Tepe alveolar surdo

Tepe alveolar surdo
ɾ̥
IPA 124 402A
Codificação
X-SAMPA 4_0

O tepe ou flepe alveolar surdo é rara como fonema. O símbolo no Alfabeto Fonético Internacional que representa este som é ⟨ɾ̥⟩, uma combinação da letra para o toque/aba alveolar sonoro e um diacrítico indicando ausência de voz. O símbolo X-SAMPA equivalente é 4_0.[1]

A fricativa tocada alveolar surda relatada em alguns idiomas é na verdade uma fricativa alveolar não sibilante muito breve.[1]

CaracterísticasEditar

  • Sua forma de articulação é tepe ou flepe, o que significa que é produzida com uma única contração dos músculos para que a língua faça contato muito breve.[1]
  • Seu local de articulação é dentário ou alveolar, o que significa que se articula atrás dos dentes anteriores superiores ou na crista alveolar.[1]
  • Na maioria das vezes é apical, o que significa que é pronunciado com a ponta da língua. Sua fonação é surda, o que significa que é produzida sem vibrações das cordas vocais.[1]
  • Em alguns idiomas, as cordas vocais estão ativamente separadas, por isso é sempre sem voz; em outras, as cordas são frouxas, de modo que pode assumir a abertura de sons adjacentes.[1]
  • É uma consoante oral, o que significa que o ar só pode escapar pela boca.[1]
  • É uma consoante central, o que significa que é produzida direcionando o fluxo de ar ao longo do centro da língua, em vez de para os lados.[1]
  • O mecanismo da corrente de ar é pulmonar, o que significa que é articulado empurrando o ar apenas com os pulmões e o diafragma, como na maioria dos sons.[1]

OcorrênciaEditar

Língua Palavra AFI Significado Notas
Bengali[2] আবার [ˈäbäɾ̥] De novo Possível alofone de /ɹ/ na coda da sílaba.[2]
Inglês throw [θɾ̪̊oʊ] Jogar Alofone de /ɹ/ depois de /θ/.
Grego Cipriota αρφός [ɐɾ̥ˈfo̞s] Irmão Alofone de /ɾ/ antes de consoantes surdas. Pode ser um trinado alveolar sem voz ao invés.
Islandês hrafn [ˈɾ̥apn̪̊] Corvo Realização de /r̥/ para alguns alto-falantes. Também ilustra /n̥/.
Português assar [əˈsäɾ̥] Cozinhar Alofone aparente de /ɾ/; distribuição pouco clara, mas comum na coda do corpus de Jesus (2001).

Referências

  1. a b c d e f g h i Maddieson; Ladefold, Ian; Peter (1996). The Sounds of World's Languages. [S.l.: s.n.] pp. 215–244 
  2. a b Khan (2010):224