Voo Lufthansa CityLine 5634

Em 6 de janeiro de 1993, o Voo Lufthansa Cityline 5634 partiu do aeroporto de Bremen com destino ao aeroporto de Paris-Charles de Gaulle às 17h30. O voo foi operado por um Dash-8-300,[1] preifxo D-BEAT com 23 passageiros e tripulantes.

Voo Lufthansa CityLine 5634
D-BEAT, a aeronave envolvida no acidente em maio de 1992
Sumário
Data 6 de janeiro de 1993 (29 anos)
Causa Colisão com o solo antes da cabeceira da pista por erro do piloto
Local Perto do Aeroporto Internacional Charles de Gaulle, Paris,  França
Origem Aeroporto de Bremen, Bremen,  Alemanha
Destino Aeroporto Internacional Charles de Gaulle, Paris,  França
Passageiros 19
Tripulantes 4
Mortos 4
Feridos 19
Sobreviventes 19
Aeronave
Modelo Bombardier DHC-8-300
Operador Alemanha Lufthansa CityLine
Prefixo D-BEAT
Primeiro voo 14 de agosto de 1990

Quando o Voo 5634 estava se aproximando de Paris, um Boeing 747 da Korean Air raspou um casulo de motor ao pousar, fazendo com que os controladores fechassem a pista brevemente. Os pilotos foram notificados para mudar o curso para outra pista. Enquanto estava nas nuvens e com forte nevoeiro na final curta, o avião entrou em uma razão de subida e bateu no solo com a cauda. A aeronave se partiu em duas partes, mas não houve fogo. O acidente matou 4 passageiros e mais 19 ficaram feridos.[2]

Aeronave e tripulaçãoEditar

A aeronave envolvida no acidente era um Bombardier Dash-8 com prefixo D-BEAT, propulsionado por dois motores turboélices Pratt & Whitney PW123. A aeronave fez seu primeiro voo em 14 de agosto de 1990 e foi entregue à Contact Air em 26 de agosto. A Contact Air operou inicialmente a aeronave para a Deutsche Lufttransport-Gesellschaft (DLT), predecessora da Lufthansa CityLine. Um ano e meio depois, a DLT assumiu a aeronave, mas ainda tinha a Contact Air operando-a em seu próprio nome.[3] No momento do acidente, a aeronave tinha 5.973 horas de operação. De acordo com os documentos de voo, os limites de carga permitidos não foram excedidos e a posição do centro de gravidade da aeronave foi mantida.

Na época do acidente, o capitão de 54 anos tinha sua licença de piloto comercial há cerca de seis anos e tinha uma experiência de voo de 11.924 horas, das quais 2.003 neste tipo de aeronave. O primeiro oficial de 25 anos, que estava encarregado dos controles no momento do acidente, tinha seu certificado de piloto há um ano e meio e uma experiência de voo de 500 horas, 293 das quais neste tipo de aeronave.

AcidenteEditar

A aeronave decolou de Bremen às 17h30 como planejado e subiu para sua altitude de cruzeiro de 24.000 pés (7.315 m). 25 minutos antes do acidente, a tripulação recebeu a primeira permissão para sair e finalmente, a uma altitude de 4.000 pés (1.219 m), tomar o trajeto de planeio ILS para a pista 27, que aconteceu às 19h14, a cerca de 25 quilômetros da pista.

Pouco tempo depois, um Boeing 747 da Korean Air tocou o solo quando uma peça dos motores caiu ao aterrissar na pista 27, onde esta pista foi fechada pelo controle de tráfego aéreo brevemente. O controlador de tráfego aéreo perguntou à tripulação do Voo 5634 se eles poderiam fazer uma curva à esquerda para acomodar o trajeto de planeio ILS da pista 28, paralela e 15 metros mais longa. O capitão encarregado das comunicações afirmou que podiam. O controlador de tráfego aéreo encaminhou o Voo 5634 para a pista sul, que informou à tripulação que estava a 1,5 milhas da cabeceira da pista. Foi perguntado aos pilotos se eles já podiam ver a pista. Eles responderam de forma negativa e disseram que a aeronave estava em uma espessa cobertura de nuvens. O controlador de tráfego aéreo então instruiu a tripulação a manter o rumo atual e a se preparar para uma possível aproximação falhada. Quando o controlador de tráfego aéreo informou a tripulação às 19h19 que eles estavam apenas cruzando o limite da pista, a aeronave desapareceu do radar quase simultaneamente. Da mesma forma, os pilotos não responderam mais às suas mensagens de rádio. Às 19:20, a torre de controle declarou portanto, uma emergência.

Os destroços da aeronave, que haviam deslizado 400 m acima do solo após o impacto, foram encontrados por volta das 19:55 em uma depressão a 1 km da cabeceira da pista e cerca de 500 m ao norte da pista de aproximação habitual. Quatro passageiros, incluindo uma criança, morreram no acidente. Além disso, cinco pessoas foram gravemente feridas e outras onze pessoas ficaram levemente feridas, incluindo os quatro membros da tripulação. Quatro passageiros permaneceram ilesos. A aeronave foi dada como perda total devido aos danos.

No momento do acidente, um vento sudoeste no aeroporto de 190 a 200 graus de direção e com velocidade de 10 a 14 nós. A visibilidade no solo estava entre 700 e 1400 metros. A base das nuvens estava entre 200 e 600 pés com uma umidade de 100% e uma temperatura de cerca de 9° C.

Causa do acidenteEditar

A investigação descobriu que o primeiro oficial desativou o piloto automático 80 segundos antes do impacto e outro dez segundos depois desativou as duas manetes de empuxo estavam em marcha lenta. O tipo de aeronave não tem controle automático de empuxo. O sistema de alerta de proximidade ao solo (GPWS) indicou o alarme "SINK RATE" 53 segundos antes do impacto. Em seguida, alarmes "TERRAIN" e "PULL UP" foram ouvidos durante 47 segundos até o impacto.

O acidente foi causado pela má conduta da tripulação, embora as condições climáticas, especialmente a visibilidade e a cobertura de nuvens, fossem deterioradas e a exigente manobra swing-over exigisse ainda mais concentração. Os pilotos não notaram sua taxa de afundamento muito alta ou notaram isso tarde demais, embora o GPWS tenha emitido inúmeros avisos acústicos. Além disso, eles esqueceram de ativar os hipersustentadores para estender a aeronave sem ter que usar a velocidade para evitar um estol mais rapidamente. Conforme indicado pelo controlador de tráfego aéreo, a tripulação teria que realizar uma arremetida na ausência de referências visuais e realizar um procedimento de aproximação frustrada.

ConsequênciasEditar

Após o acidente, a gestão da Lufthansa CityLine foi criticado na mídia. Dizia-se que era um "pacote trapaceiro", pois os voos eram operados por companhias externas que não cumpriam os padrões usuais de treinamento e segurança dos pilotos da Lufthansa.[4]

Referências

  1. «D-BEAT Lufthansa CityLine De Havilland Canada DHC-8-311 Dash 8 - cn 210». www.planespotters.net. Consultado em 31 de maio de 2016 
  2. Ranter, Harro. «ASN Aircraft accident de Havilland Canada DHC-8-311 D-BEAT Paris-Charles de Gaulle Airport (CDG)». aviation-safety.net. Consultado em 19 de novembro de 2020 
  3. Relatório oficial do acidente (PDF; 12,9 MB) da francesa Bureau d’Enquêtes et d’Analyses pour la sécurité de l’aviation civile (em francês)
  4. «DER SPIEGEL | Online-Nachrichten». www.spiegel.de. Consultado em 19 de novembro de 2020 

Ligações externasEditar