Abrir menu principal

Varzelândia

município brasileiro do estado de Minas Gerais
Varzelândia
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Varzelândia
Bandeira
Brasão de armas de Varzelândia
Brasão de armas
Hino
Gentílico varzelandense
Localização
Localização de Varzelândia em Minas Gerais
Localização de Varzelândia em Minas Gerais
Varzelândia está localizado em: Brasil
Varzelândia
Localização de Varzelândia no Brasil
Mapa de Varzelândia
Coordenadas 15° 42' 03" S 44° 01' 40" O
País Brasil
Unidade federativa Minas Gerais
Municípios limítrofes Verdelândia, São João da Ponte, Ibiracatu e Jaíba.[1]
Distância até a capital 590 km
História
Fundação 3 de março de 1962 (57 anos)
Aniversário 3 de março
Administração
Prefeito(a) Valquíria Rodrigues Cardoso (PMDB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [2] 814,9 km²
População total (estimativa IBGE/2019[3]) 19 320 hab.
Densidade 23,71 hab./km²
Clima Semiárido
Altitude 761 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2010 [4]) 0,594 baixo
 • Posição 4284°
PIB (IBGE/2012[5]) R$ 108 773 mil
PIB per capita (IBGE/2012[5]) R$ 5 692,54

Varzelândia é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Sua população foi estimada em 19 320[3] habitantes, conforme dados do IBGE de 2019.

HistóriaEditar

A povoação da região onde hoje se encontra Varzelândia está ligada a colonização do norte de Minas e ao Ciclo do Boi, quando os rebanhos vinham do norte do país pelo rio São Francisco abastecer as mineradoras.

Com esse processo surgiram várias fazendas, e Varzelândia - a cidade das várzeas - dai se originou. Dentre os seus fundadores, Josué Soares dos Reis, Gregório Gomes Ferreira, Melquíades Francisco Borges, Santos Gonçalves de Sousa, Bernardo Vermelho e João Borges Rego foram os principais. A origem do município está no distrito de São João da Ponte, do qual Varzelândia se emancipa em 3 de março de 1962.

Quilombolas e assentamentosEditar

Localizados nas margens do rio Arapuim, afluente da margem esquerda do rio Verde Grande, na divisa dos municípios de São João da Ponte e Varzelândia, no Norte de Minas Gerais, a história de Brejo dos Crioulos é uma história que ainda não consta da historiografia dos brancos que ocuparam o Norte de Minas desde dos primórdios da colonização portuguesa, nos idos do século XVI.

Conforme relatos, desde meados do Século XVII, negros fugidos da escravidão passaram a se fixar às margens da Lagoa Peroba, existente na vazante do médio ribeirão Araquém. A ocupação dessa área foi possibilitada pela existência de brejo na vazante do referido ribeirão, propícia à proliferação da maleita, que a tornava imprópria para brancos e indígenas.Com o passar do tempo, muitos outros negros fugidos se dirigiram para a área, aumentando a população que no final do Século XIX era de 38 troncos familiares. Nesse contexto, as famílias aqui localizadas desenvolveram um sistema peculiar de organização social, cultural e produtiva, baseada em heranças africanas, indígenas e portuguesas.

A partir dos anos 1960, com a expansão agrícola no Norte de Minas, fazendeiros utilizando-se de recursos violentos, como jagunços armados, passaram a grilar e a tomar as terás de diversas famílias herdadas de seus ancestrais, utilizando o artifício da venda forçada, conforme diversos estudiosos da região.

No caso de Brejo dos Crioulos, algumas famílias mudaram-se para outras localidades e, outras, se fixaram em 'terra de santo', existente na localidade (Terra de Santo constitui-se de uma gleba de terra doada a Bom Jesus por um dos moradores como pagamento de promessa. Com a expulsão de diversas famílias das terras de seus ancestrais, muitos dos membros da comunidade, não querendo afastar do território, onde sempre viveram passaram a ocupar essa gleba. Tal ocupação deu origem ao povoado de Araruba, onde residem os deserdados da terra.)

 
Desenho de um Quilombo

GeografiaEditar

O Varzelândia está localizada entre o Rio São Francisco e Rio Verde Grande e ao sul pelo Rio Arapuim. O município tem a altitude média de 761 m.

A região encontra-se num ambiente de transição entre o cerrado e a caatinga, fornecendo um variado padrão de subsistência, e tem como rio mais importante o Verde Grande, afluente da margem direita do São Francisco. As elevações da serra do Sabonetal ─divisor de águas entre o São Francisco e o Verde Grande─ amenizam o clima em certas zonas onde ocorre floresta latifoliada tropical.

O relevo apresenta formação da série Bambuí, cujos paredões calcários caracterizam-se por grande quantidade de aberturas de formas irregulares (abrigos, cavernas ou lapas, como são localmente conhecidas), outrora escavadas por rios de considerável volume d’água, hoje reduzidos a córregos. É nestas formações que se localiza a maioria dos sítios arqueológicos, sejam eles temporários ou de ocupação prolongada.

 
Montanha Rochosa de Varzelândia

Sítios arqueológicosEditar

A região se destaca pela grande quantidade de sítios arqueológicos. Existem aproximadamente 50 sítios cadastrados, até o momento, pela equipe do Instituto de Arqueologia Brasileira - IAB, dentre os quais 11 foram selecionados e escavados no âmbito do Programa de Pesquisas Arqueológicas em Grutas do Estado de Minas Gerais.

Nomes de alguns sítios: Aldeia de Macaúbas, Lapa da Pintura, Lapa do Mutambal, Lapa do Piquenique, Lapa do Vicente, Macaúba I e II, /Lapa de Macaúbas, Gruta de Carrancas I, Lapa do Urubu. Sítio Boqueirão Soberbo apresenta os mais antigos vestígios de horticultura no país.

Arte RupestreEditar

Apesar da arte rupestre estar em todo aquele Estado, é em Varzelândia que ela chama mais atenção. A caverna brasileira é a conhecida Lapa da Lagoa. Ali, segundo estudos já feitos, o homem viveu há perto de 10000 anos e deixou pintadas nas paredes, com tinta vermelha e preta, imagens de alguns animais, do Sol, da Lua, e figuras semelhantes a discos voadores.

A partir de 1970, com o início do Programa de Pesquisas no Vale do São Francisco, o Instituto de Arqueologia Brasileira (IAB) vem localizando ao longo do curso do rio uma série de sítios arqueológicos. As pesquisas terminaram por concentrar-se em três diferentes regiões do território mineiro: a Serra do Cabral, no centro do Estado, Varzelândia, ao norte, e Unaí, a noroeste. A arte rupestre de cada uma destas regiões apresenta diferenças quanto à técnica de execução, estilo, tratamento, temática e concentração das figuras.

SoloEditar

Solo de calcário arenoso, de boa fertilidade, terras profundas e de boa drenagem. São latossolos originados de rochas calcárias. O solo da várzea é muito propício para o cultivo de cana-de-açúcar. A região norte do estado de Minas Gerais tornou-se um grande produtor de cana-de-açúcar, o que propicia um novo rumo na economia da região.

FaunaEditar

Os animais mais comuns da região são Preá, soim, corrupião, onça-parda, tamanduá-mirim. Espécies de anfíbios como sapo-boi.

 
Terrenos íngremes

EconomiaEditar

A agropecuária é a base da sua atividade econômica , seguida por forte participação no comércio.

PecuáriaEditar

Segundo IBGE em 2014 o município possuía em cabeças: 27.978 Bovinos, 16.113 Galinhas, 3.977 Suínos, 1.518 Equinos, 316 Caprinos e 220 Ovinos. O gado é destinado ao corte e a produção de leite.

 
Criação de Gado

Extração VegetalEditar

As extrações residem mais no campo do carvão (535 toneladas), lenha (9.650 toneladas) e madeira em tora (48 Metros cúbicos).

LavouraEditar

De acordo com a produção agrícola de 2014, as lavouras permanentes são de banana, laranja, e as temporárias são de alho, amendoim, arroz, cana-de-açúcar (14.040 toneladas), fava, feijão, mandioca (6.090 toneladas), milho (210 toneladas) e Sorgo.

 
Plantação de Mandioca

IndústriaEditar

Existe o alambique Cachaça da Várzea que foi a primeira fábrica da cidade que hoje exporta cachaça/pinga para outras partes do Brasil.

ComércioEditar

Comércio em franco crescimento, contando com quatro supermercados, vários mercados, mercearias, açougues, padarias, lojas de roupas, calçados e móveis, bem como dois postos de gasolina, vídeo locadoras, academias de musculação, casa de jogos e funerárias. O município possui um Mercado Municipal, onde os produtores locais se reúnem para vender seus produtos.

MídiaEditar

Existem três rádios na cidade, a primeira foi a Nova FM fundada por Rubens Fagundes.

TurismoEditar

A cidade recebe várias visitantes no período de férias do final do ano e nas Festas de Agosto e também alguns espeleólogos e ufólogos que visitam os mais de 20 sítios arqueológicos da região.

FestasEditar

Em 3 de Março é comemorado o aniversário de emancipação da cidade e a Padroeiro, Bom Jesus é celebrado no dia 15 de agosto, ocorrendo, neste período, a Festa do Senhor Bom Jesus de Varzelândia. Durante os festejos são realizadas procissões, leilões, missas, batizados e a grande vaquejada que conta com muitos visitantes e corredores de todos os estados brasileiros.

Frota (2014)Editar

  • Automóvel: 1.285
  • Caminhão: 68
  • Caminhonete: 239
  • Camioneta: 35
  • Micro-ônibus: 12
  • Motocicleta: 3.331
  • Motoneta: 125
  • Ônibus: 44
  • Outros: 48

Total de Veículos: 5.190

SaúdeEditar

  • Hospitais:1
  • Postos de Saúde: 2
  • Centro de Saúde (inclusive Unidade de Saúde da Família): 9
 
Cultura de Cana-de-açúcar

EducaçãoEditar

Ensino Básico, Fundamental e MédioEditar

  • Pré-Escolas: 25
  • Escolas de Ensino Fundamental: 31
  • Escolas de Ensino Médio: 6

BibliotecasEditar

O município conta com uma biblioteca totalmente equipada e informatizada, funcionando na E.E. Padre José Silveira. E também uma Biblioteca Publica Municipal que funciona na praça Cícero Dumont nº35.

Esporte e lazerEditar

ClubesEditar

Praça de Esportes, com piscina, três quadras: uma poliesportiva, 2 de peteca (cimento) e campo society de futebol (gramado). Varzelândia também conta com um grande campeonato de futebol, esse esporte é o grande destaque da cidade.

EstádioEditar

A cidade possui um Estádio de Futebol murado. Tem 3 ginásios para prática de esportes especializados como: Vôlei, Basquete, Futsal, Peteca, Handebol, etc.

O futebol júnior também cresceu muito na cidade, em 2008 foi promovido o primeiro campeonato tendo como vencedora a L.D.U Futebol clube. Para registros históricos, remonta-se a grande rivalidade entre Juventus versus União.

MonumentosEditar

  • Marco de Entrada/Saída do Município (mais conhecido como "Picolé")
  • Monumento dos Rotarianos
  • Busto de João Cardoso (homenagem ao ex-prefeito por dois mandatos em Varzelândia e, uma em São João da Ponte)localizado na entrada da cidade.
  • Busto de Dª Justiniana (Dª Justa), na praça da vila nova.

Feriado municipalEditar

15 de agosto - Feriado do Padroeiro Bom Jesus.

TransporteEditar

Transporte coletivoEditar

  • Varzelândia - Brejo do MutambaL (Municipal)
  • Varzelândia - São Vicente (municipal)
  • Varzelândia - Campo Redondo (municipal)
  • Varzelândia - Ibiracatu (intermunicipal)
  • Varzelândia - Montes Claros (acesso a aeroporto e rodoviária para outros estados)
  • Varzelândia - São Paulo (operam quatro empresas na cidade)

RodoviasEditar

A partir de Belo Horizonte, siga para Montes Claros e depois até Japonvar no percurso BR-040-135, depois siga pela MG-202 de Japonvar a São João da Ponte, depois pegue a MG-403 até Varzelândia, totalizando 584 km neste percurso.

AeroportoEditar

A cidade possui uma pista de pouso e decolagem, que possibilita o pouso e decolagem de aviões de pequeno porte.

Referências

  1. «Mapa». IBGE. Consultado em 23 de setembro de 2009. Arquivado do original em 1 de agosto de 2012 
  2. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  3. a b «Estimativa populacional 2019 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 28 de agosto de 2019. Consultado em 2 de setembro de 2019 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 1 de agosto de 2013 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2006-2012». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 6 de dezembro de 2015 

Ligações externasEditar