Abrir menu principal

XVII dinastia egípcia

A XVII dinastia egípcia foi a última governada por faraós hicsos, e tinha governantes centrais hicsos na capital Aváris e governantes rebeldes egípcios, apoiados pela casta sacerdotal, que exerciam um poder paralelo sobre o Alto Egito, tendo Tebas como sua capital.

HistóriaEditar

Essa foi uma dinastia marcada por diversos conflitos na tentativa de expulsar os invasores hicsos do Egito, o quê só foi conseguido, aproximadamente, no ano de 1550 a.C.[1] quando Amósis I (em egício antigo Ahmses) expulsou finalmente o último governante Hicso, fundou a XVIII dinastia e iniciou o período conhecido como Império Novo.

Após tomar o poder, os egípcios apagaram o nome dos governantes hicsos e retrataram seus antepassados como governantes verdadeiros, por isso durante muito tempo houve certa confusão sobre quem detinha o poder central nesta dinastia.

A vitória sobre os hicsosEditar

Taá II, com o apoio dos sacerdotes e da população egípcia, conseguiu guiar seus exércitos de tebas, cercar e tomar Mênfis e depois tomar a, então, capital Tânis. Depois que avançou com seus exércitos sobre Tânis, Apopi I se refugiou na fortaleza dos Hicsos, Aváris, a qual foi tomada mais tarde por Amósis no começo da XVIII dinastia

Lista de faraósEditar

A XVII dinastia teve dois poderes paralelos, o central dos hicsos e faraós egípcios apoiados pela casta dos sacerdotes que governavam o Sul. Após a derrota final dos hicsos, por Amósis, alguns nomes de faraós hicsos foram apagados propositalmente, bem como os registros de sua história e datas de reinados.

Faraós egípcios (as datas de reinados são desconhecidas ou incertas)

Notas e referências

  1. Grandes Império e Civilizações - O Mundo Egípcio Vol.1 pg.36 - Tradução de Maria Emília Vidigal, Edições del Prado, 1996
Precedido por
XVI dinastia
Dinastias faraónicas
Sucedido por
XVIII dinastia
  Este artigo sobre Egiptologia é um esboço relacionado ao Antigo Egito. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.