Vampiro Negro

Vampiro Negro
Local do crime São Paulo
Data 1972
Tipo de crime Estupro
Arma(s) Arma branca
Vítimas 40

O Vampiro Negro da cidade de São Paulo é como ficou conhecido os atos criminosos de José Orlando de Mello[1], quando estuprou 40 mulheres de ascendência japonesa, entre fevereiro e outubro de 1972[1].

HistóriaEditar

CrimesEditar

O acusado foi denominado de "vampiro negro" porque, além de ser negro, sugava o sangue das vítimas através de um ferimento no pescoço, que fazia com a ajuda de uma faca. Na sequência, violentava sexualmente as mulheres e sempre na presença dos filhos da vítima. Outras características eram: nunca matar e sempre praticar os atentados nas manhãs de terça-feira, dia em que ocorria feira livre e assim, os maridos das vitimas estavam trabalhando longe de suas casas[1].

InvestigaçãoEditar

Após longo trabalho de investigação policial e também por detetives particulares, pagos pela colônia japonesa de São Paulo, em novembro de 1972 foi reproduzido um retrato falado do criminoso. Logo após a reprodução deste retrato nos jornais, ocorreram ameaças, não comprovadas, de ataques nas cidades de Mogi das Cruzes e Suzano. Neste mesmo mês, a polícia chegou ao nome de um suspeito e de sua namorada e no dia 20 de novembro de 1972, ocorreu a prisão de José Orlando de Mello na cidade de Poços de Caldas. Soube-se, depois, que com a divulgação do retrato na mídia impressa, a namorada de José ajudou-o, alojando-o em casas de amigos em sua cidade natal. Mesmo assim, o suspeito foi reconhecido por populares que avisaram a polícia local. Após sua prisão, várias vítimas do Vampiro Negro reconheceram José Orlando como o criminoso, e este foi condenado, posteriormente. José Orlando de Mello tinha 23 anos no momento de sua prisão[1].

Referências

  1. a b c d Vampira Negro deixa colônia japonesa em pânico, Jornal Folha de S.Paulo, consultado em 12 de setembro de 2014 


  Este artigo sobre um crime, organização ou atividade criminosa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.