Abrir menu principal
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A vírgula é um sinal de pontuação que exerce três funções básicas[1]:

  • marcar as pausas e as inflexões da voz na leitura;
  • enfatizar e/ou separar expressões e orações;
  • impedir qualquer ambiguidade.

UsoEditar

A utilização da vírgula não obedece as regras absolutas (existem casos debatidos entre os especialistas em gramática) pelo que as regras aqui expostas são um resumo do que o uso geral vem carregando a frase do verbo nominal (formal)[1]:

  • para separar as coordenadas sintéticas conclusivas (logo, pois, portanto). A conjunção pois com valor conclusivo (portanto) deve geralmente vir entre vírgulas. (Ex.: Não era alfabetizado, logo, não podia ter carta de habilitação.[necessário esclarecer])
  • para separar as coordenadas sintéticas explicativas (Ex.: Não fale assim, porque estamos ouvindo você[necessário esclarecer]).
  • para separar as adverbiais reduzidas e as adverbiais antepostas ou intercaladas na principal.[necessário esclarecer]
  • para separar as orações consecutivas.
  • para isolar as subordinadas adjetivas explicativas. Geralmente, as restritivas não se separam por vírgula. Podem terminar com vírgula no caso de ter certa extensão ou quando os verbos se sucedem. Porém, nunca devem começar por vírgula. (Ex.: O rapaz, que tinha o passo firme, resolveu o problema. / O aluno que estuda, aprende.).
  • usa-se quando vier em [polissíndeto] (Ex.: Fala, resmunga, chora e pede socorro)[necessário esclarecer].
  • para separar elementos com a mesma função sintática (exceto se estiverem ligados pela conjunção e). (Ex.: O João, o Antônio, a Maria e o Joaquim foram passear. / Comprei um livro e um caderno. / Fui ao supermercado e à farmácia.)
  • para separar orações com sujeitos diferentes (Ex.: Eles explicam seus pontos de vista, e a imprensa deturpa-os.)
  • para assumir outros valores que não o aditivo (Ex.: Responderam à mãe, e não foram repreendidos. (valor adversativo)
  • O filme é tão romântico e eu assisti na TV. (valor consecutivo).
  • Eles gritaram, e pularam, e sorriram. (valor enfático)
  • quando a conjunção pois é explicativa e equivale a porque, a vírgula coloca-se antes. (Ex.: João não foi à escola, pois estava doente.)
  • quando a conjunção pois é conclusiva e equivale a portanto, a vírgula coloca-se antes e depois (Ex.: A seleção brasileira venceu as eliminatórias sul-americanas. O Brasil é, pois, um dos favoritos a ganhar a copa.).

Alteração de significadoEditar

Uma vírgula (ou a falta dela) pode alterar completamente o significado da frase.

  • José, Maria e o cãozinho Sweetie foram passear.
  • José Maria e o cãozinho Sweetie foram passear.

A primeira frase implica que Maria, José e o Sweetie foram passear, e a segunda que José Maria saiu sozinho com o Sweetie para passear.

  • Não, espere.
  • Não espere.
  • Este, juiz, é corrupto.
  • Este juiz é corrupto.
  • Se o homem soubesse o valor que tem a mulher, ficaria de joelhos à sua frente.
  • Se o homem soubesse o valor que tem, a mulher ficaria de joelhos à sua frente.
  • Não queremos saber.
  • Não, queremos saber.
  • Não escolha o Blim Blim, o Cafajeste.
  • Não, escolha o Blim Blim, o Cafajeste.

Referências

  Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.