Venancio Flores

Venancio Flores (Trinidad, 18 de maio de 1808Montevidéu, 19 de fevereiro de 1868) foi um militar e político uruguaio. Foi presidente da República por dois mandatos (1854-1855 e 1865-1868).

Venancio Flores Barrios
Venancio Flores Barrios
Presidente do Uruguai (triunvirato provisório)
Período 25 de setembro de 1853
a 12 de março de 1854
Antecessor(a) Juan Francisco Giró
Sucessor(a) ele próprio, como presidente constitucional
5° Presidente constitucional do Uruguai
Período 12 de março de 1854
a 29 de agosto de 1855
Antecessor(a) Fructuoso Rivera
Sucessor(a) Luis María Lamas
Presidente do Uruguai
Período 20 de fevereiro de 1865
a 15 de fevereiro de 1868
Antecessor(a) Tomás Villalba
Sucessor(a) Pedro Varela Olivera
Dados pessoais
Nascimento 18 de maio de 1808
Trinidad, Uruguai
Morte 19 de fevereiro de 1868 (59 anos)
Montevidéu, Uruguai
Partido Partido Colorado
Religião Catolicismo Romano
Profissão militar (general)

Antecedentes e início de carreiraEditar

Em 1839, foi eleito chefe político do departamento de San José. Ele lutou na "Guerra Grande" contra Manuel Oribe e seus apoiadores argentinos. Ele se tornou uma figura importante no Partido Colorado e formou um triunvirato com Fructuoso Rivera e Juan Antonio Lavalleja em 1853.[1]

Primeira Presidência do Uruguai (interina)Editar

Ele serviu como presidente interino do Uruguai e permaneceu no poder até agosto de 1855, quando foi deposto pelo presidente Blanco Manuel P. Bustamante, o que resultou na guerra civil e no refúgio de Flores na Argentina.[1]

Papel na guerra civilEditar

Em 1863, ele iniciou uma rebelião (Cruzada Libertadora ou Cruzada do Libertador) contra o presidente do Blanco Bernardo Berro, o que levou à guerra civil no Uruguai. Com a ajuda de argentinos e brasileiros, em fevereiro de 1865 tomou Montevidéu.

Segunda Presidência do UruguaiEditar

 
Assassinato do General D. Venancio Flores nas ruas de Montevidéu (Angelo Agostini, publicado em A Vida Fluminense, nº 10, 07/03/1868).

Ele estabeleceu um governo provisório, termo usado para disfarçar sua ditadura pessoal. Embora o Partido Colorado do Uruguai tenha a reputação de ser progressista e democrático, Flores e outros líderes do Partido Colorado do século XIX, e muitos líderes proeminentes do Colorado do século XX, demonstraram coletivamente por suas ações que se sentiam confortáveis ​​com o governo por decreto, sem o poder excepcionalmente concentrado em muito poucas pessoas. A tendência de alguns observadores de descrever os chefes de estado latino-americanos que governaram por decreto como presidentes "de fato" pode ser vista sob esta luz. Durante seu governo, Flores se juntou ao Brasil e à Argentina na devastadora Guerra do Paraguai.

O governo de Flores terminou em 15 de fevereiro de 1868.

AssassinatoEditar

Quatro dias depois de deixar o cargo de presidente, Flores foi assassinado por um grupo de assassinos não identificados. Mas embora os assassinos de Flores não tenham sido formalmente identificados, pode-se acrescentar que como pano de fundo de seu assassinato está a intermitente Guerra Civil Uruguaia, que continuou durante grande parte do século XIX entre Colorados e Blancos.

Referências

  1. a b Hooker, T.D., 2008, The Paraguayan War, Nottingham: Foundry Books, ISBN 1901543153

Precedido por
Fructuoso Rivera
Presidente do Uruguai
18541855
Sucedido por
Luis María Lamas
Precedido por
Tomás Villalba
Presidente do Uruguai
1865 - 1868
Sucedido por
Pedro Varela (provisório)
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Venancio Flores
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.