Abrir menu principal

Um vórtice polar é um ciclone persistente de grande escala localizada perto dos polos geográficos de um planeta. Na Terra, os vórtices polares estão localizados na troposfera intermediária e superior e na estratosfera. Eles cercam os altos polares e são da frente polar.

Os vórtices polares da Antártica se formam durante o inverno polar. O buraco de ozônio dura de agosto a novembro.

Índice

Variações árticas e antárticasEditar

O vórtice é mais poderoso no inverno do hemisfério, quando o gradiente de temperatura é mais íngreme, e diminui ou desaparece no verão. Os vórtices polares da Antártica são mais persistentes que os do ártico; isso é porque a distribuição de massas terrestres em grandes latitudes no hemisfério norte aumenta as ondas de Rossby que contribuem para a quebra do vórtice, enquanto no hemisfério sul o vórtice continua menos perturbado. A quebra do vórtice polar é um evento extremo conhecido como aquecimento estratosférico repentino. O vórtice ártico tem forma alongada, com dois centros, um aproximadamente na Ilha de Baffin no Canadá e o outro no nordeste da Sibéria.

Esgotamento de ozônioEditar

A química do vórtice polar da Antártica já criou vários eventos de depleção do ozônio. O ácido nítrico em nuvens polares estratosféricas reagiu com clorofluorcarbonetos para formar cloro, que catalisa a destruição fotoquímico do ozônio. Concentrações de cloro surgem durante noites polares de inverno, e a destruição do ozônio consequente é maior quando a luz solar volta na primavera (setembro/outubro). Essas nuvens só podem se formar em temperaturas abaixo -80°C. Como essas temperaturas raramente são atingidas no ártico, o esgotamento de ozônio no polo norte é muito menos severo que no sul.

Fora da TerraEditar

Outros corpos astronômicos também têm vórtices polares, incluindo Vênus (vórtice duplo), Marte, Júpiter, Saturno e a lua de Saturno Titã.

ReferênciasEditar

  Este artigo sobre Meteorologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.