Abrir menu principal

Pôncio de Cartago

(Redirecionado de Vida de São Cipriano)
Disambig grey.svg Nota: Para o biógrafo de São Cipriano, veja Pôncio (desambiguação).
São Pôncio de Cartago
Entalhe do século XV com Pôncio testemunhando o martírio de São Cipriano de Cartago
Diácono
Nascimento século III
Morte século III
Veneração por Igreja Católica
Gloriole.svg Portal dos Santos

Pôncio (em latim: Pontius), também chamado de Pôncio, o Diácono (metade do século III) foi um santo cristão e um autor latino de Cartago. Ele serviu como diácono sob Cipriano de Cartago (futuro São Cipriano de Cartago) e escreveu Vita Cypriani ("Vida de Cipriano") logo após a morte deste.

HistóriaEditar

Existe apenas um relato sobrevivente sobre Pôncio, uma menção brevíssima na obra De Viris Illustribus de Jerônimo de Estridão (cap. 68):

Pontius, diaconus Cypriani, usque ad diem passionis eius cum ipso exsilium sustinens egregium volumen vitae et passionis Cypriani reliquit.
Pôncio, diácono de Cipriano que suportou seu exílio com ele até o dia de seu martírio, escreveu um maravilhoso livro sobre a vida e paixão de Cipriano.
 

Embora o autor não seja identificado na Vida de Cipriano, Jerônimo claramente está escrevendo sobre esta obra [2]. A única outra informação sobre ele vem das próprias palavras do autor: ele escreve em parte sobre aquilo que testemunhou pessoalmente ou que ouviu diretamente de pessoas mais velhas[3] Ele acompanhou Cipriano ao exílio em Cúrubis (atual Korba, na Tunísia)[4]. Do prefácio, parece que Pôncio não conhecia nenhum outro relato sobre o martírio de Cipriano quando escreveu o seu[5].

Além disso, pouco é certo. Alusões e estilos de oratória indicam que Pôncio deve ter sido muito bem educado, com conhecimentos tanto sobre a Bíblia quanto da retórica secular[6]. Hermann Dessau observou a coincidência de uma inscrição na pequena cidade de Cúrubis para um magistrado local com o nome de Pôncio e sugeriu que os elogios à cidade na obra e o desejo do autor em associá-la com o martírio de Cipriano poderiam refletir um patriotismo local[7]. Outros estudiosos ou rejeitam isto ou consideram impossível de ser provado [8]

"Vida de São Cipriano"Editar

 Ver artigo principal: Cipriano de Cartago

Os manuscritos estão intitulados Vita Cypriani ("A Vida de Cipriano"), enquanto que Jerônimo se refere a ela como Vita et passio Cypriani ("Vida e martírio de Cipriano"). A referência de Jerônimo não necessariamente se refere ao título, embora seja claro que o livro está dividido em duas partes, uma sobre a vida de Cipriano e outra com os eventos que levaram à sua morte[9][10]. No prefácio, Pôncio lamenta a existência de relatos detalhados de martírios de cristãos leigos., mas nenhum de um bispo como Cipriano, que já teria valor suficiente para ser narrado mesmo sem o martírio [5]. Os capítulos 3 a 10 relatam as atividades de Cipriano desde a sua conversão, enquanto os capítulos 11 até 19 descrevem os procedimentos perante dois diferentes procônsuls, seus julgamentos e a morte de Cipriano[10][11].

Embora Pôncio tenha conhecido Cipriano pessoalmente, muitos já se desapontaram com a falta de informações mais detalhadas no livro. Em parte, isso se deve à tendência do autor de meramente aludir aos assuntos que ele espera que o leitor conheça[12]. Ao lado de um pequeno número de elementos derivados de sua experiência própria, como o sonho profético que Cipriano teve sobre o exílio em Cúrubis em 257, Pôncio se utilizou de seus próprios escritos e um relato de uma audiência com o pro-cônsul em 257: um protocolo dele estava circulando ainda durante a vida de Cipriano e se tornaria depois parte do relato de sua morte, conhecido como Acta Proconsularia[13]. Pôncio se refere a este protocolo (e talvez também ao da segunda audiência, no ano seguinte) e transcreve um relato mais frouxo e menos detalhado[14]. Outra influência foi a obra Passio Perpetuae et Felicitatis ("Paixão de Perpétua e Felicidade), um relato anterior sobre duas mártires cartaginenses, que motivou sua decisão de escrever não apenas a paixão, mas também um relato da vida de Cipriano[15].

Cipriano foi uma figura controversa durante sua vida e, mesmo após sua morte, Pôncio considerou importante reagir contra algumas das críticas que ele tinha recebido. A obra tem uma característica particularmente apologética em seu tratamento da eleição de Cipriano para bispo, que alguns cartaginenses contestaram[16] e da decisão de Cipriano de se esconder durante a perseguição de Décio de 250, ao invés do martírio[17].

Harnack acredita que embora seja impossível que a biografia tenha sido escrita imediatamente após a morte de Cipriano, o capítulo final e outros dão a impressão de que o martírio de Cipriano tenha sido um evento recente e assim ele atribui à obra a data de 259[18]. Outros preferem uma data um tanto posterior, quando a maior parte da audiência de Pôncio já seria familiar com Cipriano pelas suas obras ao invés de pessoalmente[19].

Referências

  1. a b c   "De Viris Illustribus - Pontius the deacon", em inglês.
  2. Harnack (1913) 2; Mohrmann (1975) xii.
  3. Pôncio de Cartago. «2.2». Vida de São Cipriano (em inglês). I. [S.l.: s.n.]  si quibus eius interfui, si qua de antiquioribus comperi, dicam ("Eu conterei o que eu testetumhei dele, o que eu aprendi dos mais mais velhos").
  4. Pôncio de Cartago. «12.3». Vida de São Cipriano (em inglês). I. [S.l.: s.n.]  - et me inter domesticos comites dignatio caritatis eius elegerat exulem voluntarium ("O julgamento de sua bondade me escolheu para o exílio voluntário entre os companheiros de sua casa").
  5. a b Pôncio de Cartago. «1.2». Vida de São Cipriano (em inglês). I. [S.l.: s.n.] 
  6. Harnack (1913), 43-50.
  7. Dessau (1916) and (1918).
  8. Mohrmann (1975) xiii; Schmidt (1997) 434 - "weder verifizierbar noch auch falsifizierbar" ("nem verificável nem falsificável").
  9. Mohrmann ( 1975) xiii.
  10. a b Pôncio de Cartago. Vida de São Cipriano (em inglês). I. [S.l.: s.n.] 
  11. Mohrmann (1975) xvi.
  12. Harnack (1911), 52; Mohrmann (1975) xvii.
  13. Pellegrino (1955), 142; Mohrmann (1975), xxi.
  14. Pôncio de Cartago. «11.1». Vida de São Cipriano (em inglês). I. [S.l.: s.n.]  - quid sacerdos dei proconsule interrogante responderit, sunt acta quae referant ("o que o padre de Deus respondeu quando o pro-cônsul o interrogou está relatado num relatório"). Cf. Schmidt (1997) 434.
  15. Cf. Mohrmann (1975), xvii-xviii; Schmidt (1997) 435.
  16. Pôncio de Cartago. «5.6». Vida de São Cipriano (em inglês). I. [S.l.: s.n.] 
  17. Pellegrino (1955), 62; Bastiaensen in Mohrmann (1975), 258.
  18. Harnack (1913), 3.
  19. Schmidt (1997), 433.

Ligações externasEditar

BibliografiaEditar

Existe edições críticas em Hartel (1871) xc–cx, Harnack (1913) retirada de Hartel,Pellegrino (1955) e A.A.R. Bastiaensen em Mohrmann (1975), 1-48. Bastiaensen in Mohrmann (1975), 278–9 e Schmidt (1997) disponibilizam bibliografias. Harnack (1913), Pellegrino (1955) e Bastiaensen in Mohrmann (1975), 249–77 disponibilizam comentários.

  • DESSAU, H. (1916). «Pontius der Biograph Cyprians». Hermes (em alemão) (51): 65–72 
  • DESSAU, H. (1918). «Das Alter der römischen Municipalbeamten». Hermes (em alemão) (53): 221–4 
  • Harnack, A. (1913). Das Leben Cyprians von Pontius (em alemão). Leipzig: J. C. Hinrichs'sche Buchhandlung 
  • Hartel, G. (1871). S. Thasci Caecili Cypriani Opera Omnia. 3. Vienna: CSEL 
  • Mohrmann, C. (1975). Vita di Cipriano, Vita di Ambrogio, Vita di Agostino (em italiano). Milan: Mondadori. ISBN 88-04-12191-2 
  • Pellegrino, M. (1955). Vita e martirio di San Cipriano (em italiano). Alba: [s.n.] 
  • Saxer, V. (1994). G. Philippart, ed. Hagiographies. Afrique Latin (em inglês). 1. Turnhout: Brepols. pp. 25–95. ISBN 2-503-50408-6 
  • Schmidt, P. L. (1997) "Pontius, Vita Cypriani" 433-5 (§472.10) in K. Sallmann (ed.) Die Literatur des Umbruchs von den römischen zur christlichen Literatur 117 bis 284 n. Chr. (Munich: Beck, vol. IV of the Handbuch der lateinischen Literatur der Antike ed. R. Herzog and P. L. Schmidt) ISBN 3-406-39020-X (em inglês)