Abrir menu principal

Samas

(Redirecionado de Xamaxe)
Samas (sentado), descrito como entregando os símbolos da autoridade de Hamurabi (relevo na parte superior da estela do código de leis de Hamurabi)

Samas[1][2] (em acadiano: Šamaš - Shamash - lit. "Sol"), também referido como Chamache,[3] era uma deidade mesopotâmica nativa e o deus sol no panteão acádico, assírio e babilônico. Samas foi o deus da justiça na Babilônia e Assíria, correspondendo ao deus Utu sumério.

Era filho de Sin e Ningal, e irmão, por parte de mãe e pai, de Istar. Ele era o juiz do céu e do mundo do além.[4]

O templo de Samas em Sipar havia sido reconstruído por Nabucodonosor, mas, depois de quarenta e cinco anos, estava começando a ruir, porque Nabucodonosor não havia descoberto as fundações do templo. Nabonido removeu o deus do templo, dando a ele outra residência, e encontrou as fundações do templo, que haviam sido feitas no reinado de Naram-Sin, filho de Sargão, que havia reinado, segundo Nabonido, três mil e duzentos anos antes.[Nota 1] Nabonido refez as fundações do templo, e manteve a inscrição com o nome de Naram-Sin, que ele havia encontrado.[4]

O "Sol" do acadiano šamaš é cognato ao hebraico שמש šemeš e árabe شمس šams.

HistóriaEditar

Samas deriva do acádico Šams, que queria dizer Sol, tal como ainda hoje no árabe moderno. Entra no nome compósito dos reis assírios Sansiadade, invocação simultânea de Samas e de Adade.

Notas e referências

Notas

  1. O valor mais aceito por historiadores modernos é de cerca da metade deste valor.

Referências

  1. Enciclopédia Barsa. 5. [S.l.: s.n.] 1967 
  2. Dicionário das mitologias europeias e orientais. [S.l.]: Cultrix. 1973. p. 128; 130; 136 
  3. Dias 2006, p. 61.
  4. a b Nabonido, Cilindro de Nabonido [em linha]

BibliografiaEditar

  • Dias, Geraldo J. A. Coelho (2006). As religiões da nossa vizinhança: História, Crença e Espiritualidade. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto 
  Este artigo sobre mitologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.