Utopia para Realistas

Utopia para Realistas: Em defesa do rendimento básico incondicional, da livre circulação de pessoas e de uma semana de trabalho de 15 horas é um livro do historiador popular holandês Rutger Bregman.[1] O livro foi originalmente escrito como artigos em holandês para um jornal virtual, De Correspondent, e desde então foi compilado e publicado,[2] e traduzido para vários idiomas. Oferece uma proposta crítica que afirma ser uma abordagem prática para reconstruir a sociedade moderna para promover uma vida mais produtiva e equitativa com base em três ideias centrais:

Utopia para Realistas: Em defesa do rendimento básico incondicional, da livre circulação de pessoas e de uma semana de trabalho de 15 horas
Gratis geld voor iedereen
Autor(es) Rutger Bregman
Idioma português
Editora Bertrand Editora
Lançamento 2018
Edição portuguesa
ISBN 978-9082520347

TeseEditar

FundamentaçãoEditar

Como resultado do avanço do comércio internacional e da ciência económica nas últimas décadas, a globalização transformou radicalmente a ordem social e económica tradicional de nações menores e conectadas para uma nova economia mundial que, embora já comprovadamente capaz de resgatar milhões de pessoas da pobreza, poderia estender-se a toda a espécie humana.[3]

No entanto, o novo sistema global compensa injustamente alguns países ricos,[4] e, com a substituição progressiva do capital humano por automação e robótica,[5] também gerou um aumento da desigualdade, tanto entre a comunidade investidora quanto a sua força de trabalho[6] dentro dos Estados do G20, bem como entre os países desenvolvidos e os seus vizinhos em desenvolvimento.

JustificaçãoEditar

Cada ideia é apoiada por vários estudos académicos e evidências anedóticas, incluindo inúmeras histórias de sucesso, citando o plano de 1968 de Richard Nixon para um rendimento básico para os americanos,[7] o projeto Mincome na cidade canadiana de Dauphin, Manitoba, que "eliminou a pobreza" e reduziu taxas de hospitalização,[8] e o sucesso percebido do Acordo de Schengen.[9]

ReceçãoEditar

Na sua crítica para o The Independent, Caroline Lucas descreveu o livro como um "virador de páginas brilhantemente escrito e pouco ortodoxo".[10]

Escrevendo para o The Observer, Will Hutton disse: "Você pode não sonhar os mesmos sonhos que Bregman - mas ele convida você a levar os sonhos a sério. Só por isso, vale a pena ler este livro."[11]

Ver tambémEditar

Referências