Abrir menu principal
Widerøe's Flyveselskap AS
IATA WF
ICAO WIF
Indicativo de chamada WIDEROE[1]
Fundada em 19 de fevereiro de 1934 (85 anos)
Principais centros
de operações

 • Aeroporto de Bergen, Flesland
 • Aeroporto de Bodø
 • Aeroporto de Oslo Gardermoen
 • Aeroporto de Sandefjord, Torp
 • Aeroporto de Tromsø, Langnes
Programa de milhagem EuroBonus
Aliança comercial Star Alliance
Frota 45 aeronaves
Destinos 47
Slogan Hele Norge. Hele tiden. (Norwegian).
All over Norway. All the time. (English).
Sede Widerøes Flyveselskap AS, Langstranda 6, Postboks 247, N-8001 Bodø
Pessoas importantes Stein Nilsen (CEO)
Sítio oficial https://www.wideroe.no/en/


Widerøe's Flyveselskap AS, conhecida apenas como Widerøe, é uma companhia aérea norueguesa e é a maior companhia aérea regional que opera nos países nórdicos. A sua frota composta por 41 aviões Bombardier Dash 8 e 1 avião Embraer 190E-2 serve 41 destinos domésticos e 6 destinos internacionais. A Widerøe tem um volume de negócios de 2,9 bilhões de kr; transporta 2 930 000 de passageiros anuais; tem 3 000 funcionários e executa 400 decolagens e aterragens por cada dia. Obrigação de serviço público de serviços para os aeroportos regionais compõem um pouco menos da metade do Widerøe operações. A obrigação de serviço público para os aeroportos regionais representa um pouco menos da metade das operações da Widerøe. Os restantes serviços são para aeroportos principais no norte da Noruega, e serviços a partir do Aeroporto de Sandefjord, Torp e do Aeroporto de Bergen, Flesland para outros aeroportos principais e alguns serviços internacionais a partir do Aeroporto de Oslo Gardermoen; Sandefjord, Torp; Kristiansand, Kjevik; Stavanger, Sola; Bergen, Flesland e Trondheim, Værnes.

A sede da empresa fica em Bodø, embora mantenha um grande centro administrativo em Lysaker.[2] As principais bases são o Aeroporto de Sandefjord, Torp, Aeroporto de Bodø, Aeroporto de Tromsø, Langnes, Aeroporto de Bergen, Flesland e Aeroporto de Oslo Gardermoen. As operações da Widerøe estão focadas no trânsito ponto-a-ponto, embora a companhia aérea essencialmente alimente companhias aéreas de curso médio e internacional. A Widerøe possui acordos de interline e participa da EuroBonus para voos internacionais.

A companhia aérea foi fundada em 1934 e estava envolvida em várias actividades gerais de aviação. Em 1936, Widerøe iniciou voos de hidroavião e, a partir de 1940, voos de ambulância. Durante as décadas de 1940 e 1950, a companhia aérea aumentou as suas rotas de hidroaviões e estabeleceu uma frota baseada nas aeronaves de Havilland Canada DHC-3 Otter e Noorduyn Norseman. A partir de 1968, a Widerøe começou a voar para STOLports construídos no norte e oeste da Noruega usando DHC-6 Twin Otters, e mais tarde também com o de Havilland Canada Dash 7. Em 1989, a Widerøe comprou a Norsk Air e começou a prestar serviços em Sandefjord. Durante os anos 90, substituiu todas as suas aeronaves por aeronaves de Havilland Canada Dash 8; nos anos 2000 foi comprada pelo Grupo SAS e assumiu as operações da SAS Commuter no norte da Noruega. Em 2010, a Widerøe assumiu os serviços regionais da SAS no oeste da Noruega.

Índice

HistóriaEditar

 
Carregamento de uma aeronave Stinson Reliant em Oslo, em 1936
 
Um Waco RNF, em Ingierstand, em 1937

A Widerøe foi fundada sobre as fundações de dois pequenos operadores de aeronaves. A primeira foi a empresa Lotsberg & Skappel. A outra foi a Widerøe & Bjørneby, fundada por Viggo Widerøe e Halvor Bjørneby. Durante o Inverno, eles estacionavam as aeronaves em resorts nas montanhas e geravam receitas lançando esquiadores na natureza. Foram introduzidos os voos publicitários, nos quais uma empresa ou o nome de um produto era pintado na fuselagem de uma aeronave, com uma versão de luz neon por baixo, e os panfletos caíam no meio do voo.[3]

No dia 19 de Fevereiro de 1934, a Widerøe's Flyveselskap A/S foi fundada por Viggo Widerøe, Einar Isdahl e Arild Widerøe. Em 1935, a empresa entrou no negócio da cartografia. Em 1937, a empresa fez 44 voos ao longo da costa da Antártica, cobrindo 4 000 km de costa e pelo menos 50 km para o interior. Esses voos foram encomendados por Lars Christensen para a cartografia. Durante 1938, a oficina da empresa em Bogstad e a Birger Hønningstad iniciaram uma joint venture na qual a Widerøe construiu a aeronave Hønningstad Norge.

Após a eclosão da II Guerra Mundial, todos os pilotos foram recrutados para o serviço militar e houve uma proibição da aviação civil. Em 1940, a empresa iniciou voos aéreos de ambulância para os militares. Após a invasão alemã da Noruega, muitos dos pilotos e aeronaves da Widerøe foram levados para Mjøsa, onde serviram como parte da defesa norueguesa. Todas as aeronaves civis ficaram em terra durante a Ocupação Nazi na Noruega e as autoridades alemãs exigiram a entrega de magnetos e hélices. A oficina em Bogstad foi mantida ocupada com a produção de trenós de ambulância para os militares alemães. Em segredo, a empresa também começou a construir o avião-ambulância Hønningstad C-5 Polar em Bogstad.[4]

Após a libertação da Noruega em 1945, ainda houve uma proibição de voos, e os funcionários em Bogstad foram contratados pela Força Aérea Real Norueguesa no Aeroporto de Oslo, Fornebu. A empresa recebeu permissão para voar a partir de 2 de Fevereiro de 1946. Em 1947, a Forenede Industrier comprou a maior parte da empresa. Viggo Widerøe foi novamente contratado como director administrativo.[5]

Em 1948, a empresa fundiu-se à Polarfly, baseada em Narvik, e mudou o seu nome para Widerøe's Flyveselskap & Polarfly A/S. No ano seguinte, a empresa iniciou uma operação de fotografia aérea. Em 1953, a empresa optou por se diferenciar e iniciou a produção de jangadas de emergência; garagens refrigeradas em alumínio; e elementos térmicos para a indústria. Em 1954, a empresa recebeu um subcontrato da Scandinavian Airlines System (SAS), o sucessor da DNL, para operar uma rota de hidroavião de Tromsø via Alta, Hammerfest e Kirkenes para Vadsø. Para este percurso, a empresa adquiriu o seu primeiro de Havilland Canada DHC-3 Otter.[6] Em 1 de Julho de 1958, a empresa mudou o seu nome de volta para Widerøe's Flyveselskap A/S.

Em 1969, Per Bergsland substituiu Viggo Widerøe como CEO. Em 1970, a empresa foi dividida em duas partes: a divisão de fotografia aérea foi vendida para a concorrente Fjellanger e a nova empresa Fjellanger Widerøe foi criada. Os serviços agendados permaneceram com a Widerøe. O último hidroavião da companhia aérea foi desativado em 1971. Em abril de 1980, a Widerøe iniciou um serviço internacional em nome da SAS.

DestinosEditar

A Widerøe recebeu contratos de obrigações de serviço público do Ministério dos Transportes e Comunicações da Noruega para conectar os aeroportos regionais aos aeroportos principais. Vinte e cinco desses aeroportos foram servidos num contrato de 1 de Abril de 2009 a 31 de Março de 2012, com a empresa tendo perdido a oferta de serviços para três. Os serviços conectam comunidades e cidades menores a centros regionais e a aeroportos principais que prestam serviços a partir de aviões a jato.

Oito aeroportos em Finnmark e um em Troms estão conectados ao Aeroporto de Tromsø, com um número limitado de serviços que também conectam dois dos três aeroportos principais em Finnmark - Alta e Kirkenes. Entre Tromsø e Bodø, a Widerøe serve seis aeroportos, dos quais dois se conectam a Tromsø e todos a Bodø. Ao sul de Bodø, há seis aeroportos em Helgeland e Namdalen, todos conectados ao aeroporto de Bodø e Trondheim, Værnes. Em Sogn og Fjordane e Sunnmøre, a Widerøe conecta quatro aeroportos ao Aeroporto de Oslo, Gardermoen e ao Aeroporto de Bergen, Flesland.[7]

O principal transporte doméstico da Widerøe entre aeroportos principais é da sua base no aeroporto de Sandefjord, Torp. Os serviços são prestados até cinco vezes por dia para Trondheim, Stavanger e Bergen, bem como serviços sazonais para Bodø e Tromsø. No norte da Noruega, a Widerøe opera alguns serviços que ligam os aeroportos principais, incluindo as ligações de Tromsø a Alta, Hammerfest, Kirkenes e Vadsø, e ligando o aeroporto de Harstad/Narvik, Evenes a Tromsø, Bodø e Trondheim.[8]

Os serviços internacionais são fornecidos de e para cinco aeroportos noruegueses para sete aeroportos estrangeiros na Suécia, na Dinamarca e no Reino Unido. De Sandefjord e Trondheim, a Widerøe conecta-se ao hub da Scandinavian Airlines no Aeroporto de Copenhaga. De Oslo, a Widerøe opera quatro serviços diários para o Aeroporto de Gotemburgo-Landvetter, na Suécia, bem como rotas de Verão para o Aeroporto de Visby, na Suécia, e para o Aeroporto de Bornholm, na Dinamarca. De Bergen e Stavanger, a Widerøe serve o Aeroporto de Aberdeen, Aberdeen, Escócia, e do Aeroporto de Stavanger para o Aeroporto de Newcastle.

Em 2010, a Widerøe assumiu as rotas regionais anteriormente operadas pela SAS no oeste da Noruega; estes ligam os aeroportos de Kristiansand e Kristiansund para Stavanger e BergenHaugesund e Molde para Bergen. As aeronaves Fokker 50 da SAS serão substituídas e essas rotas serão operadas por aviões Bombardier Q300 e Bombardier Q400.[9]

Em 2016, a companhia aérea recebeu um contrato de 5 anos do Ministério de Transporte e Comunicações da Noruega para operar 13 das rotas de Obrigação de Serviço Público e começou a operar as rotas em Abril de 2017.[10]

Acordos de CodeshareEditar

A Widerøe tem acordos de codeshare com as seguintes companhias aéreas (a partir de Abril de 2018):

FrotaEditar

 
DHC-8-103 no Aeroporto de Sandane, Anda, na Noruega
 
Bombardier Dash 8-Q400 Aeroporto de Trondheim, Værnes
 
Um Embraer 190-E2, em 2018

Desde 2000, a companhia aérea opera uma frota composta inteiramente por aeronaves de Havilland Canada/Bombardier Dash 8. A partir de 2012, a Widerøe é a primeira e única companhia aérea do mundo a operar todas as variantes do Dash 8 simultaneamente, e é uma das poucas companhias aéreas que já operaram todas as variantes do Dash 8, assim como as antigas DHC-6. Twin Otter e Dash 7. Em 2008, a Widerøe era a terceira maior operadora do mundo do -100-series, atrás apenas da Piedmont Airlines e da Jazz.[12] Em Janeiro de 2017, foi anunciado que a Widerøe assinou um contrato com a Embraer para até 15 novos jatos da Embraer, com encomendas firmes de três aviões E190-E2 e direitos de compra de mais 12 jatos da família Embraer E2.[13] A companhia aérea será a primeira a operar o modelo E190-E2,[14] e é o primeiro tipo de aeronave a jato, anteriormente com uma frota de turbopropulsores. Entrega dos jatos começou no primeiro semestre de 2018.

Em Janeiro de 2017, a frota da Widerøe era composta pelas seguintes aeronaves:[15]

Frota Widerøe
Aeronave Em Serviço Encomendas Passageiros Notas
de Havilland Canada Dash 8-100 22 39
Bombardier Dash 8-Q200 3 39
Bombardier Dash 8-300 7 50
Bombardier Dash 8 Q400 11 78
Embraer E190-E2 3 1[16] 114 Cliente de lançamento, as entregas começaram em 2018
Total 45 3

Os modelos Bombardier 8-100, Bombardier 8-Q200 e o Bombardier 8-300 podem operar nos muitos aeroportos de pista curta na Noruega e a Widerøe é a principal operadora neles. Novas aeronaves desse tipo não são mais produzidas.

ServiçoEditar

Os pontos de passageiro frequente EuroBonus podem ser ganhos em todas as rotas internacionais e em todas as rotas domésticas comerciais. Os pontos podem ser resgatados em rotas internacionais e rotas domésticas que não fazem parte da obrigação de serviço público.

Café e chá de cortesia são oferecidos em todos os voos com os aviões Bombardier 8 Q400 e Bombardier 8 Q300 / 300, se o voo estiver programado para 45 minutos ou mais. Snacks e bebidas frias estão à venda se o voo estiver programado para 25 minutos ou mais, e se as condições meteorológicas o permitirem..

Nas rotas operadas nos aviões Bombardier 8 100 / Q200, lanches e bebidas frias estão à venda apenas; nestas aeronaves, devido a não haver galley a bordo, não são servidas outras bebidas para além de café e chá.[17]

Incidentes e acidentesEditar

  • Em 5 de Março de 1964 um Douglas DC-3 pegou fogo antes da decolagem no Aeroporto de Fornebu, Oslo. Todos os 18 ocupantes sobreviveram, mas o avião foi abatido. .[18]
  • Em 28 de março de 1968 um hidroavião Otter caiu em Rossfjordstraumen. Não houve mortes, mas o avião foi abatido.[19]
  • Em 11 de março de 1982 o voo 933 da Widerøe, operado por um Twin Otter com a matrícula LN-BNK, caiu no Mar de Barents, perto de Gamvik, a caminho do Aeroporto de Berlevåg para o Aeroporto de Mehamn. Todas as investigações concluíram que o acidente resultou de falha estrutural da cauda da aeronave causada por turbulência severa de ar claro. No entanto, tem havido uma controvérsia significativa em torno disso, sendo que alegam que a aeronave colidiu com um Harrier Jump Jet da Força Aérea Real Britânica a voar fora da sua área de operações designada durante um exercício da NATO.[20]
  • Em 6 de maio de 1988 o voo 710 da Widerøe, operado por um Dash 7, caiu perto de Brønnøysund, matando todos os 36 passageiros a bordo no pior acidente de sempre do Dash 7. O acidente ocorreu quando a aeronave, ao se aproximar do aeroporto de Namsos, desceu de 1500 pés para 550 pés cedo demais no procedimento de pouso, colidindo com a montanha Torghatten.[21]
  • A 12 de abril de 1990, o voo 839 da Widerøe, operado por um Twin Otter, caiu no mar um minuto após a decolagem do Aeroporto de Værøy, matando as cinco pessoas a bordo. O acidente foi causado por rajadas de vento fortes e imprevisíveis durante a decolagem, que ultrapassaram os limites estruturais da aeronave e criaram uma quebra do leme, tornando-a incontrolável. O aeroporto foi encerrado após o acidente e substituído pelo Heliporto de Værøy.[22][23]
  • Em 27 de outubro de 1993, o voo 744 da Widerøe, operado por um Twin Otter, caiu ao aproximar-se do aeroporto de Namsos a caminho do aeroporto de Trondheim, matando a tripulação e 4 passageiros. Tendo descido de 1100 pés, a aeronave deveria estabilizar a uma altitude de 500 pés, mas continuou a descer, até embater na crista de uma montanha a 6 km do aeroporto.[24][25]
  • Em 14 de junho de 2001 o trem de aterragem principal de uma aeronave Dash 8-100 colapsou ao aterrar no Aeroporto de Båtsfjord após um voo do Aeroporto de Alta, resultando em danos substanciais à aeronave. Dos três tripulantes e 24 passageiros a bordo, nenhum ferimento foi registadp. A aeronave, LN-WIS, foi abatida.[26][27]
  • No dia 1 de maio de 2005, um Dash 8-100 com matrícula LN-WIK caiu durante o pouso no Aeroporto de Hammerfest. Pouco antes de pousar, a velocidade do vento mudou e aumentou, criando vento de cauda. O aumento de vento na fasede descida foi compensado, mas foi insuficiente, e a aeronave pousou apenas com o trem de aterragen direito, com a perna falhando e a aeronave acabou por deslizar com a barriga. O avião foi abatido e a Widerøe foi criticada por permitir pousos sob fortes ventos e rajadas.[28][29] A Autoridade da Aviação Civil da Noruega impôs regulamentos mais rigorosos sobre o vento no aeroporto.
  • Em 15 de setembro de 2010 o Dash 8-100 de matrícula LN-WIF fez uma aterragem de emergência no Aeroporto de Sandnessjøen, em Stokka. Pouco antes da aterragem, a aeronave foi atingida por uma forte rajada de vento e o trem de aterragem a estibordo colapsou no pouso. Havia 39 passageiros e 4 tripulantes a bordo, todos foram evacuados em segurança.[30]
  • No dia 7 de dezembro de 2017 o Dash 8-100 de matrícula LN-WID bateu num camião de reboque durante uma tempestade no Aeroporto de Bodø. Logo após a terragem, a aeronave solicitou um camião de reboque para rebocá-los para o portão devido ao vento forte e à superfície escorregadia. O camião foi levado pelo vento e atingiu a hélice. Não houve feridos entre os passageiros e a tripulação.[31]

ReferênciasEditar

  1. ICAO Airline Designators beginning with W
  2. "Headquarters Arquivado em 2007-12-11 no Archive.is." Widerøe. Retrieved on 15 November 2009. "Widerøes Flyveselskap AS Langstranda 6 P.O Box 247 8001 Bodø Norway" and "Part of our administration is based at Lysaker just outside Oslo. Widerøes Flyveselskap AS Fornebuveien 38/40 0080 Oslo Norway"
  3. Arnesen, 1984: 6–9
  4. Arnesen, 1984: 35–39
  5. Arnesen, 1984: 42–48
  6. Arnesen, 1984: 61–67
  7. «Destinations». Consultado em 7 de abril de 2018. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2008 
  8. «About Eurobonus» 
  9. «Widerøe». Airliner World 
  10. http://www.easternairways.com/home/wideroe
  11. «World Airliner Census». Flight International 
  12. «Wideroe turns to jets with Embraer 190-E2 order». www.flightglobal.com 
  13. «Norway's Widerøe to be the E190-E2 Launch Operator». www.embraer.com 
  14. «About the company». Wideroe.no 
  15. «Widerøe buys jets to strengthen route network». thebarentsobserver.com 
  16. «In-flight meals» 
  17. «05 Mar 1964» 
  18. «28 Mar 1968» 
  19. «11 Mar 1982» 
  20. «06 May 1988» 
  21. «12 Apr 1990» 
  22. «Rapport of luftfartsulykke ved Værøy lufthavn den 12. april 1990 med Twin Otter LN-BNS» (em Norwegian). Consultado em 7 de abril de 2018. Arquivado do original (PDF) em 17 de julho de 2012  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)
  23. «27 Oct 1993» 
  24. «Rapport om luftfartsulykke ved Namsos den 27. oktober 1993 med DHC-6-300 Twin Otter, LN-BNM» (PDF) (em Norwegian)  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)
  25. «14 Jun 2001» 
  26. «Rapport om luftfartsulykke med Widerøes DeHavilland DHC-8-103 LN-WIS på Båtsfjor lufthavn 14. juni 2001» (em Norwegian)  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)
  27. «01 May 2005» 
  28. «Rapport om luftfartsulykke på Hammerfest lufthavn 1. mai 2005 med DHC-8-103 LN-WIK operert av Widerøes flyveselskap AS» (em Norwegian)  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)
  29. «Ødela understellet ved hard landing». Helgelands Blad (em Norwegian)  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)
  30. «Widerøe-fly blåste inn i slepebil på vei til gate». VG (em Norwegian)  !CS1 manut: Língua não reconhecida (link)

BibliografiaEditar

  • Arnesen, Odd. På grønne vinger over Norge. [S.l.: s.n.] 
  • Watle, Per Arne. Oppdrift i motvind. [S.l.: s.n.]