Abrir menu principal

O Movimento Verde-Amarelo (ou Verde-Amarelismo) foi um Movimento literário modernista brasileiro fundado por Cassiano Ricardo, Menotti Del Picchia e Plínio Salgado em 1926[1]. Propunha um nacionalismo puro: sem interferência de características europeias, com tendências nativistas.

Como SurgiuEditar

O Movimento Verde-Amarelo surgiu em 1926, pela conferência "A Anta e o Curupira" de Plínio Salgado[2], como resposta ao Manifesto do Pau-Brasil (1924), que segundo os "verde-amarelos", levava consigo um "nacionalismo afrancesado" apresentado principalmente por Oswald de Andrade.[3]

AntologiaEditar

Em 24 de fevereiro de 1927, Oswald escreveu um artigo intitulado Antologia (em sua coluna Feira das Quintas publicada no Jornal do Comércio) onde respondeu o movimento com sátiras, usando palavras que começavam ou terminavam com 'anta' .[4]

FragmentoEditar

Através do jornal paulistano Correio do Povo em 17 de maio 1929, o grupo Verde-amarelista novamente responde com uma publicação intitulada Nhenguaçu Verde-Amarelo - Manifesto do Verde-Amarelismo ou da Escola da Anta. Segue abaixo um fragmento do manifesto:

"O grupo 'verdamarelo', cuja regra é a liberdade plena de cada um ser brasileiro como quiser e puder; cuja condição é cada um interpretar o seu país e o seu povo através de si mesmo, da própria determinação instintiva; - o grupo 'verdamarelo', à tirania das sistematizações ideológicas, responde com a sua alforria e a amplitude sem obstáculo de sua ação brasileira (...) Aceitamos todas as instituições conservadoras, pois é dentro delas mesmo que faremos a inevitável renovação do Brasil, como o fez, através de quatro séculos, a alma da nossa gente, através de todas as expressões históricas. Nosso nacionalismo é 'verdamarelo' e tupi. (...)"[5]

O grupo dos verde-amarelos, por sua vez, tinha ideias bastante diferentes: propunha um "retorno ao passado", considerado como o depositário das nossas verdadeiras tradições. Via no popular, com sua índole pacífica, a alma da nacionalidade, a ser guiada pelas elites político-intelectuais do país. Nesse manifesto, defendia as fronteiras nacionais contra as influências culturais estrangeiras.[6]

Trechos ditos pelos VerdeamarelistasEditar

"Há uma retórica feita de palavras, como há uma retórica feita de ideias. No fundo, são ambas feitas de artifícios e esterilidades."

"Combatemos, desde 1921, a velha retórica verbal, não aceitamos uma nova retórica submetida a três ou quatro regras, de pensar e de sentir. Queremos ser o que somos: brasileiros. Barbaramente, com arestas sem auto-experiencias, sem psicanálises e nem Teoremas."

"Convidamos a nossa geração a produzir sem discutir. Bem ou mal, mas produzir. Há sete anos que a Literatura brasileira esta em discussão. Procuremos escrever sem espírito preconcebido, não por mera experiência de estilos, ou para veicular teorias, sejam elas quais forem, mas com o único intuito de os revelarmos, livres de todos os prejuízos."[7]

Algumas obras do MovimentoEditar

Referências

  1. "1926, quando surgem os movimentos da Anta, do Verdamarelismo, de Terra Roxa" (MARTINS, Wilson. O Modernismo. São Paulo Cultrix: 1973, p. 93)
  2. MARTINS, Wilson. O Modernismo. São Paulo Cultrix: 1973, p. 93
  3. Sabrina Vilarinho. «Modernismo - Primeira fase literária». Consultado em 18 de setembro de 2014 
  4. Ricardo Sérgio. «O MOVIMENTO VERDE-AMARELO». 16/09/2010. Consultado em 18 de setembro de 2014 
  5. Marina Cabral. «O Modernismo no Brasil». Consultado em 18 de setembro de 2014 
  6. «A Era Vargas: dos anos 20 a 1945». Consultado em 18 de setembro de 2014 
  7. Walissoon (04/10/2012). Manifesto do Verde-Amarelismo. [S.l.]: Slideshare. 14 páginas  Verifique data em: |ano= (ajuda)

Ver tambémEditar