Wikipédia:Sanções disruptivas

Quando restrições contra um editor não são aplicadas com a devida consideração isso pode resultar em sanções disruptivas que impedem o objectivo principal da Wikipédia pela criação de conteúdo enciclopédico. Restringir a capacidade de um editor de contribuir para a enciclopédia é uma medida específica utilizada em último recurso e tais sanções não correspondem a medidas punitivas, mas antes a medidas preventivas que visam permitir o trabalho construtivo no conteúdo do projecto. A comunidade e os administradores devem considerar qual efeito uma sanção terá sobre a melhoria do conteúdo antes de aplicar essas restrições contra outro membro da comunidade. Sanções que não abordam todas as questões de conduta ou que restringem um editor de forma exagerada, para além daquilo que é necessário para resolver determinadas questões sobre a conduta do utilizador, pode efectivamente sufocar e prejudicar o rendimento produtivo dos editores, ao impedir que continuem comprometidos com o melhoramento do conteúdo do projecto ou mesmo afastando os membros da comunidade, desiludidos com o processo adoptado.

O ditado de que a Wikipédia não é uma questão de justiça, não respeita a importância central do tratamento ético na criação de uma comunidade de editores entusiásticos e produtivos. A equidade é um factor extremamente importante quando se discute como restringir a permissão de um editor para editar a Wikipédia enquanto uma decisão injusta pode causar danos irreversíveis ao propósito desta enciclopédia. Uma consideração importante quando se pretende restringir as permissões de um editor na contribuição, é questionar se a medida tomada pode de modo razoável, incentivar edições produtivas sem criar um impedimento desnecessário ou injustificado dessa tiragem. Sanções que falham este teste, devem ser alteradas ou revertidas o mais rapidamente possível.

Natureza das disrupçõesEditar

Presume-se que bloqueios, banimentos e outras restrições impostas por administradores ou pela comunidade sejam aplicados com o objetivo de obstar um editor ou grupo de editores e inibi-los de melhorar o conteúdo do projecto, o principal propósito da Wikipédia. Editores que se considere atuarem de maneira a perturbar tal propósito, devem ser impedidos e notificados por forma a permitir a continuada melhoria de conteúdo. Ao criar controvérsia levantando preocupações legítimas sobre o conteúdo ou fazendo edições audazes que estejam em conformidade com a política de edição podem encaixar-se na definição dicionarizada de desestabilização por caracterizar um efeito tumultuoso em certos editores e conteúdo, mas são apenas disruptivos pelo aperfeiçoamento do conteúdo, se assim agirem por meio de acções problemáticas tal como a recusa na busca de consenso quando editores se opõem a alterações. Edições audazes e debate detalhado sobre quaisquer preocupações à cerca de determinado tópico são fortemente encorajadas, mesmo que contenciosas.

Aquando das sanções aplicadas contra um editor, deve-se ter o cuidado de garantir que as acções de um editor estão de facto tendo o efeito de desestabilizar a criação e aperfeiçoamento do conteúdo. Editores numa discussão podem stressar quando confrontados com profundas divergências de opinião, rápidas alterações num artigo ou rejeição das suas próprias edições, e reagir acusando outros editores de má conduta. Apesar de causar incómodo a outros editores, não se trata por si só de um comportamento desestabilizador e sanções não devem ser aplicadas sem indicação de que as contribuições de um editor estão na verdade a impedir a melhoria de um artigo.

Mesmo quando a conduta de um editor tem sido perturbadora pode haver causas paliativas ou atributos positivos nas contribuições desse editor que tornem tais sanções ainda mais prejudiciais para o projecto do que o pressuposto inicial. É esperado que as sanções sejam cuidadosamente ponderadas, demonstrando sólida evidência de que tais medidas não afectem o ambiente colaborativo na edição da Wikipédia com quaisquer consequências adversas, mesmo que reduzidas. Quando uma sanção impede o trabalho produtivo sobre o conteúdo do projecto de forma mais expressiva do que qualquer que seja o benefício que a medida adoptada tenha sobre o mesmo, deve-se atentar que este possui um carácter prejudicial ao principal objectivo do projecto, na criação e melhoria do conteúdo.

Responsabilidade dos administradoresEditar

Aos administradores são concedidas ferramentas avançadas que requerem um certo nível de cuidado. A capacidade de inibir outros membros da comunidade refestele um impacto significativo na criação e melhoria de conteúdo enciclopédico. Considerada tamanha responsabilidade, espera-se que os administradores actuem em coerência com a incumbência atribuída à sua função. Os administradores actuais e os que aspiram tais ferramentas, devem considerar que a "nobreza implica obrigações", apelando para o princípio de que quem afirma ser nobre deve coordenar para si mesmo a própria nobreza. Os administradores devem demonstrar um alto nível de serenidade e imparcialidade, distinguindo-se por isso, de modo geral, da restante comunidade, e se carecentes de tais atributos devem abster-se de actuar na área administrativa.

Se a comunidade levanta sérias preocupações acerca do uso das ferramentas de determinado administrador sobre uma situação crítica na qual se encontra envolvido, não deve intervir enquanto administrador, abstendo-se do uso das ferramentas para tentar resolver o conflito. Quando questionados sobre a sua actuação, os administradores devem ser capazes de apontar especificamente casos de conduta imprópria e esclarecer em que é que se basearam para a tomada da uma decisão. Isto não só pode garantir uma justificação clara para as acções aplicadas aos editores, como também proporcionar-lhes uma ideia de como melhorar a sua conduta. É preferível que tais explicações sejam fornecidas de imediato e antes ou quando exercida a acção administrativa. Ao administrador que falha repetidamente em providenciar uma defesa clara para as decisões e acções administrativas executadas, pode-lhes ser negado o uso das ferramentas. Isto não deve ser interpretado como um quesito que deve ser cumprido ao responder a repetidas dúvidas que lhes forem colocadas, mas como uma maneira de providenciar uma explicação que justifique restringir as permissões de uso de um editor e impedi-lo de contribuir.

Partindo do principio da boa-féEditar

É importante que administradores julguem as contribuições de um editor presumindo que a sua intenção não é prejudicar o projeto. Quando a má-conduta de um editor é sublinhada durante uma discussão, deve-se considerar que as eventuais questões comportamentais não passam de um desanuviamento sobre a conduta anterior e não um mero ato reiterado e regular do usuário. A melhoria da conduta é um sinal de que o editor está a responder com boa fé aos problemas da comunidade, pelo que sanções mais severas para determinadas transgressões menores das normas, apenas desencorajam o editor de melhorar o comportamento, agravando mais ainda a situação.

Em circunstâncias de má-conduta, deve-se ter em consideração o cuidado para análise devidamente o problema e saber resolve-lo da melhor forma. Um editor ou grupo de editores podem perseguir agressivamente outro editor por conta da frustração relativamente a uma disputa de conteúdo, incitando esse editor a cometer algum erro, nomeadamente recorrendo ao xingamento; talvez por falta de comunicação sobre um ponto importante pode motivar um mal entendido. Se um administrador não está disposto a encarar com boa-fé e tentar encontrar pequenos detalhes atenuantes, preferindo partir para acções com base na aparência e agindo sozinho, pelo princípio do "quero, posso e mando", é muito provável que esse tipo de julgamento conduza a sanções disruptivas contra um editor, que ficará confuso sobre a medida tomada, fazendo com que estes se tornem menos inclinados a respeitar as decisões administrativas, levando-os até mesmo a rejeitá-las. O principal ponto para assumir a boa-fé sobre a má-conduta é compreender que a comunidade consiste em seres humanos imperfeitos que nem sempre agem de forma coerente com a política por razões que podem não ser deveras tão evidentes quanto o desejado numa primeira leitura sobre determinada disputa.

Uma colocação necessária a considerar é que questionar as declarações de um editor não é o mesmo que assumir má-fé. Editores que procuram sanções estão menos propensos a apresentar uma explicação de forma neutra e detalhada dos eventos como a má-conduta relativa a um editor, e procuram de alguma maneira sancionar, havendo a possibilidade de as declarações desse editor poderem ser confusas e desorientadoras. Os administradores devem também estar abertos à possibilidade de que um editor está sujeito a sanções por clara má-fé ou devido a uma vingança por conflitos anteriores, pelo que só deve fazer uso das acções administrativas quando existem fortes evidências que suportem tal conclusão. Não deve haver uma especulação de que tal evidência possa ser fornecida por outros, na expectativa de que os administradores examinem as questões relevantes, que por conveniência não tenham sido antes mencionadas.

Consequências de improbidade administrativaEditar

Se os administradores falham em aderir aos padrões que se espera cumprirem quando aplicadas medidas contra editores, as consequências podem verter para um modelo disruptivo. Isto pode perenizar sentimentos de negligência, crueza e abuso por uma elite que a Wikipédia se dedica ostensivamente a mitigar ao permitir que qualquer pessoa apta ao trabalho contribua para a criação e disseminação de matéria educacional, que era antes reservada a um grupo selecto de editores. Isto previne os editores do sentimento de que as suas contribuições são valorizadas por causa do seu estatuto e, desse modo, desencoraja-os de editar.

Discussões da comunidadeEditar

A má-conduta administrativa não é o único problema que pode dar origem a sanções disruptivas. As discussões da comunidade que visam aplicar medidas no sentido de sancionar, normalmente podem trazer interpretações afectadas pelo viés onde a argumentação de editores com preconceitos pessoais contra outro editor ou grupo de editores, possivelmente devido a interaCções passadas ou percepções sobre um ponto de vista do usuário em determinada disputa, pode levar a que editores não envolvidos fundamentem os seus argumentos com base na percepção tida por vários editores que manifestaram as mesmas preocupações, sendo por isso, ipso facto evidência de má conduta. Os editores podem ser ultrapassados em discussões da comunidade sobre o comportameno ao serem-lhes aplicadas restrições exageradas e desnecessárias que têm um efeito ainda mais negativo sobre a disposição e apetência do editor em contribuir do que a improbridade administrativa, sendo que muitas vezes existe um sentimento de inutilidade e perseguição.

Ver tambémEditar

NotasEditar