Abrir menu principal

War Pigs

canção de Black Sabbath
"War Pigs"
Single de Black Sabbath
do álbum Paranoid
Lançamento 18 de setembro de 1970
Formato(s) 7" Single (45 RPM)
Gênero(s) Heavy metal
Duração 7:58
Gravadora(s) Vertigo Records
Composição Ozzy Osbourne
Tony Iommi
Geezer Butler
Bill Ward
Produção Rodger Bain
Cronologia de singles de Black Sabbath
"Fairies Wear Boots"
(1971)

"War Pigs" é uma canção da banda britânica de heavy metal Black Sabbath. Ela é a primeira canção do álbum Paranoid, de 1970.

Índice

Visão geralEditar

O título original de "War Pigs" foi "Walpurgis", relacionando com o sabbat das bruxas.[1][2] "Walpurgis é como o Natal para os satanistas. E para mim, a guerra era o grande Satanás", disse o baixista e letrista Geezer Butler, que também acrescentou:

Antes de seu lançamento oficial, a banda geralmente alterava as letras significativamente ao realizá-la ao vivo.[4] Um exemplo disso pode ser encontrado na compilação de Ozzy Osbourne, The Ozzman Cometh, que apresenta uma versão inicial gravada pelo Black Sabbath para a BBC Radio 1 em 26 de abril de 1970.[5] Enquanto Butler disse que "War Pigs" é "totalmente contra a Guerra do Vietnã, sobre como esses ricos políticos e pessoas ricas iniciam todas as guerras para seu benefício e que todos os pobres morrem por eles",[6] o vocalista Ozzy Osbourne afirmou que o grupo "não sabia nada sobre o Vietnã. É apenas uma música anti-guerra."[7] O outro som instrumental é intitulado "Luke's Wall".[8]

A primeira lembrança do baterista Bill Ward de tocar a canção foi no The Beat Club, Suíça, em 1968.[6] A banda era obrigada a tocar vários conjuntos a cada noite e tinha pouco material em seu repertório nesse ponto, então eles iriam realizar longas sessões de jam para preencher os sets.[1] Iommi disse que "War Pigs" se originou de uma dessas sessões de jam.[9]

A adição da sirene de ataque aéreo e a aceleração do final da música foram feitas pelo produtor Rodger Bain e pelo engenheiro Tom Allom. A banda não teve nenhuma contribuição nessas decisões, embora estivessem satisfeitas com os resultados.[1]

LegadoEditar

Martin Popoff chamou a canção de um "clássico feio e anti-guerra agora considerado uma das duas ou três composições mais duradouras do Sabbath".[4] Guitar World descreveu a canção como "a maior música de HM."[7] A revista também incluiu a canção em sua lista "100 Greatest Guitar Solos", na 56ª posição.[10] Steve Huey, escritor do AllMusic, chamou a canção de um "modelo."[11]

A canção é notável por sua publicação na revista americana de música folclórica Broadside, que normalmente não apresentava músicas de rock.[12]

Referências

  1. a b c Iommi, Tony (2011). Iron Man: My Journey Through Heaven and Hell with Black Sabbath. [S.l.]: Da Capo Press. ISBN 978-0-30681-9551 
  2. Alexander, Phil (1998). Reunion (Notas de mídia). Black Sabbath. Epic 
  3. Wiederhorn, Jon. «Black Sabbath Bassist Geezer Butler Gets 'Paranoid'» (em inglês). Noisecreep. Consultado em 16 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2013 
  4. a b Popoff, Martin (2006). Black Sabbath: Doom Let Loose: An Illustrated History. [S.l.]: ECW press. p. 32. ISBN 1-55022-731-9 
  5. The Ozzman Cometh liner notes, Epic Records, 11 November 1997.
  6. a b Popoff, Martin (2006). Black Sabbath: Doom Let Loose: An Illustrated History. [S.l.]: ECW press. p. 33. ISBN 1-55022-731-9 
  7. a b Clerk, Carol (2002). Diary of a Madman: Ozzy Osbourne: The Stories Behind the Songs. [S.l.]: Thunder's Mouth Press. p. 25. ISBN 978-1-56025-4720 
  8. Conforme observado nos rótulos de início presente no álbum Paranoid da Warner Bros. Records na América do Norte, (catalogo número WS 1887), Janeiro de 1971.
  9. Orshoski, Wes (2 de novembro de 2002). «Rhino Bows Sabbath Fete with Two-Disc Anthology». Billboard 
  10. «100 Greatest Guitar Solos: 51-100» (em inglês). Guitar World. Consultado em 16 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2013 
  11. Huey, Steve. «Allmusic (((Paranoid > Overview)))» (em inglês). AllMusic. Consultado em 16 de agosto de 2010. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2016 
  12. Kelly, John (11 de novembro de 2000). «Delivering a radical broadside» (em inglês). The Irish Times. Consultado em 15 de julho de 2015. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2017 

Ligações externasEditar