Abrir menu principal
Vasco de Matos Sequeira
Outros nomes Vasco Matos Sequeira
Nascimento 16 de julho de 1903
Lisboa
Morte
Lisboa
Nacionalidade português
Progenitores Mãe: Beatriz Carolina de Oliveira
Pai: Gustavo Adriano de Matos Sequeira
Ocupação Jornalista, escritor e funcionário público

Vasco de Matos Sequeira, também conhecido como Vasco Matos Sequeira (Lisboa, 16 de Julho de 1903 - Lisboa, 16 de Julho de 1973[1]), foi um escritor teatral e jornalista português.[2]

BiografiaEditar

Filho de Gustavo Adriano de Matos Sequeira e de sua mulher Beatriz Carolina de Oliveira.

Dedicando-se ao Jornalismo, foi, como seu pai, Redactor d' "O Mundo" e d' "O Século", e colaborador de vários jornais e revistas.[2]

Para o Teatro, escreveu, sozinho ou de colaboração:[2] as Revistas:[2]

  • B-A-BA[2]
  • Sete e Meio,[2] 1927, em que participou seu pai[3]
  • Caras e Caretas[2]
  • Manda Quem Pode[2]
  • Já te Matei[2]
  • A Cigarra e a Formiga[2]
  • A Rapioca[2]
  • Revista Sonora[2]
  • Zás, Trás, Pás! Viva o Jazz[2]
  • Nau Catrineta[2]
  • Sape-Gato[2]

a opereta:[2]

  • As Lavadeiras[2]

e a farsa:[2]

  • Rainha das Sogras[2]

Colaborou na tradução de:[2]

  • Revoltados, comédia, traduzida e adaptada por seu pai com Pereira Coelho, representada no Teatro Ginásio, 1930[2]
  • Bola de Neve, revista[2]

Além da sua colaboração no "Jornal de Lourenço Marques", de cujas gazetilhas publicou um livro, escreveu as revistas:[2]

Em 1927, publicou um livro de versos, Cantigas que a Gente Canta.[2]

Tendo seguido para a África como Funcionário da Companhia de Moçambique, passou, depois, para o Funcionalismo Público, tendo sido Administrador do Posto de Dombe.[2]

Referências

  1. da Guerra Andrade, Adriano (1999). Dicionário de pseudónimos e iniciais de escritores portugueses. [S.l.]: Biblioteca Nacional Portugal. pp. 271 e 440 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa Vários. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, L.da. pp. Volume 16. 612 
  3. Vários. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, L.da. pp. Volume 16. 611