Abrir menu principal
Vera Fischer
Nome completo Vera Lúcia Berndt Fischer [1][2]
Nascimento 27 de novembro de 1951 (67 anos)[3]
Blumenau, SC
Nacionalidade brasileira
Ocupação Atriz
Atividade 1972–presente
Cônjuge Perry Salles (1972-1988)
Felipe Camargo (1988-1995)
Outros prêmios
1977 — Intimidade
Troféu APCA de melhor atriz (cinema)
1982 — Amor Estranho Amor
Candango de Melhor Atriz
2000 — Laços de Família
Prêmio Globo de Melhores do Ano de melhor atriz
IMDb: (inglês)

Vera Lúcia Berndt Fischer[1][2] (Blumenau, 27 de novembro de 1951)[4] é uma atriz brasileira, de ascendência alemã. Iniciou sua carreira artística como modelo, onde nesta mesma época ganhou o concurso de beleza, sendo eleita a Miss Brasil 1969,[5] título que lhe deu projeção nacional.

Índice

BiografiaEditar

Vera Fischer nasceu em uma família de origem alemã, na cidade de Blumenau, no Vale do Itajaí, Santa Catarina. A mãe, Hildegard Berndt, era brasileira de ascendência alemã e o pai, Emil Fischer, era alemão nato, natural de Karlsruhe. Em sua autobiografia, Vera classificou seu pai como "nazista convicto", o qual era agressivo com ela e a obrigava a ler Mein Kampf, obra escrita pelo ditador Adolf Hitler.[6] Segundo Vera, a relação dos dois nunca foi boa, embora ela o admirasse.[7][8] Até os cinco anos de idade, Vera apenas falava alemão, vindo a aprender português na escola. A mãe de Vera era costureira e trabalhava na fábrica de linhas Hering em Blumenau. Família protestante, Vera estudou em colégio católico, e frequentava cultos aos domingos e missas às sextas-feiras.[8]

Vida PessoalEditar

De 1972 a 1988 foi casada com o ator e diretor Perry Salles, com quem teve sua filha Rafaela Fischer de Almeida, nascida em 1979. Nas gravações da novela Mandala, em 1987, conheceu o ator Felipe Camargo, com quem foi casada de 1988 a 1995, com quem teve seu filho, Gabriel Fischer de Camargo, nascido em 1993.

Sua vida sempre fora muito conturbada, devido a seu vício em álcool, heroína e cocaína, da qual foi dependente por mais de vinte anos, passando por diversas internações, a última em 2011. Seu segundo casamento foi muito noticiado nos jornais, devido a disputa pela guarda do seu filho e a episódios recorrentes de violência doméstica e crises de ciúme.

Em 1995 atacou a babá de seu filho com golpes de tesoura devido a estar alcoolizada no momento. Dois anos depois, em abstinência de drogas, quebrou todos os móveis da casa onde morava, e foi levada à força para uma clínica de reabilitação por seu ex-marido, tendo sofrido algumas internações posteriormente devido a overdoses.

Nos anos 90, em meio a suas crises de dependência química, ela atuava com seu então segundo marido na novela Pátria Minha. Eles brigavam tanto e tiveram tantos problemas de indisciplina que a Globo, pela primeira vez, afastou oficialmente dois atores de uma novela, justificando o afastamento dos personagens com um incêndio. Entre outras questões, já arrumou diversas brigas com atores e autores, e perdeu alguns trabalhos devido a seu temperamento explosivo.

Em entrevistas revelou nunca ter feito plásticas, e que sempre sofreu assédio de diretores, mas que sempre conseguiu escapar.

Atualmente revelou estar muito mais tranquila, em total abstinência de drogas e álcool, não sentindo mais falta de substâncias químicas. Revelou estar fazendo atividades físicas para aumentar seu bem estar. A atriz não quis mais casar-se novamente, e esporadicamente aparece na mídia com um novo namorado.

CarreiraEditar

Iniciou a carreira como atriz, fazendo pornochanchadas, depois passou a fazer telenovelas e outros filmes. No cinema, interpretou personagens de Rubem Fonseca, Plínio Marcos e Nelson Rodrigues. Em 1982, Fischer ganhou dois prêmios de melhor atriz por "Amor Estranho Amor", de Walter Hugo Khouri.

Protagonizou dois ensaios para a revista Playboy, em agosto de 1982 e janeiro de 2000, sendo que nesse último ensaio fez fotos nua em Paris, aos 48 anos, clicada pelo renomado fotógrafo Bob Wolfenson.

É mãe de dois filhos: A também atriz Rafaela Fischer, nascida em 1979, que teve com Perry Salles, e Gabriel, nascido em 1993, filho de Felipe Camargo.[9]

Em 1º de setembro de 1993, aos 41 anos, foi capa da Revista Veja - com a chamada de capa O Furacão Loiro aos 40 - sobre o grande momento que vivia em sua carreira profissional na minissérie Agosto, na peça Desejo, de Eugene O'Neill e em Forever, filme sexo-cabeça de Walter Hugo Khouri.[10]

Em 2000, ganhou o prêmio Melhores do Ano - Domingão do Faustão, na categoria Melhor Atriz, por sua atuação como a protagonista Helena, na novela Laços de Família, de Manoel Carlos.[11] Apesar de ter feito inúmeros personagens importantes na Rede Globo, como nas novelas Coração Alado, Brilhante, Mandala, Perigosas Peruas, Laços de Família, O Clone e nas minisséries Riacho Doce, Desejo, Agosto e Amazônia, de Galvez a Chico Mendes, a atriz se queixou, na mídia, da falta de bons convites e papéis para a TV: "Para eu voltar às novelas quero um personagem de verdade. Sou uma atriz." definiu.[carece de fontes?]

Foi indicada quatro vezes ao Troféu Imprensa, na categoria Melhor Atriz como: Luiza Sampaio em Brilhante em 1981, Jocasta Silveira em Mandala em 1987, Helena em Laços de Família em 2000 e Ivete em O Clone em 2001.[12][13][14][15] Seu último trabalho na televisão foi na telenovela Salve Jorge, em 2012, no qual interpretou a vilã Irina.

Vera Fischer foi internada por decisão própria, em julho de 2011, numa clínica de reabilitação para dependentes químicos, na Barra da Tijuca, pois ainda não se livrara do vício em drogas. Essa é a terceira vez que se internava.[16]

Em 2015, Vera retornou aos palcos paulistanos após 17 anos com a peça Relações Aparentes, do britânico Alan Ayckbourn. Em entrevista ao programa Altas Horas, de Serginho Groisman, a atriz afirmou que se apaixonou apenas duas vezes na vida: uma vez por Perry Salles, seu primeiro marido, e outra por seu segundo marido, Felipe Camargo.

No teatro, atua em grandes produções, como Negócios de Estado, Macbeth (1992), Desejo (1993), Gata em Teto de Zinco Quente (1998), A Primeira Noite de um Homem (2004) e Porcelana Fina (2006).

Voltou as novelas no ano de 2018, como coadjuvante na trama do horário da 6, Espelho da Vida.

Em 2019 Vera Fischer retorna ao cinema, depois de 16 anos longe e com mais de 20 filmes no currículo, como protagonista de "Quase alguém", O filme fala sobre a busca incansável de uma grande atriz, que vive um grave e intenso drama pessoal, e ao lançar seu livro auto - biográfico "Quase Alguém" tenta a redenção de todos que possivelmente magoou em sua vida, especialmente sua filha. Conta com a direção de Daniel Ghivelder.

FilmografiaEditar

TelevisãoEditar

Ano Título Personagem
1977 Espelho Mágico Diana Queiroz / Débora
1978 Sinal de Alerta Sulamita Montenegro (Sula)
1979 Os Gigantes Helena Porto
1980 Coração Alado Vívian Ribas
1981 Obrigado, Doutor Helena (Episódio: "Por um Fio de Vida")[17]
Brilhante Luiza Sampaio
1983 Quarta-Nobre Claudia Prado
1986 Sinhá Moça Alcina
1987 Mandala Jocasta Silveira
1988 Tarcísio e Glória Lucrécia
1990 Riacho Doce Eduarda
Desejo Ana Emília Ribeiro da Cunha Assis (Saninha)
1992 Perigosas Peruas Maria Aparecida Falcão Belotto (Cidinha)
1993 Agosto Alice
1994 Pátria Minha Lídia Thompson Laport
1996 O Rei do Gado Nena Mezenga (1ª Fase)
1998 Você Decide Annie
Pecado Capital Laura Medeiros Lisboa
1999 O Belo e as Feras Celeste
2000 Laços de Família Helena Lacerda Soriano
2001 O Clone Yvete Simas Ferraz
2003 Agora É que São Elas Antônia Mendes Galvão
2004 Senhora do Destino Vera Barroso (Mrs. Robinson)
2005 América Úrsula Garcez
2007 Amazônia, de Galvez a Chico Mendes Lola
Duas Caras Dolores Maciel
2008 Casos e Acasos Vera (Episódio: "O Desejo Escondido")
Vera (Episódio: "O Cara Deprimido" e "O Livro Roubado")
2009 Caminho das Índias Chiara Bittencourt
2010 Afinal, o Que Querem as Mulheres? Celeste Monteiro
2011 Insensato Coração Catarina Diniz
2012 Salve Jorge Irina Drummond (Simone)
2016 Tá no Ar: a TV na TV Helena Lacerda Soriano
2018 Malhação: Vidas Brasileiras Ana Tanquerey[18][19]
Assédio Haydée[20][21]
Espelho da Vida Maria do Carmo Vilela (Carmo)
Gertrudes Trindade[22][23][24]

CinemaEditar

 
Vera Fischer, Sérgio Hingst em cena no filme “Sinal vermelho”.
Ano Título Papel
1972 Sinal vermelho - As fêmeas Angela[25]
1973 A Superfêmea Eva
Anjo Loiro Laura[26]
As Delícias da Vida Fernanda[27]
1974 Essa Gostosa Brincadeira a Dois Lígia
As Mulheres que Fazem Diferente Marília
Macho e Fêmea Juliano (Mulher)
1975 Intimidade Tânia Velasco
1980 Perdoa-me por me traíres Judite
1981 Bonitinha mas Ordinária ou Otto Lara Resende Ritinha/Bonitinha
Eu Te Amo Barbara Bergman
1982 Amor estranho amor Anna
Dora Doralina Dora
1984 Amor Voraz Anna
Quilombo Ana de Ferro
1989 Doida Demais Letícia
1990 O Quinto Macaco Mrs. Watts
1991 Forever Cristina Teller
1993 Fala Baixo, Senão Eu Grito
1997 Navalha na Carne Neuza Suely
2002 Xuxa e os Duendes 2 - No Caminho das Fadas Rainha Dara
2019 Quase Alguém Gilda Borba

TeatroEditar

Prêmios e indicaçõesEditar

Ano Categoria Festival Trabalho indicado Notas
1977 melhor atriz Prêmio APCA intimidade Venceu
1981 Melhor Atriz Troféu Imprensa Brilhante Indicado
1982 Melhor Atriz Festival de Brasília - Troféu Candango Amor Estranho Amor Venceu[28]
1987 Melhor Atriz Troféu Imprensa Mandala Indicado
2000 Melhor Atriz Troféu Imprensa Laços de Família Indicado
Melhor Atriz Melhores do Ano - Domingão do Faustão Laços de Família Venceu
2001 Melhor Atriz Troféu Imprensa O Clone Indicado

Ver tambémEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Vera Fischer

Referências

  1. a b «Uol entretenimento Artistas de A-Z». uol. Consultado em 23 de Janeiro de 2015 
  2. a b «VERA FISCHER». Portal Globo/Ego. Consultado em 23 de Janeiro de 2015 
  3. «Vera Fischer - IMDb». www.imdb.com. Consultado em 13 de fevereiro de 2011 
  4. «Arquivo VEJA». 5 de novembro de 2007. Consultado em 12 de novembro de 2016 
  5. «01 de Julho de 1969 – Vera Fischer coroada Miss Brasil.». Jornal do Comercio. Consultado em 23 de Janeiro de 2015 
  6. «A Notícia Traduz o seu mundo». www.an.com.br. Consultado em 12 de novembro de 2016 
  7. «Meu pai era nazista e mandava eu ler Hitler", diz Vera Fischer» 
  8. a b FISCHER, Vera. Vera, a pequena moisi. Editora Globo, 2007
  9. «IMDB» 
  10. «A sedução madura da loira» 
  11. #Pr.C3.AAmios 2000 - Melhores do Ano - Domigão do Faustão
  12. «Troféu Imprensa - 1981» 
  13. «Troféu Imprensa - 1987» 
  14. «Troféu Imprensa - 2000» 
  15. «Troféu Imprensa - 2001» 
  16. «Vera Fischer é internada em clínica de reabilitação no Rio». Portal G1. Consultado em 23 de janeiro de 2015 
  17. «Obrigado, Doutor - Ficha Técnica». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2018 
  18. Redação (16 de março de 2018). «Vera Fischer faz participação em 'Malhação: Vidas Brasileiras'». Gshow. Consultado em 9 de abril de 2018 
  19. Redação (11 de abril de 2018). «Vera Fischer comemora volta à TV, fala de Ana Beatriz Nogueira e revela personagem que não tem vontade de fazer». Gshow. Consultado em 11 de abril de 2018 
  20. Carla Bittencourt (1 de outubro de 2018). «Vera Fischer vira 'Hebe' na série 'Assédio'». Extra. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  21. Redação (17 de outubro de 2017). «Vera Fischer viverá Hebe Camargo em série da Globo». OplanetaTV. Consultado em 8 de outubro de 2018 
  22. Redação (9 de abril de 2018). «Vera Fischer é convidada para Espelho da Vida». OplanetaTV. Consultado em 9 de abril de 2018 
  23. Gabriel Vaquer (14 de abril de 2018). «Vera Fischer anuncia que fará diva do cinema em Espelho da Vida, próxima novela das 18h da Globo». Observatório da Televisão. Consultado em 14 de abril de 2018 
  24. Redação (31 de agosto de 2018). «AOS 66 ANOS, VERA FISCHER RECEBE CANTADAS NA WEB, MAS AVISA: "NÃO ESTOU PROCURANDO ALGUÉM"». Quem. Consultado em 8 de setembro de 2018 
  25. Cinemateca Brasileira, Sinal vermelho - As fêmeas [em linha]
  26. Cinemateca Brasileira, Anjo Loiro [em linha]
  27. Cinemateca Brasileira, As Delícias da Vida [em linha]
  28. imdb.com/ Awards for Amor Estranho Amor

Ligações externasEditar