Abrir menu principal
Vicenzo Vannutelli
Cardeal da Igreja Católica
Decano do Colégio dos Cardeais
Datário de Sua Santidade
Prefeito da Sagrada Congregação de Cerimônias
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Nomeação 6 de dezembro de 1915
Predecessor Dom Serafino Cardeal Vannutelli
Sucessor Dom Gennaro Cardeal Granito Pignatelli di Belmonte
Mandato 1915 - 1930
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 23 de dezembro de 1860
Nomeação episcopal 23 de janeiro de 1880
Ordenação episcopal 2 de fevereiro de 1880
por Dom Giovanni Cardeal Simeoni
Nomeado arcebispo 23 de janeiro de 1880
Cardinalato
Criação 30 de dezembro de 1889 (in pectore)
23 de junho de 1890 (Publicado)

por Papa Leão XIII
Ordem Cardeal-presbítero (1891-1900)
Cardeal-bispo (1900-1930)
Título São Silvestre em Capite (1891-1900)
Palestrina(1900-1915)
Óstia(1915-1930)
Brasão
Coat of arms of Vincenzo Vannutelli.svg
Lema REGNUM TUUM DOMINE
Dados pessoais
Nascimento Genazzano
5 de dezembro de 1836
Morte Roma
9 de julho de 1930 (93 anos)
Nacionalidade Italiano
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Vicenzo Vannutelli (Genazzano, 5 de dezembro de 1836 - Roma, 9 de julho de 1930) foi um sacerdote da Igreja Católica, cardeal decano do Colégio dos Cardeais. Foi o último cardeal protetor de uma nação.

Índice

BiografiaEditar

Ordenou-se padre em 23 de dezembro de 1860, após concluir seus estudos na Pontifícia Universidade Gregoriana. Foi prelado doméstico do Papa Pio IX. Entrou no serviço diplomático da Santa Sé e foi nomeado auditor do internunciatura nos Países Baixos em 1863 e auditor da nunciatura na Bélgica, em 1866. Foi nomeado protonotário apostólico em 1875.

EpiscopadoEditar

Em 2 de fevereiro de 1880 foi ordenado arcebispo-titular da Arquidiocese de Sardes, em janeiro deste mesmo ano fora indicado vigário apostólico de Constantinopla, Turquia. Em 1882 foi Internúncio Apostólico para o Brasil mas não chegou a ir ao país, pois em seu retorno da Rússia, onde representou o Papa durante a coroação do Czar Alexandre III, foi indicado Núncio Apostólico em Portugal, em 1883. Negociou uma concordata para regular as relações entre o Estado e a Igreja na possessões portuguesas na Índia.

CardinalatoEditar

Foi criado Cardeal in pectore em 1889 pelo Papa Leão XIII, sendo revelado cardeal no consistório de 23 de junho de 1890, recebendo o barrete cardinalício e o título de cardeal-padre de São Silvestre em Capite em 4 de junho de 1891. Em 19 de abril de 1900, tornou-se cardeal-bispo de Palestrina.

Em 1902, foi nomeado prefeito da Sagrada Congregação do Concílio, cargo que exerceu até 1908, quando foi nomeado prefeito do Supremo Tribunal da Assinatura Apostólica. Em 1914, é nomeado Datário de Sua Santidade e em 6 de dezembro de 1915, foi nomeado cardeal-bispo de Óstia e, portanto, Decano do Colégio dos Cardeais, além de Prefeito da Sagrada Congregação de Cerimônias. Participou dos Conclaves de 1903, 1914 e, como decano, presidiu o de 1922. Por recomendação sua, Eugênio Pacelli, futuro Papa Pio XII, ingressou no serviço diplomático da Santa Sé.

Morreu em 9 de julho de 1930, após um ataque agudo da nefrite, da qual ele vinha sofrendo há alguns dias, complicado por insuficiência cardíaca, em seu apartamento no Palácio do Datário, em Roma.

Ligações externasEditar