apostólicos

Peter Olivi

Gerardo Segarelli depois

Michael de Cesena

Lollardismo

Wat Tyler

John Ball (padre)

https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_peasant_revolts

Revolta camponesa de 1381

John Wycliffe

Jan Hus

Guerras Hussitas

Reforma Radical

Rebelião de Münster

Guerra dos Camponeses

William Barclay - crítico dos monarcômacos

Thomas Müntzer

Confissão de Schleitheim

Claude de Seyssel A Monarquia da França

Liga de Smalkaden

Jacques Clément dominicano Henrique III

George Buchanan (1506-1582) Martín de Azpilcueta

Wikipédia:Pedidos a administradores/Discussão de bloqueio/DrikaFire

Direito de resistência

https://en.wikipedia.org/wiki/Parliament_of_England

Em um sistema monárquico de governo, os monarcas costumavam consultar e buscar o apoio de seus súditos mais poderosos para as suas políticas. Pois, desse modo, poderiam obter uma cooperação mais efetiva. Os primeiros reis da Inglaterra não tinham grandes exércitos permanentes e, portanto, dependiam do apoio dos súditos mais poderosos. No sistema feudal que evoluiu após a conquista normanda de 1066, as leis da Coroa não poderiam ser mantidas sem o apoio da nobreza e do clero. Os nobres controlavam mais diretamente a maior parte dos recursos econômicos e militares, pois tinham grandes propriedades de terra e poderiam exigir obrigações feudais e militares de seus vassalos. A Igreja tinha grande influência moral e possuía seu próprio sistema de tribunais religiosos.

Nesse contexto, os monarcas ingleses posteriores à conquista normanda chamavam Grandes Conselhos, que contavam com condes, barões, arcebispos, bispos e abades.

Inicialmente, os parlamentos eram convocados principalmente quando o rei precisava arrecadar mais dinheiro através de impostos. Depois da Magna Carta.

CartismoEditar

https://en.wikipedia.org/wiki/Chartism

O cartismo defendia eleições parlamentares anuais, como método para reduzir a eficácia de abuso do poder econômico em eleições;

Frustração com a aprovação da das Reformas de 1832, que não estenderam o direito ao voto aos trabalhadores;

https://en.wikipedia.org/wiki/Reform_Act_1832

https://en.wikipedia.org/wiki/Irish_Reform_Act_1832

Naquele ano, a Reforma eleitoral da Inglaterra e do País de Gales, aumentou o eleitorado de 400.000 (no caso da Inglaterra, 4% da população tinha direito ao voto) para 650.000 eleitores (6,5% da população), enquanto que a Reforma eleitoral escocesa, aumentou o eleitorado de 5.000 (0,2% da população) para 65.000 eleitores (2,6% da população - 13% dos homens adultos).

O eleitorado escocês aumentou de 5.000 para 65.000, ou seja, para 13% dos homens adultos, isso porque houve uma redução dos valores de bens e propriedades imóveis exigidos para a obtenção do direito ao voto. Também foi permitido o voto para não proprietários que pagassem valores de aluguéis anuais superiores a determinado piso.

Por outro lado, observou-se que, em um contexto no qual o voto não era secreto, o voto dos inquilinos era fortemente influenciado pelos proprietários e isso permitiu aos conservadores reconquistarem a maioria do parlamento em 1841.

Sete de junho de 1832.

Limitou a duração da votação a dois dias. (Anteriormente, as pesquisas podiam permanecer abertas por até quarenta dias.)

A França adotou o sufrágio universal masculino em 1848.

https://en.wikipedia.org/wiki/House_of_Commons_of_the_United_Kingdom

https://en.wikipedia.org/wiki/House_of_Commons_of_England

https://en.wikipedia.org/wiki/Simon_de_Montfort%27s_Parliament

https://en.wikipedia.org/wiki/Second_Barons%27_War

https://en.wikipedia.org/wiki/Magna_Carta

https://en.wikipedia.org/wiki/First_Barons%27_War

Origens do parlamento britânicoEditar

https://en.wikipedia.org/wiki/Midland_Revolt

https://en.wikipedia.org/wiki/Parliament_of_England

https://en.wikipedia.org/wiki/History_of_democracy

Em um sistema monárquico de governo, os monarcas costumavam consultar e buscar o apoio de seus súditos mais poderosos para as suas políticas. Pois, desse modo, poderiam obter uma cooperação mais efetiva. Os primeiros reis da Inglaterra não tinham grandes exércitos permanentes e, portanto, dependiam do apoio dos súditos mais poderosos. No sistema feudal que evoluiu após a conquista normanda de 1066, as leis da Coroa não poderiam ser mantidas sem o apoio da nobreza e do clero. Os nobres controlavam mais diretamente a maior parte dos recursos econômicos e militares, pois tinham grandes propriedades de terra e poderiam exigir obrigações feudais e militares de seus vassalos. A Igreja tinha grande influência moral e possuía seu próprio sistema de tribunais religiosos.

Nesse contexto, os monarcas ingleses posteriores à conquista normanda chamavam Grandes Conselhos, que contavam com condes, barões, arcebispos, bispos e abades.

Inicialmente, os parlamentos eram convocados principalmente quando o rei precisava arrecadar mais dinheiro através de impostos, principalmente depois da Magna Carta de 1215.

O apoio do parlamento era necessário para arrecadar mais tributos pois, a nobreza era o único estrato da sociedade com capacidade e autoridade para coletar e remeter as formas mais significativas de tributação disponíveis no nível local. Portanto, se o rei queria garantir uma arrecadação tranquila de receitas, precisava da cooperação da nobreza, pois se a nobreza se recusasse a cobrar os impostos do rei em escala nacional, a Coroa não dispunha de meios práticos para arrecada-los.

Até o final do início do Século XIVEditar

Quando Henrique I, assumiu o trono em 1100, fez diversas de concessões à nobreza por meio da Carta das Liberdades, considerada uma precursora da Magna Carta. Nessa Carta, Henrique prometeu prometeu evitar os abusos reais contra os direitos de propriedade dos barões, garantindo uma volta aos costumes gentis de Eduardo, o Confessor, o que deu início à limitação do poder do Rei na Inglaterra. No entanto, o próprio Henrique I não cumpriu com as promessas feitas por meio da referida Carta[1] [2].

Entre 1202 e 1204, o Rei João perdeu a maior parte de suas terras ancestrais na França para o Rei Filipe II, depois disso, lutou para recuperá-las por muitos anos, até a derrota definitiva na Batalha de Bouvines, em 27 de julho de 1214, que encerrou aquela Guerra anglo-francesa[3] [4]. Todo esse processo exigiu um aumento dos tributos sobre os nobres. Com o Rei enfraquecido pelas derrotas, houve uma grande pressão dos nobres, liderados por Robert Fitzwalter, que forçou o Rei João a assinar a Magna Carta, em 15 de junho de 1215, para evitar uma guerra civil.

A Carta prometia a proteção dos direitos da igreja, proteção contra prisão ilegal, acesso à justiça rápida e, mais importante, limitações de impostos e outros pagamentos feudais à Coroa, pois exigia que os nobres concordassem com instituição de novos impostos[5]. Apesar de ter maior ênfase nos direitos dos nobres, também concedia direitos aos servos, nos artigos 16, 20 e 28[6] [7].

Para que a Carta não fosse ignorada, a cláusula 61 previa a instituição de um conselho de 25 nobres que teriam como função monitorar e garantir a adesão do Rei à Carta.

Por outro lado, para evitar a aplicação da Carta, o Rei João recorreu ao Papa Inocêncio III, que, em 24 de agosto de 1215, expediu uma Carta que declarava a nulidade da Carta Magna[8] [9].

Essa situação, fez eclodir a Primeira Guerra dos Barões que foram apoiados por pelo filho do Rei da França, que, no futuro, seria o Rei Luís VIII[10] [11].

Após a morte do Rei João, em 16 de outubro de 1216, muitos nobres passaram a entender que seria melhor fazer um acordo com o herdeiro do Rei João, que seria o Rei Henrique III, do que colaborar com um processo que colocaria Luís no controle do Reino da Inglaterra.

Nesse contexto, buscando uma divisão entre os nobres rebeldes, em 12 de novembro de 1216, foi publicada um nova versão da Magna Carta, assinada por William Marshal, regente de Henrique III, que da época tinha apenas 9 anos. Essa nova versão tinha algumas das cláusulas a menos, dentre elas a cláusula 61, que previa um instrumento capaz de, efetivamente, impor limites à autoridade do Rei.

O acordo de rendição dos nobres rebeldes na "Primeira Guerra dos Barões", resultou na realização de uma grande reunião nos meses de outubro e novembro de 1217, que resultou em uma nova versão da Carta Magna, que era semelhante àquela assinada em 1216, mas continha algumas cláusulas adicionais que protegiam os direitos dos nobres sobre seus súditos feudais, e reduziram as restrições dos poderes do Rei para cobrar impostos[12].

No início de 1225, o Rei Henrique III precisou de recursos para defender seus domínios na Gasconha, o que foi conseguido em uma reunião com os nobres, que exigiram que o Rei, agora com 17 anos, reafirmasse seu compromisso firmado, em seu nome por William Marshal, na época seu regente regente, na Carta de 1217[13] [14].

O parlamento britânico tem suas origens remotas nas grandes reuniões de nobres que ocorreram nas décadas de 1230 e 1240 durante o reinado de Henrique III. O principal objeto dessas reuniões era o debate sobre o aumento de impostos, destinados a apoiar as receitas rei para projetos específicos. Durante o reinado de Henrique III, os condados começaram a enviar delegações regulares de modo que esses parlamentos passaram a representar um setor mais amplo da população do que simplesmente os principais barões[15].

Henrique III fez uma série de despesas tentando ampliar seu poder na Europa sem obter êxitos. Isso fez elevar suas exigências tributárias sobre os nobres que geraram insatisfações que resultaram na revolta, liderada por Roger Bigod, que eclodiu em 30 de abril de 1258. A situação forçou Henrique III a passar a governar por meio de um conselho de 24 nobres e clérigos, metade escolhida pelo rei e metade pelos nobres[16].

Em junho de 1258, o parlamento se reuniu e aprovou uma série de medidas conhecidas como Provisões de Oxford, que Henrique III aceitou. Essas disposições criaram um conselho de 15 integrantes, eleito apenas pelos nobres. Esse conselho tinha o poder de nomear o juiz, o chanceler e o tesoureiro da Inglaterra, que seriam monitorados por meio de reuniões do parlamento que ocorreriam a cada três anos. Parte das disposições protegiam os nobres de menor poder contra os abusos de poder dos nobres mais poderosos. Em 1259, foram aprovadas as Provisões de Westminster, que fortaleciam ainda mais as limitações do poder do Rei.

No 4 de dezembro de 1259, foi assinado o Tratado de Albeville que encerraria uma longa disputa entre os reis da Inglaterra e da França por terrar que atualmente se situam na França. Nesse contexto, Henrique III se sentiu em condições para restabelecer o poder absoluto do monarca. Esse processo contaria com resistência dos nobres e resultaria na Segunda Guerra dos Barões, travada entre 1264 e 1267, vencida por Henrique III. Em 19 de novembro de 1267, foi assinado o Estatuto de Marlborough, que efetivamente reeditou grande parte das disposições de Westminster, limitando os poderes das autoridades reais locais e dos principais nobres, mas sem restringir a autoridade real central[17].

Em 13 de novembro de 1295, Eduardo II deu posse a um parlamento unicameral com 49 representantes da alta nobreza e alto clero (Câmara dos Lordes) e 292 representantes da baixa nobreza (cavaleiros) e comerciantes (burgueses) - Câmara dos Comuns. Esse parlamento também podia analisar queixas dirigidas ao rei e cobrar providências relativas as tais queixas, como contrapartida para a aprovação de aumento de tributos.

Em 1297, o Rei Eduardo I, que havia cobrado muitos tributos naquela década, enfrentava grande oposição dos nobres contra novos tributos, razão pela qual publicou uma confirmação da Carta Magna de 1225, em troca da aprovação de uma novo tributo, trata-se do "Confirmatio Cartarum". Mais uma vez era firmado o compromisso de que a tributação deveria ocorrer com o consentimento dos nobres[18] [19] [20].

Para que esse compromisso fosse respeitado, buscou-se dar-lhe publicidade, por meio de dispositivos que previam que cópias da carta fossem distribuídas em catedrais em todo Reino para que fossem lidas perante o povo duas vezes por ano [21]

Em 1300, foi assinada uma nova confirmação das Cartas, com uns dispositivos adicionais que buscavam aperfeiçoar a aplicabilidade das Cartas, conhecidos como "Articuli super Cartas", tais como aqueles que previam que as Cartas:

  1. deveriam ser entregues aos xerifes de cada município;
  2. deveriam ser lidas quatro vezes por ano nas reuniões dos tribunais do condado;
  3. cada condado deveria ter um comitê de três homens para ouvir queixas sobre violações das Cartas[22] [23].

Em 1305, o Papa Clemente V, anulou o "Confirmatio Cartarum", por defender a doutrina do direito divino dos reis, entretanto, Eduardo I, talvez para evitar um novo enfrentamento com a nobreza, preferiu entender que somente seriam nulos os dispositivos adicionais de 1300.

Entre 1215 e o final do Século XV, diferentes monarcas ingleses se comprometeram a cumprir a Carta, totalizando dezenas de atos de compromisso[24] [25].

Até o início da Dinastia TudorEditar

Em 1341, ocorreram as primeiras separadas para a Câmaras Alta, Câmara dos Lordes, que reunia a alta nobreza e o alto clero, e para a Câmara Baixa, Câmara dos Comuns, que reunia a baixa nobreza (cavaleiros) e os comerciantes (burgueses).

Durante o reinado de Eduardo III ficou estabelecido que nenhuma lei poderia ser feita, nem qualquer imposto cobrado, sem o consentimento de ambas as Casas e do Soberano, o que resultou em um fortalecimento do parlamento. Isso em um contexto no qual o Rei precisava arrecadar mais tributos para manter as despesas da Guerra dos Cem Anos.

Durante o Parlamento que tomou posse em 1376, o Presidente da Câmara dos Comuns, Peter de la Mare, reclamou dos impostos pesados, exigiu uma contabilidade das despesas reais e criticou a administração das forças armadas pelo Rei. A Câmara dos Commons chegou a propor a destituição de alguns ministros do rei. Durante o Reinado de Ricardo II, a Câmara dos Comuns também pediu a destituição de ministros do Rei, eles entendiam que não deveriam apenas controlar os aumentos de tributos, mas também os gastos públicos.

Em 1430, foi estabelecido que somente pessoas que tivessem propriedades de valor superior à 40 xelins poderiam votar em eleições para a Câmara dos Comuns.

Em meados do século XV, os monarcas reafirmaram a sua autoridade e a Magna Carta deixou de ocupar um papel central na vida política inglesa, entretanto, continuou a ser um texto útil para advogados como um protetor dos direitos de propriedade, e tornou-se mais amplamente lida à medida em que circulavam as versões impressas e mais pessoas se alfabetizavam[26].

Na época da Dinastia TudorEditar

Na época da Dinastia Tudor, iniciada em 1485, quando Henrique VII, que assumiu o trono após a vitória na Guerra das Rosas. Existiram períodos nos quais governou-se sem atividade parlamentar. Nesse período, em regra, os parlamentos somente eram convocados durante os períodos necessários para aprovar aumento de tributos e/ou algumas outras leis de interesse dos monarcas.

Estima-se que, nessa época, somente cerca de três por cento da população masculina adulta tinha o direito ao voto para eleger representantes na Câmara dos Comuns, além disso, a votação não era secreta. Portanto, as eleições podiam ser controladas por grandes personalidades locais, pois muitos eleitores tinham razões para não desagradar os eleitores mais poderosos dos distritos. Em alguns casos, havia a compra de votos de modo bastante evidente.

Entre 1535 a 1542, o País de Gales foi anexado à Inglaterra, desse modo, a partir de 1542, parlamentares eleitos no País de Gales começaram a participar da Câmara dos Comuns da Inglaterra.

Em 1548, a Câmara dos Comuns foi instalada onde antes ficava a Capela de Santo Estevão no Palácio de Westminster, desse modo, os parlamentares passaram a ocupar o local onde antes ficava o coral.

Atualmente, ainda existe, formalmente, o direito de veto pelos monarcas mas, na prática, esse direito não é exercido desde 1707[27].

Século XVIIEditar

Entre 1597 e 98, o futuro Rei Jaime I da Inglaterra, que, na época, já era Rei da Escócia, escreveu duas obras que defendiam o direito divino dos reis: "A Verdadeira Lei das Monarquias Livres" e "Dom dos Monarcas" (Basilikon Doron). Na primeira obra ele defendeu uma teoria absolutista da monarquia, pela qual um rei pode impor novas leis por prerrogativa real, mas também deveria prestar atenção à tradição e a Deus, que seria o responsável pela punição dos reis perversos.

Dom dos Monarcas foi escrito como um livro de instruções para o Príncipe Henrique, e pretendia ser um guia prático da arte de reinar. Nessa obra, James demonstrou desprezo pelos parlamentos[28].

Nas primeiras horas do dia 24 de março de 1603, a Rainha Elizabeth I morreu e, naqueles mesmo dia, James foi proclamado rei em Londres, sendo coroado no dia 25 de julho daquele ano[29].

Em 1610, houve um impasse envolvendo as dotações financeiras do Rei, que levaram à dissolução do parlamento no dia 31 de dezembro de 1610[30].

Um novo parlamento foi instalado em 05 de abril de 1614, mas teria curta duração, sendo dissolvido em 7 de junho daquele ano.

Em 1621, um novo parlamento foi instalado, pois Jaime I precisava de fundos para um expedição militar em apoio a seu genro, Frederico V, Conde Palatino[31] Esse parlamento destituiu o Ministro do Rei: Sir Francis Bacon[32]. A primeira destituição desde 1549. Foi dissolvido em janeiro de 1622.

Em 1624, foi instalado um novo parlamento que destituiu o Ministro das Finanças, Lionel Cranfield. Em 1626, esse parlamento foi dissolvido quando tentava destituir o Duque de Buckingham.

Em março de 1629, Charles I voltou a dissolver o parlamento e prendeu alguns de seus líderes. A partir dessa data, Charles I, iniciou um período de governo de 11 anos sem funcionamento parlamentar [33] [34].

Em 1639, na Escócia, teve início uma rebelião contra reformas religiosas que Charles I tentava impor, nesse contexto, Charles precisava de recursos para reprimir a rebelião e, portanto, teve que convocar novas eleições parlamentares no início de 1640. Em março de 1640, o Parlamento irlandês aceitou um aumento de tributos para financiar a campanha militar de Charles I. Mas a situação foi diferente na Casa dos Comuns Inglesa, onde os adversários de Charles tinham bastante força. Essa casa parlamentar iniciou as sessões em 13 de abril de 1640, mas os pedidos dos parlamentares por mais reformas foram ignorados por Charles, que dissolveu o parlamento em 05 maio de 1640 sem obter os aumentos de tributos almejados[35] [36] [37].

Derrotas militares na Escócia, forçaram Charles I a convocar novas eleições parlamentares em 24 de setembro de 1640, que deveria iniciar os trabalhos em novembro daquele ano. Os adversários de Charles I foram amplamente vitoriosos nas eleições para a Câmara dos Comuns, onde conquistaram 350 assentos de um total de 493[38].

O novo parlamento começou os trabalhos em 03 de novembro de 1640 e rapidamente iniciou procedimentos para destituir altos conselheiros do Rei, desse modo: o Conde de Strafford foi preso em 10 de novembro, o arcebispo William Laud foi destituído em 18 de dezembro; John Finch foi destituído no dia seguinte e fugiu para Haia[39].

No dia 04 de janeiro de 1642, Charles I tentou prender 5 parlamentares por alta traição, mas estes fugiram.

A maioria parlamentar iniciou um movimento para depor o Rei que rapidamente dominou a cidade de Londres. Nesse contexto, Charles I, no dia 10 de janeiro, refugiou-se no Palácio Hampton Court e, dois dias depois, mudou-se para o Castelo de Windsor. Depois disso, enviou sua esposa e sua filha mais velha para a segurança no exterior em fevereiro e viajou para o norte. Foi o início da Guerra Civil Inglesa[40] [41] [42].

Rebelião de KettEditar

https://en.wikipedia.org/wiki/Vagabonds_Act

https://en.wikipedia.org/wiki/Resistance_theory_in_the_Early_Modern_period

Guerra CivilEditar

Dentre os que defendiam um maior poder ao parlamento estavam aqueles que tinham interesse em uma maior liberdade religiosa. Nesse contexto, cabe lembrar que a Igreja Católica era uma instituição muito importante na defesa da doutrina do direito divino dos reis e que, embora a ruptura da monarquia inglesa com a Igreja Católica, que deu origem à Igreja Anglicana, não tenha trazido liberdade religiosa plena, abriu espaço para diversas disputas sobre a interpretação da Bíblia, ambiente propício ao surgimento e fortalecimento de grupos que defendiam uma maior liberdade religiosa.

No entanto, durante o reinado de Maria I (1553-1558), houve uma tentativa de restauração do catolicismo e perseguição a muitos líderes religiosos que se opunham, à referida restauração. Nesse contexto, muitas dessas lideranças buscaram exílio em regiões protestantes da Europa onde radicalizaram suas visões quanto à necessidade de Reforma Religiosa.

Uma das consequências dessa ruptura foi uma maior liberdade religiosa e o surgimento de uma interpretação da Bíblia distinta dos interesses dos senhores de terras. Sendo estas interpretações fortalecidas pelo fato de que com o surgimento da imprensa, mais pessoas tiveram acesso à Bíblia e outros textos que veiculavam ideias.

Um dos elementos que fortaleceu o parlamento foi a

As posições defendidas por Thomas Rainsborough, decorrem do fato de que muitos integrantes do Exército de Cromwell eram pessoas pobres que buscavam objetivos muito mais radicais do que os procurados por seus líderes. Posteriormente, muitos deles se tornariam Levellers, que defendiam escolas e hospitais gratuitos para todos, assim como para uma sociedade mais igualitária[43]

As posições defendidas por Thomas Rainsborough, decorrem do fato de que muitos integrantes do Exército de Cromwell eram pessoas pobres que buscavam objetivos muito mais radicais do que os procurados por seus líderes. Posteriormente, muitos deles se tornariam Levellers, que defendiam escolas e hospitais gratuitos para todos, assim como para uma sociedade mais igualitária[44]

Após a Primeira Fase da Guerra Civil Inglesa (1642–1646), mais precisamente, entre 28 de outubro e 11 de Novembro de 1647, ocorreram os "Debates de Putney", entre líderes do exército liderado por Oliver Cromwell, que tinha sido vitorioso naquela fase do conflito.

Esses debates tiveram como objeto o novo sistema político que seriam instaurado após a derrota das tropas do Rei Charles I. Nesse contexto, os radicais, liderados por Thomas Rainsborough, queriam um parlamento eleito com base no sufrágio universal dos homens adultos ("um homem, um voto"), com eleições a cada dois anos e uma reorganização dos distritos eleitorais, além disso, a Câmara dos Comuns deveria concentrar toda a autoridade e não os reis e senhores. Os radicais também defendiam a existência de direitos naturais que seriam cláusulas pétreas, tais como: liberdade de consciência, liberdade de recrutamento nas forças armadas e igualdade perante a lei.

Entretanto, tais propostas foram rejeitadas por Oliver Cromwell, que entendia que deveria-se defender algo que possibilitasse um acordo com o Rei e seus apoiadores. Desse modo, foi mantida a regra que permitia o direito ao voto apenas para proprietários de terras[45].

http://vfpuk.org/articles/agitators/

https://en.wikipedia.org/wiki/English_Revolution

https://en.wikipedia.org/wiki/Gerrard_Winstanley

https://en.wikipedia.org/wiki/Thomas_Rainsborough

https://en.wikipedia.org/wiki/New_Model_Army

https://en.wikipedia.org/wiki/English_Dissenters

https://en.wikipedia.org/wiki/Agitator

https://en.wikipedia.org/wiki/Levellers

https://en.wikipedia.org/wiki/An_Agreement_of_the_People

https://en.wikipedia.org/wiki/Heads_of_Proposals

https://en.wikipedia.org/wiki/Society_of_the_Friends_of_the_People

https://en.wikipedia.org/wiki/Hampden_Clubs

https://en.wikipedia.org/wiki/London_Corresponding_Society

https://en.wikipedia.org/wiki/Six_Acts

https://en.wikipedia.org/wiki/Peterloo_Massacre

https://en.wikipedia.org/wiki/Seditious_Meetings_Act_1817

https://en.wikipedia.org/wiki/Catholic_Relief_Act_1829

https://en.wikipedia.org/wiki/Catholic_Emancipation

https://en.wikipedia.org/wiki/National_Political_Union_(England)

https://en.wikipedia.org/wiki/People%27s_History_Museum

Emenda à Lei dos Pobres de 1834; Casas de trabalho;

https://en.wikipedia.org/wiki/Poor_Law_Amendment_Act_1834

Em 1836, a Associação dos Trabalhadores de Londres foi fundada por William Lovett e Henry Hetherington;

https://en.wikipedia.org/wiki/London_Working_Men%27s_Association

https://en.wikipedia.org/wiki/William_Lovett

Carmarthen Working Men Association


https://en.wikipedia.org/wiki/League_for_Socialist_Action_(Canada)

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Workers_Party_(UK)

https://en.wikipedia.org/wiki/Militant_(Trotskyist_group)

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Labour_League

https://en.wikipedia.org/wiki/Labour_Church

https://en.wikipedia.org/wiki/Labour_Representation_Committee_(1900)

https://en.wikipedia.org/wiki/Edmund_Burke

https://en.wikipedia.org/wiki/Marxist_Group_(UK)

https://en.wikipedia.org/wiki/Revolutionary_Policy_Committee

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_League_(UK,_1932)

https://en.wikipedia.org/wiki/Scottish_Socialist_Party_(1932)

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Party_of_Northern_Ireland

https://en.wikipedia.org/wiki/Independent_Socialist_Party_(UK)

https://en.wikipedia.org/wiki/International_Working_Union_of_Socialist_Parties

https://en.wikipedia.org/wiki/Labour_and_Socialist_International

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Propaganda_League

https://en.wikipedia.org/wiki/Communist_Party_of_Great_Britain

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Labour_Party_(UK)

https://en.wikipedia.org/wiki/British_Socialist_Party

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Workers_Party_(UK)

https://en.wikipedia.org/wiki/Impossibilism

https://en.wikipedia.org/wiki/Turner_Controversy

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Propaganda_League

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Party_of_Great_Britain_breakaway_groups

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Party_of_Great_Britain_debates

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Party_of_Great_Britain

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_Labour_Party_(UK,_1903)

https://en.wikipedia.org/wiki/Workers%27_International_League_(1937)

https://en.wikipedia.org/wiki/International_Revolutionary_Marxist_Centre

https://en.wikipedia.org/wiki/Left_Fraction

https://en.wikipedia.org/wiki/Social_Democratic_Federation

https://en.wikipedia.org/wiki/Scottish_Land_Restoration_League

https://en.wikipedia.org/wiki/Socialist_League_(UK,_1885)

https://en.wikipedia.org/wiki/Scottish_United_Trades_Councils_Labour_Party

https://en.wikipedia.org/wiki/Revolutionary_Socialist_League_(UK,_1938)

https://en.wikipedia.org/wiki/Revolutionary_Communist_Party_(UK,_1944)

https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Trotskyist_political_internationals

https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Trotskyist_organisations_in_the_United_Kingdom

http://tendenciarevolucionaria.blog spot.com/

http://espacomarxista.blogs pot.com/p/o-que-e-o-espaco-marxista.html

http://tmarxistaleninista.blog spot.com/

http://www.socialismo-o-barbarie.org/?cat=1686

http://www.transicao.org/quem-somos/

http://www.internationalist.org/indiceport.html

http://www.internationalist.org/declaracaolqi.html

Greve Geral de 1983

http://www.scielo.br/pdf/topoi/v3n5/2237-101X-topoi-3-05-00354.pdf

http://www.raulcarrion.com.br/prim_partidos.asp

Liberdade e Luta

Liga Comunista

Liga Operária

Partido Socialista Revolucionário (Brasil)

Referências

  1. Hollister, Warren C., Henry I. New Haven & Londres: Yale University Press, pp 110–112.
  2. History of English Law before the time of Edward I. Frederick Pollock e William Maitland, volume 1, Cambridge University Press, pp=95 ss
  3. The Minority of Henry III. Berkeley and Los Angeles: University of California Press. David Carpenter, 1990, p 7
  4. 1215: The Year of Magna Carta. pág 168, Danny Danziger e John Gillingham
  5. King John: England's Evil King? Ralph Turner, History Press, 2009, p 184-185.
  6. Full-text translation of the 1215 edition of Magna Carta, em inglês, acesso em 05 de fevereiro de 2020
  7. Mediaeval Cheshire. Manchester University Press. , H.J. Hewit. 1929, p 9.
  8. English Historical Documents 1189–1327. Eyre & Spottiswoode. Harry Rothwell. 1975. pp 324–326
  9. King John. Methuen. W. Lewis Warren. 1990. pp 245–246
  10. The Northerners: A Study in the Reign of King John. Oxford University Press. James C. Holt, 1992. p=1.
  11. William Marshal: Court, Career and Chivalry in the Angevin Empire 1147–1219. Longman. David Crouch, 1996. p 114.
  12. The Thirteenth Century 1216–1307. Oxford University Press. Frederick Maurice Powicke (1963), p. 5.
  13. "The Name Magna Carta". The English Historical Review. XXX (CXIX). Albert Beebe White (1915).
  14. "Note on the Name Magna Carta". The English Historical Review. XXXII (CXXVIII). XXX (CXIX). Albert Beebe White (1917).
  15. The Struggle for Mastery: The Penguin History of Britain 1066–1284. London, Penguin. David Carpenter (2004) pp 355-356
  16. Eleanor of Provence: Queenship in Thirteenth-Century England, Blackwell Publishers. Margaret Howell (2001), pp 153-54.
  17. The First English Revolution: Simon de Montfort, Henry III and the Barons' War. London, Bloomsbury. Adrian Jobson (2012), p 2–3
  18. "Confirmatio Cartarum and Baronial Grievances in 1297". The English Historical Review. 58 (231): 273–300. J. G. Edwards, (1943).
  19. Confirmatio Cartarum, em inglês, acesso em 30 de novembro de 2007.
  20. Edward I. New Haven: Yale University Press. Michael Prestwich (1997), pp 427 e 434.
  21. Cobbett's Complete Collection of State Trials and Proceedings for High Treason and Other Crimes and Misdemeanors from the Earliest Period to the Present: Bagshaw. William Cobbett, Thomas Bayly Howell, Th. J. Howell e William Jardine (1810), p=980.
  22. "Ancient Constitution in Medieval England". Liberty Fund. James C. Holt (2008), p. 62.
  23. Historical Dictionary of Late Medieval England 1272–1485. Greenwood Press. Ronald Fritze e William Robison (2002), pp 34–35.
  24. Magna Carta – Its Role In The Making Of The English Constitution 1300–1629. University of Minnesota Press. Faith Thompson (1948), pp 9–10.
  25. The Meaning of Magna Carta since 1215. History Today, volume 53, tema 9. Ralph V. Turner (2003).
  26. Magna Carta: Through the Ages: Routledge. Ralph Turner (2003) pp 132-133.
  27. Blackstone, Sir William. (1765). Commentaries on the Laws of England. Oxford: Clarendon Press.
  28. King James: Palgrave Macmillan. Pauline Croft (2003), pp 131–133.
  29. The Cradle King: A Life of James VI & I: Chatto and Windus. Alan Stewart (2003), p. 172.
  30. James VI and I: Longman. Roger Lockyer (1998).
  31. King James VI & I: Jonathan Cape. David Harris Willson (1963).
  32. The Cambridge Paperback Guide to Literature in English: Cambridge University Press. Ian Ousby (1996) p 22.
  33. Charles I: 1625–1640: Pearson Education. Brian Quintrell (1993), p=43
  34. The Tyrannicide Brief: Chatto & Windus. Geoffrey Robertson (2005), p 35.
  35. Notes of the Treaty Carried on at Ripon Between King Charles I. and the Covenanters of Scotland, A.D. 1640, Taken by Sir John Borough, Garter King of Arms: Camden Society. Sir John Borough (1869), p 8.
  36. The Noble Revolt: Weidenfeld & Nicolson. John Adamson (2007), p=11.
  37. Politics and the Nation: Fontana. David Loades (1974), pp 401-402.
  38. The Personal Rule of Charles I:Yale University Press. Kevin Sharpe (1992)
  39. King Charles I: Dent. Pauline Gregg (1981), p 68, 97-99, 185-186, 305–307, 323-325.
  40. Charles I: A Political Life: Pearson Education. Richard Cust (2005).
  41. Charles I: Weidenfeld & Nicolson. Christopher Hibbert (1968), p 108, 179-181.
  42. Charles I: The Personal Monarch (Second ed.): Routledge. Charles Carlton (1995), p 75, 121, 153-154, 211–212, 214, 216, 232, 234, 236.
  43. Agitators in the New Model Army by Aly Renwick, em inglês, acesso em 12 de fevereiro de 2020.
  44. Agitators in the New Model Army by Aly Renwick, em inglês, acesso em 12 de fevereiro de 2020.
  45. "The Making of the English Working Class", Edward Palmer Thompson.
Regressar à página do utilizador "Raimundo57br/discussão11".