Victor Considerant

político francês

Victor Prosper Considerant (sem acento agudo[1]), nascido em 12 octobre de 1808 em Salins-les-Bains e morto em 27 de dezembro de 189 em Paris, 7.º,[carece de fontes?] foi um filósofo e economista politécnico[2] francês, adepto do fourierismo. "Foi sem dúvida o mais influente dos discípulos de Fourier"[3] e "o principal expoente da escola fourierista".[4]

Victor Considerant
Retrato por Jean Gigoux (1893).
Nascimento Victor Considerant
12 de outubro de 1808
Salins-les-Bains
Morte 27 de dezembro de 1893 (85 anos)
Paris
Sepultamento Crematório-columbário de Père-Lachaise
Cidadania França
Alma mater Escola Politécnica (França)
Ocupação filósofo, economista, político

BiografiaEditar

 
Gravura de Considerant por Carey.

Aluno de seu pai, Jean-Baptiste, professor de retórica na faculdade de Salins, Victor Considerant foi bacharel aos dezesseis anos. Em 1824, ele veio se preparar no ensino politécnico na faculdade de Besançon e foi apresentado ao fourierismo por sua correspondente Clarisse Vigoureux, que havia sido iniciada ali por Just Muiron. Passado num concurso em 1826, conheceu Fourier em Paris, ao qual se uniu e disse sobre sua proposta: "É lindo demais para não ser a verdade, o destino do homem, a vontade de Deus na terra!".[5] Na Escola de Aplicação de Artilharia e Engenharia de Metz, de 1828 a 1832, ele propagou as ideias do mestre entre seus companheiros depois de ter publicado um artigo sobre Fourier no Le Mercure de France em 1830 e, na Revue des Deux mondes em outubro de 1831, um conto Un pressentiment inspirado pela morte da filha de Clarisse Vigoureux (1789-1865), nascida Clarisse Gauthier (e irmã de Joseph, padrasto de François Coignet), Claire (1809 -1828), seu amor de juventude. Em 1832, ele participou da fundação do jornal Le Phalanstère, o qual ele administrou com Jules Lechevalier e na tentativa da colônia societária de Vesgre. Em 1834, ele publicou Destinée sociale e, em 1836, demitiu-se do exército para fundar um novo jornal, La Phalange. Em 1837, ele sucedeu Fourier no comando da École Sociétaire e, em 1838, casou-se com Julie (1812-1880), segunda filha de Clarisse Vigoureux, uma fourierista convicta como sua mãe e cujo dote permitiria ao marido 'entrar na política e financiar suas campanhas eleitorais; Julie e Victor terão dois filhos: Gustave e Justine Considerant. [carece de fontes?]

Derrotado nas eleições legislativas de 1839 em Montbéliard e Colmar, foi eleito, em 1843, conselheiro geral do Sena. No mesmo ano, La Phalange, que tinha o lema "reforma social sem revolução",[6] dá lugar ao jornal La Démocratie pacifique, que atinge uma ampla extensão e seria um grande sucesso. Ele também publica centenas de folhetos e publicações inspirados em idéias fourieristas, como a coleção da Pequena Biblioteca falansteriana. Esse esforço de propaganda se traduz na formação de grupos fourieristas em toda a França, embora a maioria de seus componentes não sejam trabalhadores, mas profissionais liberais - médicos, engenheiros, arquitetos, advogados - e também alguns pequenos proprietários - oficiais e suboficiais do Exército também foram assíduos leitores de La Démocratie pacifique.[7]

Eleito deputado de Montargis em 1848 e, em 1849, de Paris, sentou-se na extrema esquerda e esclareceu o conceito de direito ao trabalho, que se tornou uma das fortes ideias dos socialistas franceses de 1848. Ele é conhecido no direito constitucional como o inventor, em 1846, da representação proporcional (representação proporcional com escrutínio plurinominal). Em junho de 1848, ele foi o único deputado a propor o direito de voto para as mulheres. Ele também defendeu medidas de 'democracia direta' (termo que ele cunhou) como referendo e revogação,[8] lidando com o conceito de democracia que ia além de sua definição estritamente política porque, para ele, colocava "no sentido direto de sua etimologia", "a questão da época, a emancipação das classes trabalhadoras", o que o levou a aproximar-se dos republicanos, pelo que seu jornal La Démocracie pacifique foi perseguido durante os últimos anos da monarquia orleanista. Mas ele também defendia que a democracia plena fosse implementada gradualmente, pois os cidadãos estavam "adquirindo competência e capacidade suficientes para manejar sem perigo um direito [o direito comum relativo ao governo da sociedade] tão elevado e temível".[3] De qualquer forma, ele considerava "estéril" a ação política revolucionária da classe trabalhadora porque, segundo ele, a sociedade caminhava pacificamente em direção ao socialismo.[6]

"Os rios fluem, o mar nasce, a terra gira. Quem os deterá? ... O avanço da história é tão irresistível quanto o avanço das forças cosmológicas. A humanidade é mais que um rio, mais que um mar, mais que uma terra. Há três séculos que a humanidade avança discernivelmente em direção à democracia, ou seja, em direção à sua liberdade política, à sua autonomia, à plena posse de si mesma.[8]

"Quanto a nós, membros de uma escola social que cresce a cada dia, não nos confundiremos com nenhum partido político, porque apresentamos uma teoria em que tudo está descrito e indicado. Ou seja, sabemos o que queremos; explicamos nossos métodos de realização; demonstramos o valor das garantias que apresentamos; pedimos um exame; e, que é um teste ainda melhor, o sistema que ensinamos e que Fourier descobriu, pode ser estabelecido aqui ou em outro lugar, onde quer que seja e por quem assim o desejar" Destinée social, vol. I.[9]

 
Ilustração de uma obra de Considerant que representa um falanstério ideal.

Sua principal contribuição para a doutrina fourierista foi desenvolvida em uma grande obra de três volumes publicados entre 1835 e 1844 com o título Destino social —o primeiro volume foi dedicado ao rei Luís Filipe de Orléans "por ser, como chefe de governo, o primeiro proprietário da França, o mais interessado na ordem, na prosperidade pública e privada e no bem-estar de indivíduos e nações"—, que completou três anos depois com Princípios do Socialismo, o qual alguns consideram precursor do Manifesto Comunista,[10] e com o Manifesto da democracia no século XX, embora seu trabalho mais bem-sucedido tenha sido Exposição abreviada do sistema falansteriano de Fourier, que reuniu sete edições entre 1845 e 1848.[3]

Embora ele compartilhasse com seu professor a ideia de que, com um "ensaio em escala muito pequena em um território de meio quadrado de terra" seria suficiente para as novas ideias triunfarem, Considerant insiste mais do que Fourier no antagonismo de classes que está acentuando a "sociedade moderna":[3]

A sociedade tende a se dividir cada vez mais em duas grandes classes diferentes: um pequeno grupo que tem tudo ou quase tudo no domínio da propriedade, comércio e indústria, e o grande grupo que não tem nada, que vive em dependência coletiva e absoluta dos proprietários do capital e dos instrumentos de trabalho, obrigados a alugar por um salário precário e sempre a baixar seus braços, seus talentos e suas forças aos senhores feudais da sociedade moderna.

Ele participou no dia 13 de junho de 1849 contra Louis-Napoléon Bonaparte que, aos seus olhos, violara a Constituição ao apoiar o papa em luta com a República Romana. Decretada sua prisão, exilou-se na Bélgica, depois nos Estados Unidos, onde, instigado por Albert Brisbane, criou, no Texas, o falanstério de La Réunion com o apoio financeiro de Jean-Baptiste André Godin. O experimento falhou e ele se retirou para San Antonio, onde Clarisse Vigoureux morreu em 1865.

Retornando à França em 1869, graças a uma anistia, ingressou na Primeira Internacional e apoiou a Comuna (1871).

 
Busto de Victor Considerant em Salins-les-Bains.

Ele terminou sua vida no Quartier Latin, recusando-se obstinadamente a retomar qualquer atividade política. Seu funeral reuniu muitos socialistas, em particular Jean Jaurès. Ele foi enterrado no columbário do Père-Lachaise.[11] Em 1902, seu busto, por Marguerite Gagneur, foi inaugurado em sua cidade natal.

O ano de 2008 foi escolhido pelo Ministério da Cultura francês como "o ano de Victor Considerant", para comemorar o bicentenário de seu nascimento. Muitos eventos foram apresentados em sua cidade natal.

ControvérsiaEditar

Em seu livro Le Complot de la réserve fédérale, o professor universitário americano Antony Cyril Sutton acusa o filósofo Karl Marx de ter, pela redação de seu manifesto, plagiado fortemente a obra de Victor Considerant, Principe du socialisme ; Manifeste de la démocratie au XIXe siècle, publicado em 1843. A mesma acusação foi feita por W. Tcherkessof em seu livro Pages of Socialist History, em 1902. Observa-se, no entanto, que se a forma é semelhante, especialmente no nível de títulos e capítulos, por outro lado, o conteúdo é muito diferente. A abordagem de Considerant é específica da filosofia idealista neo-hegeliana; é uma análise da evolução do "espírito democrático[12]" e do "direito democrático[13]", evolução espiritual e cristã. O Manifesto de Marx é, por outro lado, materialista e, portanto, estritamente contrário a essa abordagem que faz da evolução do pensamento o motor da História. Marx, em seu Manifesto, não se baseia, como Considerant, na evolução das ideias e representações ao longo da história, mas na evolução do modo de produção.[14] Onde Considerant escreve uma História dos grandes homens, fazendo abundante referência a reis e filósofos, e onde a inteligência e a vontade dos reis são consideradas como a principal causa das revoltas,[15] Marx, por sua vez, faz uma História anônima, a História das tecnologias de produção e da influência dessas tecnologias na organização política. História na qual o desenvolvimento da produção é a causa das revoluções.[16] Considerant condena moralmente os desenvolvimentos econômicos e tecnológicos de seu tempo considerados muito rápidos, ele defende os pequenos negócios contra os grandes e exorta a classe média a se revoltar diante desses desenvolvimentos.[17] Marx, ao contrário, julga essas evoluções inevitáveis, ele as considera benéficas em muitos aspectos[18] e descreve as classes médias que resistem a essas evoluções como "reacionárias".[19] Considerant também pensa que será a pequena burguesia que se revoltará antes do proletariado.[20] A revolução que serve de modelo para o Considerant é, portanto, a Revolta dos Canuts em Lyon e seu slogan "Viver trabalhando ou morrer combatendo".[21] Inversamente, Marx considera que a pequena burguesia em sua luta contra a alta burguesia só quer voltar à antiga ordem. Para ele, apenas o proletariado pode derrubar a alta burguesia. No momento em que escrevia o manifesto, seu modelo de revolução não era, portanto, a revolta dos canudos, que ele considerava reacionária porque era voltada contra o desenvolvimento tecnológico das ferramentas de produção, mas a revolta dos tecelões na Silésia, que não ataca a ferramenta de produção, mas que visa diretamente os títulos de propriedade[22] (a partir de então, será a Comuna de Paris que se tornará seu modelo).

O Manifesto Comunista de Marx é, portanto, semelhante a um "anti-princípio do socialismo" de Considerant muito mais do que um plágio. Marx e Engels estavam muito acostumados a essa abordagem de oposição frontal aos intelectuais da corrente "socialista utópica", opondo um texto a outro. Pensa-se na famosa Miséria da Filosofia, que responde à Filosofia da Miséria de Proudhon, ou mesmo no anti-Dühring, que se opõe ponto a ponto às posições filosóficas e políticas de Dühring e que se tornará uma das exposições mais completas da visão marxista do mundo e da política. Mesmo a escrita do Capital parte de uma crítica e uma correção da teoria ricardiana do valor.

CríticasEditar

A doutrina de Victor Considerant foi criticada por um de seus contemporâneos, o economista liberal Frédéric Bastiat, em uma brochura intitulada Proprieté et spoliation, onde ele ataca em particular o que considera ser seu erro, o conceito de rentismo fundiário em que Considerant se baseia para justificar o direito ao trabalho. Erro que, segundo Bastiat, encontra-se em muitos economistas (John Ramsay McCulloch, David Ricardo, George Poulett Scrope, Nassau William Senior ...) e que também foi refutado por Henry Charles Carey. Bastiat também leva Victor Considerant a trabalhar em seu panfleto intitulado La Loi.

Enquanto Karl Marx apreciava alguns aspectos do trabalho de Considerant —ele chegou a pedir-lhe que colaborasse nos Anais franco-alemães —, Proudhon o julgou muito negativamente:

Os discípulos de Fourier não param de gritar conosco: ao falanstério, enquanto a estupidez e o ridículo das outras seitas os enlouquecem. São meia dúzia de gênios incomparáveis, que imaginaram que cinco mais quatro dão nove, subtraímos dois e restam nove, e choram pela cegueira da França, que se recusa a acreditar nessas incríveis matemáticas.

FamíliaEditar

Ele era primo do advogado e historiador belga Nestor Considerant, jornalista do diário L'Indépendance belge, onde cobria a política doméstica belga.

Publicações (em ordem cronológica)Editar

Ver tambémEditar

Referências

  1. « … il n’y a pas d'accent aigu sur mon e. J'ai lutté vainement plus de soixante ans depuis que mon nom s'imprime pour l'en défendre ! » Ver Louis Bertrand, Histoire de la démocratie et du socialisme en Belgique depuis 1830, Bruxelles, éd. Dechenne, t. 1, p. 28, 1906.
  2. Promoção de 1826.
  3. a b c d Bruhat 1984, p. 508.
  4. Bravo 1976, p. 127, "Considerant teve o mérito de tentar adaptar as teorias fourieristas às mudadas condições socioeconômicas, e seu ensino pode ser considerado uma verdadeira evolução do fouririerismo"..
  5. Bruhat 1984, pp. 507-508.
  6. a b Bravo 1976, p. 127.
  7. Bruhat 1984, p. 507.
  8. a b Beecher, Jonathan (11 de fevereiro de 2001). Victor Considerant and the Rise and Fall of French Romantic Socialism (em inglês). [S.l.]: University of California Press. ISBN 978-0-520-22297-7 
  9. Bravo 1976, p. 136.
  10. Bravo 1976, p. 128.
  11. Case 913, reprise.
  12. Considerant, Victor (1847). Zeller (Osnabrück), Otto, ed. Principes du socialisme : manifeste de la démocratie au XIXe siècle; Procès de la démocratie pacifique (em français). [S.l.: s.n.] ISBN 978-3-53500-739-3. L'Époque de 89 a donc marqué dans l'Histoire de l'humanité la grande séparation entre l'Ordre ancien et l'Ordre nouveau, entre le droit de la force et le droit du travail, entre le droit aristocratique [...] et le droit commun, le droit de Tous à Tout, LE DROIT DÉMOCRATIQUE. 
  13. Victor Considerant (1847). Principes du socialisme : manifeste de la démocratie au XIXe siècle; Procès de la démocratie pacifique (em français). [S.l.: s.n.] ISBN 978-3-53500-739-3 
  14. Karl Marx (1847). Le manifeste du Parti communiste (em Français). [S.l.: s.n.] La bourgeoisie, nous le voyons, est elle-même le produit d'un long développement, d'une série de révolutions dans le mode de production et les moyens de communication. 
  15. Considerant, Victor (1847). Zeller (Osnabrück), Otto, ed. Principes du socialisme : manifeste de la démocratie au XIXe siècle; Procès de la démocratie pacifique (em français). [S.l.: s.n.] ISBN 978-3-53500-739-3. Le mouvement naturel d'absorption et de résorption [...] n'ayant pas été secondé et dirigé avec intelligence par les successeurs d'Henri IV, de Richelieu et de Louis XIV [...] l'explosion s'est faite 
  16. Karl Marx (1847). Manifeste du Parti communiste (em français). [S.l.: s.n.] L'ancien mode d'exploitation féodal ou corporatif de l'industrie ne suffisait plus aux besoins qui croissaient sans cesse à mesure que s'ouvraient de nouveaux marchés. La manufacture prit sa place. La moyenne bourgeoisie industrielle supplanta les maîtres de jurande; la division du travail entre les différentes corporations céda la place à la division du travail au sein de l'atelier même. 
  17. Considerant, Victor (1847). Zeller (Osnabrück), Otto, ed. Principes du socialisme : manifeste de la démocratie au XIXe siècle; Procès de la démocratie pacifique (em français). [S.l.: s.n.] ISBN 978-3-53500-739-3. Dans quelque branche que ce soit, en effet, les grands capitaux, les grandes entreprises font la loi aux petites. La vapeur, les machines, les grandes manufactures, ont eu facilement raison, partout où elles se sont présentées, des petits et des moyens ateliers. A leur approche les anciens métiers et les artisans ont disparu pour ne plus laisser que des fabriques et des prolétaires. De plus, on voit surgir, presque à chaque instant, une découverte inattendue qui renouvelant brusquement toute une branche de la production, porte la perturbation dans les établissements. [...] Oui, il est temps pour les classes moyennes, déjà fort entamées, d'y prendre garde. L'Argent envahit tout.  Faltam os |sobrenomes1= em Editors list (ajuda)
  18. Karl Marx (1847). Le manifeste du Parti communiste (em français). [S.l.: s.n.] Par l'exploitation du marché mondial, la bourgeoisie donne un caractère cosmopolite à la production et à la consommation de tous les pays. Au grand désespoir des réactionnaires, elle a enlevé à l'industrie sa base nationale. Les vieilles industries nationales ont été détruites et le sont encore chaque jour. Elles sont supplantées par de nouvelles industries, dont l'adoption devient une question de vie ou de mort pour toutes les nations civilisées, industries qui n'emploient plus des matières premières indigènes, mais des matières premières venues des régions les plus lointaines, et dont les produits se consomment non seulement dans le pays même, mais dans toutes les parties du globe. À la place des anciens besoins, satisfaits par les produits nationaux, naissent des besoins nouveaux, réclamant pour leur satisfaction les produits des contrées et des climats les plus lointains. À la place de l'ancien isolement des provinces et des nations se suffisant à elles-mêmes, se développent des relations universelles, une interdépendance universelle des nations. 
  19. Karl Marx (1847). Manifesto do Partido Comunista. [S.l.: s.n.] Les classes moyennes, petits fabricants, détaillants, artisans, paysans, tous combattent la bourgeoisie parce qu'elle est une menace pour leur existence en tant que classes moyennes. Elles ne sont donc pas révolutionnaires, mais conservatrices; bien plus, elles sont réactionnaires : elles cherchent à faire tourner à l'envers la roue de l'histoire. 
  20. Considerant, Victor (1847). Zeller (Osnabrück), Otto, ed. Principes du socialisme : manifeste de la démocratie au XIXe siècle; Procès de la démocratie pacifique (em français). [S.l.: s.n.] ISBN 978-3-53500-739-3. La Bourgeoisie française ne se laissera pas impunément tondre et dépouiller de ses propriétés, de son influence politique et rejeter en Prolétariat. [...] Avant que nos classes ouvrières arrivasses à ce degré de réaction et d'animosité, il y aurait eu chez nous dix révolutions. 
  21. Victor Considerant (1847). Zeller (Osnabrück), Otto, ed. Principes du socialisme : manifeste de la démocratie au XIXe siècle; Procès de la démocratie pacifique. [S.l.: s.n.] ISBN 978-3-53500-739-3. Que deviendraient les hautes classes si [...] le grand cri de guerre sociale "Vivre en travaillant ou mourir en combattant" y soulevait un jour donné toutes les innombrables légion de l'Esclavage Moderne ?  Faltam os |sobrenomes1= em Editors list (ajuda)
  22. Duménil, Gérard; Löwy, Michael; Renault, Emmanuel (2014). Presses universitaires de France, ed. Lire Marx (20 cm) (em francês). [S.l.: s.n.] ISBN 978-2-13-06302-03. Le soulèvement silésien commence précisément là où finissent les insurrections ouvrières anglaises et françaises, avec la conscience de ce qu'est l'essence du prolétariat. L'action même comporte ce caractère de supériorité. Ce ne sont pas seulement les machines, ces rivales de l'ouvrier, qui sont détruites, mais encore les livres de commerce, les titres de propriété, et alors que tous les autres mouvements ne sont d'abord dirigés que contre le patron de l'industrie, l'ennemi visible, ce mouvement se tourne également contre le banquier, l'ennemi caché.  Faltam os |sobrenomes1= em Editors list (ajuda)

BibliografiaEditar

  • Os papéis pessoais de Victor Considerant e de Charles Fourier, fundador da Escola societária, estão conservados nos Archives nationales sob a cota 10AS[1].
  • Bruhat, Jean (1984) [1976]. «El socialismo francés de 1815 a 1848». Jacques Droz (dir.), ed. Historia general del socialismo. De los orígenes a 1875. Barcelona: Destino. pp. 451 y ss. ISBN 84-233-1305-0.
  • Bravo, Gian Mario (1976) [1971]. Historia del socialismo 1789-1848. El pensamiento socialista antes de Marx [Storia del socialismo, 1789-1848. Il pensiero socialista prima di Marx]. Barcelona: Ariel. ISBN 84-344-6508-6.
  • Jonathan Beecher, Victor Considerant : Grandeur et décadence du socialisme romantique [« Victor Considerant and the Rise and Fall of French Romantic Socialism »], Dijon, Les Presses du Réel, coll. « L’écart absolu », 2012, 640 p., 24 cm (ISBN 978-2-84066-344-7).
  • Louis Bertrand, Histoire de la démocratie et du socialisme en Belgique depuis 1830, Bruxelles, éd. Dechenne, 1906.
  • Maurice Dommanget, Victor Considérant, Paris, Éditions sociales internationales, 1929.
  • Jean-Claude Dubos e Michel Cordillot, article « Considerant » dans Biographies nouvelles. Dictionnaire biographique du mouvement ouvrier français, sous la direction de Jean Maitron et de Claude Pennetier, Paris, éd. de l'Atelier, 1997. Repris dans Michel Cordillot, La Sociale en Amérique. Dictionnaire biographique du mouvement social francophone aux États-Unis, Paris, éd. de l'Atelier, 2002.
  • Michel Vernus, Victor Considerant. Le Cœur et la Raison, Dole, Canevas, 1993.
  • Jean de Viguerie, Les Pédagogues, Paris, Le Cerf, 2011.
  • « Victor Considerant », em Adolphe Robert et Gaston Cougny, Dictionnaire des parlementaires français, Edgar Bourloton, 1889-1891
  • Thomas Giraud, Le bruit des tuiles, La Contre Allée, 2019 (ISBN 237665050X) : relato ficcionalizado da experiência da Reunião.
  • Wood, James, ed. (1907). "Considérant, Victor Prosper" . The Nuttall Encyclopædia. London and New York: Frederick Warne.

Leitura adicionalEditar

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Victor Considerant
Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
  Textos originais no Wikisource