Abrir menu principal

Volta do mar

(Redirecionado de Volta do largo)
O giro do Atlântico Norte, o conjunto circular de correntes que determina a volta.
Mapa mostrando a localização das principais correntes e ventos oceânicos giratórios.

Volta do mar, volta do mar largo, volta do largo, volta da Guiné ou volta da Mina, é o nome de uma manobra de navegação utilizada em longas viagens oceânicas, que remonta aos descobrimentos portugueses do século XV. Esta técnica consiste em descrever um largo arco para evitar a zona central de calmaria e aproveitar os ventos e correntes permanentes favoráveis, que giram no sentido dos ponteiros do relógio quando no hemisfério norte, e em sentido contrário no hemisfério sul, devido à circulação atmosférica e ao efeito de Coriolis.[1]

HistóriaEditar

O nome "volta do mar largo" foi cunhado pelos navegadores portugueses no período dos descobrimentos no Oceano Atlântico Norte, quando eram obrigados, no regresso das costas equatoriais africanas, a afastar-se para o mar largo, evitando o mar dos sargaços e ganhando o Atlântico Central, para depois rodarem para les-nordeste vindo cruzar as águas dos Açores.[carece de fontes?]

A importância geoestratégica dos Açores, de Ascensão e de outras ilhas oceânicas deve-se à necessidade de seguir a "volta do largo". No caso do Atlântico Norte, não era possível a navegação directa para as costas europeias, pelo que qualquer navio vindo do hemisfério sul (incluindo os vindos da Índia, China e outras regiões da Ásia via Cabo da Boa Esperança) ou das Caraíbas, era obrigado a cruzar as alturas dos Açores ou um pouco a norte daquelas ilhas. Foi esse efeito que fez da cidade de Angra a universal escala do mar ponente nas palavras do historiador Gaspar Frutuoso.[carece de fontes?]

A "volta do mar" é também invocada nas controvérsias sobre o descobrimento do Brasil, considerando-se que a sua realização terá levado os portugueses a tomar conhecimento da costa sul americana antes da viagem oficial de descobrimento de Pedro Álvares Cabral.[carece de fontes?]e não há necessidade de fontes pois basta observar a carta desta zona para se verificar a curta distância para a costa do Brasil e dada a vontade de D. João II conhecer o regime de ventos do Atlântico sul para poderem navegar aí as nossas naus a caminho da Índia. E não foi por acaso que D. João II depois da assinatura do Tratado de Tordesilhas não aceitou a proposta dos Reis Católicos para uma frota conjunta ir marcar o respetivo meridiano e exigiu a deslocação dele para ocidente de forma a mais tarde poder incluir o Brasil.

Portanto Pedro Álvares Cabral não descobriu o Brasil de facto mas tomou posse dele oficialmente.

[carece de fontes?]

A volta do mar do Atlântico inspirou a descoberta da volta do mar no oceano Pacífico por Andrés de Urdaneta que, em 1565, descobriu um caminho de retorno de Cebu nas Filipinas para o México, inaugurando a rota do chamado galeão de Manila, que concorria com as rotas portuguesas para a Índia.[carece de fontes?]

ReferênciasEditar

  1. Volta da Mina Ciência em Portugal

BibliografiaEditar

  • COUTINHO, Gago "A náutica dos descobrimentos: os descobrimentos marítimos vistos por um navegador" Agência Geral do Ultramar, 1951
  • Bailey Wallys Diffie, Boyd C. Shafer, George Davison Winius, "Foundations of the Portuguese empire, 1415-1580", 1977 ISBN 0816607826
  • J.H. Parry, The Age of Reconnaissance 1963.
  • MARQUES, Alfredo Pinheiro, "Guia de história dos descobrimentos e expansão portuguesa"
  • Gonçalves Viana, José Carlos "a história dos descobrimentos entre os cronistas e a realidade"