Abrir menu principal

Whitney Houston (álbum)

álbum por Whitney Houston
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, tente encontrar a página original e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Whitney Houston
Álbum de estúdio de Whitney Houston
Lançamento 14 de fevereiro de 1985 (1985-02-14)
Gravação 1983—85
Gênero(s)
Duração 46:54
Idioma(s) Inglês
Formato(s)
Gravadora(s)
Produção
Cronologia de Whitney Houston
Whitney
(1987)
Singles de Whitney Houston
  1. "Thinking About You"
    Lançamento: 11 de janeiro de 1985 (1985-01-11)
  2. "You Give Good Love"
    Lançamento: 22 de fevereiro de 1985 (1985-02-22)
  3. "All at Once"
    Lançamento: 24 de março de 1985 (1985-03-24)
  4. "Saving All My Love for You"
    Lançamento: 13 de agosto de 1985 (1985-08-13)
  5. "How Will I Know"
    Lançamento: 15 de fevereiro de 1986 (1986-02-15)
  6. "Greatest Love of All"
    Lançamento: 18 de março de 1986 (1986-03-18)

Whitney Houston é o álbum de estreia da artista musical norte-americana Whitney Houston. Foi lançado em 14 de fevereiro de 1985 pela Arista Records. Inicialmente teve uma recepção comercial lenta, mas começou a ficar mais popular no verão de 1985. Ele chegou ao topo da Billboard 200 e ficando por 14 semanas em 1986, teve três singles número um – "Saving All My Love for You", "How Will I Know" e "Greatest Love of All", originalmente gravado em 1977 por George Benson) – o que tornou-se o primeiro álbum de estreia e o primeiro de uma artista feminina solo a ter três singles número um na Billboard Hot 100.[3][4] O álbum liderou as paradas em muitos países, incluindo Canadá,[5] Austrália,[6] Noruega[7] e Suécia,[8] ficando em segundo lugar no Reino Unido,[9] Alemanha[10] e Suíça.[11] O álbum foi certificado como diamante pelas mais de 10 milhões de unidades comercializadas em 16 de março de 1999, e mais tarde certificado de platina triodécupla pela Recording Industry Association of America em 29 de julho de 1999,[12][13] tornando-se um dos 100 álbuns mais vendidos nos Estados Unidos.[14] Tendo vendido mais de 22 milhões de cópias em todo o mundo.[15][16]

Em 1986, no Grammy Awards de 1986, Whitney Houston recebeu quatro indicações; incluindo Album of the Year[17] e Best Female Pop Vocal Performance por "Saving All My Love for You", onde sagrou-se vencedor.[18] No Grammy Awards de 1987, o álbum ganhou uma indicação para o Record of the Year por "Greatest Love of All".[19] Em 2003, o álbum foi classificado em 254 na lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone.[20]

Em homenagem ao seu 25º aniversário, o álbum foi relançado como Whitney Houston – The Deluxe Anniversary Edition em 26 de janeiro de 2010, uma edição ampliada com cinco faixas bônus incluindo a versão a cappella de "How Will I Know" e o original, um livreto que acompanha a história do álbum original, juntamente com um DVD de performances ao vivo e entrevistas de Whitney Houston e Clive Davis.[21]

Índice

Antecedentes

 
Jermaine Jackson produziu e gravou duetos com Houston para o álbum.

Depois de ver Houston se apresentar em uma boate de Nova Iorque, Clive Davis acreditava que a cantora tinha o potencial de ser a próxima grande estrela. Ele a contratou em 1983 e os dois começaram a trabalhar em seu álbum de estreia. Inicialmente, Davis teve dificuldade em encontrar canções para o disco dela. Mesmo depois da exposição em Nova Iorque e Los Angeles, muitos produtores recusaram a chance de trabalhar com Houston.[22] Levou um ano e meio para Jerry Griffith, depois para o chefe da Arista's A&R e o ao homem que indicou Whitney a Davis, para conseguirem reunir músicas adequadas para o projeto.[22] Finalmente, o compositor-produtor Kashif ofereceu-se para produzir "You Give Good Love". Jermaine Jackson, que emergiu da sombra de seu irmão mais novo Michael, produziu três músicas. Narada Michael Walden veio para revisar e produzir "How Will I Know". E Michael Masser cobriu pro lado pop do disco, produzindo quatro de suas próprias composições, incluindo "Saving All My Love for You" e "Greatest Love of All", que foi originalmente gravado em 1977 por George Benson como "The Greatest Love of All". Após dois anos de gravação, o álbum ficou pronto para ser lançado. Tendo um orçamento de 200 mil dólares, com um custo de quase 400 mil dólares.[22]

Recepção crítica

Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
AllMusic      [23]
Entertainment Weekly A-[24]
Los Angeles Times     [25]
PopMatters 7/10[26]
Q      [27]
The Rolling Stone Album Guide      [28]
The Village Voice C[29]

Em uma crítica positiva ao The New York Times, Stephen Holden escreveu, "junto com uma inocência romântica atraente, [Houston] projeta a dignidade e a elegância de alguém muito mais maduro".[30] Liam Lacey do The Globe and Mail disse que "os arranjos freqüentemente fazem fronteira com fórmulas, mas baladas como "Saving All My Love for You", "Greatest Love of All," e "Hold Me" são alguns das canções de uma das mais adoráveis ​​cantoras pop em vinil desde os dias de glória de Dionne Warwick". Lacey acrescentou: "Houston tem uma voz sedosa, rica e vibrante que se move entre as bordas de aço, ou se enrola sensualmente ao redor das notas".[31] Los Angeles Times elogiou Houston por sua excelente habilidade vocal, escrevendo: "nem os arranjos freqüentemente apáticos nem o material medíocre deste disco de estréia oculta o fato de que Houston é uma cantora com enorme poder e potencial" em suas resenhas para os lançamentos de 1985.[25]

Don Shewey, da Rolling Stone, descreveu-a como "uma das novas vozes mais empolgantes em anos" e afirmou: "Porque ela tem uma voz tecnicamente polida como a de Patti Austin, sua abordagem interpretativa é o que a diferencia"e "Whitney Houston, obviamente, está indo para o estrelato, e se nada mais, seu álbum é uma prévia emocionante das próximas atrações". Mas ele expressou um pouco de desapontamento com a falta de distinção entre as músicas de soul pop, comentando que "muitas das músicas aqui são tão sem feições que poderiam ser cantadas por qualquer um. Elas fazem o que poderia ter sido uma estréia impressionante parecer meramente promissora".[1] Em seu guia do consumidor para The Village Voice, Robert Christgau elogiou a "voz doce e escultural" de Houston, mas chamou as canções de "chatas" e acreditava que "apenas um dos quatro produtores coloca um zip - Narada Michael Walden, que faz um por um".[29]

Stephen Thomas Erlewine do AllMusic definiu Whitney Houston como "a base da diva-pop" e afirmou que certamente, as baladas como "Greatest Love of All" e "Saving All My Love for You", forneceram "um modelo para divas de outras décadas". No entanto, ele deu notas mais altas para as faixas mais leves como "How Will I Know" e "Thinking About You", comentando que essas faixas "são o que realmente impressiona mais de 20 anos" e "transforma o álbum em um álbum completo, a rara estréia que consegue telegrafar todos os aspectos da carreira de um artista em meras dez canções".[23] Brad Wete, em um artigo para celebrar o 15º aniversário da revista Vibe em setembro de 2008, escreveu "nunca antes uma mulher afro-americana ganhou tal atenção tão cedo em sua carreira. [...] [Houston] teve uma estréia solo explosiva" e comentou "o prodigioso conjunto pop de Whitney [...] era uma porção recente de talento precoce comparado ao buffet R&B de sabor levemente elaborado em 1985".[32] Allison Stewart do The Washington Post afirmou que o álbum "forneceu um modelo para as carreiras de Mariah Carey e outros artistas pop/R&B, e apresentou ao mundo "The Voice", uma oitava-extensão, gravitacional- desafiando a maravilha melismática".[2] No The New Rolling Stone Album Guide (2004), o jornalista de música J. D. Considine deu ao álbum três de cinco estrelas e declarou: "Embora totalmente calculista, Whitney Houston tem seus momentos, particularmente quando Houston se inclina em direção ao R&B, como em 'You Give Good Love'".[28]

Prêmios e indicações

O álbum recebeu boa resposta das principais publicações. Três grandes críticos do Los Angeles Times listaram o álbum em sua lista de críticos de fim de ano. O álbum ficou em #79 na lista de Robert Hilburn,[33] #2 na lista de Paul Grein e #5 na lista de Dennis Hunt.[34] Em novembro de 2003, o álbum foi classificado #254 na publicação dos na lista dos 500 melhores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone, e classificado #46 na lista dos 200 álbuns definitivos do Rock and Roll Hall of Fame.[35] Além disso, ficou em 71º lugar na lista das "100 mulheres que balançam o mundo", da revista Q, em 2002, e ficou em #15 no Yahoo! Music, também figurou na lista dos 30 álbuns mais significativos pela Black Music History em 2010, com os comentários de Brandy sobre o álbum; "O primeiro CD de Whitney Houston foi genial. Esse CD apresentou ao mundo sua voz angelical, mas poderosa. Sem Whitney, muitos dessa geração de cantores não cantariam".[36][37] Em 2013, o álbum foi introduzido no Hall da Fama do Grammy[38] dando a Houston seu 1º Hall da Fama e seu sétimo Grammy Award.

Grammy Awards

No 28º Grammy Awards, em 1986, Whitney Houston recebeu quatro indicações - Álbum do Ano, Melhor Performance Vocal Pop, Feminino por "Saving All My Love for You", Best Female R&B Vocal Performance por "You Give Good Love" e Best Rhythm & Blues Song para "You Give Good Love" - ​​e ganhou o primeiro Grammy de Houston, por Melhor Performance Vocal Pop, Feminino.[17][18] Além disso, o álbum ganhou uma indicação para Record of the Year em 1987 por "Greatest Love of All", um cover de "The Greatest Love of All", originalmente gravado por George Benson em 1977.[19]

Polêmica sobre artista revelação

Em fevereiro de 1986, a polêmica foi causada no 28º Grammy Awards pela ausência do nome de Whitney Houston para o Artista Revelação.[39][40] Embora Whitney Houston seja seu álbum de estreia, lançado em 1985, ela não foi nomeada nessa categoria por causa de sua desqualificação como artista revelação. Ao ouvir que Houston teria negada a oportunidade de competir na categoria Artista Revelação em 1985, Clive Davis, então presidente da Arista Records, enviou uma carta de reclamação a Michael Greene, presidente da Academia Nacional de Artes e Ciências de Gravação (NARAS), e foi dito que "Whitney foi banida do círculo de novatos porque ela apareceu como vocalista de dueto em uma música do álbum de Jermaine Jackson, e outra no álbum de retorno de Teddy Pendergrass, ambos no ano anterior (1984)". Ele alegou que "Whitney era simplesmente uma vocalista desconhecida fazendo uma participação especial em apenas uma das oito ou nove músicas contidas no álbum de um grande artista. Ela não era nem mesmo membro de uma dupla artística contínua. Whitney era [...] apenas um vocalista em destaque, não o artista, e certamente não o ponto focal da música". Mas Green respondeu a ele, escrevendo: "A regra que desclassificou Whitney é perfeitamente clara. Diz: Um artista não é elegível na categoria de novo artista se o artista tiver crédito de selo ou crédito de álbum.[41]

Davis, em seu comentário na revista Billboard de 18 de janeiro de 1986, apontou a má aplicação do significado literal ou as regras do conselho de administração, afirmando que "[perfeitamente claro] é freqüentemente uma questão de opinião. tornou-se óbvio que essa regra do NARAS havia sido interpretada muito liberalmente no passado".[41] De acordo com sua resenha de cada vencedor e candidato, alguns artistas como Cyndi Lauper, Luther Vandross, the, Carly Simon, e Crosby, Stills & Nash, já haviam recebido créditos em outros álbuns ou foram anteriormente conhecidos como um membro de outros projetos antes de suas indicações ao Grammy.[41] Ele acrescentou que "é uma injustiça visível que Whitney não vai estar recebendo sua indicação. Quando alguém vem e faz um impacto como o de Whitney, vai ser uma grande surpresa para algumas pessoas que, de acordo às regras do NARAS, às vezes as revelações não são revelações".[41]

Apesar da refutação de Davis, o NARAS manteve sua decisão de proibir Whitney Houston de concorrer como melhor nova artista na votação. Green, em um comunicado, disse que "A determinação de elegibilidade ou inelegibilidade na categoria revelação não é feita caprichosamente ou levada a sério. [...] Se diferenças de opinião surgirem quanto à extensão de identidade que um artista solo pode ter teve com um grupo previamente lançado, nós tomamos um voto e respeitamos a maioria".[42] Green observou firmemente que "as duas gravações em dueto de Houston foram inscritas no processo do Grammy Awards de 1984 para consideração da indicação. Isso por si só foi suficiente para torná-la inelegível este ano para melhor nova artista de acordo com os critérios da academia".[42] Finalmente, o NARAS indicou a-ha, Freddie Jackson, Katrina e os Waves, Julian Lennon e Sade como Artista Revelação. O prêmio foi para Sade.[39]

Mas depois de 1986, sempre que a controvérsia envolvendo Grammy Award de Artista Revelação surgiu, a inelegibilidade de Houston para essa categoria era frequentemente mencionada. Esses foram os casos com os vencedores anteriores, como Jody Watley, de 1988, e Lauryn Hill, de 1999 , que estabeleceram suas "identidades públicas" através de seu trabalho com Shalamar e os Fugees, respectivamente. Quando Shelby Lynne recebeu o troféu em 2001, mais de uma década depois de traçar vários singles nas paradas do país, também o fez. Richard Marx, considerado inelegível para nomeação como Melhor Artista Revelação em 1988, colocou-o no NARAS sobre sua inconsistência, no artigo sobre ele na revista Orange Coast, dizendo o seguinte: "[...] Mas Whitney Houston também pela mesma razão. E francamente, eu não tenho muito respeito pelo NARAS, o sistema governamental do Grammy, porque é tão inconsistente. Eles consideraram eu e a Whitney Houston inelegíveis, e mesmo assim eles nomearam Jody Watley, que fez discos com Shalamar".[43]

Em 2000, Geoff Mayfield, da revista Billboard, em sua coluna, criticou o NARAS por sua aplicação vaga de critérios, comentando que "a Academia Nacional de Artes e Ciências de Gravação precisa novamente reescrever sua definição de [artista revelação]".[44] (As diretrizes oficiais dizem, "para um novo artista que lança, durante o ano de elegibilidade, a primeira gravação que estabelece a identidade pública daquele artista"). Ele acrescentou que "a categoria já teve suas reviravoltas. Em 1986 Whitney Houston não foi considerada porque, antes do lançamento do álbum Whitney Houston, em 1985 , ela havia aparecido em um single de Teddy Pendergrass em 1984. Mas em 1988, Jody Watley, que estava com Shalamar, ganhou o Grammy de artista revelação".[44]

Singles

A gravadora, querendo que Houston tivesse uma sólida base de fãs urbanos primeiro, lançando "You Give Good Love" como o primeiro single.[22] A balada cheia de soul estave no topo da parada de R&B e surpreendeu a gravadora ao cruzar e alcançar o número três na parada pop enquanto a cantora tocava em boates nos Estados Unidos.[45][46] O jazzy-pop "Saving All My Love for You" foi lançado em seguida tornando-se um sucesso ainda maior, atingindo o número um na Billboard Hot 100 chart.[47] Ele alcançaria o número um no Reino Unido e foi bem sucedido em todo o mundo.[48] Com seu primeiro número um, Houston começou a aparecer em talk shows de alto padrão e se tornou o artista de abertura de Jeffrey Osborne e Luther Vandross. "Thinking About You" foi lançado como single apenas para estações de rádio orientadas para R&B. Atingindo o número 10 na parada Hot Black Singles e no número 24 na parada Hot Dance/Disco Club Play.[49][50]

Em 1985, "How Will I Know" foi lançado como o terceiro single oficialmente. Com o seu vídeo colorido e energético, a música apresenta a cantora para os adolescentes e para a MTV, que os artistas negros tradicionalmente acham difícil de entrar.[22] Tornou-se outro single número um de Houston, no topo da Billboard Hot 100 Singles e Hot Black Singles, respectivamente.[51][52] O último single, "Greatest Love of All", é um cover de "The Greatest Love of All", originalmente gravado em 1977 por George Benson e se tornou o maior hit do álbum com uma estadia de três semanas no Hot 100. Como resultado, tornou-se o primeiro álbum de estréia - e o primeiro álbum de uma artista feminina - a gerar três singles número um.[4] Com "Greatest Love of All" e o álbum de estreia de Houston, ambos na posição # 1 na parada de singles e álbuns, respectivamente, ela se tornou a primeira artista feminina a ter o single e álbum número um simultaneamente desde Kim Carnes com "Bette Davis Eyes" e Mistaken Identity, em 1981.[4] "All at Once" foi lançado apenas para estações de Adult Contemporary como um single de airplay de rádio somente em 1986. Ele recebeu airplay pesado e ainda pode ser ouvido em estações de AC. No entanto, o single recebeu um lançamento oficial no Japão e em muitos países europeus.

Desempenho comercial

Lançado em 14 de fevereiro de 1985, Whitney Houston estreou na Billboard Top Albums Chart na semana de 30 de março de 1985, no número 166.[53] As vendas foram baixas inicialmente. No entanto, com o sucesso do primeiro single' "You Give Good Love", o álbum começou a subir nas paradas e finalmente alcançou o número um na Billboard Top R&B/Hip-Hop Albums (anteriormente "Top Black Albums") em junho e o top 10 na Billboard 200 (ex-"Top Pop Albums") em agosto de 1985.[54][55] Graças a sucessivos sucessos e a vitória no Grammy, eventualmente Whitney Houston liderou a Billboard 200 álbuns em março de 1986.[56] Com o álbum tendo 55 semanas para chegar ao número um, tornando-se a mais lenta subida para o topo das paradas desde que Fleetwood Mac levou cinquenta e oito semanas para chegar ao topo em 1976, com o segundo álbum da banda o homônimo.[57][58]

O Whitney Houston passou 14 semanas não consecutivas no topo da Billboard 200, de março até o final de junho de 1986, o que foi uma semana para o recorde de 15 semanas de Carole King para o álbum mais antigo de uma artista feminina.[3] Foi o segundo co mais tempo no nº 1 entre os álbuns de estreia da história da Billboard, atrás de Business as Usual de Men at Work, que teve 15 semanas no topo entre 1982-83.[3] O álbum permaneceu na Billboard 200 por 162 semanas.[59] Ele também passou 46 semanas no top 10, igualando o recorde de Carole King com Tapestry.[60] Mas o recorde foi quebrado mais tarde por alguns artistas nos anos 1990- Forever Your Girl de Paula Abdul, Jagged Little Pill de Alanis Morissette e Falling into You de Celine Dion. A estréia de Houston foi o álbum mais vendido de 1986 nos Estados Unidos e o álbum número 1 do ano nas paradas de fim de ano de 1986 da Billboard, fazendo dela a primeira artista feminina a conquistar essa distinção.[61][62] Ela se tornou também a artista pop número 1 do ano.[63] A RIAA o certificou como diamante em 16 de março de 1999 e posteriormente 13× platina em 29 de julho de 1999, pelas mais de 13.000.000 cópias comercializadas do álbum nos Estados Unidos.[12][13]

O álbum foi bem sucedido em todo o mundo. No Reino Unido, alcançou o segundo lugar na parada de álbuns, passando 119 semanas no gráfico.[9][64] Foi certificado 6× platina pelas vendas de 1.800.000 unidades do álbum pela British Phonographic Industry (BPI), tornando-se o quinto álbum mais vendido de 1986.[65][66] No Canadá, o álbum alcançou o primeiro lugar na parada de álbuns e permaneceu lá por 17 semanas para se tornar a mais longa estadia de uma artista feminina. Em 31 de março de 1987, foi certificado 10× platina pelas vendas de mais de um milhão de cópias, tornando-se o álbum mais vendido de 1986 e, mais tarde, diamante, pela Canadian Recording Industry Association(CRIA).[67][68] Whitney Houston também foi o álbum mais vendido em 1986 na Austrália, ficando em primeiro lugar na parada de álbuns do Kent Music Report por 11 semanas, a mais longa permanência de uma artista feminina na época.[69] Tornou-se a primeira vez que um artista afro-americano tinha um álbum número 1 na Austrália. No Japão, o álbum foi classificado como número dois na lista de 1986 do álbum mais vendido por uma artista estrangeiro, com um total de 450.000 unidades com vendas combinadas do LP, CD e Compact Cassette, atrás apenas de True Blue de Madonna.[70] Além disso, o álbum alcançou o número um na parada de álbuns na Noruega por dez semanas, na Suécia por seis semanas e na África do Sul por cinco semanas, o número dois na Alemanha, Suíça e o número três na Áustria e Nova Zelândia.[71][7][8][10][11][72][73] Em todo o mundo, o Whitney Houston vendeu mais de 22 milhões de cópias, tornando-se um dos álbuns mais vendidos nos anos 80.[15][16] De acordo com o Nielsen SoundScan começou a rastrear dados de vendas em 1991, até 2009, o álbum vendeu mais de 1.038.000 cópias nos Estados Unidos.[74]

Na semana que terminou em 12 de fevereiro de 2012, após a morte de Houston, em 11 de fevereiro, o álbum foi re-estreou na Billboard 200, número 72, com 8 mil cópias vendidas.[75]

Faixas

Edição Original[76]
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "You Give Good Love"  La LaKashif 4:37
2. "Thinking About You"  
  • Kashif
  • La La
Kashif 5:24
3. "Someone for Me"  
  • Raymond Jones
  • Freddie Washington
Jermaine Jackson 4:58
4. "Saving All My Love for You"  
  • Gerry Goffin
  • Michael Masser
Masser 3:58
5. "Nobody Loves Me Like You Do" (dueto com Jermaine Jackson)
  • James P. Dunne
  • Pamela Phillips
Jackson 3:48
6. "How Will I Know"  
Walden 4:35
7. "All at Once"  Masser 4:28
8. "Take Good Care of My Heart" (dueto com Jermaine Jackson)
  • Peter McCann
  • Steve Dorff
Jackson 4:15
9. "Greatest Love of All"  
Masser 4:51
10. "Hold Me" (dueto com Teddy Pendergrass)
  • Creed
  • Masser
Masser 6:00
Duração total:
47:23
Edição Japonesa
N.º TítuloCompositor(es)Produtor(es) Duração
1. "How Will I Know"  
  • George Merrill
  • Shannon Rubicam
  • Narada Michael Walden
Walden 4:35
2. "All at Once"  Masser 4:28
3. "Take Good Care of My Heart" (dueto com Jermaine Jackson)
  • Peter McCann
  • Steve Dorff
Jackson 4:15
4. "Greatest Love of All"  
Masser 4:51
5. "Hold Me" (dueto com Teddy Pendergrass)
  • Creed
  • Masser
Masser 6:00
6. "You Give Good Love"  La LaKashif 4:37
7. "Thinking About You"  
  • Kashif
  • La La
Kashif 5:24
8. "Someone for Me"  
  • Raymond Jones
  • Freddie Washington
Jermaine Jackson 4:58
9. "Saving All My Love for You"  
  • Gerry Goffin
  • Michael Masser
Masser 3:58
10. "Nobody Loves Me Like You Do" (dueto com Jermaine Jackson)
  • James P. Dunne
  • Pamela Phillips
Jackson 3:48
Duração total:
47:23

Ficha técnica

  • Whitney Houston - vocal principal
  • Jermaine Jackson - dueto de vocais
  • Teddy Pendergrass - vocais dueto
  • Premik Russell Tubbs - saxofone
  • John Barnes - clarinete - teclados
  • Robbie Buchanan - teclados
  • Randy Kerber - teclados
  • Yvonne Lewis - teclados
  • Richard Marx - teclados
  • Nathan East - baixo
  • Freddie Washington - baixo
  • Randy Jackson - baixo
  • Preston Glass - sintetizador
  • Greg Phillinganes - sintetizador
  • Ed Greene - bateria
  • John "JR" Robinson - bateria
  • JT Lewis - bateria
  • Steve Rucker - bateria
  • Paul Leim - bateria
  • Cissy Houston - vocais de fundo
  • Julia Tillman Waters - vocais de fundo
  • Maxine Willard Waters - vocais de fundo
  • Oren Waters - vocais de fundo
  • Yogi Lee - vocais de fundo
  • Mary Canty - vocais de fundo
  • Deborah Thomas - vocais de fundo
  • Paul Jackson Jr. - guitarra
  • Dann Huff - guitarra
  • Tim May - guitarra
  • Ira Siegel - violão
  • David Williams - violão
  • Louie Shelton - guitarra
  • Jermaine Jackson - produtor, vocais de fundo
  • Michael Masser - produtor
  • Clive Davis - produtor executivo
  • Michael Barbiero - mixagem, engenheiro
  • Michael Mancini - engenheiro
  • Michael O'Reilly - engenheiro de mixagem
  • Russell Schmitt - engenheiro
  • Bill Schnee - mixagem
  • Gene Page Jr. - arranjos
  • Kashif - arranjos, produtor
  • Narada Michael Walden - arranjos, produtor
  • Donn Davenport - direção de arte
  • Garry Gross - fotógrafo
  • Tiagi Lambert - estilista de moda
  • Giovanne De Maura - vestido
  • Norma Kamali - fato de banho
  • Quietfire - maquiagem
  • Brenda Gorsky - coordenadora
  • Jeffrey Woodly - cabeleireiro

Desempenho nas tabelas musicais

Vendas e certificações

Região Certificação Vendas
Alemanha (BVMI)[104]   Platina 500,000^
Austrália (ARIA)[105]   4× Platina 280,000^
Áustria (IFPI Áustria)[106]   Platina 50,000*
Bélgica (BEA)[105]   Ouro 25,000*
Canadá (Music Canada)[67]   Diamante 1,000,000^
Dinamarca (IFPI Dinamarca)[105]   Ouro 50,000^
Estados Unidos (RIAA)[107]   Diamante 13,000,000^
França (SNEP)[108]   Ouro 100,000*
Finlândia (IFPI Finlândia)[109]   Ouro 29,109[109]
Hong Kong (IFPI Hong Kong Group)[110]   Ouro 20,000*
Itália (FIMI)[111]   Platina 250,000*
Japão (RIAJ)[112]   Diamante 1,000,000^
Noruega (IFPI Noruega)[113]   Platina 50,000*
Nova Zelândia (RMNZ)[114]   2× Platina 30,000^
Países Baixos (NVPI)[115]   Platina 100,000^
Reino Unido (BPI)[65]   6× Platina 1,800,000
Suécia (GLF)[116]   2× Platina 200,000^
Suíça (IFPI Suíça)[117]   Platina 50,000^

*números de vendas baseados somente em certificação
^números de distribuições baseados somente em certificação

Prêmios e Indicações

Ano Premiação Categoria Indicado Resultado
1986 Grammy Award[118] Melhor Performance Vocal Feminina Pop "Saving All My Love for You" Venceu
Álbum do Ano Whitney Houston Indicado
Melhor Performance Vocal Feminina de R&B "You Give Good Love" Indicado
American Music Awards[119] Álbum Favorito de Soul/R&B Whitney Houston Indicado
Single Favorito de Soul/R&B "You Give Good Love" Venceu
Vídeo Favorito de Soul/R&B "Saving All My Love for You" Venceu
MTV Video Music Awards[120] Melhor Vídeo Feminino "How Will I Know" Venceu
Melhor Artista Novo em Vídeo Indicado
Billboard The Year in Music & Video[121] Top Pop Album Whitney Houston Venceu
Top Black Album Venceu
1987 Grammy Award[122] Gravação do Ano "Greatest Love of All" Venceu
American Music Awards[123] Álbum Favorito de Pop/Rock Whitney Houston Venceu
Álbum Favorito de Soul/R&B Venceu
Vídeo Single Favorito de Soul/R&B "Greatest Love of All" Venceu
Soul Train Music Awards[124] Álbum do Ano Feminino Whitney Houston Indicado
Melhor Single Feminino "Greatest Love of All" Indicado

Ver também

Referências

  1. a b Shewey, Don. Review: Whitney Houston. Rolling Stone. Retrieved on February 13, 2012.
  2. a b Allison Stewart. «Recordings: With 'I Look to You,' Whitney Houston Eyes a Comeback». The Washington Post. Consultado em 18 de maio de 2019 
  3. a b c Paul Grein. Chart Beat: 'Youngster' Janet Jackson hits No.1. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  4. a b c Paul Grein. Chart Beat: Houston has 3rd No.1 from debut. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  5. a b «Whitney Houston on Canadian Albums Chart». RPM. Consultado em 18 de maio de 2019 
  6. a b c Kent, David (1993). Australian Chart Book 1970–1992. St Ives, New South Wales: Australian Chart Book. ISBN 0-646-11917-6  NOTE: Used for Australian Singles and Albums charting until ARIA created their own charts in mid-1988.
  7. a b «Whitney Houston on Norwegian Albums Chart». norwegiancharts.com. Consultado em 18 de maio de 2019 
  8. a b «Whitney Houston on Swedish Albums Chart». swedishcharts.com. Consultado em 18 de maio de 2019 
  9. a b «Whitney Houston on UK Albums Chart». The Official Charts Company. Consultado em 18 de maio de 2019 
  10. a b «Whitney Houston on German Albums Chart». Media Control Charts. Consultado em 18 de maio de 2019 
  11. a b c «Whitney Houston on Swiss Albums Chart». hitparade.ch. Consultado em 18 de maio de 2019 
  12. a b Larry Flick. Elton, Boyz, Joel Among Diamond Honorees. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 18 de maio de 2019 
  13. a b «Whitney Houston, RIAA Certification». Recording Industry Association of America. Consultado em 18 de maio de 2019 
  14. «Top 100 Albums». RIAA. Consultado em 18 de maio de 2019 
  15. a b «Inside Whitney's world». NBC News. Consultado em 18 de maio de 2019 
  16. a b Booker, Bobbi. «Philly reflects on Houston's legacy». The Philadelphia Tribune. Consultado em 18 de maio de 2019 
  17. a b Tina, Whitney Top Picks for Annual Grammy Awards (p57). Jet. [S.l.: s.n.] Consultado em 18 de maio de 2019 
  18. a b "We Are The World" Big Winner At 28th Grammys (p14). Jet. [S.l.: s.n.] Consultado em 18 de maio de 2019 
  19. a b «The 29th Grammy Awards Nominees & Winners». rockonthenet.com. Consultado em 18 de maio de 2019 
  20. «Rolling Stone The 500 Greatest Albums of All Time». Rolling Stone. Consultado em 18 de maio de 2019 
  21. «Whitney Houston (The Deluxe Anniversary Edition) (CD/DVD) [Original recording remastered]». Amazon.com. Consultado em 18 de maio de 2019 
  22. a b c d e Richard Corliss, Elizabeth L. Bland and Elaine Dutka. «Show Business: The Prom Queen of Soul (p6)». TIME. Consultado em 18 de maio de 2019 
  23. a b Erlewine, Stephen Thomas. Review: Whitney Houston. AllMusic. Retrieved on August 7, 2009.
  24. «Music Review: Whitney Houston: The Deluxe Anniversary Edition, by Whitney Houston». Entertainment Weekly. Consultado em 18 de maio de 2019 
  25. a b Columnist. Review: Whitney Houston. Los Angeles Times. Retrieved on August 7, 2009. Note: Original star ratings represented by (*) are not reprinted at the url page.
  26. http://www.popmatters.com/pm/review/121839-whitney-houston-whitney-houston-the-deluxe-anniversary-edition/
  27. Columnist. "Review: Whitney Houston". Q: 160. December 1999.
  28. a b Nathan Brackett, Christian David Hoard (ed.). The New Rolling Stone Album Guide. [S.l.]: Simon & Schuster. p. 396. ISBN 0-7432-0169-8. Consultado em 18 de maio de 2019 
  29. a b Robert Christgau. «Consumer Guide». The Village Voice. Consultado em 18 de maio de 2019 
  30. Stephen Holden. «CRITICS' CHOICES; Pop Music (Whitney Houston, The New York Times Review)». The New York Times. Consultado em 18 de maio de 2019 
  31. Liam Lacey. «Review: Whitney Houston». The Globe and Mail. Consultado em 18 de maio de 2019 
  32. Wete, Brad. "The Beginning: Whitney Houston". Vibe: 106. September 2008.
  33. Hilburn, Robert. "Hilburn's Best LPs of 85". Los Angeles Times: 60. January 19, 1986.
  34. "Critics Top-10 Album Poll: Activism and Americanism". LA Times, Dec 29, 1985. Pg 61.
  35. «Definitive 200». The Rock and Roll Hall of Fame and Museum. Consultado em 18 de maio de 2019 
  36. «Q magazine's 100 Women Who Rock The World», Q, consultado em 18 de maio de 2019 
  37. Billy Johnson, Jr. «Brandy On Whitney Houston's Self-Titled Debut: Black Music Month Album Spotlight #15». Yahoo! Music. Consultado em 18 de maio de 2019 
  38. «Grammy Hall». New York: Grammy Awards. Consultado em 18 de maio de 2019 
  39. a b «Best new artist category causes Grammys' only stir». The Gazette. Canwest. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  40. «Controversy Again Casts Cloud Over Grammy Awards Program». Ocala Star-Benner. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  41. a b c d Clive Davis. Commentary: Denying Grammy Justice, What Does 'New Artist' Really Mean?. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  42. a b NARAS to Clive: We Stand Pat, Whitney's Not a New Artist. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  43. Keith Tuber. Music: Richard Marx Hits the Mark. Orange Coast Magazine. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  44. a b Geoff Mayfiled. Billboard magazine's Between The Bullets. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  45. The Billboard Hot Black Singles chart listing for the week of May 25, 1985. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  46. The Billboard Hot 100 Singles chart listing for the week of July 27, 1985. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  47. The Billboard Hot 100 Singles chart listing for the week of October 26, 1985. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  48. Hits of the World: "Saving All My Love for You" top the UK Singles chart. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  49. The Billboard Hot Black Singles chart listing for the week of December 14, 1985. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  50. The Billboard Hot Dance/Disco Club Play chart listing for the week of December 7, 1985. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  51. The Billboard Hot 100 Singles chart listing for the week of February 15, 1986. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  52. The Billboard Hot Black Singles chart listing for the week of March 8, 1986. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  53. The Billboard Top Pop Albums chart listing for the week of March 30, 1985. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  54. The Billboard Top Black Albums chart listing for the week of June 22, 1985. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  55. The Billboard Top Pop Albums chart listing for the week of August 31, 1985. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  56. The Billboard Top Pop Albums chart listing for the week of March 8, 1986. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  57. Paul Grein. Chart Beat: Houston climbs to the top in 50 weeks. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  58. DeKnock, Jan. "It Was A Short Run For Mr. Mister's 'Double'" Chicago Tribune. Mar 7, 1986, Page 48.
  59. «Whitney Houston total staying number of weeks on Billboard 200 chart». Billboard. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  60. Kolson, Ann. "At The Top Whitney Houston, Groomed For Stardom, Swiftly Ascended To Startling Heights". Philadelphia Inquirer. August 27, 1986. Pg G1.
  61. Billboard 1986 The Year in Music & Video Year-End Charts – Top Pop Album. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  62. Billboard 1986 The Year in Music & Video Year-End Charts – Top Pop Album Artist. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  63. Billboard 1986 The Year in Music & Video Year-End Charts – Top Pop Artist of the Year & Top Black Artist of the Year. Billboard. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  64. «Whitney Houston chart run on UK Albums chart». The Official UK Charts Company. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  65. a b «Certificações (Reino Unido) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em inglês). British Phonographic Industry. Consultado em 8 de junho de 2017 
  66. «The best-selling albums of 1986 in UK». The Official UK Charts Company. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  67. a b «Certificações (Canadá) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em inglês). Music Canada. Consultado em 8 de junho de 2017 
  68. «The RPM Top Pop Albums of 1986». RPM. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  69. Whitney Houston on Australian Albums Chart. Kent Music Report. [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  70. a b c «日本で売れた洋楽アルバムトップ10 (Top-ten international albums on the Japanese Oricon Year-End Charts 1986)». Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  71. a b «South African Divas Albums». Geo Cities. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  72. «Whitney Houston on Austrian Albums Chart». austriancharts.at. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  73. «New Zealand Albums Chart». RIANZ 
  74. Gary Trust. «Ask Billboard: Madonna vs. Whitney, Who's Sold More?». Billboard. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  75. a b http://www.billboard.com/articles/news/505707/whitney-houston-re-enters-top-10-on-billboard-200
  76. All Music (13 de junho de 2005). «Survivor» (em inglês). Consultado em 8 de março de 2010 
  77. Longplay-Chartverfolgung at Musicline (em alemão). Musicline.de. Media Control. Consultado em April 23, 2017.
  78. Whitney Houston - Whitney Houston (em alemão). Austriancharts.at. Hung Medien. Consultado em April 23, 2017.
  79. Whitney Houston Album & Song Chart History (em inglês). Billboard 200 para Whitney Houston. Prometheus Global Media. Consultado em April 23, 2017.
  80. Whitney Houston Album & Song Chart History (em inglês). Billboard Top R&B/Hip Hop Albums para Whitney Houston. Prometheus Global Media. Consultado em April 23, 2017.
  81. Whitney Houston – Whitney Houston (em francês). Lescharts.com. Hung Medien. Consultado em April 23, 2017.
  82. Whitney Houston – Whitney Houston (em inglês). Finnishcharts.com. Hung Medien. Consultado em April 23, 2017.
  83. Whitney Houston – Whitney Houston (em inglês). Italiancharts.com. Hung Medien. Consultado em April 23, 2017.
  84. Oricon Top 50 Albums (em japonês). Oricon. Consultado em April 23, 2017.
  85. Whitney Houston – Whitney Houston (em norueguês) Norwegiancharts.com. Hung Medien. Consultado em April 23, 2017.
  86. Whitney Houston – Whitney Houston (em inglês). Charts.org.nz. Hung Medien. Consultado em April 23, 2017.
  87. Whitney Houston | Artist | Official Charts (em inglês). UK Albums Chart. The Official Charts Company. Consultado em April 23, 2017.
  88. Whitney Houston – Whitney Houston (em inglês). Swedishcharts.com. Hung Medien. Consultado em April 23, 2017.
  89. Whitney Houston – Whitney Houston (em inglês). Swisscharts.com. Hung Medien. Consultado em April 23, 2017.
  90. «Whitney Houston on Austrian Albums Chart». austriancharts.at. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  91. «Ranking Semanal Pop» (em Spanish). Argentine Chamber of Phonograms and Videograms Producers. Consultado em 2 de janeiro de 2010  Note: Reader must define search parameters as "Ranking Semanal Pop" and "12/02/2012".
  92. «Music Albums, Top 200 Albums & Music Album Charts | Billboard.com». billboard.com. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  93. Official Rock & Metal Albums Chart Top 40 (em inglês). Official Charts Company. The Official Charts Company. Consultado em 2015-05-07.
  94. a b c «Year End Charts – Year-end Albums – The Billboard 200». Billboard.com. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  95. a b «Billboard R&B/Hip-Hop Albums (Whitney Houston. Billboard. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  96. «Top 100 Album-Jahrescharts 1986» (em German). GfK Entertainment. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  97. «Austriancharts.st – Jahreshitparade 1986». Hung Medien. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  98. «Archived copy». Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  99. «1986年アルバム年間ヒットチャート (Japanese Year-End Albums Chart 1986)» (em Japanese). Oricon. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  100. «Hitparade.ch – Schweizer Jahreshitparade 1986». Hung Medien. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  101. «Top Albums of 1986». everyhit.com. The Official Charts Company. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  102. «Hit Parade Italia – Gli album più venduti del 1987» (em Italian). hitparadeitalia.it. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  103. http://www.billboard.com/charts/year-end/2012/the-billboard-200
  104. «Gold-/Platin-Datenbank (Whitney Houston; 'Whitney Houston')» (em alemão). Bundesverband Musikindustrie. Consultado em 8 de junho de 2017 
  105. a b c Nick Robertshaw. «Houston Attains Global Stardom». Billboard. Consultado em 2 de janeiro de 2010 
  106. «Certificações (Áustria) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em alemão). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Áustria). Consultado em 8 de junho de 2017  Introduza Whitney Houston no campo Interpret. Introduza Whitney Houston no campo Titel. Seleccione álbum no campo Format. Clique Suchen.
  107. «Certificações (Estados Unidos) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em inglês). Recording Industry Association of America. Consultado em 8 de junho de 2017  Se necessário, clique em Advanced, depois clique em Format, e seleccione Album, e clique em SEARCH.
  108. «Certificações (França) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em francês). Syndicat National de l'Édition Phonographique. Consultado em 8 de junho de 2017 
  109. a b «Certificações (Finlândia) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em finlandês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Finlândia). Consultado em 8 de junho de 2017 
  110. «IFPIHK Gold Disc Award − 1988». Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Hong Kong). Consultado em 8 de junho de 2017 
  111. «A Platinum Debut» (PDF). Music & Media. Consultado em 8 de junho de 2017 
  112. «Certificações (Japão) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em japonês). Recording Industry Association of Japan. Consultado em 8 de junho de 2017 
  113. «Certificações (Noruega) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em noruguês). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Noruega). Consultado em 8 de junho de 2017 
  114. «Certificações (Nova Zelândia) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em inglês). Recorded Music NZ. Consultado em 8 de junho de 2017 
  115. «Certificações (Países Baixos) (álbum) – Whitney Houston – Whitney Houston» (em neerlandês). Nederlandse Vereniging van Producenten en Importeurs van beeld- en geluidsdragers. Consultado em 8 de junho de 2017 
  116. «Guld- och Platinacertifikat − År 1987−1998» (PDF) (em sueco). Federação Internacional da Indústria Fonográfica (Suécia). Consultado em 8 de junho de 2017 
  117. «The Official Swiss Charts and Music Community: Awards (Whitney Houston; 'Whitney Houston')» (em inglês). Hung Medien. Consultado em 8 de junho de 2017 
  118. «Rock On The Net: 28th Annual Grammy Awards - 1986». www.rockonthenet.com. Consultado em 25 de dezembro de 2018 
  119. Company, Johnson Publishing (20 de janeiro de 1986). Jet (em inglês). [S.l.]: Johnson Publishing Company 
  120. «VMA 1986 - MTV Video Music Awards». MTV. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  121. Inc, Nielsen Business Media (27 de dezembro de 1986). Billboard (em inglês). [S.l.]: Nielsen Business Media, Inc. 
  122. «Rock On The Net: 29th Annual Grammy Awards - 1987». www.rockonthenet.com. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  123. «Rock On The Net: 14th American Music Awards (presented in 1987)». www.rockonthenet.com. Consultado em 26 de dezembro de 2018 
  124. Weaver, Maurice. «`SOUL TRAIN` AWARDS ARE A 1ST FOR BLACK MUSIC». chicagotribune.com (em inglês). Consultado em 26 de dezembro de 2018 

Ligações externas