Voo Austral Líneas Aéreas 2553

acidente aéreo fatal de 1997

O voo Austral Líneas Aéreas 2553 foi um serviço regular doméstico entre o Aeroporto Internacional Libertador General José de San Martín, Posadas, e o Aeroparque Jorge Newbery, Buenos Aires, Argentina. Em 10 de outubro de 1997, um McDonnell Douglas DC-9-32,[1] prefixado LV-WEG,[2] que operava a rota, caiu em Fray Bentos, Uruguai, matando 74 pessoas a bordo sendo o pior Desastre aéreo do Uruguai.[1]

Voo Austral Líneas Aéreas 2553
Douglas DC-9 prefixo LV-WEG acidentado
Sumário
Data 10 de outubro de 1997 (25 anos)
Causa Indicações erradas de velocidade, causadas “pela obstrução dos tubos de Pitot devido ao gelo”, levaram ao prolongamento das lâminas pelo copiloto, a uma altitude e velocidade incompatíveis com a integridade da aeronave. A aeronave não tinha o alarme obrigatório.
Local Nuevo Berlín, Uruguai
Coordenadas 33° 01′ 18″ S, 57° 49′ 18″ O
Origem Aeroporto Internacional Libertador General José de San Martín, Posadas, Argentina
Destino Aeroparque Jorge Newbery, Buenos Aires, Argentina
Passageiros 69
Tripulantes 5
Mortos 74 (todos)
Feridos 0
Sobreviventes 0
Aeronave
Modelo Douglas DC-9 prefixo LV-WEG
Operador Austral Líneas Aéreas
Prefixo LV-WEG
Primeiro voo 1969

AcidenteEditar

O avião veio do Aeroporto Internacional Libertador General José de San Martín, Posadas, Argentina, e foi para o Aeroparque Jorge Newbery, Buenos Aires, Argentina. Voltou para Fray Bentos para evitar uma tempestade. O exame das caixas-pretas revelou que logo depois que o avião se desviou de seu curso pretendido, sua velocidade começou a cair para níveis alarmantes. Os pilotos aumentaram repetidamente a potência das turbinas na esperança de restaurar a velocidade suficiente. Incapazes de recuperar a velocidade, os pilotos contataram a torre de controle do Aeroporto Internacional de Ezeiza e solicitaram autorização para descer a uma altitude inferior.

Na ausência de resposta da torre de controle, os pilotos ativaram os dispositivos hipersustentadores para manter a altitude e reduzir a velocidade de estol. Durante a implantação dos dispositivos, um deles foi danificado e causou uma assimetria catastrófica no fluxo de ar ao redor das asas. O avião imediatamente ficou fora de controle e caiu.

De acordo com a investigação realizada pela Força Aérea Argentina e pela Força Aérea Uruguaia, o tubo de Pitot (principal instrumento que permite a medição da velocidade da aeronave) ficou preso no gelo enquanto a aeronave passava por uma nuvem, bloqueando o instrumento e indicando uma velocidade inferior à velocidade real da aeronave De plus, Além disso, o alarme destinado a sinalizar um problema com o instrumento não soou. Acreditando que a aeronave estava voando a uma velocidade perigosamente baixa, os pilotos aumentaram a potência dos motores. Isso resultou na ultrapassagem da velocidade máxima de cruzeiro e, em particular, a velocidade máxima foi excedida permitindo a implantação dos dispositivos de alta elevação. A força do fluxo de ar nesta velocidade danificou os dispositivos, impossibilitando o controle da aeronave, que afundou. Durante a descida, a caixa-preta registrou uma passagem de 300 a 800 km/h em três segundos, o que pode estar relacionado a um degelo do tubo de Pitot. Especialistas calcularam que o avião caiu verticalmente a uma velocidade de 1 200 km / h, deixando uma cratera de impacto de 70 metros de diâmetro e 10 metros de profundidade.[3]

O filme Fuerza aérea sociedad anónima [es] do ex-piloto Enrique Piñeyro retorna sobre a principal causa deste acidente.

NotasEditar

Referências

  1. a b «Descrição do acidente». Aviation Safety Network (em inglês). 12 de outubro de 2020 
  2. «Kirchner quiere investigar a fondo la tragedia de Fray Bentos» [Kirchner quer investigar a fundo a tragédia de Fray Bentos]. Territoriodigital.com (em espanhol). 27 de julho de 2005. Consultado em 12 de outubro de 2020 
  3. «Fuerza aérea sociedad anónima». IMDb (em inglês). Consultado em 12 de outubro de 2020 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar