Visegrado

Disambig grey.svg Nota: Para a cidade na Bósnia e Herzegovina, veja Višegrad. Para a cidade da Polónia, veja Wyszogród.
Visegrado
Fellegvár (7612. számú műemlék) 6.jpg
Símbolos
Bandeira de Visegrado
Bandeira
Brasão de armas de Visegrado
Brasão de armas
Localização
PestCounty.gif
País  Hungria
Condado Peste
Características geográficas
Área total 3 327 km²
População total (2001) 1 654 hab.
Densidade 50 hab./km²

Visegrado[1][2][3][4][5][6] (em húngaro: Visegrád, [ˈviʃɛɡrɒːd]) é um vilarejo no Condado de Peste, na Hungria, localizado ao norte de Budapeste, na margem direita do Danúbio (na chamada Curva do Danúbio). Sua população é de 1 654 habitantes (2001). O local é famoso pelas ruínas do palácio de verão renascentista do Rei Matias Corvino e da cidadela medieval.

Em 1335, o Rei Carlos Roberto fez de Visegrado a capital da Hungria; dez anos depois, reuniu-se ali com o rei da Boêmia, João de Luxemburgo, e com o rei da Polônia, Casimiro III, que resultou numa aliança militar húngaro-polonesa contra os Habsburgos.

O local perdeu importância quando a Hungria foi partilhada entre o Império Habsburgo, o Império Otomano e o Principado da Transilvânia.

Em 1991, os governantes da Hungria, da Tchecoslováquia e da Polônia reuniram-se ali para criar um foro periódico de concertação, numa alusão ao encontro de 1335.

O nome tem origem eslava e significa "cidade alta" ou "castelo alto".

Referências

  1. Domingues, José Maurício (15 de novembro de 2013). O Brasil entre o presente e o futuro. Rio de Janeiro: Mauad Editora Ltda. ISBN 9788574785943. Consultado em 1 de maio de 2018. Alguns países da região do Visegrado (Hungria, Polônia, Eslovênia, República Checa) medraram, tornando-se dependentes de corporações estrangeiras, aparentemente avançando rumo a uma posição próxima ao centro, mas por hora mantendo-se na semiperiferia. 
  2. Martin, Adamec (março de 2008). Formação e desenvolvimento da identidade nacional e da nação eslovaca : Eslováquia : uma estado sem nação? (Tese). Dissertação (Mestrado em Ciência Política). Brasília: Universidade de Brasília. p. 52. Consultado em 1 de maio de 2018. O acordo mais importante (e mais propício a ser explorado pela posteridade) se deu entre Carlos Roberto com o rei tcheco João de Luxemburgo e o rei polonês Kazimiro em 1335, no castelo de Visegrado. 
  3. «Grupo de Visegrado exige o fim de "dois mercados alimentares na UE"». euronews. 13 de outubro de 2017 
  4. Sousa, Teresa de. «Europa. Grupo de Visegrado vê com maus olhos uma Europa a duas velocidades». PÚBLICO 
  5. «Grupo de Visegrado não quer refugiados, mas oferece dinheiro». www.msn.com. Consultado em 1 de maio de 2018 
  6. «Presidência polaca do Grupo de Visegrado». www.msz.gov.pl. Consultado em 1 de maio de 2018