Vacina inativada

Vacina inativada
Bimmuge-Hepatitis B Vaccines.jpg

Exemplo de vacina inativada: vacina contra hepatite B produzida no Japão.[1]

Vacina inativada (ou vacina de vírus inativado) é uma vacina que consiste em partículas virais, bactérias ou outros patógenos que foram cultivados em culturas microbiológicas e que não são capazes de produzir doenças. Em contraste, vacinas vivas usam patógenos que ainda estão vivos, mas atenuados. Os patógenos são cultivados em condições controladas e são mortos com algum método como calor ou formaldeído, impedindo que a vacina cause qualquer infecção.[2]

As vacinas inativadas são classificadas posteriormente, dependendo do método usado para inativar o vírus.[3]

  • Vacinas de vírus inteiros usam toda a partícula do vírus, destruída usando calor, produtos químicos ou radiação.[4]
  • Vacinas de vírus divididos são produzidas usando um detergente para partir o vírus em pedaços em solução aquosa.
  • Vacinas de subunidades são produzidas através da purificação de antígenos que melhor estimulam o sistema imunológico a montar uma resposta ao vírus, removendo outros componentes necessários para a sobrevivência do vírus ou que possam causar reações adversas.

Como os vírus inativados tendem a produzir uma resposta mais fraca pelo sistema imunológico que os vírus vivos, adjuvantes imunológicos e múltiplas injeções de "reforço" podem ser necessários para fornecer uma resposta imune eficaz contra o patógeno inativado.[2][3][4]

ExemplosEditar

Os tipos incluem:

Vacinas inativadas são contrastadas com vacinas atenuadas, ou "vivas".

MecanismoEditar

 Ver também: Imunidade e Imunização

As partículas do patógeno são destruídas e não podem se dividir, mas os patógenos mantêm parte de sua integridade para serem reconhecidos pelo sistema imunológico e evocar uma resposta imune adaptativa. Quando fabricada corretamente, a vacina não é infecciosa.

Referências

  1. «Vacina adsorvida hepatite B (recombinante)» (PDF). Instituto Butantan. Consultado em 20 de março de 2021 
  2. a b Petrovsky. «Vaccine adjuvants: Current state and future trends». Immunology and Cell Biology (em inglês). 82: 488–496. ISSN 0818-9641. PMID 15479434. doi:10.1111/j.0818-9641.2004.01272.x 
  3. a b WHO Expert Committee on Biological Standardization (7 de janeiro de 2016). «Influenza». World Health Organization (WHO). Consultado em 16 de maio de 2016 
  4. a b «Types of Vaccines». U.S. Department of Health and Human Services. 23 de julho de 2013. Consultado em 16 de maio de 2016. Cópia arquivada em 9 de junho de 2013 
  5. «Immunization». Consultado em 10 de março de 2009