Voo American Airlines 383

O voo American Airlines 383 foi uma rota aérea regular passageiros do Aeroporto Internacional O'Hare, em Chicago, para o Aeroporto Internacional de Miami, operada pela American Airlines. Em 28 de outubro de 2016, um Boeing 767-300ER, que operava o voo (prefixado N345AN), estava acelerando para a decolagem da pista 28R de O'Hare, quando o motor direito da aeronave sofreu uma falha irreparável que levou a um grave incêndio. A tripulação conseguiu abortar a decolagem e evacuar todos a bordo, enquanto os bombeiros conseguiram apagar o fogo. Vinte pessoas ficaram feridas, e o avião foi danificado além do reparo.[3][4]

Voo American Airlines 383
N345AN, o avião envolvido no incidente, fotografado no Aeroporto de Manchester em junho de 2016
Sumário
Data 28 de outubro de 2016 (5 anos)
Causa Falha irreparável no motor e incêndio
Local Aeroporto Internacional O'Hare, Chicago, IL, Estados Unidos
Origem Aeroporto Internacional O'Hare, Chicago, IL, Estados Unidos
Destino Aeroporto Internacional de Miami, Miami, FL, Estados Unidos
Passageiros 161[1]
Tripulantes 9[1]
Feridos 20[2]
Sobreviventes 170 (todos)
Aeronave
Modelo Boeing 767-300ER
Operador American Airlines
Prefixo N345AN

Um pedaço de metal, que acredita ser o motor que sofreu a falha irreparável, rompeu o teto de uma instalação da United Parcel Service (UPS) a 2 920 ft (890 m) de distância de onde a aeronave veio para uma parada e veio a descansar sobre o piso do edifício. Nenhum funcionário da UPS ficou ferido.[5]

AeronaveEditar

A aeronave envolvida foi um Boeing 767-300ER (prefixo N345AN), entregue à American em 16 de abril de 2003, fazendo com que a aeronave tivesse treze anos de idade no momento do acidente. O lado direito da fuselagem sofreu danos consideráveis pelo fogo, e a asa direita desabou a meio caminho ao longo de seu comprimento.[4]

InvestigaçãoEditar

O acidente está sob investigação pela Administração Federal de Aviação e a National Transportation Safety Board (NTSB).[6][7] Em 29 de outubro de 2016, a NTSB informou que uma inspeção do motor de estibordo, fabricado pela GE Aviation,[8] revelou que um disco de turbina de alta pressão tinha falhado. As peças que montavam cerca de 90 por cento do disco foram recuperadas pelos pesquisadores, com um pedaço de cerca de 1 800 ft (549 m) de distância.[9]

Referências

  1. a b «Avião da American Airlines pega fogo antes de decolagem em Chicago». G1. 29 de outubro de 2016. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  2. Capucci, Renata (29 de outubro de 2016). «Boeing 767 pega fogo e 20 pessoas ficam feridas nos Estados Unidos». Jornal Hoje. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  3. «Chicago O'Hare plane fire: American Airlines jet aborts take-off» (em inglês). BBC. 29 de outubro de 2016. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  4. a b «N345AN American Airlines Boeing 767-323(ER)(WL) - cn 33084 / 906» (em inglês). Planespotters.net. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  5. Ford, Liam; Lee, William; Wong, Grace (28 de outubro de 2016). «20 minor injuries after plane catches fire on O'Hare runway: 'Everybody started panicking» (em inglês). Chicago Tribune. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  6. Geoff Rapoport (6 de julho de 2017). «NTSB Docket On 767 Fire Open To Public» (em inglês). AVweb. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  7. «Accident ID DCA17FA021 Mode Aviation occurred on October 28, 2016 in Chicago, IL United States Last Modified on July 06, 2017 08:07 Public Released on July 06, 2017 10:07 Total 41 document items» (em inglês). NTSB. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  8. «GE: Engine part that failed in AA flight had flaw» (em inglês). USA Today. 7 de novembro de 2016. Consultado em 13 de agosto de 2017 
  9. «Accident: American B763 at Chicago on Oct 28th 2016, rejected takeoff, fire at right hand wing due to uncontained engine failure» (em inglês). The Aviation Herald. 28 de outubro de 2016. Consultado em 13 de agosto de 2017