Usuário(a):Nelson R. de Lima Filho/Testes

Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Gray's Anatomy.
Grey's Anatomy Logo.svg
A Anatomia de Grey (PT)
Anatomia da Grey (BR)
Informação geral
Formato série
Gênero Drama médico
Duração 42 min. aprox.
Estado Em exibição
Criador(es) Shonda Rhimes
País de origem  Estados Unidos DJCTQ - 14.svg
Idioma original inglês
Produção
Produtor(es) Ann Kindberg,
Austin Guzman,
Elisabeth R. Finch,
Gabrielle G. Stanton,
Harry Werksman,
Jeff Rafner,
Linda Klein,
Lisa Taylor,
Mark Foreman,
Meg Marinis,
Mimi Schmir,
Peter Nowalk,
Stacy McKee,
Tammy Ann Casper,
William Harper,
Zoanne Clack
Produtor(es) executivo(s) Shonda Rhimes,
Allan Heinberg,
Betsy Beers,
Debbie Allen,
James D. Parriott,
Jeannine Renshaw,
Jeff Rafner,
Joan Rater,
Kent Hodder,
Krista Vernoff,
Mark Gordon,
Mark Wilding,
Marti Noxon,
Nancy Bordson,
Peter Horton,
Rob Corn,
Stacy McKee,
Steve Mulholland,
Tony Phelan,
William Harper,
Zoanne Clack
Editor(es) Susan Vaill,
David Greenspan,
Edward Ornelas,
Justin Chinn,
Briana London,
Sarah Boyd,
Stacy Katzman,
Brandi Bradburn,
Bjorn Myrholt
Cinematografia Herbert Davis
Câmera Câmera única
Roteirista(s) Shonda Rhimes
Narrador(es) Ellen Pompeo e outros atores
Elenco Ellen Pompeo
Justin Chambers
Jessica Capshaw
Kevin McKidd
Chandra Wilson
James T. Pickens
Sarah Drew
Jesse Williams
Caterina Scorsone
Kelly McCreary
Camilla Luddington
Jerrika Hinton
ver todos
Tema de abertura Cosy in the Rocket - Psapp
(1ª - 7ª temporada)
Tema de encerramento Cosy in the Rocket - Psapp
(instrumental)
Composto por Danny Lux
Empresa(s) produtora(s) ShondaLand,
The Mark Gordon Company,
ABC Studios
Exibição
Emissora original ABC
Formato de exibição 480i,
1080i (16:9 HDTV)
Formato de áudio Estéreo,
Dolby Digital 5.1
Transmissão original 27 de Março de 2005 - presente
Temporadas 13
Episódios 293 (lista de episódios)
Cronologia
Private Practice
Programas relacionados Private Practice

Grey's Anatomy é um drama médico norte-americano exibido no horário nobre da rede ABC. Seu episódio piloto foi transmitido pela primeira vez em 27 de março de 2005 nos Estados Unidos.[1] A série foca na vida de médicos cirurgiões internos, residentes e atendentes; e como eles evoluem na sua profissão ao tentar manter a vida dos seus pacientes e nos seus relacionamentos pessoais. O título do seriado é uma brincadeira com Anatomia de Grey, um livro de anatomia humana escrito por Henry Gray. [2] A idéia original foi de Shonda Rhimes, que além de idealizadora é produtora executiva, juntamente com Betsy Beers, Mark Gordon, Krista Vernoff, Rob Corn, Mark Wilding e Allan Heinberg. Embora se passe no ficcional Grey Sloan Memorial Hospital (anteriormente Seattle Grace Mercy West) em Seattle, Washington, as gravações são realizadas principalmente em Los Angeles, Califórnia. O seriado foi originalmente chamado de Complicações, uma referência aos procedimentos médicos complicados e vida pessoal dos personagens.

Grey’s foi criado para ter diversidade racial de acordo com a utilização de uma técnica de recrutamento do elenco que não leva em conta a raça. Ele se passa em torno da vida da médica Meredith Grey, interpretada por Ellen Pompeo. O elenco original contava com nove atores principais: Ellen Pompeo, Sandra Oh, Katherine Heigl, Justin Chambers, T.R. Knight, Chandra Wilson, James Pickens Jr., Isaiah Washington e Patrick Dempsey. O mesmo sofreu grandes mudanças ao longo das temporadas, com a saida de muitos membros e a entrada de novos. Em sua décima segunda temporada, o sériado teve um elenco de dezesseis atores, incluindo quatro do elenco original. Em 10 de fevereiro de 2017, a ABC renovou Grey's Anatomy para uma décima quarta temporada, que estreará no outono de 2017. [3]

Grey's Anatomy é um dos dramas de melhor audiência nos Estados Unidos, apesar da queda nas últimas temporadas, estando entre os 10 melhores no ranking de audiência e sendo bem recebido pelos críticos durante o seu tempo de exibição, onde foi incluido no entre os 10 melhores de várias listas de criticas em 2006. É considerado um seriado de impacto significativo na cultura popular e recebeu vários prêmios, incluindo o prêmio de Melhor Série de Drama no Globo de Ouro de 2007, além de várias indicações ao Emmy, incluindo duas para Primetime de melhor série de drama. Foram produzidos diversos especiais, também lançados em DVD, e vários produtos relacionados ao seriado. Em 2012, Grey's foi nomeada a quinta maior receita em termos de publicidade a cada meia hora. Atualmente é o sériado mais antigo do horário nobre a ser exibido na ABC, e o segundo da história da emissora, atrás apenas de The Adventures of Ozzie and Harriet. Tal sucesso se repete no Brasil, onde a série é exibida pelo canal Sony também no horário nobre.

EnredoEditar

Predefinição:Spoiler O seriado acompanha a vida de Meredith Grey (Ellen Pompeo), filha da respeitada cirurgiã geral Ellis Grey, após seu ingresso no programa de residência no Seattle Grace Hospital. Durante seu tempo como residente, ela trabalha ao lado de seus colegas Cristina Yang (Sandra Oh), Alex Karev (Justin Chambers), Izzie Stevens (Katherine Heigl) e George O'Malley (T.R. Knight), onde cada um se desdobra para equilibrar sua vida pessoal com o trabalho agitado e horários de treinamento que eles tem a cumprir.

Eles são supervisionados durante seu estágio por Miranda Bailey (Chandra Wilson), uma residente sênior que trabalha sob supervisão de Derek Shepherd (Patrick Dempsey), Chefe de Neurocirurgia e interesse amoroso de Grey; Preston Burke (Isaiah Washington), Chefe de Cirurgia Cardíaca e noivo de Yang; e Richard Webber (James Pickens Jr.), Chefe de Cirurgia e ex-amante de Ellis Grey. Posteriormente dois residentes, Jackson Avery (Jesse Williams) e April Kepner (Sarah Drew), ingressam no Hospital, devido a uma fusão com o Mercy-West Hospital durante a sexta temporada. Ao longo das primeiras seis temporadas O'Malley, Burke e Stevens saem do seriado, gerando controvérsias a cerca do tempo de duração do mesmo.

Além de Shepherd, Webber e Burke, a ala cirúrgica é composta por Owen Hunt (Kevin McKidd), como Chefe de Trauma; Arizona Robbins (Jessica Capshaw), como Chefe de Cirurgia Pediátrica; Callie Torres (Sara Ramírez), uma residente que mais tarde se torna Chefe de Cirurgia Ortopédica e deixa a série ao final da décima segunda temporada; Erica Hahn (Brooke Smith), como Chefe de Cirurgia Cardíaca, após a saida de Preston; Mark Sloan (Eric Dane), como Chefe de Cirurgia Plástica; Addison Montgomery (Kate Walsh), como Chefe de Obstetrícia e Ginecologia, Cirurgia Neonatal e Fetal; Teddy Altman (Kim Raver), como Chefe de Cirurgia Cardíaca, após a saida de Erica; e Amelia Shepherd (Caterina Scorsone), irmã de Derek que é contratado para substituí-lo como Chefe de Neurocirurgia.

Posteriormente ingressaram no programa de residência Lexie Grey (Chyler Leigh), meia-irmã de Meredith, que morre juntamente com Mark Sloan no final da oitava temporada; Leah Murphy (Tessa Ferrer); Shane Ross (Gaius Charles), que sai juntamente com Cristina Yang no final da décima temporada; Stephanie Edwards (Jerrika Hinton); Jo Wilson (Camilla Luddington), médica que começa a ter uma relação romântica com Alex Karev; Andrew Deluca (Giacomo Gianniotti), interesse amoroso de outra meia-irmã de Grey, Maggie Pierce (Kelly McCreary), que é contratada como Chefe de Cirurgia Cardíaca, após a saida de Teddy; e Benjamin Warren (Jason George), inicialmente um anestesiologista que decide realizar residencia, tendo a dificil tareda de manter o seu casamento com Miranda Bailey, que assume o cargo de Chefe de Cirurgia, com o seu próprio desejo de ter sucesso.[4] Durante a décima segunda temporada há a entrada de Nathan Riggs (Martin Henderson), para o departamento de Cirurgia Cardíaca, enquanto Meredith é nomeada Chefe de Cirurgia Geral. Predefinição:Spoiler-fim

Produção e desenvolvimentoEditar

ConceitoEditar

Shonda Rhimes, queria fazer um seriado que ela gostaria de assistir[5] e pensou que seria interessante criar um seriado sobre "mulheres inteligentes competindo umas contra as outras".[6] Quando perguntada como decidiu criar um drama médico, ela respondeu:

O seriado foi apresentado a ABC Entertainment, que deu o sinal verde, e acabou sendo escolhido como um substituto para Boston Legal no meio da temporada de televisão em 2005.[8] Francie Calfo, vice-presidente executiva de desenvolvimento da ABC Entertainment, comentou que estavam à procura de um seriado médico que fosse diferente dos outros exibidos na época. Ela assinalou que "séries médicas são difíceis, e era difícil tentar descobrir onde a nossa poderia ser diferente. Mas enquanto todos os outros estão correndo com suas séries médicas, [Rhimes] encontrou uma maneira de deixa-lá devagar, para você então poder conhecer os personagens. Existe definitivamente um apelo feminino forte para ela."[6]

"ER é a medicina de alta velocidade. A câmera voa ao redor, a adrenalina está correndo. Minha série é mais pessoal. A ideia para ela começou quando uma médica me disse que era incrivelmente difícil de raspar as pernas no chuveiro do hospital. Visto inicialmente até parecia ser um detalhe bobo. Mas depois eu pensei sobre o fato de que esse seja o único local e tempo que esta mulher pode ter para raspar as pernas. Isso mostra o quão duro o trabalho é".

— Shonda durante a criação de Grey's Anatomy[7]

Equipe de ProduçãoEditar

Grey's Anatomy é produzido pela ShondaLand, em associação com The Mark Gordon Company e ABC Studios (anteriormente Touchstone Television).[9] Rhimes, Betsy Beers, Krista Vernoff, Mark Gordon, Rob Corn e Mark Wilding estão sendo, ao longo das temporadas, os produtores executivos.[10] Nas temporadas subsequentes, Steve Mulholland, Kent Hodder, Nancy Bordson, James D. Parriott e Peter Horton também foram produtores executivos e Allan Heinberg juntou-se a série em 2006.[10] A partir da 8ª temporada, os atuais produtores executivos são Rhimes, Beers, Gordon, Vernoff, Corn, Wilding e Heinberg.[11]

Shonda é a escritora mais prolífica da série. Ela geralmente promove o seriado respondendo perguntas de fãs em sua conta no Twitter.[12] Outros membros da equipe de roteiristas são Vernoff, Wilding, Peter Nowalk, Stacy McKee, William Harper, Zoanne Clack, Tony Phelan, Joan Rater e Debora Cahn.[10] Da segunda à sétima temporada, os roteiristas mantiveram um blog intitulado Grey Matter, onde o escritor de um episódio discutia os motivos por trás do roteiro.[13] Os diretores variam de episódio em episódio, com Rob Corn dirigindo mais frequentemente, seguido por Tom Verica. Horton, Edward Ornelas e Jessica Yu também dirigiram um número consderável de episódios.[10] Chandra Wilson e Kevin McKidd, membros do elenco, dirigiram vários episódios.[14]

O seriado é editado por Susan Vaill desde o início,[15] e David Greenspan foi nomeado editor em 2006.[16] Os diretores de elenco, Linda Lowy e John Brace, têm sido uma parte da equipe de produção desde 2005. A área de design de produção é liderada por Donald Lee Harris, com ajuda de Brian Harms, diretor de arte, e Mimi Melgaard, na parte de figurino. Trabalhando ao lado de Melgaard, Thomas Houchins é o supervisor dos figurinos, Ellen Vieira é a maquiadora, e Jerilynn Stevens na parte de cabelo. O diretor de fotografia é Herbert Davis. O coordenador de música é Danny Lux.[15] A médica Karen Lisa Pike atua como consultora sobre assuntos médicos, ao lado de Linda Klein.[17] A equipe de produção possui uma equipe de softball que compete com outros programas de televisão, como CSI: Crime Scene Investigation.[18]

ElencoEditar

”Ela trouxe essa energia que parecia muito renovadora. Desde o início, eu tenho moldado Cristina um pouco em torno da Sandra. Uma das minhas coisas favoritas de fazer é tirar o máximo possível do seu diálogo em uma cena porque ela se expressa muito não verbalmente. Então eu assisto o que ela faz sem ter uma palavra a dizer.”

— Rhimes na audição de Sandra Oh[19]

O seriado usou uma técnica de recrutamento do elenco que não leva em conta a raça, resultando em um elenco com diversidade racial. Cada papel foi escrito sem que características raciais dos personagens fossem pré-determinadas, mantendo a visão diversificada de Shonda.[20] A equipe de produção começou o trabalho com a personagem principal da série, Meredith Grey,[7] que Rhimes afirmou que seria difícil encontrar uma atriz.[21] "Eu ficava dizendo que precisamos de uma garota como aquela de Moonlight Mile[a]", delcarou Shonda, "e depois de um tempo, eles estavam tipo, 'Nós achamos que podemos recrutar aquela garota de Moonlight Mile."[21] A próxima a ser contratada, Sandra Oh (Dra. Cristina Yang), foi inicialmente convidada para audição de Dra. Bailey, porém foi pressionada a fazer o teste para Cristina.[22] Muitos atores fizeram o teste para Derek, mas quando Patrick Dempsey fez o teste, "ele era simplesmente perfeito", de acordo com Rhimes.[21]

O único personagem desenvolvido com uma descrição racial em mente foi Miranda Bailey, que é interpretada por Chandra Wilson. Seu personagem era descrita como uma loira pequena com cabelos encaracolados, mas quando Chandra começou a falar, Rhimes disse: "[Wilson] é exatamente quem Miranda é".[7] James Pickens Jr. foi escolhido para interpretar Richard Webber no piloto e primeira temporada do seriado. [23] Katherine Heigl deveria interpretar uma Izzie Stevens de cabelos morenos, mas pediu para manter seu loiro natural durante o papel.[24] Isaiah Washington, que interpretou Preston Burke, inicialmente fez o teste para o papel de Shepherd, mas acabou como Burke, porque o ator original para interpretar o papel teve que sair. [20] T. R. Knight assinou para interpretar George O'Malley, esperando que o papel fosse de curta duração, já que ele gostava das várias faces do personagem.[25] E, para completar o elenco da primeira temporada, Justin Chambers como Alex Karev.[26]

Eric Dane originalmente fez audição para o piloto de Grey's Anatomy, mas não conseguiu um papel.

Referências

  1. «Grey's Anatomy». Series Empire. 15 de outubro de 2015 
  2. Staff writer (4 de fevereiro de 2005). «Breaking News – Development Updates: 4 de fevereiro». The Futon Critic (em inglês). Thefutoncritic.com. Consultado em 1 de julho de 2009 
  3. "Grey's Anatomy Gets Season 14 Renewal On ABC". Release Date, 10/02/2017
  4. «Watch Grey's Anatomy TV Show - ABC.com». ABC. Consultado em 20 de Abril de 2016 
  5. Ryan, Maureen (21 de Dezembro de 2005). «Shonda Rhimes, creator of 'Grey's Anatomy' and a Chicagoan of the Year». Chicago Tribune. Consultado em 24 de Maio de 2012. Cópia arquivada em 21 de Junho de 2009 
  6. a b Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome NYT
  7. a b c d Winfrey, Oprah (Dezembro de 2006). «Oprah Talks to Shonda Rhimes». The Oprah Magazine. Harpo Productions, Inc. Consultado em 24 de Maio de 2012 
  8. Collier, Aldore (Outubro de 2005). «Shonda Rhimes: the force behind Grey's Anatomy». Business Library. CBS Interactive. Consultado em 24 de Maio de 2012 
  9. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome UM
  10. a b c d «Grey's Anatomy Cast and Details». TV Guide. Consultado em 5 de julho de 2012 
  11. «About the Show». Grey's Anatomy. American Broadcasting Company. Consultado em 26 de maio de 2012 
  12. Rhimes, Shonda. «Shonda Rhimes on Twitter». Twitter. Consultado em 1º de julho de 2012 
  13. «Grey Matter: From the Writers of Grey's Anatomy». Grey Matter. American Broadcasting Company. Consultado em 1º de julho de 2012 
  14. Goldberg, Lesley (9 de março de 2012). «'Grey's Anatomy's' Kevin McKidd, Chandra Wilson to Direct Again (Exclusive)». The Hollywood Reporter. Prometheus Global Media. Consultado em 26 de maio de 2012 
  15. a b «Grey's Anatomy – Seattle Grace: Message of Hope». Grey's Anatomy. American Broadcasting Company. Consultado em 5 de julho de 2012. Arquivado do original em 1º de fevereiro de 2012 
  16. Greenspan, David. «David Greenspan». LinkedIn. Consultado em 5 de julho de 2012 
  17. Marsi, Steve (28 de fevereiro de 2006). «How Grey's Anatomy Keeps it Real». TV Fanatic. SheKnows Entertainment. Consultado em 26 de maio de 2012 
  18. Vernoff, Krista (25 de setembro de 2009). «Krista Vernoff on 'Good Mourning' and 'Goodbye'...». Grey Matter. American Broadcasting Company. Consultado em 30 de junho de 2012 
  19. Oakley, Colleen (9 de abril de 2007). «Interview with Shonda Rhimes». Marie Claire. Hearst Communication, Inc. Consultado em 26 de maio de 2012 
  20. a b Fogel, Matthew (8 de maio de 2005). «'Grey's Anatomy' Goes Colorblind». The New York Times. The New York Times Company. Consultado em 27 de junho de 2012 
  21. a b c Ryan, Maureen (30 de setembro de 2005). «Chicago as a 'Grey' area?». Chicago Tribune. Tribune Company. Consultado em 23 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 9 de junho de 2008 
  22. Sandra Oh (2007). Grey's Anatomy – Sandra Oh Audition. Paley Center. Em cena em 0:05–0:15. Consultado em 26 de maio de 2012 
  23. «Richard Webber (James Pickens, Jr.) Bio». Grey's Anatomy. American Broadcasting Company. Consultado em 26 de maio de 2012. Cópia arquivada em 03 de março de 2011  Verifique data em: |arquivodata= (ajuda)
  24. Bardin, Brantley (Novembro de 2006). «Katherine Heigl Gives Us Fever». Cosmopolitan. Hearst Corporation. Consultado em 09 de maio de 2009  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  25. T.R. Knight (2007). Grey's Anatomy – T.R. Knight On Auditioning. Paley Center. Em cena em 0:30–1:20. Consultado em 26 de maio de 2012 
  26. «Alex Karev (Justin Chambers) Bio». Grey's Anatomy. American Broadcasting Company. Consultado em 05 de julho de 2012. Cópia arquivada em 03 de março de 2011  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)

Predefinição Franquia ChicagoEditar


Predefinição House of CardsEditar


Tradução House of CardsEditar

House of Cards (2.ª temporada)Editar

Lista de assassinos em série por paísEditar

Esta é uma lista de assassinos em série notáveis, pelo país onde a maioria dos assassinatos foram cometidos.

Assassinos em série condenados por paísEditar

AfeganistãoEditar

  • Abdullah Shah: matou pelo menos 20 viajantes na estrada de Cabul a Jalalabad, sob o comando de Zardad Khan; também matou sua esposa; foi executado em 20 de abril de 2004.[1]

AlemanhaEditar

ArgentinaEditar

  • Florencio Fernández: também conhecido como "O Vampiro Argentino", matou 15 mulheres em sua cidade natal, Monteros, durante a década de 1950.[2]
  • Cayetano Santos Godino: também conhecido como "Petiso Orejudo", aos 16 anos matou quatro crianças em 1912. Morreu na prisão em 1944.[3]
  • Cayetano Domingo Grossi: o primeiro serial killer da história argentina, imigrante italiano, assassinou 5 de seus filhos recém-nascidos entre 1896 e 1898, sendo executado 1900.[4]
  • Francisco Antonio Laureana: também conhecido como "O Sátiro de San Isidro", foi o assassino de 15 mulheres entre 1974 a 1975, também estuprando 13 delas. Foi morto em um tiroteio com a polícia em 1975.[5]
  • Yiya Murano: também conhecido como "A Envenenadora de Monserrat", envenenou três mulheres em Buenos Aires.[6]
  • Robledo Puch: também conhecido como "O Anjo da Morte" e "O Anjo Negro", matou 11 pessoas antes de ser preso em 1972 e condenado à prisão perpétua em 1980.[7]

AustráliaEditar

  • John Balaban: também conhecido como o "Maníaco Romeno", imigrante romeno, assassinou pelo menos 5 pessoas na França e na Austrália de 1948 a 1953, incluindo sua esposa e sua família. Foi executado em 1953.[8]
  • David e Catherine Birnie: responsáveis pelos "assassinatos de Moorhouse". Casal da área suburbana de Perth que assassinou quatro mulheres em 1986.[9]
  • Gregory Brazel: morador de Victoria que matou uma mulher em um assalto à mão armada em 1982 e assassinou duas prostitutas em 1990.[10][11]
  • John Bunting,Robert Wagner e James Vlassakis: também conhecidos como "Assassinos de corpos-em-barris", foram condenados pelas mortes de 12 pessoas em Snowtown entre 1992 e 1999.[12]
  • Robert Francis Burns: confessou oito assassinatos e foi enforcado em Ararat em 1883.[13]
  • Thomas e John Clarke: irmãos bushranger que roubavam estações ferroviárias, mataram cinco policiais. O Ato de Apreensão de Felinos de 1886, que permitia que os matadores fossem mortos assim que avistados, foi criado por causa deles. Ambos foram enforcados em 1867.[14]
  • Eric Edgar Cooke: também conhecido como o "Night Caller"; matou pelo menos 8 pessoas e tentou matar muitas outras em Perth e arredores entre 1959 e 1963, sendo a última pessoa a ser enforcada na Austrália Ocidental.[15]
  • John Leslie Coombes: matou dois homens em 1984 e uma mulher em 2009 nos arredores de Victoria.[16]
  • Bandali Debs: condenado por assassinar dois policiais e duas prostitutas nos anos 90.[17]
  • Paula Denyer: também conhecida como a "Frankston Killer", assassinou três mulheres em 1993 no subúrbio de Frankston, em Melbourne.[18][19]
  • Peter Dupas: cumprindo três sentenças de prisão perpétua por vários assassinatos e acusações de estupro em Victoria.[20]
  • Kathleen Folbigg: assassinou quatro de seus bebês entre 1991 e 1999.[21]
  • Leonard Fraser: também conhecido como "Rockstar Rapist", foi condenado por matar quatro mulheres em Rockhampton, Queensland.[22]
  • John Wayne Glover: também conhecido como o "Granny Killer". Matou seis mulheres idosas na costa norte de Sydney, vindo a cometer suicídio em 2005.[23][24]
  • Caroline Grills: também conhecida como "tia Thally", foi uma envenenadora em série de cinco membros da sua família em Nova Gales do Sul entre 1947 e 1953.[25]
  • Paul Steven Haigh: condenado à prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional pelos assassinatos de sete pessoas em Victoria no final da década de 1970.[26]
  • Matthew James Harris: estrangulou o irmão de uma amiga, uma amiga e um vizinho até a morte durante cinco semanas em 1998 em Wagga Wagga.[27]
  • Thomas Jeffries: fugitivo da colônia penal da Tasmânia responsável pelos assassinatos de cinco pessoas, foi executado em 1826.
  • Frances Knorr: também conhecida como a "Baby Farming Murderess". Fazendeira nascida na Inglaterra, matou 3 bebês e foi executada em 1894.[28]
  • Eddie Leonski: também conhecido como "Brownout Strangler". Soldado do Exército dos Estados Unidos que matou três mulheres em Melbourne, sendo executado em 1942.[29][30][31][32]
  • John Lynch: também conhecido como "Berrima Axe Murderer", matou dez pessoas de 1835 a 1841.[33]
  • William MacDonald: também conhecido como Mutilator. Imigrante inglês que matou pelo menos cinco homens entre junho de 1961 e abril de 1963 em Sydney.[34]
  • John e Sarah Makin: fazendeiros do final do século 19 que mataram e enterraram 12 crianças.[35]
  • Malachi Martin: condenado por matar Jane Macmanamin e suspeito de assassinar mais quatro pessoas, além de ser suspeito da morte de sua mãe, foi enforcado na Cadeia de Adelaide em 1862.[36]
  • Ivan Milat: conhecido como "Murder Backpacker", matou pelo menos sete turistas em Belanglo State Forest entre 1989 e 1993, além de ser suspeito de desaparecimentos semelhantes em Newcastle, Nova Gales do Sul.[37]
  • Dan Morgan: também conhecido como "Mad Dog", matou três pessoas de 1864 a 1865. Foi morto durante um impasse com a polícia de Victoria.[38]
  • Martha Needle: também conhecida como a "Viúva Negra de Richmond", foi uma envenenadora de quatro membros da família e do irmão de seu namorado. Foi executada em 1894.[39]
  • Alexander Pearce: condenado irlandês que escapou com outros sete condenados, onde cinco deles foram mortos e canibalizados, deixando Pearce o único sobrevivente. Foi enforcado em 1824.[40]
  • Derek Percy: assassinou uma criança em 1969, mas está associado à morte de outras oito crianças nos anos 60. Morreu na prisão com câncer de pulmão.[41]
  • Martha Rendell: matou três enteados com ácido clorídrico em 1907-08. Foi última mulher a ser enforcada na Austrália Ocidental.[42]
  • Lindsey Robert Rose: assassino de aluguel que matou cinco pessoas entre 1984 e 1994.[43]
  • Snowy Rowles: também conhecido como "The Murchison Murders". Foi um almoxarife que assassinou três pessoas usando um método de um livro inédito do autor Arthur Upfield.[44]
  • Arnold Sodeman: também conhecido como o "Estrangulador da Escola", matou quatro crianças em Melbourne na década de 1930.[45]
  • John "Rocky" Whelan: Fugitivo da colônia penal da Tasmânia responsável pelos assassinatos de cinco pessoas, foi executado em 1855.[46]
  • Christopher Worrell e James Miller: também conhecidos como "Truro Murderers", foram condenados por matar sete pessoas em 1976-77.[47]

África do SulEditar

ÁustriaEditar

  • Elfriede Blauensteiner: também conhecida como "Viúva Negra", envenenou três indivíduos e morreu em 2003.[48]
  • Max Gufler: envenenador e afogador de mulheres, foi condenado por 4 assassinatos e 2 tentativas de assassinato, mas acredita-se que tenha cometido 18. Morreu em 1996.[49]
  • Martha Marek: envenenou 3 familiares e um inquilino em sua casa com tálio entre 1932 e 1937, sendo executada em 1938.[50]
  • Wolfgang Ott: criminoso sexual e suspeito de ser serial killer que sequestrou várias mulheres em 1995, matando duas delas. Condenado à prisão perpétua em 1996.[51]
  • Harald Sassak: funcionário de uma fábrica de gás, que entre 1971 e 1972, matou seis pessoas com o propósito de roubo. Ele morreu de uma doença não revelada em 2013.[52]
  • Hugo Schenk: também conhecido como o "Assassino de Empregadas Domésticas Vienenses", matou 4 empregadas em 1883 com o seu cúmplice Karl Schlossarek. Ele é suspeito de mais assassinatos e foi executado em 1884.[53]
  • Jack Unterweger: autor e sadomasoquista condenado por 10 assassinatos. Acredita-se que tenha matado 12 mulheres. Cometeu suicídio na prisão em 1994.[54]
  • Maria Gruber, Irene Leidolf, Stephanija Mayer e Waltraud Wagner: também conhecidas como "Lainz Angels of Death". Eram enfermeiras do Hospital Geral de Lainz, em Viena, que admitiram ter assassinado 49 pacientes entre 1983 e 1989.[55]

BahamasEditar

  • Michaiah Shobek: também conhecido como "The Angels of Lucifer Killer", imigrante americano que assassinou três turistas norte-americanos entre 1973 e 1974, sendo executado em 1976.[56]

BangladeshEditar

  • Roshu Kha: enfurecido pela rejeição de sua amada, Roshu matou pelo menos 11 pessoas. Ele fingia amá-las e as matava brutalmente.[57]
  • Ershad Sikder: criminoso de carreira e político corrupto responsável por assassinatos e torturas de numerosas pessoas nos anos 1990. Ele foi condenado em sete acusações de assassinato e executado em 2004.[58]

BélgicaEditar

  • Marie Alexandrine Becker: envenenou pelo menos 11 pessoas com digitálicos, foi sentenciada a prisão perpétua e morreu em 1938.[59][60][61]
  • Jan Caubergh: estrangulou sua vizinha grávida, sua namorada e seu filho em 1979. Foi condenado à morte, mas teve sua pena convertida para prisão perpétua, tendo sido o prisioneiro mais antigo do país até sua morte em 2013.[62][63][64][65]
  • Marc Dutroux: condenado por ter sequestrado, torturado e abusado sexualmente de seis meninas com idades entre 8 e 19 anos, nos anos de 1995 e 1996. Apenas quatro de suas vítimas foram assassinadas, as duas ultimas conseguiram ser resgatadas.[66]
  • Staf Van Eyken: também conhecido como o "Vampiro de Muizen", foi condenado à morte, com pena posteriormente convertida em prisão perpétua, por estuprar e estrangular três mulheres nos anos de 1971 e 1972 nas cidades de Mechelen e Bonheiden.[67]
  • Renaud Hardy: também conhecido como "O Assassino de Parkinson", foi condenado a prisão perpétua por assassinar duas a três mulheres na comunidade flamenga entre 2009 e 2015.[68]
  • Ronald Janssen: condenado a prisão perpétua em 2011 por ter matado uma mulher em 2007 e sua vizinha e seu namorado em 2010. Ele também admitiu ter cometido cinco estupros em 1993, porém é suspeito de ter cometido 20.[69][70]
  • Marie-Thérèse Joniaux: inicialmente condenada à morte em 1895, tendo sua pena convertida em prisão perpétua, por envenenar três de seus familiares entre 1894 e 1895. Morreu em 1923 na cidade de Antuérpia.[71]
  • András Pándy: também conhecido como "Vader Blauwbaard", imigrante húngaro, foi condenado pelo assassinato e estupro de suas duas esposas e quatro filhos em Bruxelas entre 1986 e 1990. Os crimes foram cometidos com a ajuda de sua filha Ágnes Pándy. András morreu na prisão em 2013.[72]
  • Nestor Pirotte: também conhecido como o "Crazy Killer"; é considerado um dos piores criminosos belgas, foi responsável pelos assassinatos de até sete pessoas entre 1954 e 1981, incluindo sua tia-avó. Pirotte morreu de um ataque cardíaco em 2000.[73]

BielorrússiaEditar

  • Gennady Mikhasevich: um voluntário da polícia que assassinou 36 mulheres, entre 1971 e 1985, investigou seus próprios crimes, e foi executado em 1987.[74]
  • Igor Mirenkov: conhecido como "o pesadelo de Svietlahorsk", era um assassino de crianças que matou seis meninos entre 1990 e 1993, sendo executado em 1996.[75]
  • Alexander Sergeychik: matou 6 pessoas de 2000 a 2006 nos distritos de Shchuchyn e Grodno. Ele confessou 12 assassinatos e foi executado em 2007.[76]

BolíviaEditar

  • Ramiro Artieda: matou seu irmão no início dos anos 1920 por questões financeiras, emigrou para os Estados Unidos, mas voltou e matou sete mulheres até 1938. Preso em 1939, confessou os assassinatos e foi executado por pelotão de fuzilamento.[77]

BrasilEditar

BulgáriaEditar

CanadáEditar

CazaquistãoEditar

ChileEditar

ChinaEditar

ColômbiaEditar

Coreia do SulEditar

CroáciaEditar

  • Vinko Pintarić: assassinou cinco pessoas, incluindo sua esposa, entre 1973 e 1990. Escapou da prisão três vezes e acabou sendo morto em um tiroteio com a polícia, em 1991.[78]

DinamarcaEditar

  • Christina Aistrup Hansen: enfermeira que matou 3 pacientes no Hospital Nykøbing Falster. Suas acusações mudaram de 3 assassinatos para 4 tentativas de homicídio doloso. Inicialmente foi condenada à prisão perpétua, mas teve sua pena alterada para 12 anos de prisão.[79]
  • Peter Lundin: matou sua mãe nos Estados Unidos em 1991, depois matou sua amante e seus dois filhos na Dinamarca nove anos depois. Foi condenado a prisão perpétua.[80]
  • Dagmar Overbye: prestador de cuidados infantis, matou entre nove e vinte e cinco crianças, foi condenado à morte em 1921, porém teve sua punição adiada. Morreu na prisão em 6 de maio de 1929.[81]

EquadorEditar

  • Gilberto Chamba: também conhecido como o "Monstro de Machala", assassinou 8 pessoas no Equador e uma na Espanha. Foi condenado a 45 anos de prisão em Espanha em 5 de Novembro de 2006.[82]

EgitoEditar

EslováquiaEditar

  • Juraj Lupták: também conhecido como o "Estrangulador de Banská Bystrica", foi um pastor que estuprou e estrangulou três mulheres entre 1978 e 1982. Foi executado em 1987 em Bratislava.[83]
  • Ondrej Rigo: matou, estuprou e mutilou 9 mulheres em Amsterdã, Munique e Bratislava, sempre usando meias nas mãos. Ele continua sendo o assassino eslovaco com o maior número de vítimas e também é o assassino em série mais prolífico da história moderna da Eslováquia.[84]
  • Jozef Slovák: depois de cumprir apenas 8 anos pelo seu primeiro assassinato desde 1978, Slovák matou pelo menos outras quatro mulheres na Eslováquia e na República Checa no início dos anos 90. Altamente inteligente, ele é detentor de inúmeras patentes em eletrônica.[85]

EslovêniaEditar

  • Silvo Plut: matou três mulheres na Eslovênia e na Sérvia entre 1990 e 2006. Ele cometeu suicídio na prisão em 2007.[86]
  • Metod Trobec: estuprou e matou pelo menos cinco mulheres entre 1976 e 1978, vindo a cometer suicídio na prisão em 2006.[87]

EspanhaEditar

Estados UnidosEditar

EstôniaEditar

FilipinasEditar

FinlândiaEditar

FrançaEditar

GanaEditar

GréciaEditar

HolandaEditar

Hong KongEditar

HungriaEditar

IémenEditar

  • Abdallah al-Hubal: matou 7 pessoas em 1990. Fugiu da prisão e matou um casal de jovens e mais três pessoas em 1998. Acabou sendo morto em um tiroteio com a polícia.[88]
  • Zu Shenatir: Assassino em série iemenita do século 5.[89]

ÍndiaEditar

IndonésiaEditar

IraqueEditar

IrãEditar

IrlandaEditar

IslândiaEditar

  • Björn Pétursson: também conhecido como "Axlar-Björn", matou pelo menos 9 viajantes no século 16.[90]

IsraelEditar

ItáliaEditar

JamaicaEditar

JapãoEditar

LetôniaEditar

MacedôniaEditar

MarrocosEditar

MéxicoEditar

MoldáviaEditar

NoruegaEditar

Nova ZelândiaEditar

PaquistãoEditar

PanamáEditar

PeruEditar

PolôniaEditar

PortugalEditar

Reino UnidoEditar

EscóciaEditar

InglaterraEditar

Irlanda do NorteEditar

  • Shankill Butchers: Os Shankill Butchers eram uma gangue extrema-direita que atuou entre 1975 e 1982 em Belfast, Irlanda do Norte. Ela atuava na área de Shankill e foi responsável pela morte de pelo menos 23 pessoas.[93]

País de GalesEditar

  • John Cooper: também conhecido como "The Wildman" e "The Bullseye Killer". Responsável por roubos em Pembrokeshire, cometeu dois latrocínios utilizando uma espingarda, onde no primeiro assassinou um irmão e uma irmã em 1985 e no segundo um casal em 1989.[94]
  • Peter Moore: também conhecido como "The Man in Black", empresário que matou quatro homens ao acaso em North Wales, em 1995.[95]

República ChecaEditar

RomêniaEditar

RússiaEditar

SuazilândiaEditar

  • David Thabo Simelane: estuprou e matou 28 mulheres, porém é suspeito de terem sido 45 vítimas, foi condenado à morte em 2011.[96]

SuéciaEditar

SuíçaEditar

TaiwanEditar

  • Zhang Renbao: assassinou três mulheres entre 1993 e 2003, estuprando a primeira vítima, e foi condenado à morte.[97]

TunísiaEditar

TurquiaEditar

UcrâniaEditar

UruguaiEditar

VenezuelaEditar

ZâmbiaEditar

ZimbábueEditar

  • Richard McGown: também conhecido como "Dr. Death". Médico escocês responsável pela administração de doses mortais de morfina a pelo menos 5 pacientes em Harare de 1986 a 1992. Foi condenado por duas acusações de homicídio culposo tendo que cumprir um ano de prisão, que após sua liberdade retornou ao Reino Unido.[106]

Referências

  1. «Former Afghan commander executed». BBC News. 27 de abril de 2004. Consultado em 15 de março de 2019 
  2. Karg, Barb; Spaite, Arjean; Sutherland, Rick (2009). The Everything Vampire Book: From Vlad the Impaler to the Vampire Lestat. [S.l.]: Everything. p. 148. ISBN 978-1605506319 
  3. Carlos Cabezas López (16 de setembro de 2007). «Cayetano Santos Godino, la historia del Petiso Orejudo». Caso Abierto (em espanhol). Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 1 de agosto de 2008 
  4. «El fusilamiento de Cayetano Grossi (1900)». AccionTV. Consultado em 15 de março de 2019 
  5. Pablo Kablan (2 de fevereiro de 2014). «"Francisco Laureana, the serial of San Isidor"». Diario Popular. Consultado em 15 de março de 2019 
  6. Fernanda Jara (12 de setembro de 2015). «La historia de Yiya Murano, la mujer que envenenaba a sus prestamistas | Policiales - Infobae». Infobae. Consultado em 15 de março de 2019 
  7. «Robledo Puch: el ángel negro». La Nación. 5 de março de 2006. Consultado em 15 de março de 2019 
  8. «MURDER CONFESSION ALLEGED». The Barrier Miner. 4 de maio de 1953. Consultado em 15 de março de 2019 
  9. Paul B Kidd (12 de fevereiro de 2007). «The Birnies - 2. A Serial Killer in Perth». CourtTV CrimeLibrary. Courtroom Television Network, LLC. Arquivado do original em 23 de novembro de 2008 
  10. Mark Butler (14 de setembro de 2006). «Killer gets compensation payout». The Australian. Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 15 de setembro de 2006 
  11. «Killer caught with jail list». Sunday Herald Sun. 13 de outubro de 2006 [ligação inativa] 
  12. «Bodies-in-barrels trial not over». The Sydney Morning Herald. Australian Associated Press. 19 de dezembro de 2004. Consultado em 15 de março de 2019 
  13. «BURNS'S CONFESSION SUSTAINED.». 3 de dezembro de 1883. Consultado em 15 de março de 2019 
  14. «Australian and New Zealand Law and History Society» (PDF) [ligação inativa] 
  15. Christian Bret. «Police decoy used in killer hunt sting». Post Newspapers. Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2003 
  16. «Triple killer to die in jail for murder that 'ought never have happened'». The Age (em inglês). 26 de agosto de 2011. Consultado em 15 de março de 2019 
  17. «Man charged 15 years after prostitute's murder». 19 de maio de 2014. Consultado em 15 de março de 2019 
  18. «Serial killer's family: Don't let him out» (em inglês). Consultado em 15 de março de 2019 
  19. «Paul Charles Denyer -The Frankston Serial Killer». Aussie Criminals and Crooks (em inglês). 20 de abril de 2012. Consultado em 15 de março de 2019 
  20. «Call for second life term for murderer Dupas». The Age. 13 de agosto de 2004. Consultado em 15 de março de 2019 
  21. Szego, Julie; Cauchi, Stephen (30 de agosto de 2003). «Killing them softly». The Age. Consultado em 15 de março de 2019 
  22. Ted Bassingthwaighte (novembro de 2006). «From Sexual Predator to Murderer» (PDF). Police news. New South Wales Police Association. Consultado em 15 de março de 2019. Cópia arquivada (PDF) em 15 de junho de 2005 
  23. Jano Gibson (9 de setembro de 2005). «Granny killer found dead in cell». The Sydney Morning Herald. Consultado em 15 de março de 2019 
  24. Erin O'Dwyer (18 de setembro de 2005). «Mystery woman pays for killer's funeral». The Sydney Morning Herald. Consultado em 15 de março de 2019 
  25. «Murder, tried and true». Sydney Morning Herald. 11 de fevereiro de 2003. Consultado em 15 de março de 2019 
  26. Belinda Merhab (19 de abril de 2011). «Serial killer wins right to seek parole». Consultado em 15 de março de 2019 
  27. «R v Matthew James Harris [2000] NSWSC 285 (7 April 2000)». Supreme Court of New South Wales. 16 de outubro de 2000. Consultado em 15 de março de 2019 
  28. «Felon families: Stories of women prisoners and their families». Culture Victoria. Consultado em 15 de março de 2019 
  29. «Melbourne Police hunt "Brownout" Strangler». The Sun. 20 de maio de 1942. Consultado em 15 de março de 2019 
  30. «Leonski, Enigma In Life And In Death, Carries His Secret To Grave». Truth. 15 de novembro de 1942. Consultado em 15 de março de 2019 
  31. «Killed To Show His Strength». Mirror. 19 de abril de 1952. Consultado em 15 de março de 2019 
  32. Russell Robinson. «Macabre and detailed hangman's journal reproduced in detail for True Crime Scene». The Daily Telegraph. News Corporation. Consultado em 15 de março de 2019 
  33. Kidd, Paul B. (2011). Australia's Serial Killers. [S.l.]: Pan Macmillan Australia. ISBN 9781742627984 
  34. Paul B. Kidd (2010). «William "The Mutilator" Macdonald: The Making of a Monster». William "The Mutilator" Macdonald. Turner Entertainment Networks. Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 11 de agosto de 2011 
  35. Heather Radi (2005). «Makin, John (1845 - 1893)». Australian Dictionary of Biography. Consultado em 15 de março de 2019 
  36. «EXECUTION OF MALACHI MARTIN FOR THE MURDER AT SALT CREEK.». The South Australian Register. 26 de dezembro de 1862. Consultado em 15 de março de 2019 
  37. Troy Lennon (19 de setembro de 2017). «Twenty five years ago the first victims of Backpacker Killer Ivan Milat were found in Belanglo Forest». The Daily Telegraph. Consultado em 15 de março de 2019 
  38. «BLOODTHIRSTY MORGAN.». Singleton Argus. 14 de junho de 1924. Consultado em 15 de março de 2019 
  39. M. George Hartley (14 de março de 2018). «Martha Needle's headstone». New Diogenes Melbourne. Consultado em 15 de março de 2019 
  40. «Australian History: Other Bushrangers». Caso Abierto. 27 de janeiro de 2010. Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 9 de dezembro de 2010 
  41. «Child killer Derek Percy was linked to deaths of nine children». ABC. 30 de outubro de 2014. Consultado em 15 de março de 2019 
  42. Peter Skehan. «Martha Rendell Child Murders - 1909». Western Australia Police Historical Society. Consultado em 15 de março de 2019 
  43. «R v Rose [1999] NSWCCA 327 (11 October 1999)». Supreme Court of New South Wales - Court of Criminal Appeal. 27 de outubro de 1999. Consultado em 15 de março de 2019 
  44. «Arthur Upfield Biography - List of UK and US first edition books». Consultado em 15 de março de 2019 
  45. «30 Aug 1918 - SENT TO REFORMATORY». Trove.nla.gov.au. 30 de agosto de 1918. Consultado em 15 de março de 2019 
  46. «John Whelan». Convict Records. Consultado em 15 de março de 2019 
  47. Paul B. Kidd (27 de janeiro de 2010). «"The Truro Serial Murders: The Horrifying Discoveries"». Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 27 de setembro de 2012 
  48. Michael Leidig (21 de abril de 2001). «The Black Widow is guilty of two more murders». The Telegraph. Consultado em 15 de março de 2019 
  49. Newton, Michael (2006). A Enciclopedia De Serial Killers. [S.l.]: Checkmark Books. ISBN 978-0816061969 
  50. Heinichen, W. «Thallium-Vergiftung. (Selbstmordversuch mit Zeliopaste).». Sammlung von Vergiftungsfällen 
  51. «Doppelmörder nach Überdosis im Spital» (em alemão). orf.at. Consultado em 15 de março de 2019 
  52. «"Gaskassier" Sassak starb in Weitra». NÖN.at. 28 de agosto de 2013. Consultado em 15 de março de 2019 
  53. «Actapublica - Moravský zemský archiv Brno» (em alemão). actapublica.eu. Consultado em 15 de março de 2019 
  54. Milhorn, Thomas H. (2004). Crime: Computer Viruses to Twin Towers. [S.l.]: Universal-Publishers. 464 páginas. ISBN 9781581124897 
  55. Ferdinand Protzman (18 de abril de 1989). «Killing of 49 Patients By 4 Nurse's Aides Stuns the Austrians». The New York Times. Consultado em 15 de março de 2019 
  56. «Bahamas to Execute an American Today for Murder of 3 Tourists». Associated Press. 19 de outubro de 1976. Consultado em 15 de março de 2019 
  57. «Confessed serial killer sentenced to hang in Bangladesh». The Guardian. 23 de abril de 2015. Consultado em 15 de março de 2019 
  58. «Bangladesh killer hanged». News24. Consultado em 15 de março de 2019 
  59. Schrauwen, Liliane (2014). The Great Criminal Affairs of Belgium. [S.l.]: De Boreas. p. 384. ISBN 9782812915949 
  60. Haquin, René; Stephany, Pierre (2005). The major criminal records in Belgium. [S.l.]: Lannoo. p. 342. ISBN 9782812915949 
  61. Lange, Elisabeth (2015). The greatest serial killer of all time: The Widow Becker. [S.l.]: The Pandora's Box. p. 243. ISBN 9782390090762 
  62. Matthyssen Kristin (5 de dezembro de 2013). «Murderer has eaten my heart for 34 years» (em holandês). Gazet Van Antwerpen. Consultado em 17 de março de 2019 
  63. Steven De Bock (2 de junho de 2010). «77-year-old multiple murderer is back again» (em holandês). Het Nieuwsblad. Consultado em 17 de março de 2019 
  64. «Oldest prisoner in the country died» (em holandês). De Standaard. 3 de dezembro de 2013. Consultado em 18 de março de 2019 
  65. Pieter Huyberechts (3 de dezembro de 2013). «The oldest Belgian serial killer dies in a cell» (em holandês). Het Nieuwsblad. Consultado em 18 de março de 2019 
  66. Andrew Osborn (25 de janeiro de 2002). «Belgium still haunted by paedophile scandal». The Guardian. Consultado em 18 de março de 2019 
  67. Sarah Vankersschaever (1625 de fevereiro de 2016). «Vampier van Muizen wil zieke priester bezoeken». De Standaard. Consultado em 18 de março de 2019  Verifique data em: |data= (ajuda)
  68. Veronique Coopmans (27 de fevereiro de 2018). «'Topdokter' Van der Linden: "Hardy wordt pas seriemoordenaar op moment dat hij parkinsonmedicatie neemt"» (em holandês). hln.be. Consultado em 18 de março de 2019 
  69. Gilbert Dupont (17 de setembro de 2011). «Ronald Janssen: les aveux du tueur en série» (em francês). rtl.be. Consultado em 18 de março de 2019 
  70. «Ronald Janssen, portrait d'un tueur de la nuit» (em francês). 7sur7.be. 23 de outubro de 2011. Consultado em 18 de março de 2019 
  71. Ryckère, Raymond de (1895). L'affaire Joniaux, triple empoisonnement. [S.l.]: A. Storck 
  72. «De zaak Pandy: Chronologie van een familiedrama en een onderzoek». Consultado em 18 de março de 2019. Arquivado do original em 28 de dezembro de 2013 
  73. «Nestor Pirotte, false Belgian aristocrat who escaped the death penalty...twice!» (em francês). France Info. 30 de julho de 2012. Consultado em 18 de março de 2019 [ligação inativa] 
  74. Newton, Michael (2006). A Enciclopédia de Serial Killers. [S.l.]: Infobase Publishing. p. 177. ISBN 0816069875 
  75. «Светлогорский кошмар» (em russo). Detective documentary. Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 20 de junho de 2012 
  76. K. Чаровская (23 de maio de 2017). «Расплата высшей мерой». Consultado em 15 de março de 2019 
  77. Howard, Amanda; Smith, Martin (2004). River of Blood: Serial Killers and Their Victims. [S.l.]: Universal Publishers. ISBN 9781581125184 
  78. Branko Lazarević (8 de janeiro de 2003). «»Ako Baricu ne puste iz pritvora pobit ću 30 ljudi«» (PDF). Vjesnik (em croata). Consultado em 15 de março de 2019 [ligação inativa] 
  79. «Anklagers afsluttende bemærkning: Sygeplejerske dræbte i et bizart skuespil». Politikken. Consultado em 15 de março de 2019 
  80. Niels Tradsfeldt (9 de setembro de 2007). «Lundin: Morderen der vidste at ligene sladrer» (em dinamarquês). TV 2. Consultado em 15 de março de 2019 
  81. Hanne Rimmen Nielsen. «Dagmar Overby (1887–1929)». Dansk kvindebiografisk leksikon (em dinamarquês). Consultado em 15 de março de 2019 
  82. «Gilberto Chamba alias the "Moster of Machala": A true history of Alfred Hitchcock» (em espanhol). Hoy Newspaper. 8 de novembro de 2006. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014 
  83. «Dievča vymodelovalo tvár svojho vraha. Bol ním "krvavý bača"» (em eslovaco). Korzar.sme.sk. Consultado em 15 de março de 2019 
  84. (em inglês) http://www.vpsmvbrno.cz/muzeumzla/rigo/rigo_a.html [ligação inativa]  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  85. «Vrah génius!» (em eslovaco). www.pluska.sk. 9 de junho de 2008. Consultado em 15 de março de 2019 
  86. «Silvo Plut obsojen na 30 let zaporne kazni.» (em esloveno). Dnevnik. 2 de outubro de 2006. Consultado em 15 de março de 2019 
  87. Vojko Zakrajšek (5 de janeiro de 2012). «Dolenja vas, kraj nesrečnega imena» (em esloveno). Slovenske novice. Consultado em 15 de março de 2019 
  88. «Archived copy». Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 15 de setembro de 2012 
  89. Karl Horberg (8 de maio de 1997). «Into the Abyss». Paper Street Productions. Cópia arquivada em 26 de abril de 2005 
  90. «Axlar-Björn, The only Icelandic serial killer, terrorized travellers on Snæfellsnes peninsula» (em inglês). Iceland Magazine. 18 de janeiro de 2019. Consultado em 15 de março de 2019 
  91. «The 'Aqueduct Murderer' Diogo Alves: Famous Portuguese Murderer» (em russo). Consultado em 15 de março de 2019 
  92. Franco, Hugo; Moleiro, Raquel; Gustavo, Rui (25 de novembro de 2014). «Os vizinhos de Sócrates na prisão». Expresso. Consultado em 15 de março de 2019 
  93. «Sectarianism – Racism – One and the Same?» (em inglês). politics.ie. 21 de dezembro de 2015. Consultado em 15 de março de 2019 
  94. James McCarthy (16 de setembro de 2013). «'The moment Bullseye revealed the killer': How shotgun killer John Cooper was caught». Wales Online. Consultado em 15 de março de 2019 
  95. Eleanor Barlow (3 de março de 2011). «Flintshire murderer Peter Moore in European Court of Human Rights appeal over life sentence». The Flintshire Chronicle. Consultado em 15 de março de 2019 
  96. Linda Jele (2 de abril de 2011). «David SIMELANE gets death penalty, to be hanged». Swaziland News. Consultado em 15 de março de 2019 
  97. «蘋果日報 箱屍案變態殺人犯判死» (em mandarim). Apple Daily. 17 de junho de 2004. Consultado em 15 de março de 2019 
  98. «« Comment a été pendu le tueur en série de Nabeul »» (em frânces). Leaders. 17 de maio de 2013. Consultado em 15 de março de 2019 
  99. «Cas de Naceur Damergi». True Crime Library. Consultado em 15 de março de 2019. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014 
  100. «Pablo Goncálvez in freedom: he left Campanero at 23:57 on Thursday». Canal 12. 24 de junho de 2016. Consultado em 15 de março de 2019 
  101. «Paraguay analyzes the expulsion of Goncálvez». El País. 27 de junho de 2017. Consultado em 15 de março de 2019 
  102. «Bonomi: Paraguay asked for information "about Pablo Goncálvez"». El Observador. 26 de junho de 2017. Consultado em 15 de março de 2019 
  103. «The story of Pablo Goncálvez, now imprisoned in Paraguay». Canal 10. 25 de junho de 2017. Consultado em 15 de março de 2019 
  104. «The cannibal of the Andes confesses: 'Eating people is like eating pears'». Las Últimas Noticias (em espanhol). 19 de novembro de 2004. Consultado em 15 de março de 2019 
  105. Austin Kaluba (29 de junho de 2013). «Zambia: Mailoni Brothers - History of Serial Killers in Zambia (Page 1 of 5)». allAfrica.com. Consultado em 15 de março de 2019 
  106. Angus Shaw (11 de janeiro de 1995). «'Race-trial' doctor guilty of homicide». The Independent